Rodovias

06 dez10:21

Deinfra anuncia investimentos em rodovias no Oeste e Extremo Oeste do Estado

O Presidente do Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra), Paulo Meller, esteve reunido nesta segunda-feira, com secretários regionais do Extremo-Oeste, em São Miguel do Oeste. Na reunião Meller anunciou o investimento de R$ 1 bilhão do Governo do Estado nas rodovias estaduais, para os próximos quatro anos.

O recurso total será aplicado em implantação, revitalização e restauração das rodovia. Parte deste valor será investido no Oeste e Extremo Oeste do Estado. Em entrevista a imprensa regional, o presidente do Deinfra, informou que 50% das rodovias estaduais estão em ótima ou boa situação. Já 30% estão entre boa e regular e 20% entre regular e ruim.

O secretário Regional de São Miguel do Oeste, Wilson Trevisan, participou da reunião desta manhã. De acordo com ele, o Deinfra é um braço forte do Governo do Estado e as parcerias que vem acontecendo entre SDR e Departamento de Infraestrutura são exemplos do trabalho que deve ter sequência.

- Essa integração acaba gerando economia para o Governo do Estado, além de benefícios para a região, agilizando a realização de projetos de obras regionais – destacou Trevisan.

Após a reunião, o presidente do Deinfra visitou algumas SCs que dão acesso aos municípios da região. Participaram do encontro o superintendente do Deinfra Regional, Alcedir Casagrande, o secretário regional de Itapiranga, Milton Hahn, o diretor-geral da SDR de Dionísio Cerqueira, Sedi Zanella e funcionários do Deinfra.


1 comentário
12 nov15:31

Rodovias do Extremo-Oeste

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O acostamento de apenas 50 centímetros e a falta de terceira faixa são os principais problemas apontados pelos motoristas que trafegam pela BR 163, que vai de São Miguel do Oeste até Dionísio Cerqueira. O tráfego não é tão intenso, ficando em até 10 mil veículos por dia, segundo estimativa da Polícia Rodoviária Federal. Mas é um tráfego pesado, de máquinas e cereais que são transportados entre o Rio Grande do Sul e o Paraná.

-É um trecho muito perigoso pois não tem acostamento- afirmou o motorista Angelin Scaim, de São Miguel do Oeste, que traz madeira do Mato Grosso para São Miguel do Oeste. Em 30 anos de profissão, já viu muitos acidentes no local. –Não tem pra onde ir, se tivesse acostamento caia fora- explicou.

No dia 7 de setembro de 2011 três pessoas morreram num acidente ocorrido no quilômetro 96, entre um caminhão de leite e um ônibus do Rio Grande do Sul. O agricultor Lauro Wolfart, que mora ao lado da rodovia, já viu entre oito e nove mortes por acidente, em 11 anos. –Teve um que capotou, um caiu no barranco, um caminhão de cavalo tombou, teve a carreta de arroz, uma carga de adubo…- vai enumerando os acidentes.

Wolfart disse que, além de não ter acostamento, há muita neblina no local.

O inspetor chefe da 8ª Delegacia da Polícia Rodoviária Federal de Chapecó, Ivo Silveira, disse que outro problema é nas travessias urbanas de Guaraciaba, Guarujá do Sul e São José do Cedro. Em São Miguel do Oeste, falta um contorno viário ligando a BR 282 à BR 163. Com isso o tráfego pesado passa no centro da cidade, pela avenida Willy Barth.

Ele afirmou que desde que foi desativado o posto policial de São José do Cedro, há cerca de 10 anos, o trecho é atendido pelo posto de Maravilha, que fica a 40 quilômetros de São Miguel do Oeste e, a 100 de Dionísio Cerqueira. Há projeto para a instalação de um posto e de uma delegacia da Polícia Rodoviária Federal em São Miguel do Oeste.

O Departamento Nacional de Infraetrutura do Transporte (DNIT), já tem um projeto de adequação nos 64 quilômetros BR 163, que prevê a implantação de terceira faixa nos declives. O custo é de R$ 142 milhões e ainda não há data para lançamento do edital. Enquanto isso foi encaminhado ao DNIT de Brasília um pedido de serviços emergenciais para recuperação da rodovia e contenção de encostas.


