Polícia Militar

31 jul14:43

Perseguição policial termina em acidente e adolescente apreendido em Chapecó

Uma perseguição policial na manhã desta terça-feira terminou com acidente de trânsito e adolescente apreendido em Chapecó. Segundo a Polícia Militar (PM), uma motocicleta fugiu ao avistar a viatura. A tentativa de abordagem ocorreu depois que a PM recebeu informações sobre pessoas armadas circulando no bairro Passo dos Fortes.

Por volta das 10h15min, durante monitoramento na região, duas motos suspeitas foram avistadas na Rua Pequim, próximo à esquina com a Borges de Medeiros. Na aproximação dos policiais, uma delas parou, mas a outra fugiu.

Enquanto uma guarnição ficou no local, outra iniciou a perseguição. Na rotatória da Rio Branco com a Rui Barbosa, a motocicleta avançou a parada obrigatória e tombou depois de bater em um Corolla.

A polícia constatou que a moto era conduzida por um adolescente de 17 anos. O veículo estava com licenciamento atrasado. O rapaz tinha histórico de violência contra colegas. Nada foi encontrado com ele, mas a polícia suspeita que o jovem possa ter se desfeito de objetos enquanto fugia.

O jovem foi levado para hospital na cidade e será encaminhado às autoridades responsáveis.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
30 jul15:32

Alunos de Curso de Especialização em Trânsito de Chapecó visitam o 2º BPM

Vinte e quatro alunos do Curso de Especialização em Trânsito da Uceff Faculdades de Chapecó visitaram o 2º Batalhão de Polícia Militar. Na visita eles puderam conhecer a estrutura, equipamentos e profissionais que atuam na fiscalização do trânsito em Chapecó. Segundo o Especialista em Educação e Administração de Trânsito e Gestão Pública, João Alberto Baggio, professor da turma, esse conhecimento é de extrema importância para os futuros especialistas na área de trânsito.

Eles foram recebidos pelo 1º Tenente Mateus, comandante do policiamento e pelo Soldado Rifam da Seção de Comunicação Social do 2º BPM. Eles falaram sobre a rotina de trabalho dos policiais, de algumas estatísticas referentes à acidentes de trânsito e fiscalização. Também explicaram como alguns procedimentos, como o recolhimento do CRLV (Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo), liberando o mesmo para regularização, funcionam na prática.

O roteiro incluiu ainda uma visita à Central Regional de Emergências, onde puderam acompanhar de perto como é feito o atendimento e gerenciamento de ocorrências, bem como saber números referentes à elas e ao vídeo monitoramento.

Ao final da visita, os pós-graduandos agradeceram e ratificaram a importância da mesma, já os policiais militares se colocaram à disposição para retirar dúvidas posteriores, ou auxiliar em novas visitas a setores específicos de trânsito, por julgar de muita importância a formação de profissionais nessa área.


Comente aqui
26 jul18:31

Em 10 horas PM de Chapecó atendeu 13 acidentes de trânsito

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsoline.com.br

A Polícia Militar de Chapecó registrou nesta quinta-feira, em 10 horas, 13 acidentes de trânsito na cidade. Num deles quatro veículos se envolveram em um engavetamento. Foram registrados apenas danos materiais e ninguém ficou ferido nas ocorrências.

O engavetamento foi na Rua São Pedro, no bairro Jardim América, por volta das 13h40. De acordo com a PM dois veículos precisaram ser retirados do local com a ajuda do guincho.

Pela manhã em menos de 30 minutos, das 7h34 às 8h01, a PM atendeu cinco acidentes. Eles foram registrados no horário de pico, quando as pessoas vão para o trabalho. A pressa para chegar ao trabalho e a pista molhada devido a neblina da manhã podem ter sido algumas das causas.

A Polícia Militar recomenda que os motoristas tenham maior atenção ao dirigir, principalmente quando a pista estiver molhada, respeitar a sinalização, o limite de velocidade e manter a distância de segurança entre os veículos.


