Refugiados

11 jan13:39

A República do Haiti

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Numa casa azul de seis cômodos no bairro Cristo Rei, em Chapecó, onde normalmente moraria uma família de quatro pessoas, serve de residência para nove haitianos. É uma República do Haiti em Chapecó. Das nove pessoas, sete trabalham na Fibratec, que banca o aluguel. Apenas não trabalham lá a única mulher da casa, Amonise Pierre, e seu filho Kenyowen Pierre. Ela é prima de Emmanuel Pierre, que trabalha na Fibratec. Quem chega na casa logo ouve um proliferar de “oui” pra cá e “oui” pra lá, que significam “sim” em francês, língua oficial do Haiti.

Eles são muito receptivos e convidam para entrar. Na a entrada da casa foi criada uma espécie de varanda, cercada por grades, com brita no piso, onde estão a máquina de lavar roupa, varal, sofá e mesa, que serve para jogar dominó entre outras coisas.

Claunaire Almonnoyd se diz o campeão da turma no jogo. Já no violão, o melhor é Filibert Monestime. Ele canta e toca canções em espanhol e francês. Os haitianos vivem como se fossem uma única família. Cozinham juntos, vão trabalhar juntos, fazer compras juntos. Até os que já saíram da Fibratec em que moram em outra casa seguidamente vão visitar os conterrâneos. Na segunda-feira os visitantes trouxeram três sacolas de “cueca virada”, acompanhados do pastor da Igreja Evangélica Bola de Neve. A missa aos domingos é um dos programas dos haitianos em Chapecó.

Eles procuram economizar ao máximo para mandar dinheiro para o Haiti. Filibert Monestime deixou cinco filhos em sua terra natal. Ele veio para o Brasil para tentar reconstruir sua casa, que foi destruída com o terremoto. -Muitos ficaram sem casa, sem nada, e por isso estão vindo pra cá- disse. Além da perda material, Monestime ficou sem um tio, uma prima e um primo que morreram na tragédia.

>> Haitianos buscam vida nova em Santa Catarina

Os haitianos gostaram do Brasil. -É o único país que se importa com o Haiti- afirma Emmanoel Pierre. Eles lembram que, quando chegaram no país, muitas pessoas ofereceram comida e roupa. -Os brasileiros são pessoas boas que tratam nós como irmãos- completa Filibert Monestime.

O que deixa os haitianos um pouco frustrados é o salário, que consideram baixo. A maioria ganha cerca de R$ 850 por mês. E precisam converter o dinheiro em dólar. -De R$ 200 chega lá US$ 86- lamenta Monestime. Alguns também reclamam do cheiro forte de fibra na fábrica de piscinas e caixa de água. A empresa fornece as máscaras, mas os funcionários sentem-se sufocados com ela. Eles também reclamaram de alguns descontos e da insegurança em relação a problemas de saúde.

Por estarem num país estrangeiro, sentem-se um pouco perdidos e sem ciência de seus direitos.

Um dos diretores da empresa, Érico Tormen, diz que o único desconto dos haitianos é os 8% do INSS e que eles recebem todos os direitos de um trabalhador brasileiro de carteira assinada. Quem trabalha em local insalubre ganha 10 a 20% a mais. No entanto a assistência de saúde fica por conta do Sistema Único de Saúde mesmo, realidade que não é diferente para muitos brasileiros.


Polícia Federal orienta para registro

Antes da contratação de estrangeiros as empresas precisam comunicar a Polícia Federal. No caso dos haitianos eles precisam informar a mudança de endereço. Na delegacia da Polícia Federal de Chapecó a informação é de que os haitianos que fizeram essa comunicação estão legais. Não há informação de clandestinos na cidade.

A Polícia Federal informou ainda que os imigrantes do Haiti entraram no Brasil com solicitação de refugiados. O Brasil aceitou por questões humanitárias. Essa imigração está sendo analisada pelo Comitê Nacional para os Refugiados.



