Prevenção

23 nov16:27

Chapecó participa da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele

Neste sábado, dia 24, profissionais da área de dermatologia vão realizar avaliações e exames gratuitos em pessoas que tenham lesões suspeitas de câncer de pele. As atividades, dentro da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer de Pele, serão desenvolvidas das 8 horas às 12 horas no Centro de Referência em Saúde Municipal (Cresm), na Rua Sete de Setembro. Esta será a 14ª edição da campanha.

De acordo com a coordenadora da campanha em Chapecó, a médica dermatologista Maria Elisabeth Bet, a atividade é realizada em parceria entre a Sociedade Brasileira de Dermatologia, Secretaria Municipal de Saúde. Cinco dermatologistas pertencentes à Sociedade Brasileira de Dermatologia, mais um Oncologista convidado e ainda os acadêmicos do curso de medicina da Unochapecó participam. Segundo ela, essa atividade é realizada todos os anos e tem o objetivo de alertar as pessoas sobre o Câncer de Pele.

Segundo a coordenadora as pessoas estão mais informadas sobre o Câncer de Pele e buscam atendimento médico quando tem alguma suspeita ou dúvida.

- As pessoas estão cuidando melhor da pele – disse a médica.

A médica disse que não serão realizadas consultas médicas, mas sim exames naquelas pessoas que tenham histórico da doença ou que tenha as características de pele propensa a doença.

- Se necessário, as pessoas serão encaminhadas ao serviço municipal de saúde, a Secretaria da Saúde, para diagnóstico ou acompanhamento -comentou.

A médica destaca alguns cuidados básicos com a pele:

- Usar filtro solar com proteção UVA e UVB e fator de proteção de no mínimo 15;

- Aplicar o filtro solar 30 minutos antes da exposição solar;

- Usar boné, chapéu e camiseta quando estiver exposto ao sol e reaplicar o protetor solar a cada duas horas.


Casos em Chapecó

Em 2011 foram atendidas 284 pessoas em Chapecó, e destas 26 apresentaram carcinoma basocelulares, cinco carcinoma espinocelular, um melanoma, 130 dermatoses, 71 pré-neoplasias e oito outros tumores.


Comente aqui
17 ago12:17

Sábado haverá campanha de prevenção contra a dengue em Chapecó

Jana Hoffmann | janaina.hoffmann@diario.com.br

A situação da dengue em Chapecó está preocupante. Por isso, será realizada neste sábado, dia 18, uma campanha de prevenção junto à população do bairro Santo Antônio, uma das áreas com maior número de infestação do mosquito, na região. Segundo Junir Lutinski, coordenador do setor de Vigilância Ambiental do município, a situação atualmente é de 363 focos, registrados em 29 bairros.

— No comparativo com mesmo período do ano passado, a área infestada mais que dobrou — ressaltou Lutinski.

Pela manhã, das 8h às 11h45min, cerca de 45 pessoas, entre funcionários municipais e estudantes da Unochapecó, irão de casa em casa para fazer a inspeção, identificação de criadouros do transmissor Aedes Aegypti, a eliminação e o tratamento. Ao mesmo tempo, a comunidade também receberá orientações de como prevenir a doença.

Segundo Lutinski, alguns fatores contribuíram para a proliferação do mosquito: o clima quente e seco durante verão e inverno, a falta de cuidados essenciais durante o abastecimento da água e a falta de preocupação da própria população.

O coordenador alerta para o envolvimento de todos nessa campanha e lembra que, em caso de dúvidas, as pessoas podem entrar em contato pelo telefone (49) 3319-1407, diretamente com a Vigilância Ambiental de Chapecó, para que possam ser atendidos prontamente.

Comente aqui
27 jul08:08

Prevenção contra a estiagem em SC

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A estiagem do último verão já se foi, deixando um prejuízo de R$ 748 milhões e 152 municípios em emergência. Para amenizar as consequências de um novo período seco os agricultores estão se prevenindo. Somente na região de Chapecó a empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Epagri) fez 80 projetos de cisternas em 2012, segundo o gerente regional, Valdir Crestani. Somente em cisternas foram investidos entre 65 e 70% dos R$ 5 milhões em projetos encaminhados ao Programa Juro Zero, do Governo do Estado, que banca o juro do financiamento bancário. O restante dos recursos foi para projetos de expansão da atividade leiteira.

