Polícia Federal

17 mai10:22

PRF apreende mais de mil frascos de lança perfume em Dionísio Cerqueira

[Atualizado 11h13]

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Por volta das 4 horas da madrugada desta quinta-feira Policiais Rodoviários Federais apreenderam na BR 163, próximo ao trevo com a BR 280, em Dionísio Cerqueira, 1.080 frascos de lança perfume. Quatro mulheres foram presas em flagrante pelo crime de tráfico de entorpecentes. Uma adolescente que acompanhava as mulheres e o motorista do táxi foram encaminhados para a Delegacia da Polícia Federal.

As mulheres, todas do Rio de Janeiro, prestaram depoimento na manhã desta quinta-feira e permanecem presas na Delegacia até serem transferidas para um Presídio da região. Elas vão responder por tráfico e associação ao tráfico de drogas e corrupção de menor.

A adolescente foi entregue ao Conselho Tutelar do município e será apresentada para o Ministério Público.

Após depoimento o motorista do táxi foi liberado. – Elas confirmaram que ele não estava envolvido no caso — disse o delegado da Polícia Federal, Aroldo Barcos Burguetti.

Segundo a PRF a droga estava embalada em jornal estrangeiro e acondicionada em seis bolsas e três mochilas como bagagem dentro do veículo com placas de Barracão/PR.

A ação da PRF faz parte da Operação Sentinela, que cuida da fiscalização e segurança nas fronteiras.



Comente aqui
16 mai14:46

TJ concede liminar no Caso Marcelino Chiarello

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br*

Na sexta-feira, dia 11 de maio, o Desembargador Moacyr de Moraes Lima Filho do Tribunal de Justiça de Santa Catarina  deferiu a liminar contra a decisão do juiz Jefferson Zanini, titular da 1ª Vara Criminal da Comarca de Chapecó, que solicitava que o Instituto Geral de Perícias (IGP) de São Paulo emitisse um parecer sobre a morte do vereador Marcelino Chiarello, ocorrida no dia 28 de novembro de 2011.

De acordo com o promotor do Ministério Público (MP) de Chapecó, Jackson Goldoni , que é um dos três promotores que foram designados para o caso, o mandado de segurança encaminhado para o Tribunal de Justiça solicitava a suspensão da decisão que determinava o envio de um novo parecer ao IGP de São Paulo.

- A determinação do juiz foi ilegal uma vez que o MP, com auxílio da Polícia Federal e do Grupo de Apoio e Combate ao Crime Organizado (GAECO), está revisando os laudos e buscando uma nova análise pericial – disse o promotor.

No documento assinado pelo desembargador consta que a produção de provas comandada pela autoridade judicial é uma medida excepcional e que no momento não é necessária.

- Além do juiz ter determinado que o Instituto Médico Legal do Estado de São Paulo procedesse ao exame do material encartado no inquérito policial, fornecendo quesitos (fls. 18/21), ainda fez contato pessoal, por meio telefônico e por mensagem eletrônica, com o Diretor (fl. 22) – disse o desembargador no documento.

Ele complementa ainda dizendo que a decisão combatida não demonstra a urgência e relevância da produção da referida prova. Embora seja necessário esclarecer se houve suicídio ou homicídio, e existam divergências nos laudos periciais elaborados.

>> Polícia Federal entra no Caso Chiarello

Entenda o caso:

O vereador Marcelino Chiarello foi encontrado morto no final da manhã do dia 28 de novembro, no quarto de visitas de sua casa, pela mulher e o filho. Ele estava enforcado na janela, aparentando suicídio. No entanto a Polícia Civil avaliou que o suicídio teria sido forjado e deu entrevista nesse sentido.

O primeiro laudo do médico legista de Chapecó, Antônio de Marco, apontava para homicídio, em virtude de alguns ferimentos na cabeça e nariz e dois sulcos nos pescoço. Mas laudos complementares de peritos do Instituto Geral de Perícias de Florianópolis apontaram suicídio como causa da morte.

