Reforma

06 jul11:04

Primeiros voos no Aeroporto de Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

O Embraer 145 da Força Aérea Brasileira foi a terceira aeronave a pousar no Aeroporto Serafim Enoss Bertaso de Chapecó, após a reforma da pista e liberação pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O voo chegou às 10h14 desta sexta-feira. Na aeronave com capacidade para até 50 passageiros estavam sete pessoas, quatro da tripulação e três passageiros, entre eles, a ministra-chefe, Ideli Salvatti, da Secretaria de Relações Institucionais.

A ministra vai participar do ato de assinatura do Termo de Cooperação com 55 municípios dos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul participantes do Projeto Alto Uruguai 2 – Cidadania, Energia e Meio Ambiente. O evento é uma parceria da Eletrosul, Eletrobras, MAB, MPA e Universidade Federal da Fronteira Sul.

O Aeroporto ficou fechado por 75 dias. O tráfego aéreo foi liberado nesta sexta-feira, dia 6 de julho, a partir da 0h. Dez minutos depois da abertura um avião particular Baron, para seis passageiros estreou a pista. E nesta manhã, às 9h33 outra aeronave, um Senica, também para seis passageiros aterrissou na nova pista de 2.063 metros.

Segundo o controlador de operação aeronáutica do Aeroporto de Chapecó, Adilson Schroeder, mais dois voos estavam programados para esta manhã, mas devido a presença de nevoeiro não permitiu a aterrissagem

– Um deles foi para Pato Branco/PR e outro nem decolou de Florianópolis – disse o controlador.

Adilson disse ainda que mais voos estão programados para a tarde desta sexta-feira.

- Se vão conseguir pousar ou não vai depender das condições climáticas – completou.



Comente aqui
27 jun17:58

Anac marca vistoria no Aeroporto de Chapecó

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Técnicos especializados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) devem realizar na próxima segunda-feira, dia 2 de julho, a vistoria final nas obras realizadas na pista do Aeroporto Municipal Serafim Enoss Bertaso de Chapecó. A informação foi recebida pela Administração Municipal na tarde desta quarta-feira. O aeroporto está fechado desde o dia 21 de abril.

Segundo a administração esta é uma das últimas etapas para a liberação das operações de embarques e desembarques no Aeroporto. As obras que tinham o prazo previsto de 75 dias foram concluídas em 51 dias. O investimento foi de R$ 11,6 milhões, sendo R$ 2,6 milhões da Prefeitura e R$ 9 milhões do Estado.

Antes da restrição, eram realizados oito voos diários com movimentação média de 23 mil embarques e desembarques por mês e a pista tinha PCN 34, que é um grau de resistência do pavimento que permitia o pouso de Boeing 737, com 144 lugares. Com os problemas na pista o PCN foi rebaixado para 16, o que permitia apenas pouso de aeronaves com até 62 passageiros.

A expectativa agora, com a recuperação dos 2.063 metros de pista, é que a Anac aprove o PCN 54, que permitirá aeronaves com até 200 passageiros.


Comente aqui
18 jun19:06

Aeroporto de Chapecó só depende da Anac

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

As obras de recuperação da pista do aeroporto municipal Serafim Enoss Bertaso, em Chapecó, devem ser concluídas nesta terça-feira, dia 19 de junho. De acordo com a assessoria de comunicação da Prefeitura, a pista está concluída, restando apenas a pintura do pátio de estacionamento.

Uma comitiva do município estará na sede da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac), em Brasília, nesta terça para entregar os relatórios da obra e os testes de resistência do pavimento. A partir disso depende da Anac a liberação dos voos comerciais.

A expectativa é que sejam retomadas as linhas até 5 de julho.

O investimento na recuperação dos dois quilômetros de pista foi R$ 11,6 milhões, sendo R$ 2,6 milhões da Prefeitura e R$ 9 milhões do Estado.


Comente aqui
09 jun08:09

Arena Condá sem jogos e sem cobertura

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A melancolia toma conta do estádio Índio Condá, que desde o dia 29 de abril não sedia um jogo, em virtude do impasse jurídico na Série “C” do Campeonato Brasileiro. Para completar o clima “estranho”, a cobertura da ala Oeste foi retirada para reforma.

A Chapecoense até tinha planejado fazer um amistoso no local neste domingo, contra o Concórdia. Mas, como o confronto foi confirmado apenas na quarta-feira e, devido ao feriadão, não foi possível obter os laudos e o policiamento necessário, houve o cancelamento.

O diretor de futebol do clube, Cadu Gaúcho, disse que a intenção é realizar um amistoso em casa na terça ou quarta-feira, para apresentar o novo time à torcida.

– Ainda não jogamos aqui- argumentou.