Além da construção de cisternas alguns agricultores estão investindo em projetos de irrigação. É o caso de Romar Nespolo, de Marema. No ano passado ele já tinha financiado R$ 22 mil para a instalação de um sistema de irrigação em 2,8 hectares de pastagem, pegando a água de um rio que passa pela propriedade. O investimento deu resultado pois ele conseguiu manter a produção de 6,5 mil litros por mês, mesmo durante o período seco.

– A estiagem não atingiu a produção de leite – declarou.

Ele lembra que, em 2008, sua produção baixou para 2,5 mil litros por mês.

O produtor Romar Nespolo, de Marema, investiu na instalação de um sistema de irrigação.

Graças à irrigação ele conseguiu manter uma renda de R$ 5,7 mil por mês. Em compensação perdeu mais da metade da lavoura de milho, que não era irrigada.

Nespolo ficou tão satisfeito com o resultado que pegou mais um financiamento, de R$ 50 mil, para irrigar mais dois hectares e ampliar a infraestrutura de produção de leite. Além do encanamento ele comprou freezer, mas cinco vacas e construiu nova sala de ordenha.

O agricultorpegou o dinheiro do Governo Federal e se cadastrou no Programas Juro Zero, do Governo do Estado. Com isso não precisa pagar o juro, que é de 2% ao ano. Além disso terá 10 anos para pagar.

O projeto foi encaminhado pela Epagri. O engenheiro agrônomo Adilson Barella disse que há crédito disponível e os projetos de irrigação são viáveis.

– Com cinco a seis milímetros por dia é possível manter a pastagem- explicou. Ele afirmou que as pequenas propriedades situadas na bacia do Rio Chapecó não precisam de outorga de uso da água, bastando um cadastro de usuário na Secretaria de Desenvolvimento Social.

O secretário de Agricultura do Estado, João Rodrigues, disse que mais de 300 projetos foram beneficiados pelo Programa Juro Zero e mais produtores serão beneficiados com o empréstimo de R$ 60 milhões junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES). Ele afirmou que as licitações devem ser encaminhadas ainda neste ano.

Além disso afirmou que no próximo ano serão disponibilizados mais R$ 10 milhões para o Programa Juro Zero.

O coordenador da Federação dos Agricultores da Agricultura Familiar de Santa Catarina, Alexandre Bergamin, disse que os investimentos em cisternas são importantes mas devem ser disponibilizados mais recursos. Bergamin informou ainda que 15 mil a 18 mil famílias conseguiram acessar o seguro agrícola, quitando os financiamentos no banco. Mas o que preocupa ainda é que muitos produtores ficaram sem renda e por isso é necessário avançar nas políticas públicas.


Medidas do Governo do Estado

Programa Juro Zero

- R$ 10 milhões para bancar o juro de financiamentos captados pelos produtores. Esse dinheiro já se esgotou e, no próximo ano, devem ser disponibilizados mais R$ 10 milhões


Recursos do BNDES

-R$ 20 milhões ser]ao investidos na compra de duas mil cisternas com capacidade para 40 mil litros cada

-R$ 6,5 milhões para perfuração de 200 poços artesianos comunitários, com bomba e caixa de água de 20 mil litros, para as comunidades que tiveram maior problema.

-R$ 2,8 milhões para a compra de 134 distribuidores de adubo orgânico, com capacidade para seis mil litros cada, que pode ser utilizado para o transporte de água, que serão disponibilizados para os 134 municípios que frequentemente são atingidos por estiagem.

-R$ 20 milhões para subsídio de R$ 5 mil para cisternas em propriedades privadas de agricultores de baixa renda, com capacidade de 500 mil litros cada. A medida deve beneficiar quatro mil agricultores.

-R$ 9,4 milhões para subsídio de 30% do valor de financiamento de sistemas de irrigação, de até dois hectares. A medida deve beneficiar 4.780 famílias.