Após três meses de investigação a Polícia Civil concluiu o inquérito apontando como causa da morte o enforcamento mas não concluiu se houve homicídio ou suicídio. O Ministério Público decidiu continuar as investigações em virtude das dúvidas entre os laudos.


* colaborou Darci Debona.


Comente aqui
02 mai19:08

Polícia Federal vai atuar no Caso Chiarello

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A Polícia Federal vai atuar nas investigações da morte do vereador Marcelino Chiarello, ocorrida no dia 28 de novembro do ano passado. A informação foi confirmada hoje pelo delegado da Polícia Federal de Chapecó, Oscar Biffi.

Ele afirmou que um despacho do Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, foi publicado no dia 18 de abril, determinando que a Polícia Federal apure as circunstâncias e causas da morte do vereador.

A delegacia de Chapecó já solicitou os laudos para a Justiça e aguarda o recebimento dos documentos para fazer análise.

De acordo com o deputado federal Pedro Uczai (PT), a decisão do ministro partiu de uma solicitação do Ministério Público, que está dando continuidade ao inquérito da Polícia Civil, que foi inconclusivo.


Instituto Médico Legal de São Paulo entrará nas investigações

O juiz de Direito Jefferson Zanini, titular da 1ª Vara Criminal da Comarca de Chapecó, na qual tramita o inquérito policial que apura a morte do vereador Marcelino Chiarello, decidiu buscar uma “terceira opinião” em relação a causa mortis do político e determinou que o Instituto Médico Legal de São Paulo examine as provas e emita seu parecer técnico sobre o caso.

Na decisão, o magistrado esclarece que existem divergências entre o médico legista de Chapecó e seus colegas de Florianópolis, com indicações conflitantes sobre as causas da morte de Marcelino.

A direção do IML paulista havia se colocado à disposição para auxiliar no desfecho do caso. O juiz Zanini, por outro lado, acolheu proposição do Ministério Público para indeferir pleito feito pelo advogado de familiares da vítima no sentido de desconsiderar os pareceres elaborados por peritos do IML catarinense. Segundo o magistrado, os documentos são de interesse da Justiça Criminal.


>> Ato marca cinco meses da morte de Marcelino Chiarello

Comente aqui
02 mai07:59

Tensão na aldeia

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A Polícia Federal de Chapecó está monitorando o possível deslocamento de indígenas para a aldeia de Toldo Chimbangue, em Chapecó. De acordo com o delegado Oscar Biffi, há rumores de que índios de outras terras poderiam se deslocar para Chapecó, em virtude de uma briga ocorrida no final da tarde de domingo, que resultou em uma morte, um baleado, uma pessoa com a mão decepada e vários feridos.

Nesta terca-feira um grupo de lideranças do Toldo Chimbangue foi até a Polícia Federal e ao quartel do 2º Batalhão de Polícia Militar solicitar medidas de segurança e proteção.

A briga ocorreu numa festa da comunidade, que além de comemorar a passagem do Dia do Índio, ocorrida no dia 19 de abril.

O conflito teria iniciado entre simpatizantes do cacique eleito, Idalino Fernandes, que já estavam na festa, e simpatizantes do candidato derrotado, Valmir Fernandes, que teriam chegado por volta das 17h30. No conflito foi morto Araci Fernandes, 21, anos irmão do candidato derrotado, Valmir Fernandes, que era o cacique anterior. A eleição foi realizada no dia 15 de abril por sugestão da Justiça Federal, em virtude de uma disputa de poder que já havia na comunidade.

Uma nova reunião na Justiça Federal de Chapecó está agendada para esta quarta-feira, às 14 horas, com lideranças indígenas e representantes da Fundação Nacional do Índio (Funai).