Para a Série C a Chapecoense contratou nove reforços. E um décimo reforço, o meia Dudu, do Coritiba, depende da confirmação do início da Série C. Os clubes vão processar a Confederação Brasileira de Futebol caso o campeonato não inicie na próxima semana. O presidente da Chapecoense, Sandro Pallaoro, também confirmou essa intenção (veja entrevista abaixo).

Cadu Gaúcho participou de uma reunião entre os 20 clubes da Série C, incluindo o Rio Branco e o Santo André. Os clubes encaminharam um pedido à CBF para que inicie a competição e depois resolva judicialmente as pendências como Brasil-RS e o Treze-PB, que buscam as vagas de Santo André e Rio Branco.

Os clubes ameaçam até entrar com liminares paralisando as Séries A e B, por entenderem que a competição é interligada, devido aos acessos e rebaixamentos.

Enquanto isso a prefeitura licitou a obra de reforma da cobertura das sociais, conforme recomendação do Ministério Público. No Campeonato Catarinense o setor chegou a ser interditado por dois jogos, por falta de segurança. Ela só foi liberada depois da colocação de 16 hastes metálicas como reforço. Agora o telhado foi retirado e está sendo consertado pela metalúrgica Modelo, de Modelo-RS. Os trabalhos iniciaram no dia 3 de maio e a conclusão deve ser em 20 de agosto. De acordo com a assessoria de imprensa da Prefeitura a recolocação da estrutura não vai prejudicar os jogos em casa da Chapecoense pois será feita no intervalo em que o time jogar fora.

A Prefeitura também autorizou a licitação para a troca do gramado do Índio Condá, após a Série C do Campeonato Brasileiro, que termina no dia 4 de novembro. A obra deve demorar 120 dias. O investimento será de R$ 500 mil. Além da grama o projeto prevê sistema de drenagem e irrigação automática.


Pallaoro ameaça: “Se não começar na próxima semana entraremos na justiça”


Diário Catarinense: Como fica a situação da Chapecoense com mais um final de semana sem jogos

Sandro Pallaoro: Estamos só no prejuízo. Nossa perda já está entre R$ 300 mil e R$ 400 mil. Temos as despesas com salários e alimentação, entre outros, e não está entrando nada. Já poderíamos ter sediado dois jogos. Além disso havia a possibilidade de um patrocínio de uma multinacional para a Série C, que pode não se concretizar.


DC: Qual é a posição da Chapecoense em relação a este impasse?

Pallaoro: Vamos esperar até segunda ou terça-feira e se a CBF não tiver uma definição de que o campeonato iniciará no próximo final de semana vamos entrar com uma ação na justiça pedindo indenização por danos morais. Todos os clubes da Série C devem fazer isso e também os da Série D.


DC:Vocês perderam sócios ou patrocinadores?

Pallaoro: Já temos cerca de 800 dos 5,2 mil sócios inadimplentes e esse número deve aumentar, pois não há jogos. Temos 12 placas para serem comercializadas e as empresas pedem para esperar. Outros que já patrocinam estão pressionando. Eu também iria pressionar se estivesse no lugar deles. Além disso temos mais espaço na camisa e não conseguimos fechar.


DC: A troca do gramado prevista para o final do ano pode ser prejudicada?

Pallaoro: Penso que não, pois as rodadas atrasadas seriam feitas no final de semana.

Comente aqui
01 jun17:25

Condá sem cobertura

Darci Debona |darci.debona@diario.com.br

Enquanto não sedia jogos a Arena Condá passa por uma mudança estética e de segurança. Quem chega no estádio nota que está faltando alguma coisa. É que a cobertura das sociais foi retirada no final de maio para reforma e reforço na estrutura. A obra faz parte de uma recomendação do Ministério Público, que chegou a interditar o setor por dois jogos do catarinense. O setor só foi liberado após a colocação de estruturas de reforço. A reforma propriamente dita está sendo feita agora, com acompanhamento do Ministério Público.

A reforma vai custar R$ 315 mil e está sendo executada pela Metalúrgica Modelo, de Modelo, vencedora da licitação. A ordem de serviço foi dada no dia 3 de maio e a conclusão está prevista em 135 dias. Os trabalhos não devem atrapalhar os jogos da Chapecoense pois a recolocação da estrutura será feita nos intervalos entre os jogos da Chapecoense em casa.

>> Chapecoense vai enfrentar o sub 23 do Inter


Comente aqui
27 mai17:26

Agricultores assentados comemoram 27 anos de Reforma Agrária em Abelardo Luz

Uma grande festa marcou o aniversário de 27 anos de reforma agrária e da primeira ocupação do MST em Santa Catarina, na sexta-feira, dia 25 de maio, no assentamento José Maria, interior de Abelardo Luz. O município concentra o maior número de assentamentos do estado, com 22 no total, ocupando uma área de 20,1 mil hectares de terra, onde vivem 1.448 famílias de pequenos agricultores.