Comente aqui
19 jul12:31

Prevenção das Hepatites em Chapecó

Prevenir e combater a hepatites. Esse foi o objetivo de uma atividade realiza na quarta-feira, dia 18, em parceria com o Centro de Saúde da Família do bairro Eldorado e AIESEC, na Escola Básica Municipal Maria Bordignon Destri. Duas intercambistas, Amber Harris dos Estados Unidos e Alejandra Olano da Colômbia, conversaram com os alunos de 6ª e 7ª séries da escola, mostrando dados e passando informações sobre a doença. O evento faz parte da programação da Semana Municipal de Combate a Hepatites, de 23 à 27 de julho e também para marcar o Dia Mundial de Combate a Hepatite que acontece no dia 28 de julho.

De acordo com Maria Luiza Trizotto Stormovski, enfermeira coordenadora do setor de hepatites, é preciso que as pessoas façam os exames e procurem as vacinas, que tenham cuidados com a relação sexual sem proteção e também com relação aos materiais utilizados em ações que tenham sangue, como por exemplo, os alicates de cutícula.

- São pequenas ações que podem prevenir e evitar a doença – comentou.

Maria Luiza destaca ainda que o principal ponto com relação a hepatites é que a doença não apresenta sintomas na fase inicial, apenas na fase aguda e por isso a maioria das pessoas não sabem que tem o vírus da doença.

- As pessoas não devem esperar ter os sintomas para realizar o exame, sempre é importante procurar os centros de saúde e realizar os exames periódicos – explicou.

Em Chapecó o número de casos de hepatite B continua alto. O município é o que mais tem casos em Santa Catarina.


Vacina contra a Hepatites

Maria Luiza disse que podem ter acesso a vacina as pessoas menores de 30 anos, gestantes, doadores de sangue, militares, profissionais de saúde, manicures, motoristas, pessoas com doenças especificas.

- Todas as pessoas que não estão nesses grupos, devem realizar o exame, e se tudo der negativo, irão receber a vacina – disse.


Comente aqui
29 jun09:36

Prevenção da Gripe A entre idosos e crianças deve ser intensificada

Aline Rebequi | aline.rebequi@diario.com.br

Se as doenças respiratórias já são perigosas para adultos jovens para crianças e idosos o alerta precisa ser ainda mais constante. Nos últimos sete anos, 6.044 pessoas com 60 anos ou mais, morreram por conta destes vírus, além de 280 crianças com idades entre 1 e 4 anos.

Um adulto fica com os sintomas da gripe pelo período médio de sete a 10 dias, os idosos precisam do dobro de tempo para se recuperar bem. Quando estão curados, os cuidados não podem ser deixados de lado. Como têm um metabolismo mais lento, precisam de resguardo até que a saúde se recomponha totalmente.

Desde chegada do H1N1 os idosos formam o grupo de pessoas menos atingido por este tipo de vírus. Há duas hipóteses para isso. A primeira é que eles viajam menos e, por consequência, estariam menos expostos ao contágio. A segunda é que os mais velhos teriam criado anticorpos para o vírus durante a epidemia de 1957 que se espalhou pelo mundo e tinha semelhanças com a gripe atual.

Cardiopatas As infecções virais ou bacterianas podem piorar o chamado débito cardíaco, ou seja, um funcionamento considerado abaixo do ideal, e provocar problemas gerais na saúde da pessoa. Então, é muito importante minimizar o risco de infecções nesses pacientes e cuidar para que não sejam contagiados pelo vírus da gripe.

Imunodeficientes Quem tem aids ou diabetes ou passa por tratamentos pesados, como quimioterapia e radioterapia, costuma estar com o sistema imunológico em baixa, ficando mais suscetíveis a vírus e bactérias. Por isso, devem redobrar a atenção com a gripe A, que, mesmo pouco letal, pode evoluir para quadros graves em pacientes fragilizados.

Menores de dois anos Crianças muito pequenas merecem cuidados especiais porque seu organismo ainda não está maduro o suficiente e nem preparado para enfrentar os inimigos externos. São alvos mais fáceis para o vírus e possíveis complicações, como a pneumonia.