Comente aqui
24 jul15:46

Corpo de Bombeiros de Xanxerê realizou treinamento

Duas pistas, de nível médio para pesado, e o cão Pajé da raça “bloodhound”, do Canil da 4ª Companhia de Polícia Militar mostrou sua elevada capacidade de selecionar odores e agilidade na busca de pessoas. O treinamento foi realizado no Centro de Treinamento do Corpo de Bombeiros de Xanxerê. Participaram do curso 25 bombeiros da Bahia, Espírito Santo e Paraná, além de policiais militares da Força Aérea do BOPE do Paraná, no curso de busca e resgate.

Junto com a bagagem para o curso, os militares trouxeram também os fiéis colegas de trabalho, os cães, importantes aliados no socorro e busca de vítimas de catástrofes e sequestros, de drogas, e também na prisão de foragidos. Dezesseis cães, de raças como pastor alemão e labrador, estiveram em treinamento.

O cão Pajé, acompanhado dos seus condutores, soldados Sérgio Pinto de Oliveira e Edemar Luiz da Silva, participou na tarde de quinta-feira, dia 19 de julho, do treinamento de seleção de odores, após convite da coordenação do curso.

Pajé foi alvo de elogios por parte dos militares do Paraná, em especial do cabo Guimarães, que ministrou o treinamento. Nas duas pistas, o cão localizou, sem dificuldade, as pessoas que estavam em meio à área rural, sendo que na primeira pista, o instrumento de odor estava “contaminado”, pois já havia sido usado por outro cão, que não localizou o alvo. Motivo de orgulho para o comando da 4ª Companhia PM, especialmente para os policiais do canil, que diariamente estão treinando o cão.

Pajé tem cinco anos e 10 meses, e está com a Polícia Militar a quatro anos. Desde que passou a atuar em buscas, o cão teve 100% de aproveitamento, com destaque para três ocorrências em que localizou autores de assalto.


* com informações da Polícia Militar de Xanxerê


Comente aqui
24 jul10:26

Mulher foi assassinada com três tiros em Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Marli Fátima Cavalheiro, 38 anos, está sendo velada no Salão Comunitário do Bairro Quedas do Palmital. O enterro será às 15 horas no Cemitério Jardim do Éden em Chapecó. Marli foi encontrada sem vida, com dois tiros na cabeça e um nas costas. O crime foi na noite da segunda-feira, dia 23, na Rua Imperatriz, no Loteamento Dom José Gomes em Chapecó.

De acordo com o delegado Danilo Fernandes, que atendeu a ocorrência, o suspeito foi identificado.

- Ele deve se apresentar ainda nesta terça-feira – disse Danilo.

O irmão do suspeito foi encaminhado para a Delegacia após o homicídio. Ele prestou depoimento e foi liberado.

Segundo informações da Polícia Militar, Marli teria sofrido uma tentativa de homicídio no dia 14 de fevereiro deste ano. Na data ela realizou duas ligações para a PM dizendo que a casa onde morava havia sido atingida por disparos de arma de fogo.

Uma guarnição foi até o local e abordou dois homens em atitude suspeita próximo a casa da vítima. Com eles os policiais encontraram uma quantia de maconha e um revólver. Um deles assumiu a posse da arma e que teria efetuado disparos contra a casa de Marli. Os dois foram encaminhados para a Delegacia de Polícia e após prestar depoimento foram liberados.

O caso será investigado pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Chapecó.


Comente aqui
20 jul09:55

Espingarda da PM é apreendida durante tentativa de assalto na BR 153

Daisy Trombetta | daisy.trombetta@diario.com.br

Uma espingarda de calibre 12 foi apreendida na noite desta quinta-feira, dia 19, em uma tentativa de assalto na BR-153 em Água Doce, no Meio-Oeste catarinense. A arma teria sido roubada da Polícia Militar (PM).

Ela estava com quatro homens que tentaram assaltar uma van carregada com pelo menos 15 mil maços de cigarros sem procedência comprovada, que também foram apreendidos. Os suspeitos fugiram a pé e continuavam foragidos até a manhã desta sexta-feira. O carro deles foi apreendido.

Outros dois homens, que seriam os donos da carga de cigarros, foram presos em flagrante durante a ação. Um deles é policial militar aposentado e estaria atuando como escolta para a van, na tentativa de avisar sobre possíveis barreiras policiais.