O evento festivo foi marcado com a inauguração do Centro de Eventos da comunidade, o primeiro de múltiplo uso a ser construído no interior do município. A obra recebeu investimento de R$ 427.609,10, sendo R$ 390 mil repassados pelo Governo Federal, através do Ministério do Turismo, e o restante contrapartida do Governo Municipal.

O espaço tem 704,67 metros quadrados de área física e conta com auditório para 150 pessoas, salas de reuniões, refeitório, cozinha, banheiros e sala de administração. A estrutura será usada na realização de atividades em diferentes áreas, especialmente para fomentar o desenvolvimento da educação, da cultura e do turismo rural sustentável.

A programação iniciou, por volta das 11h, com a encenação do episódio do “fogo na ponte do Rio Chapecó”, que relembrou a chegada das famílias e a ocupação em 1985 da então “Fazenda Papuan”, hoje assentamento Papuan. O pároco Padre Genuíno Begnini celebrou uma missa e após o ato inaugural aconteceu o tradicional almoço festivo seguido com tarde dançante.

O ato inaugural contou com a presença de autoridades municipais, representantes do INCRA e lideranças do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

- São 27 anos de lutas e conquistas. Esse Centro de Eventos é mais uma conquista do povo. É um espaço para produção de conhecimento, da arte e da cultura que nossas famílias poderão usufruir – relatou o membro da direção nacional do MST, Altair Lavratti.

O prefeito Dilmar Fantinelli enfatizou que a chegada das primeiras famílias em 1985, organizadas pelo MST, foi importante para o desenvolvimento de Abelardo Luz. – Os assentamentos fizeram a diferença em Abelardo Luz. Nesses 27 anos, as famílias tiveram grandes dificuldades, mas também muitas conquistas em todas as áreas – destacou.


Produção

Em Abelardo Luz, hoje os assentamentos servem de referência na produção de alimentos integrando as cadeias produtivas do pescado, do leite e de grãos. As ações são coordenadas pela Cooperativa de Produção Industrialização e Comercialização Edson Adão Lins (Coopeal) e Cooperativa Regional de Comercialização do Extremo Oeste (Cooperoeste), ambas administradas pelos próprios agricultores assentados.

Os assentamentos do município recebem atenção especial, com apoio financeiro do Governo Federal, em especial do INCRA, que em parceria com a prefeitura, investe significativamente na manutenção das estradas para melhorar o escoamento da produção agrícola.


Comente aqui
23 mai07:59

Aeroporto de Chapecó está com 65% da obra concluída

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A recuperação na pista do aeroporto Serafim Enoss Bertaso, em Chapecó, está 65% concluída. O cálculo é do engenheiro responsável pela obra, Jairo Lammel, que é funcionário da Planaterra, empresa vencedora da licitação.

As máquinas foram para a pista há cerca de um mês, após a suspensão dos voos, ocorrida no dia 21 de abril. Mas desde primeiro de março o aeroporto já operava com restrições a aeronaves com menos de 62 lugares, devido a rachaduras na pista.

Em cerca de 500 metros da pista foi necessário retirar todo o asfalto e também a base de terra, pois havia material orgânico que acabou contribuindo para o defeito na pista. De acordo com o engenheiro, foi retirado o material até 80 centímetros de profundidade. Depois houve a recomposição com terra, pedra e asfalto. Ele afirmou que a base, terraplanagem e fresagem estão concluídas.

Falta 15% da drenagem e metade da pavimentação, que tem uma média de 15 centímetros de altura. Serão aplicadas 30 toneladas de massa asfáltica, nos dois quilômetros de pista com largura de 40 metros.

Ontem mesmo já começaram os testes do atrito da parte da pista que já está concluída. A Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) fará o teste do pavimento, que é medido pela unidade PCN. Antes da interdição o PCN do aeroporto era 34, o que permite o pouso de aeronaves com 144 lugares. Com a obra o PCN deve ser elevado para 54, permitindo aeronaves com até 200 passageiros.

Cerca de 10 dias antes de vencer o prazo, quando deve estar na fase de pintura e balizamento da pista, a Planaterra pretende encaminhar os relatórios para a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), para liberação da pista.

O prefeito José Cláudio Caramori afirmou que a obra está dentro do prazo previsto, que é de 75 dias para conclusão. A temperatura amena e a pouca chuva tem contribuído com os trabalhos. Antes do fechamento o aeroporto de Chapecó tinha oito voos diários e movimentava 23 mil pessoas por mês. Alguns voos foram suspensos e outros remanejados para Passo Fundo e Concórdia. Entidades empresariais informam que a paralisação prejudica negócios e o faturamento de hotéis e restaurantes.