Portadores de doenças respiratórias crônicas Fumantes ou qualquer um que sofre com doenças crônicas do sistema respiratório, como asma, bronquite e enfisema, também apresentam riscos maiores de complicações por causa das alterações estruturais e inflamatórias dos brônquios e dos pulmões. O organismo já está minado por uma doença que ataca um sistema vital.

Bebês de poucos meses correm mais risco em caso de contaminação? O meu filho mama no peito, isso o torna mais resistente? Os pacientes nos extremos de idade (menor de dois anos ou maiores de 60 anos) estão mais suscetíveis às complicações da gripe A (por exemplo, pneumonia) e, consequentemente, podem apresentar maior índice de mortalidade. Esses indivíduos, assim como pessoas dos outros grupos de risco para complicações (doenças crônicas pulmonares e cardíacas, gestantes, insuficiência renal, hemoglobinopatias, imunodeficiências), devem ser priorizados na prevenção e no tratamento desse tipo de infecção. O leite materno não fornece proteção contra a infecção pelo vírus novo.

Estou grávida e gostaria de saber quais as complicações geradas para o feto caso a mãe seja infectada pelo vírus da gripe A. Quais os riscos do antiviral disponível para o tratamento do feto? O antiviral, que antes era liberado, não é mais disponibilizado pelo governo, que o colocou somente à disposição dos hospitais que possuem internação para pacientes com a doença.

Sou asmática, tenho rinite e, vez ou outra, coriza. Tenho mais chances de contrair a gripe A do que outras pessoas? Os asmáticos são mais suscetíveis por terem uma doença pulmonar, mesmo que a doença esteja controlada por medicamentos.


Como agir durante a gravidez

A gestante deve evitar contato com pacientes que forem diagnosticados com a gripe A. No início da gravidez, quando a febre chega a 38°C, o feto passa a correr risco de sofrer malformações.

Ao menor sinal de aumento da temperatura corporal, procure um médico.

Alguns remédios muito populares não são recomendados para grávidas. É o caso da dipirona e do ácido acetilsalicílico, usados para baixar a febre, e que podem prejudicar o desenvolvimento do bebê.

A vacina contra a influenza comum está liberada, mas só a partir do segundo trimestre de gestação.

Cuidados como lavar sempre as mãos e evitar aglomerações devem ser redobrados.


Como agir com as crianças

Os pais devem ficar sempre atentos às gripes, ainda mais com o novo vírus em circulação. O que os médicos pedem é que não haja histeria nem excessos. Avalie bem a situação. Se tiver dúvidas ou ficar angustiado, ligue para um médico e peça orientações.

Se a criança não está bem, vá ao consultório de um profissional conhecido ou a um posto de saúde. Assim, eles fazem as avaliações necessárias e você ajuda a não superlotar as emergências.

Tosse, espirros e indisposições breves não precisam de maiores cuidados. Aguarde para ver se a criança reage bem.

Febre é sinal de alerta, mas abaixo dos 38°C e sem outros sintomas importantes não é necessário ir a uma emergência. O indicado é consultar o pediatra mais próximo ou de confiança.


Saiba como se prevenir contra a Gripe A


Comente aqui
07 mai16:21

Rinite é a enfermidade de maior prevalência entre as doenças respiratórias crônicas

Conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 30% a 40% da população mundial sofre de doenças alérgicas, sendo que 300 milhões de indivíduos têm asma e 400 milhões são afetados anualmente por rinite alérgica, fator de risco para a asma.

A poluição ambiental, a fumaça do cigarro e as infecções virais atuam como fatores agravantes de crises alérgicas em portadores de asma e rinite. Esta última, a enfermidade de maior prevalência entre as doenças respiratórias crônicas, acomete cerca de 29,6% dos adolescentes e 25,7% dos estudantes de escolas brasileiras, segundo o Estudo Internacional de Asma e Alergias na Infância.

É preciso ter atenção, pois o retardo na identificação das doenças alérgicas pode resultar em maior número de complicações e a consequente necessidade de internação. Para alertar a população, a Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (Asbai) promove a Campanha de Prevenção das Doenças Alérgicas, que tem como marco o dia 7 de maio.

