Política

27 ago16:50

Editor de política do Diário Catarinense participa de Seminário em Chapecó

Com o objetivo de expor os trabalhos e conquistas do curso de Jornalismo da Unochapecó, ocorre nestas segunda e terça-feiras, 27 e 28 de agosto, o II Feedback. O evento, que neste ano ficou maior e acontece em dois dias, tem como local o auditório do bloco G, com início às 19h30.

Para o primeiro dia foi programada a apresentação de atividades de ensino, pesquisa e extensão do curso. Já nesta terça-feira contará com a presença do editor de política do jornal Diário Catarinense, Fábio Gadotti, que palestrará sobre “Cobertura jornalística de fatos políticos e seus bastidores”. O foco da palestra é a eleição municipal de 2012.

Fábio Gadotti é formado em Jornalismo e em Direito, com especialização em Direitos Humanos e Cidadania. Começou como repórter geral no jornal O Estado, em 1986. Trabalhou de 1991 a 2010 no jornal A Notícia, como repórter de geral, de política, editor do caderno AN Capital, em Florianópolis, e como editor de política em Joinville. Desde abril de 2010 é editor de política do Diário Catarinense, em Florianópolis.

Segundo a coordenadora do curso de Jornalismo da Unochapecó, professora Mariângela Torrescana, o objetivo da palestra é de promover a troca de ideias entre acadêmicos e profissionais do mercado de trabalho.

- A cobertura política é um tema fascinante e desafiador que exige aprofundamento do jornalista, especialmente quando os temas são polêmicos e complexos. É essa discussão que queremos trazer aos acadêmicos a partir das experiências de um profissional experiente como o Fábio – explica a coordenadora.

O conjunto de atividades que serão expostas no evento é formado por 20 Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC), 16 Projetos Experimentais (PEX) e 10 trabalhos desenvolvidos pelo grupo de pesquisa Comunicação e Processos Sócio-culturais. Alguns desses trabalhos já estão concluídos, outros em andamento.



Comente aqui
20 jul11:54

Sancionada Lei sobre a Política Municipal dos Direitos da Criança em Chapecó

Foi sancionada nesta quinta-feira, dia 19 de julho, pelo prefeito de Chapecó, José Caramori, a lei nº. 6.296, sobre a Política Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e as normas gerais de sua aplicação. Essa legislação prevê um conjunto articulado de ações governamentais da União, do Estado, do Município e de entidades não governamentais para o atendimento dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Aprovada na Câmara de Vereadores, a lei estabelece políticas sociais básicas de educação, saúde, habitação, recreação, esportes, cultura, lazer, profissionalização e outras que assegurem o desenvolvimento físico, afetivo, mental, moral, espiritual e social da criança e do adolescente, em condições de liberdade e dignidade, bem como à convivência familiar e comunitária. Também acrescenta políticas e programas de assistência social, em caráter supletivo, para aqueles que dela necessitem.

O Município destinará recursos e espaços públicos para programações culturais, esportivas e de lazer voltadas para a infância e a juventude. Poderá firmar consórcios e convênios com entidades públicas e privadas ou outras esferas governamentais para atendimento regionalizado, com prévia manifestação do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Entre os serviços especiais, a lei prevê proteção e atendimento médico e psicológico às vítimas de negligência, maus tratos, exploração, abuso, crueldade e opressão; identificação e localização de pais, crianças e adolescentes desaparecidos; proteção jurídico-social.


Comente aqui
05 jun11:22

Corpo de Marcelino Chiarello será exumado

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

O juiz Jefferson Zanini, titular da 1ª Vara Criminal da Comarca de Chapecó aceitou o pedido do delegado da Polícia Federal Oscar Biffi para que o corpo do vereador de Chapecó Marcelino Chiarello seja exumado.

De acordo com a decisão do juiz, publicada no dia 30 de maio, a justificativa apresentada pela Polícia Federal para a exumação é a necessidade da realização de um novo exame cadavérico para esclarecer algumas divergências constatadas.

>> Familiares de Chiarello não acreditam em suicídio

>> TJ concede liminar no Caso Marcelino Chiarello

- Como é o caso da existência de fraturas no nariz, fato só possível com o exame cadavérico, o que também possibilitaria a busca de novos elementos de convicção – disse.

Ainda nos autos o juiz afirma que a causa mortis de Marcelino Chiarello não foi satisfatoriamente esclarecida, uma vez que há divergência entre o laudo subscrito pelo médico legista Antônio José De Marco e os pareceres dos assinados por outros profissionais do Instituto Médico Legal.

O juiz destacou ainda que a informação técnica elaborada pelo médico legista do Instituto Nacional de Criminalística lança dúvida sobre a existência da lesão no nariz.

-  O apontamento do médico legista Antônio José De Marco, assinala que as imagens das radiografias não apresentam sinais característicos de presença de fratura no nariz – disse.

A data da exumação não foi informada.



1 comentário
23 mai16:16

Seminário na UFFS em Chapecó contribui para criação de política indígena

Ouvir experiências, refletir e discutir como serão as políticas de ingresso e permanência dos povos indígenas na Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) são os objetivos do evento que acontece nos dias 29 e 30 na Unidade Seminário da instituição, em Chapecó. O “I Encontro sobre Diversidade na UFFS: Políticas de Inclusão Indígena” é aberto à comunidade externa e as inscrições podem ser feitas através do site da instituição, até o dia 28 de maio.

O encontro inicia no dia 29, com a palestra “Política Indígena no Brasil”, com o professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), José Otávio Catafesto de Souza.

A programação do dia 30 segue com a mesa-redonda “Inclusão Indígena na Universidade: experiências de ensino, pesquisa e extensão”, da qual participam os professores da Universidade Estadual de Maringá/PR, Lúcio Tadeu Mota e Rosangela Faustino e novamente o professor da UFRGS José Otávio Catefesto de Souza.

O evento é uma ação da comissão responsável pela criação da política indígena na UFFS, formalizada em abril de 2012. Conforme o professor Elsio José Corá, a comissão tem representantes em todos os campi e procura, com o evento, abordar ensino, pesquisa e extensão com o olhar voltado à política de inclusão indígena.


Comente aqui