A van e o veículo que fazia a escola também foram recolhidos e os suspeitos encaminhados ao Presídio Regional de Joaçaba, onde permanecem à disposição da Justiça.

A polícia investiga o caso e também deve analisar se a espingarda está entre as armas roubadas da PM de Chapecó, no Oeste, há cerca de quatro meses. Na ocasião, outras três pistolas também foram levadas pelos criminosos.


Comente aqui
19 jul09:52

Sistema de informática da Polícia Militar completa um ano sem alcançar todo o Estado

Diogo Vargas | diogo.vargas@diario.com.br

Adquirido e inaugurado há um ano, num pacote de tecnologia de R$ 3,9 milhões, o Sistema de Atendimento e Despacho (Sade) de ocorrências da Polícia Militar ainda não alcançou o Estado todo e passará por correções.

A sua eficiência foi colocada em xeque pelo Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina (Ciasc), empresa pública que cuida do sistema de informática, numa polêmica que nos bastidores também revela o racha com a Polícia Civil.

O Sade foi implantado pela Secretaria de Segurança Pública (SSP) em julho de 2011. Está em operação hoje apenas na Capital, sendo que a previsão era de já estar funcionando em pelo menos mais sete cidades. Sozinho, teria custado R$ 500 mil, mas outras tecnologias que vieram junto elevaram a soma para cifras milionárias.

Os recursos foram dos governos federal e estadual. As licitações ocorreram de forma fatiada. A compra foi direta pela SSP e não passou pelo Ciasc. E é justamente o Ciasc que elaborou agora um parecer técnico colocando em dúvida a capacidade do Sade. O relatório está com o secretário da SSP, César Grubba.

O coordenador da central de emergências da SSP, tenente-coronel Vânio Luiz Dalmarco, afirma que ainda não leu o documento. Ele disse que houve problema com a empresa vencedora da licitação, que não teria cumprido todos os requisitos do edital e, por isso, será multada em R$ 200 mil.

De acordo com ele, uma nova licitação foi feita para a manutenção do sistema. Ele informou que uma nova versão do Sade corrigirá os problemas e enfim chegará ao resto do Estado. Dalmarco garantiu que o maior resultado do Sade é, que, atualmente, não se perdem mais ligações aos serviços de emergência como acontecia no passado.

- Hoje ele perde de 10% a 15% das ligações apenas em Florianópolis, coisa que no passado nós perdíamos até 80% das ligações. É uma situação confortável – destacou Dalmarco.

Das outras tecnologias no pacote, há notícia que apenas o rastreamento da frota de viaturas estaria em pleno funcionamento – 3,2 mil carros das polícias Civil e Militar são monitorados.

O DC apurou que em setores de inteligência da segurança circulam documentos internos questionando a situação do Sade. Num deles, as informações figuram em consultas feitas pela SSP com o Ciasc, a empresa pública do Estado que executa políticas de tecnologia.

Como sugestão de melhorias, o Ciasc sugeriu o desenvolvimento de um novo sistema, haja vista a situação crítica do Sade. O Ciasc teria entendido que a sua operacionalidade deveria ficar apenas em até 30% da capacidade permitida em Florianópolis para não se ter problemas.

Consultado a respeito, o vice-presidente de Tecnologia do Ciasc, Paulo Ricardo Corrêa Bonifácio, minimizou o assunto. Ele afirma que todo sistema passa por adaptação, requer novos moldes e que não poderia falar com propriedade sobre os atendimentos, pois entende ser atribuição do usuário final.

- O que posso dizer é que, inicialmente, o Sade enfrentou muita resistência por parte de alguns tipos de usuários porque em determinadas épocas apresentava ainda funcionalidade que não atendia a todas as necessidades – resume Paulo Ricardo.

No Samu, há dificuldades operacionais para pesquisar ocorrências e para obter estatísticas específicas exigidas pelo Ministério da Saúde. As correções estariam sendo providenciadas na segunda versão do Sade.