De acordo com a especialista em alergia e imunologia Regina Watanabe Di Gesu, presidente da Asbai Regional RS, as características climáticas do Rio Grande do Sul colaboram para a incidência de alergias.

— A localização geográfica do Rio Grande do Sul, com estações climáticas bem definidas, facilita a proliferação dos ácaros da poeira domiciliar e dos fungos que são responsáveis pela maior frequência das crises alérgicas respiratórias no outono e inverno, além de possibilitar maior contato com os pólens na primavera — afirma Regina.


Saiba mais

:: As doenças alérgicas, como as anafilaxias, alergias alimentares, asma, rinite e conjuntivite podem em alguns casos ocorrer no mesmo indivíduo.


:: Há também as reações adversas aos medicamentos e as reações a picada de insetos (abelhas, marimbondos e formigas). O diagnóstico e tratamento especializado são recomendados, pois em algumas situações podem ser potencialmente fatais, como no caso das alergias ali mentares, das anafilaxias e da asma grave.


:: A reação anafilática é uma reação generalizada, que se inicia por manchas vermelhas na pele com coceira, inchaço nos olhos ou lábios, vômitos, tosse e dificuldade respiratória. Seu início é súbito e apresenta potencial risco de vida.


:: As principais causas da reação anafilática são os alimentos, os medicamentos, as picadas de insetos.


:: A rinite se caracteriza por crises de espirros, secreção nasal aquosa, entupimento nasal e coceira, muitas vezes afetando também os olhos.


:: Para o diagnóstico da rinite alérgica, a história clínica deve ser complementada pela pesquisa de sensibilização aos substância capaz de desencadear reações alérgicas, por meio de testes cutâneos ou dosagem de anticorpos específicos no sangue do paciente.


:: Pode ser confundida com resfriado comum ou gripe, que, de modo geral, apresentam comprometimento do estado geral com dores no corpo, febre ou dores de garganta.


:: Embora existam dúvidas em relação ao aumento observado das doenças alérgicas nos últimos anos, estudos científicos reforçam, como forma de prevenção, a orientação para que o aleitamento materno exclusivo seja orientado e incentivado nos primeiros meses de vida.

VIDA E SAÚDE



Comente aqui
27 abr13:56

Programa de Prevenção e Controle do Tabagismo em São Miguel do Oeste

A secretaria de saúde de São Miguel do Oeste realizou na quarta-feira, dia 25, mais uma etapa da capacitação para os profissionais que irão trabalhar com o Programa de Prevenção e Controle do Tabagismo.

A capacitação segundo a coordenadora do programa, enfermeira Cinara Saggioratto, é umaexigência do Ministério da Saúde, visando o início dos trabalhos do grupo de apoio aos fumantes do município, que deverá ser efetivado no mês de maio.

Cinara afirma que participaram da formação uma equipe multidisciplinar formada por médicos, farmacêuticos, enfermeiros, fisioterapeuta, nutricionista, assistente social e psicóloga, os quais irão trabalhar com as pessoas interessadas em deixar de fumar.

Além de questões legislativas, foram tratados na formação assuntos relacionados aos medicamentos adequados e perfis dos pacientes que precisarão deste apoio da equipe da saúde.

Na quarta-feira, dia 3, os profissionais estarão reunidos para definir estratégias de abordagem dos pacientes e início efetivo dos trabalhos. Após este encontro, os pacientes inscritos serão chamados para entrevista e formarão quatro grupos com cerca de 12 pessoas cada um, totalizando 48 pessoas.

Os pacientes destes primeiros grupos farão um tratamento de cerca de três meses. Somente após este período novos grupos serão formados.

Para os interessados, as inscrições podem ser feitas com a enfermeira Cinara, das 15h às 19h, diariamente, no Posto de Atendimento Médico Central.



Comente aqui
08 fev15:11

Operação Veraneio em Chapecó

Conscientizar, alertar e prevenir acidentes esse é o objetivo da Operação Veraneiro 2012 do Corpo de Bombeiros Militar de Chapecó. A ideia é promover um verão seguro para a população.

