Produtor

03 jul14:09

Suinocultor transfere criação para o Centro-Oeste

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A cada crise Santa Catarina vai perdendo produtores especializados na criação de suínos. Alguns abandonam a atividade e outros vão tentar a sorte em outro lugar, com menos custos. É o caso de Adair Cella, que há cinco anos fechou os chiqueiros em Chapecó, onde tinha 200 fêmeas que produziam quatro mil leitões por ano. Ele e mais seis sócios, sendo cinco do Oeste de Santa Catarina e dois que estavam no Mato Grosso, montaram uma granja de suínos em Tapurah/MT.

Foram investidos R$ 30 milhões na estrutura que abriga 170 funcionários e uma produção de 324 mil suínos por ano. Cella disse que a opção por ir para o Centro Oeste foi em virtude das dificuldades ambientais e custo de produção, já que milho é mais barato no Centro Oeste. Além disso no Mato Gosso o modelo de produção é diferente do que fazia em Chapecó. Aqui ele era responsável pelos insumos e lá a remuneração é por leitão produzido, sendo os insumos e assistência técnica bancados pela agroindústria.

- O suíno tá na mão da indústria- constata.

Ele vê que o antigo modelo de produção familiar, em pequena escala, não sobrevive. Na comunidade de Colônia Cella, onde continua morando com a família, Adair lembra que, em menos de 10 anos, restaram apenas cinco dos mais de 20 criadores de suínos.

– Se eu tivesse ficado produzindo aqui teria fechado igual o chiqueiro- lembrou. Agora a estrutura serve para criar algumas galinhas, guardar lenha e depósito.

>> Crise assombra o Oeste catarinense

O secretário-executivo do Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados de Santa Catarina, Ricardo Gouvêa, alerta que as indústrias já estão migrando para o Centro Oeste, onde o custo de produção é mais barato.

– É preciso uma política de abastecimento de grãos em Santa Catarina senão é certo que mais indústrias vão migrar- sentenciou Gouvêa.

Ele lembrou que Santa Catarina é o berço da avicultura e suinocultura, mas que vem perdendo espaço e já perdeu a liderança na produção e exportação do frango.

- O que mantém a liderança na suinocultura é o status sanitário diferenciado- explicou.

Para o vice-presidente da Aurora Alimentos, Neivor Canton, os custos de produção atraem para o Centro-Oeste onde o milho custa R$ 16, contra R$ 25 para Santa Catarina. Por isso ele considera questão de sobrevivência implantar a ferrovia Norte Sul, para trazer milho para Santa Catarina.


Comente aqui
30 mai12:02

Alta do dólar volta a puxar Índice de Preços ao Produtor

A valorização do dólar frente ao real voltou a acelerar os preços na indústria da transformação em abril. Embora não tenha sido a única causa da aceleração na taxa do Índice de Preços ao Produtor (IPP), que saiu de 1,04% em abril para 1,38% em maio, o câmbio ajudou a puxar os preços de setores importantes, como alimentos, outros equipamentos de transportes, papel e celulose, fumo e outros produtos químicos, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e estatística (IBGE).

— Todos os produtos que são exportados, quando o dólar se valoriza, a gente converte para reais, e eles ficam mais caros por isso. É o caso do suco de laranja, por exemplo. Aviões são exportados com preço em dólar, e também a celulose — observou Alexandre Brandão, gerente do IPP no IBGE.

No caso de outros produtos químicos, a contribuição de 0,30 ponto porcentual no IPP do mês deveu-se também aos preços mais altos do petróleo no mercado internacional, o que puxou a contribuição de 0,15 ponto porcentual do setor de refino de petróleo e produtos de álcool em abril.

Já o impacto de 0,53 ponto porcentual do setor de alimentos teve influência de produtos de exportação, como suco de laranja e carnes de bovinos refrigeradas, mas também da quebra de safra da soja, que pressiona os preços internacionalmente.


AGÊNCIA ESTADO

Comente aqui
28 jan09:38

Revitalização da Casa do Produtor em Concórdia

A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente (SEMADRA) ainda não definiu o dia, mas a revitalização da Casa do Produtor vai ser entregue no mês de fevereiro.

Os recursos para a obra foram provenientes do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) através de um Convênio com a CAIXA.

Com a finalização das obras, o local vai ser um centro de comercialização de produtos da agricultura familiar do Alto Uruguai de Santa Catarina.

Foram adquiridos móveis e equipamentos e ainda falta ser entregues gôndolas e uma geladeira industrial.


Comente aqui
14 dez09:28

Reinauguração só em 2012

A Casa do Produtor Rural está passando por várias reformas e deve ser reinaugurada no início de 2012. Depois de pronta, os produtores rurais que utilizam o espaço para comercializar seus produtos,vão ter um lugar mais seguro, prático e confortável para trabalhar. As aberturas, antes sem proteção, agora estão com janelas. Há também um espaço especial para comercialização do peixe vivo.

- Sem dúvidas o nosso produtor rural terá um lugar bem melhor, com infraestrutura mais organizada e que facilitará o seu trabalho e o atendimento aos clientes – acrescenta o prefeito João Girardi que visitou as obras.

O investimento chega a R$ 238.199,00.

As obras iniciaram em setembro e houve bastante dedicação para que tudo fique de acordo com o planejado. Os produtores vão ter também uma estrutura coberta, para embarque e desembarque de mercadorias, será uma das novidades na Casa do Produtor Rural.

A cobertura da casa sofreu uma revisão completa, além de receber uma manta térmica que vai manter a temperatura interna, independentemente da externa. O piso foi trocado e a casa vai receber nova pintura. – Depois de encerrar a obra será preciso fazer a instalação dos equipamentos novos que foram adquiridos – disse engenheira fiscal da obra, Marcela Bigaton.


Comente aqui
26 set11:37

Revitalização em Concórdia

A Casa do Produtor, inaugurada em 16 de abril de 1999, recebe pela primeira vez uma revitalização. A ordem de serviço deve ser assinada na tarde desta segunda-feira.

A Administração Municipal faz a assinatura da ordem de serviço, às 14h. Os recursos são provenientes do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) através de um Convênio com a Caixa Econômica Federal (CAIXA) e objetiva revitalizar a Casa na Rua Leonel Mosele, centro de Concórdia.

Com essa revitalização a proposta é tornar a Casa do Produtor Rural num centro de comercialização de produtos da agricultura familiar do Alto Uruguai de Santa Catarina. Além de ampliar e modernizar a infraestrutura do local deverá ser implantado uma central de comercializaçãodos produtos provenientes da agricultura familiar.


Comente aqui