Comente aqui
26 abr10:30

Gaúcho é preso por tráfico de drogas no Extremo-Oeste

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Policiais Federais de Dionísio Cerqueira, no Extremo-Oeste, com auxílio da Força Nacional, prenderam em flagrante um gaúcho, morador da cidade de Passo Fundo por tráfico de drogas na noite desta quarta-feira. Com ele os policiais encontraram 100 gramas de cocaína na forma de crack e mais 16 quilos de maconha que estavam na mala dele.

A apreensão foi durante uma revista de rotina em passageiros e bagagens na rodoviária de Barracão, cidade paranaense que faz divisa com Dionísio Cerqueira. Ele estava em um ônibus que fazia a linha Medianeira/PR – Caxias do Sul/RS.

De acordo com o delegado Marcio Antonio Lelis Anater, o homem disse aos policiais que é usuário de crack e que estaria levando a droga para uso próprio e para comercialização. Ele contou ainda que comprou os entorpecentes próximo da Ponte da Amizade em Foz do Iguaçu/PR e retornaria para cidade gaúcha onde faria a comercialização.

Ele está preso na Delegacia da Polícia Federal de Dionísio Cerqueira por tráfico interestadual.



Comente aqui
18 abr20:52

Comando internacional mobiliza forças brasileiras e argentinas

Na terça-feira, dia 17, a Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal, Polícia Militar catarinense, Receita Federal brasileira e Gendarmeria argentina realizaram o comando internacional na região de Dionísio Cerqueira.

O objetivo da ação é combater a criminalidade e aproximar os oficiais que atual na região de fronteira entre Brasil e Argentina

No final da noite um veículo Uno foi abordado no Km 121, da BR 163. Dentro dele foram encontrados 50 munições de calibre 38 e 10 munições de calibre 22.

O condutor, um masculino de 27 anos, foi preso em flagrante e conduzido para a delegacia de Polícia federal de Dionísio Cerqueira.


Comente aqui
16 abr10:16

Homem é preso com 20 Kg de crack em Dionísio Cerqueira

[atualizado 10h33]

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

A Polícia Federal de Dionísio Cerqueira prendeu na noite deste domingo um homem por tráfico transnacional de drogas. Com o paranaense os policiais encontraram 20 Kg de cocaína na forma de crack . Os 20 pacotes da droga estavam escondidos entre a lataria e a forração do veículo Monza.

A apreensão foi realizada pela Polícia Rodoviária Federal, dentro da Operação Sentinela, no posto da Cidasc, na BR 163.

O homem, que trabalha como vigilante, disse ao delegado da Polícia Federal, Marcio Antonio Lelis Anater, que aceitou fazer o transporte, pois estaria passando por problemas financeiros. Ele vinha de Foz do Iguaçu/PR e seguia para Rio Grande no estado gaúcho.

O homem está preso e a disposição da justiça em Dionísio Cerqueira.

A droga será periciada e depois deverá ser incinerada.


Comente aqui
30 mar16:39

Falso enfermeiro pagou fiança e foi solto em Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

O falso enfermeiro, preso na noite desta quinta-feira em Chapecó pelo crime de falsificação de documentos, foi solto. Ele pagou fiança no valor de R$ 1.866,00  e foi liberado no meio da tarde desta sexta-feira do Presídio Regional de Chapecó. Agora ele vai responder pelos dois processos em liberdade.

Segundo o delegado da Polícia Federal Oscar Biffi, o inquérito deve ser concluído em até 30 dias e será encaminhado para a Justiça.

A prisão do falso enfermeiro aconteceu após denúncia encaminhada para o Regional de Enfermagem em Santa Catarina – Coren/SC, de que ele atuava com documentação falsa. As investigações iniciaram em dezembro de 2011.

Ele apresentou histórico escolar e diploma de graduação acadêmica de Bacharel em Enfermagem falsos ao Coren/SC, onde solicitou a sua inscrição definitiva como enfermeiro. – Ele usou de forma fraudulenta para conseguir a Carteira de Identidade Funcional de Enfermeiro, expedida pelo Conselho Federal de Enfermagem – disse a presidente do Coren/SC, Felipa Amadigi.