Comente aqui
14 abr09:47

Mesmo com pista fechada “check-in” será feito no aeroporto de Chapecó

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Mesmo com o fechamento da pista do aeroporto Serafim Enoss Bertaso, em Chapecó, prevista para o dia 22 de abril, alguns procedimentos como embarque de mercadoria e “check-in” continuarão ser feito no local.

Algumas medidas foram discutidas ontem durante reunião da Comissão de Segurança Aeroportuária de Chapecó, com a presença da administração, bombeiros e representantes das empresas.

De acordo com o secretário de Defesa do Cidadão, Sérgio Wallner, algumas empresas vão fazer o check-in em Chapecó e depois encaminhar os passageiros de ônibus para outras cidades. A Avianca, por exemplo, vem fazendo isso desde a restrição a aeronaves maiores, no dia primeiro de março. Os passageiros estão sendo deslocados para Passo Fundo. A Gol também está estudando a possibilidade de utilizar Passo Fundo ou Erechim, mas ainda não tem uma decisão sobre isso.

A NHT estuda a possibilidade de utilizar os aeroportos de Concórdia ou Xanxerê, com mais chances para a primeira cidade. A Trip vai suspender os voos que operavam em Chapecó e a Azul ainda não deu posição definitiva para a administração do aeroporto.

As cargas também devem ser despachadas pelo aeroporto de Chapecó e encaminhadas por terra até Porto Alegre.

No dia 21 de abril a operação ainda será normal. Depois a previsão é de retornar somente no dia 5 de julho. Serão investidos R$ 10,6 milhões na confecção da nova pista. A Planaterra, de Chapecó, é quem vai executar a obra.




Comente aqui
19 mar14:45

Escolas do interior de Concórdia recebem melhorias

Nesta segunda-feira , dia 19, às 18h, na comunidade de Canhada Funda, serão inauguradas ampliação e reforma da Escola Municipal do Campo Antonieta de Barros. As obras da Escola Municipal do Campo José Venâncio Finger, que fica Barra do Pinhal, será inaugurada às 14h desta terça-feira. As duas somam um investimento de mais de R$ 100 mil.

- Assim como valorizamos a qualidade do ensino e a infraestrutura nas escolas do perímetro urbano, também sabemos o quanto é importante para as famílias do interior contarem com boas escolas para seus filhos – disse o prefeito João Girardi.

EMC José Venâncio Finger.

O investimento feito na Escola José Venâncio Finger foi de R$ 47.706,32. No local foram executados serviços executados como a correção de fissuras na alvenaria e pintura geral da escola (interna e externa), a revisão dos sistemas elétrico e hidráulico, a adequação do sistema preventivo contra incêndios, a reforma da cerca externa; a construção de dois depósitos para armazenamento de materiais pedagógicos e de limpeza; a cobertura do acesso entre a escola e o recreio coberto facilitando a circulação das crianças na hora do recreio e para realização das atividades de Educação Física e também a troca do revestimento cerâmico do piso da varanda, cozinha e banheiros.

Já, a Escola Antonieta de Barros recebeu um investimento de R$ 53.229,76 para a execução das obras de ampliação da cozinha, troca de telhado, troca de piso, central de gás, preventivo de incêndio, pintura, sistema de tratamento de esgoto e revisão do sistema elétrico.


Comente aqui
13 mar09:51

CMEI Lua de Cristal é ampliado em Concórdia

Será inaugurada nesta sexta-feira, dia 16 de março, às 19h, a ampliação e as melhorias que foram feitas no Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Lua de Cristal, localizado no Bairro dos Industriários, em Concórdia. O CMEI Lua de Cristal atendia a 138 crianças e, com o andamento das reformas, passou a atender a 158. – Mas agora, com o término da ampliação, o CMEI Lua de Cristal vai poder receber 213 crianças de 0 a 5 anos – adiantou o secretário de Educação Santo de Luca.

As obras do CMEI Lua de Cristal resultaram na construção de quatro salas de aulas, uma secretaria e sala de professores, o que ampliou a estrutura em mais 334,34m². O espaço do refeitório também foi todo readequado para as refeições das crianças, oferecendo conforto e possibilitando maior organização. Ao todo, a Administração Municipal investiu R$ 429.799,85 nas obras de ampliação e reforma.

Atualmente, são 20 servidores atuando no CMEI Lua de Cristal. Mas, já está prevista a contratação de mais oito funcionários.

- Queremos poder sempre suprir as necessidades das famílias de Concórdia que necessitam deixar seus filhos nos CMEIs enquanto trabalham. Esta é uma de nossas metas: atender a todos as crianças do nosso município, mas sempre preservando a qualidade nos cuidados e na segurança de nossos pequenos – disse o prefeito João Girardi.


Comente aqui