Através de uma parceria com a Rádio Atlântida estão sendo veiculados programetes diários com dicas de segurança. Além da divulgação na rádio, dois outdoors foram lançados dia 30 de janeiro, na saída para o Rio Grande do Sul e na saída para São Carlos, para reforçar a campanha, com a mensagem “Aproveite o verão, nós cuidamos de você”.

O Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina também pretende distribuir 750 mil cartilhas educativas em todo o estado.


Comente aqui
28 nov19:11

Segurança e Prevenção a Violência nas Escolas

O Projeto Segurança e Prevenção a Violência nas Escolas, iniciado em julho de 2011, tem o objetivo de orientar professores, funcionários, pais e alunos das escolas da rede Municipal e estadual de Chapecó. Apresentando alternativas voltadas à prevenção da violência nas escolas, a fim de contribuir para a construção de uma sociedade mais humana, justa e solidária.

A violência é, infelizmente, uma prática que vem sendo disseminada em todas as esferas sociais, inclusive nas instituições de ensino, seja na rede pública ou privada. Dentre as variáveis que levam ao aumento da violência na sociedade brasileira estão à desigualdade social, o enfraquecimento de conteúdos culturais, éticos e morais, a família desestruturada, as diferenças culturais, maus tratos e uma ausência de cultura de paz nos sistemas de relações sociais.

Segundo o soldado Marcelo Wundervald, diante das inúmeras ocorrências envolvendo violência nas escolas, o projeto busca executar as seguintes atividades:

- Incentivar o debate sobre o tema “violência nas escolas”, visando à busca de estratégias e ações voltadas a minimizar a violência na escola;

- Orientar a cerca de questões de segurança, objetivando a prevenção de delitos no âmbito escolar;

- Orientar sobre qual o procedimento a ser adotado em caso de violência nas escolas;

- Resgatar junto aos alunos adolescentes valores morais e éticos voltados ao convívio social;

- Resgatar junto aos pais dos alunos a responsabilidade da família sobre a formação e educaçã0o destes adolescentes;

Encerrado no mês de novembro, o Projeto de Segurança e prevenção a violência nas escolas alavancou os debates críticos entre Policia Militar e adolescentes. Tomando a frente e representando a Policia Militar, o soldado Marcelo Wundervald protagonizou as palestras envolvendo a todos através de uma linguagem simples, mas rica em informações através das experiências de mais de 13 anos como policial. – É preciso falar na mesma frequência dos jovens, na mesma faixa vibratória, para que palestrante e publico estejam sintonizados na mesma linguagem – disse o Soldado.

Foi de grande valia e ótimos resultados a recepção nos colégios, sempre após as palestras eu era rodeado por adolescentes para agradecer, esclarecer duvidas particulares, e para saber como fazia para entrar na Policia Militar.

- Para o que vem pretendemos dar continuidade a este projeto – completou Marcelo.


Comente aqui
07 nov18:39

Prevenção à Diabetes e Hipertensão

A Associação dos Diabéticos e Hipertensos de Chapecó (ADHI) realizou, em parceria com a Administração Municipal de Chapecó, através da Secretaria da Saúde, evento alusivo ao Dia Internacional do Diabético, 14 de novembro. A ação ocorreu durante todo o dia de sábado, 5, na Praça Coronel Bertaso.

O prefeito José Caramori e o Secretário de Saúde, Américo do Nascimento Júnior, prestigiaram o evento e reforçaram o compromisso da Administração Municipal quanto a prevenção e promoção da saúde. – Temos hoje cerca de 20 mil pessoas cadastradas no Sistema Único de Saúde (SUS) em nosso município que são diabéticos e hipertensos. Acreditamos que o mesmo contingente de pessoas tem diabetes ou hipertensão e não sabe, ou não procurou atendimento, o que é muito grave – enfatiza Nascimento.

Durante o sábado foram desenvolvidas atividades como medição de glicemia; verificação de pressão arterial; avaliação de Índice de Massa Corpórea (IMC); orientação nutricional; orientação nos cuidados da visão do diabético; entre outros. Foi realizada ainda rua de lazer, pintura facial, gincanas, sorteio de brindes, mateada, e outras atividades.


Comente aqui