Comente aqui
12 nov15:24

Retrato das Rodovias

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

As condições das rodovias do Oeste estão tão ruins que, para sair de Chapecó será necessário ir de avião ou então voltar ao transporte a cavalo dos antigos tropeiros. O que os moradores já vinham sentindo na pele foi confirmado um estudo divulgado pela Confederação Nacional do Transportes. A SC 283 (no trecho de Chapecó a Palmitos), a SC 480 (no trecho de Chapecó até a divisa com o RS), a SC 468 (Chapecó a São Lourenço do Oeste) e a BR 163 (São Miguel do Oeste a Dionísio Cerqueira) estão entre as piores do estado.

A SC 283 foi classificada com pavimentação ruim, sinalização ruim e pavimentação péssima no estudo realizado pela Confederação Nacional dos Transportes. O pior trecho é nos 45 quilômetros entre Chapecó e Águas de Chapecó. A pista tem milhares de buracos. –Tem buraco esperando vez para aparecer na pista- brinca um motorista. Já há registro até de acidentes por causa das más condições da pista. Difícil encontrar um motorista que não tenha uma história de prejuízo na rodovia.

–Eu já furei um pneu e tive que trocar uma roda-a firmou o operador de máquinas Mário Ribeiro, que mora em Guatambu.

–Tem lugar que não dá para andar a mais de 40 quilômetros por hora- explicou. Ele considera que a situação da rodovia é lamentável.

O motorista de caminhão Romualdo Roduy, 37 anos, que mora em Planalto, também já cortou um pneu nos buracos da rodovia. E sua mulher quase bateu em outro carro tentando desviar das crateras.

-Está horrível- comentou Roduy. Ele disse que a situação começou a piorar há cerca de dois anos, durante a construção da hidrelétrica Foz do Chapecó. O tráfego pesado ajudou a deteriorar a pista, segundo o motorista.

Além da pavimentação precária a rodovia não tem acostamento e a sinalização está encoberta pelo mato em alguns pontos.

Ela está incluída no Programa de Recuperação de Rodovias, com recursos do BNDES, que deve iniciar em 2012. A estimativa de fluxo é de 15 mil veículos por dia, segundo o Deinfra.


Comente aqui
11 nov16:23

Rodovias no Oeste

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

As condições das rodovias do Oeste estão tão ruins que, para sair de cidades de Chapecó será necessário ir de avião ou então voltar ao transporte a cavalo dos antigos tropeiros. O que os moradores já vinham sentindo na pele foi confirmado um estudo da Confederação Nacional do Transportes, divulgado na semana passada. A SC 283 (no trecho de Chapecó a Palmitos), a SC 480 (no trecho de Chapecó até a divisa com o RS), a SC 468 (Chapecó a São Lourenço do Oeste) e a BR 163 (São Miguel do Oeste a Dionísio Cerqueira) estão entre as piores do estado.

Além disso o acesso de Chapecó até a BR 282, está em obras e, a BR 282, que até está em boas condições, está com a duplicação parada em Xanxerê e, no restante do trecho, necessita de melhorias. Um estudo da Federação das Indústrias realizado recentemente apontou uma série de obras para melhorar a rodovia, que registra uma morte a cada três dias.

–Todas as rodovias que cortam o Grande Oeste estão saturadas- afirmou o presidente da Associação Comercial e Industrial de Chapecó, João Carlos Stakonski.

Ele afirmou que além de buracos e sinalização apagadas, algumas rodovias, como a BR 282, começam não dar conta do fluxo. Isso traz riscos à segurança dos motoristas e também prejudica o escoamento da produção. O Oeste é grande exportador agroindustrial e a produção é transportada para os portos pelas rodovias.

–A péssima situação das rodovias cria graves percalços para as agroindústrias- disse o presidente da Federação das Agroindústrias do Estado de Santa Catarina, José Zeferino Pedrozo.

-Rodovias em péssimas condições e inexistência de ferrovias e hidrovias anulam a competitividade das empresas do Oeste- complementa o presidente da Aurora Alimentos, Mário Lanznaster.