Os pontos polêmicos do parecer do Ciasc:

A codificação do sistema foi feita de modo pobre, com erros primários de codificação e de arquitetura, com um número extremamente elevado de acessos ao banco de dados.

A base de dados foi criada a partir de um gerador baseado nas classes de persistência e não está de modo algum otimizada, sendo que nem ao menos possui índices.

O sistema é utilizado a “duras penas” pela central de atendimento de Florianópolis, mal conseguindo suportar 20 usuários simultâneos sem ficar excessivamente lento ou travar.

De acordo com as reuniões com membros da PMSC, que conhecem bem o problema proposto, o Sade não soluciona nem 30% do necessário, e que foi passado a empresa o desenvolveu, necessitando alterações em quase todas as funcionalidades atuais.

A integração do sistema com o Sistema Integrado de Segurança Pública (Sisp) não foi implementada corretamente.

O sistema não possui histórico de alterações de atendimentos, solicitações, guarnições e demais informações do banco de dados, sendo impossível rastrear alterações realizadas.

O login do sistema não possui segurança alguma, visto que, como a integração com o Sisp está mal feita, é possível logar apenas com o número de usuário, sem senha.

Fonte: Ciasc


A polêmica com a Polícia Civil

O Sade é a ferramenta da Polícia Militar no Sistema Integrado de Segurança Pública (Sisp). Nele, os PMs inserem os dados de ocorrências atendidas, além do cadastro que é feito das ligações aos números de emergência.

Ao implementá-lo, a segurança pública propagandeou o ganho da integração entre as polícias na troca de informações. Abriu-se então uma polêmica com a Polícia Civil. Até hoje há resistência entre delegados, que entendem que o Sade burocratizaria a atividade dos PMs, os quais poderiam estar inteiramente dedicados ao policiamento ostensivo.

Na prática, segundo as autoridades da SSP, o sistema não chega a gerar duplicidade de informações ou problemas de acesso a dados com os dos policiais civis. Há um ano, houve manifestações de que os passariam a registrar Boletim de Ocorrência (BO), o que foi negado pela SSP.

A reportagem apurou que um conselho dos órgãos da segurança criado para discutir esse tipo de situação não estaria operando mais. A Associação dos Delegados de Polícia (Adepol), principal questionadora do Sade no seu lançamento, não quis se manifestar.


ENTREVISTA: Tenente-coronel João Ricardo Busi da Silva, diretor de Tecnologia e Sistemas de Informação da PM/SC:

“Está nos atendendo”

Por telefone, o diretor de tecnologia da PM disse que o Sade atende ao proposto, mas que receberá correções e dificilmente será estadualizado este ano.


Diário Catarinense – Como está funcionando o Sade?

João Ricardo Busi da Silva - É claro que todo sistema precisa receber a customização e estamos customizando algumas rotinas que foram revistas. Para aquilo que ele tinha a pretensão está nos atendendo. Mas ainda está recebendo as customizações adequadas para superar o que tem a fornecer.


DC – Que correções são essas?

Buzi - Por exemplo, quando você constrói um sistema e coloca em operação sempre tem uns ajustes, o que a gente chama de refinamento. Para isso você tem que programar o desenho e a programação.


DC – Além da Capital, quais são as outras regiões que ele está atendendo? Tem previsão para outras regiões?

Buzi - Por enquanto só a Capital. A previsão para o resto do Estado é início do ano que vem, mas este ano não temos previsão para expandir.


DC – Qual seria o motivo?

Buzi - Isso tudo você tem que fazer por etapas. A etapa de preparar a customização vence daqui a uns 30, 35 dias. E aí estamos preparando um cronograma. Porque vem aí a operação Veraneio e fazer mudança é complicado. Não se muda rotina nessa época porque o número de ocorrências pode aumentar e trazer alguns transtornos. O que está sendo implantado a nível de Estado é o Sisp (Sistema Integrado de Segurança Pública). Esse até o final de novembro essa atividade estará pronta.


DC – Existe um parecer técnico do Ciasc questionando um pouco a operacionalidade do Sade, falando que ele apresentaria uma situação crítica…

Buzi - Justamente, esses ajustes é que estão sendo tratados.