Felipa disse ainda que o falso enfermeiro estava sendo investigado desde dezembro de 2011, após denúncia, pelos crimes de falsificação de documento público e uso de documento falso. Os autos do IPL 031/2012-DPF/XAP/SC, foram instaurados em 13 de fevereiro de 2012.

Na hora da prisão ele estava no Hospital Regional de Chapecó – HRO supervisionando alunos de um curso técnico de Enfermagem. O HRO encaminhou nota dizendo que o falso enfermeiro não possui nenhum vinculo com a unidade de saúde. O hospital mantém convênios com escolas e universidades para estágio das conveniadas. A supervisão é feita por professores das respectivas instituições de ensino.



Comente aqui
30 mar11:43

Falso enfermeiro é preso em Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

A Polícia Federal de Chapecó prendeu em flagrante na noite desta quinta-feira, dia 29, um enfermeiro que atuava como documentação falsa. Na hora da prisão ele estava no Hospital Regional de Chapecó supervisionando alunos de um curso técnico de Enfermagem. Uma enfermeira fiscal do Conselho Regional de Enfermagem em Santa Catarina – Coren/SC acompanhou os policiais.

Ao ser questionado, o homem afirmou que era enfermeiro. Ele apresentou a Carteira de Identidade Funcional e confirmou que estava supervisionando alunos de uma escola particular de Chapecó. Ao assumir o fato os policiais deram voz de prisão em flagrante ao homem pelo crime de uso de documento falso. Ele foi conduzido para a Delegacia de Polícia Federal em Chapecó.

Ele apresentou histórico escolar e diploma de graduação acadêmica de Bacharel em Enfermagem falsos ao Coren/SC, onde solicitou a sua inscrição definitiva como enfermeiro. – Ele usou de forma fraudulenta para conseguir a Carteira de Identidade Funcional de Enfermeiro, expedida pelo Conselho Federal de Enfermagem – disse a presidente do Coren/SC Felipa Amadigi.

Felipa disse ainda que o falso enfermeiro estava sendo investigado desde dezembro de 2011, após denúncia, pelos crimes de falsificação de documento público e uso de documento falso. Os autos do IPL 031/2012-DPF/XAP/SC, foram instaurados em 13 de fevereiro de 2012.

Segundo o delegado da Polícia Federal Paulo Palma, as penas pelos crimes variam de dois a seis anos de reclusão, além de multa.

O preso foi encaminhado para o Presídio Regional de Chapecó.


Comente aqui
29 mar11:43

Servidores Federais fazem mobilização “Fronteira Protegida, Brasil Seguro” em Dionísio Cerqueira

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Nesta quinta-feira, dia 29, os servidores da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e da Receita Federal do Oeste Catarinense realizam mobilização em Dionísio Cerqueira. O ato com o tema “Fronteira Protegida, Brasil Seguro” é em defesa dos órgãos de fronteira e está sendo realizada em todos os postos fronteiriços do país. Apesar da mobilização a atuação segue normal na fronteira.

Segundo a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Sindicato Nacional dos Analistas-Tributários da Receita Federal do Brasil (Sindireceita) e Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF) o dia de mobilização é para alertar a sociedade para os graves problemas que os servidores enfrentam atualmente nas áreas fronteiriças.

- Pretendemos levar ao conhecimento da população a falta de estrutura que estas instituições possuem – disse o diretor de Estratégia Sindical da Fenapef, Paulo Paes.

As entidades também reivindicam a imediata implantação do “adicional de fronteiras” para aqueles que trabalham nesses locais. – Temos problema de efetivo nos postos de fronteia. Muitos policiais não querem se fixar no local, e esse adicional seria um estímulo para que os policiais fiquem nas fronteiras por mais tempo – disse o agente da Polícial Federal de Dionísio Cerqueira, Eduardo Maia.


2 comentários