1 comentário
11 jan08:29

Haitianos buscam vida nova em Santa Catarina

Dois anos após o terremoto que transformou em escombros a capital do país mais pobre das Américas, a saída para muitos haitianos têm sido procurar no Brasil as condições de vida que não existem dentro de suas fronteiras — onde 60% da população está desempregada e 4,5 milhões sofrem com a escassez de alimentos.

E Santa Catarina está incluída na rota de oportunidades. Vários haitianos já estão trabalhando no Estado, principalmente na Região Oeste, onde oficialmente vivem 32. Eles foram trazidos por empresas que sofrem com falta de mão de obra e viram nos refugiados uma importante força de trabalho.



Irmãos Wendales Zephirin e Lichelet Zephirin, viajaram seis dias para chegar no Brasil.



Na fronteira brasileira com o Acre, Brasileia é um dos pontos de entrada de cerca de 4 mil haitianos que já chegaram ao Brasil desde janeiro de 2011. Sozinhos ou em famílias, enfrentam um roteiro complexo, com passagens por outros países, até alcançar o Norte brasileiro.

Ali, protocolam um registro de refúgio em um posto da Polícia Federal, onde recebem a autorização provisória para permanecer no Brasil. O Brasil tomou esta decisão por questões humanitárias. A previsão é de que, em 90 dias, estejam com um visto humanitário em mãos, com direito a usar o Sistema Único de Saúde e trabalhar de carteira assinada, como ocorrerá na indústria de massas gaúcha.


>>> Clique para ver o trajeto dos haitianos até o Brasil


Risco de migração em massa

Ao mesmo tempo em que lidera a força de paz no país caribenho desde 2004, o Brasil agora é confrontado com uma realidade que ainda aprendendo a lidar: o risco de uma migração em massa na fronteira. Dos 1,6 mil que já conseguiram regularizar sua estadia, acredita-se que 800 já conseguiram emprego, especialmente na construção civil em São Paulo, Rondônia, Pará e Brasília. O cálculo é do representante da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Acre em Brasileia, Damião Borges.

Há um ano acompanhando os haitianos na cidade, Borges está acostumado a que os caribenhos lhe enumerem as razões da imigração: admiração pelo futebol, simpatia pelos brasileiros que participam da missão de paz das Nações Unidas no Haiti, confiança de que o crescimento econômico e a proximidade da Copa do Mundo e das Olimpíadas lhes garantirá uma vaga de trabalho. Uma decepção, porém, já foi detectada no sonho brasileiro: os salários são consideravelmente menores do que os R$ 1,5 mil ou R$ 2 mil que esperavam receber.

A partir de terça-feira, a Polícia Federal, em parceria com o governo do Acre e a prefeitura de Brasileia, passou a emitir 40 vistos por dia na cidade, facilitando a contratação de mão de obra haitiana.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, anunciou medidas para tentar limitar a entrada dos imigrantes e garantiu que será concedido visto para os 2,4 mil haitianos que ainda não conseguiram regularizar sua situação. Para o governo, também é importante reforçar a fronteira do Brasil com Peru, Equador e Bolívia para evitar a “rota ilícita de imigração” e a atuação de “coiotes” na região.


Força de trabalho no Oeste

Funcionários negros com sotaque espanhol, misturado com algumas palavras de francês, já fazem parte da rotina de algumas empresas de Chapecó, em Santa Catarina. A empresa Fibratec, fábrica de piscina e caixa d’água, foi a primeira a contratar os haitianos, há cerca de seis meses.

Um dos diretores da empresa, Érico Tormen, disse que seu sócio estava fazendo uma obra no Acre, quando viu dezenas de haitianos em Brasiléia. Como eles estavam procurando trabalho, e a empresa tinha dificuldade de encontrar mão-de-obra, fizeram a proposta para contratá-los.