DC – Esse sistema custou quase R$ 4 milhões e ainda não está 100% na íntegra…

Buzi - Não, há um equívoco aí. Esse sistema não foi R$ 4 milhões. Ele saiu na sua totalidade R$ 550 mil no máximo. Quando ele foi adquirido estava num conjunto de outras tecnologias, geoprocessamento, sistema de câmeras.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
18 jul09:50

Polícia Militar encontra três corpos, armas e malote bancário em Chapecó

[Atualizado 11h13]

Danilo Duarte | danilo.duarte@diario.com.br

O disparo de vários tiros em uma casa chamou a atenção dos vizinhos na Rua Dom Carlos Eduardo de Mello, no Bairro Presidente Médici, em Chapecó. No interior, a Polícia Militar encontrou três corpos, duas armas, rádios na frequência policial e cerca de R$ 3.200, além de coletes e um malote bancário vazio.

Quando entraram na casa, os policiais encontraram os corpos de Cassiano Fernando Morais, de 27 anos, e Daniela dos Santos Chagas, 24 anos, ambos no chão da sala. Foram achados R$ 692 com o corpo de Cassiano. Também havia 18 cápsulas de pistola 9mm e .40 espalhadas pelo chão, dois revólveres calibre 38 com o total de 10 munições intactas, dois rádios HTS sintonizados na frequência da PM e o malote verde com a logomarca do Sicoob.

Conforme os dados da PM, Cassiano tinha 17 passagens anteriores por furto, tráfico e posse de drogas. Ele estava em liberdade provisória. Esta era a mais recente tentativa de matá-lo, depois de ele ter sido atingido com três tiros, sendo um no abdômem, um na perna e outro no braço, em 26 de fevereiro.

Enquanto a Polícia Civil e os técnicos do Instituto Geral de Perícias (IGP) recolhiam os corpos e realizavam uma perícia preliminar no local quando encontraram um terceiro corpo atrás da cama, em um dos quartos, e dois coletes balísticos.

O homem, identificado nesta quarta-feira como sendo Juliano Francisco Melara, de 25 anos, estava com R$ 2,6 mil no bolso da calça. Ele tinha oito registros de crime, entre eles roubo e furtos. Também havia um mandado de prisão por roubo e extorsão emitido no dia anterior pela Comarca de Xaxim contra ele.

Uma das suspeitas da PM é que o triplo homícidio seja resultado de um acerto de contas entre os três mortos e outros criminosos, uma vez que as armas, o dinheiro e os rádios não foram levados. A Polícia Civil começará a investigar o caso a partir desta quarta-feira.

DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
17 jul11:20

PM de Chapecó prendeu homem por furto em veículo

Um homem de 21 anos foi preso na madrugada desta terça-feira em Chapecó por furto em veículo e tentativa de furto. Ele foi preso pela Polícia Militar encaminhado para a Delegacia de Polícia e já está no Presídio Regional de Chapecó.

De acordo com a PM, ele e outro homem de 32 anos, que prestou esclarecimentos e foi liberado, foram abordados por policiais no bairro Jardim Itália.

Durante revista pessoal, os policiais encontraram com o homem de 21 anos, um celular, uma máquina digital e uma touca que haviam sido furtados de um veículo que estava estacionado próximo ao local.

Ele estava também com uma parafusadeira com ponteiras, que pode ter sido utilizada na tentativa de roubo de outro veículo.


Comente aqui
10 jul10:30

PM de Pinhalzinho recebe novo veículo

O veículo Palio Adventure 1.8 16v. ano 2012 modelo 2013, foi adquirido pela Prefeitura de Pinhalzinho e entregue para a Polícia Militar do município na tarde da segunda-feira, dia 9 de julho. Participaram da entrega, o Comandante do destacamento Tenente Vilmar Rosa e o Sargento Roberto Nazário de Oliveira.

A administração investiu R$ 53 mil, através de processo licitatório com recursos de convênio de trânsito na compra do veículo.

Segundo o Comandante da PM nos próximos dias o veículo será equipado e estará à disposição da comunidade.


Comente aqui