Na primeira leva, nove haitianos foram contratados. O custo com o transporte foi de R$ 1,5 mil por pessoa, segundo Tormen. A Fibratec chegou a contratar 24 haitianos. Desses, 13 ainda estão na empresa. Alguns desistiram pois não se adaptaram ou não gostaram do emprego e foram buscar outro trabalho.

— Outras empresas também pediram trabalhadores já que há escassez de mão-de-obra na região — disse Tormen.

Cinco haitianos foram para uma empresa de materiais de construção, dois para uma revenda de peças e acessórios de automóveis e dois para um restaurante de Palmitos. Outros ainda estão procurando emprego. Tormen disse que o relacionamento dos haitianos com os demais funcionários é muito bom.

— É ótimo, todo mundo gosta deles — avaliou.

Antes da contratação de estrangeiros, as empresas precisam comunicar a Polícia Federal. No caso dos haitianos, eles devem informar quando houver mudança de endereço. Na delegacia da Polícia Federal de Chapecó a informação é de que os haitianos que fizeram essa comunicação estão legais. Não há informação de clandestinos na cidade. Entre os desafios enfrentados no dia-a-dia pelos haitianos está a língua. A comunicação geralmente é em espanhol. Mas os haitianos já se viram no português.


>>> Confira as fotos dos haitianos em SC


Seis dias de viagem

Os irmãos Wendales Zephirin e Lichelet Zephirin, viajaram seis dias para chegar no Brasil. Eles pegaram avião na República Dominicana e foram até o Equador. Depois foram de ônibus até o Peru e vieram de carro até o Acre, onde chegaram em 24 de abril do ano passado. Desde 11 de julho trabalham em Chapecó. Wendales era pedreiro e Lichelet costureiro.

— Lá não tinha muito trabalho — disse Wendales.

Em Chapecó trabalham na fabricação de piscinas. Provenientes de uma família de 13 irmãos, os Zephirin mandam cerca de R$ 250 a R$ 300 cada um para o Haiti. Eles ganham cerca de R$ 850 por mês. Wendales trabalhou na República Dominicana e até ganhava mais por dia, mas não era sempre que tinha trabalho. Seu objetivo é tentar ganhar um pouco mais no Brasil e assim poder guardar dinheiro.


Estudantes na UFSC

Diferente dos haitianos que vêm ao Estado em busca de trabalho, 29 jovens do Haiti desembarcaram em Florianópolis, em agosto do ano passado, para dar continuidade aos estudos na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). As instituições de ensino do país caribenho foram destruídas com o terremoto de 2010. A Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a Estadual de Campinas e a Federal de São Carlos também receberam estudantes haitianos.

Por 18 meses — dos quais seis são para aulas de português e um ano para continuar a faculdade — a UFSC é a responsável por eles. Ainda que com certa dificuldade, mas sem trocar ou errar as palavras, o estudante de economia, Jean Samuel, 27 anos, está gostando da vida em Florianópolis. As primeiras semanas foram difíceis, por causa da saudade de casa. Apesar dos telefonemas para ao Haiti serem semanais, ele ganhou uma nova família aqui, formada pelos 29 colegas haitianos. Jean mora no Bairro Pantanal e considera a UFSC bem organizada.

Para o secretário de Relações Institucionais e Internacionais da universidade, Enio Pedrotti, a experiência é positiva para os dois lados. Os haitianos estão tendo contato com pesquisas feitas na UFSC, conhecendo a cultura e hábitos brasileiros, como a relação com o lixo. Se antes eles eram acostumados a jogar lixo no chão, hoje eles já dão a destinação correta. Em uma das aulas de português, o grupo foi a Jurerê Internacional entrevistar os turistas. Para Pedrotti, também saem ganhando os alunos da UFSC.

— Por enquanto, os haitianos estão fechados no grupo deles, mas depois eles vão ter contato com os outros alunos, nas aulas de graduação. O estudantes daqui também vão aprender muito na convivência.


Colaborou: Rossana Silva, Darci Debona e Julia Antunes Lorenço.


DIÁRIO CATARINENSE

Comente aqui