Desde o início do ano o Sindicato do Comércio Varejista de Chapecó (Sicom) está realizando reuniões com lideranças políticas e representantes do Governo do Estado, para cobrar melhoria nas rodovias e a implantação de um posto da Polícia Rodoviária Estadual em Chapecó. O prefeito de Chapecó, José Cláudio Caramori, anunciou nesta semana que o município vai doar a área de mil metros quadrados para a instalação do posto da Polícia Rodoviária Estadual

De acordo com o comandante da 7ª Companhia de Polícia Militar Rodoviária de Santa Catarina, Major Juarez Segalin, o Posto de Chapecó vai abranger a SC 480, até a divisa com o Estado do Rio Grande do Sul; a SC 283, até Seara e até o município de Águas de Chapecó; e a SC 468, até Quilombo.


Secretaria de Infraestrutura e DNIT anunciam investimentos

O secretário de Infraestrutura de Santa Catarina, Valdir Cobalchini, reconheceu as más condições de algumas rodovias do estado. Ele citou que a SC 283, entre Chapecó e Palmitos, e a SC 468, entre Chapecó e São Lourenço do Oeste, estão entre as piores. Para o secretário as fortes chuvas e a limitação de investimentos do Estado, que não tem rodovias com pedágio, contribuíram para a situação. No entanto ele anunciou que cerca de R$ 500 milhões devem ser investidos na melhoria da malha viária do Estado, nos próximos quatro anos. As obras devem iniciar em 2012.

Cerca de R$ 300 milhões devem vir de um financiamento junto ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), que deve ser assinado até o final do ano. O restante virá de um financiamento do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), de US$ 250 milhões (cerca de R$ 450 milhões), que também deve ser assinado até o final do ano. –Metade desse dinheiro deve ir para as rodovias- disse Cobalchini. Ele afirmou que uma parte “considerável” dos recursos será para a região Oeste.

Cobalchini disse que, pela necessidade logística, que é a distância dos portos e da capital, o Oeste merece ter uma compensação de boas rodovias. E afirmou estar em contato com o Departamento Nacional de Infraestrutura do Transporte (DNIT), para mais investimentos nas BRs 282, 158 e 163.

A Assessoria de Comunicação do DNIT de Santa Catarina informou que até o final do ano devem ser licitados novos lotes do Crema 2 (Contratos de Renovação e Manutenção), para as BRs 282, 153, 163, 280 e 470, totalizando cerca de R$ 700 milhões.

O DNIT está analisando a contratação de um Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental do trecho entre Lages e Paraíso, incluindo a adequação de capacidade no trecho Xanxerê/São Miguel do Oeste. Estão em andamento projetos de duplicação nas travessias urbanas de Xanxerê e Lages, além da duplicação do acesso a Chapecó. A obra de Xanxerê está parada no momento devido a um problema de pagamento entre a empresa contratada e os trabalhadores. Além disso já está finalizado o projeto de adequação de capacidade da BR 163, que posteriormente será licitado.




Comente aqui
05 set09:26

Nove mortes nas rodovias de SC no fim de semana

Nove pessoas morreram durante o fim de semana em acidentes nas rodovias federais e estaduais de Santa Catarina. Somente no sábado foram oito mortes. No acidente mais grave, em Gaspar, no Vale do Itajaí, quatro pessoas morreram e 11 ficaram feridas.

O passeio que começaria em Balneário Camboriú e terminaria no Parque Beto Carrero, em Penha, terminou antes do previsto para alunos e educadores da Escola Estadual Rodolfo Luzina, de Nova Erechim, Oeste catarinense. O grupo seguia em um ônibus e uma van para o litoral, mas pós pararem para tomar café, a van se envolveu em um acidente na BR-470.


>> Câmera de posto grava momento do acidente


Era por volta de 7h de sábado quando, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), um carro que saiu do trevo de Gaspar e invadiu a pista. Para não bater no veículo, o motorista da van teria invadido a pista contrária e batido em um caminhão.


As estudantes Danielly Ana Hining, Bruna Zenni, Renata Júlia Pezenatto e a supervisora educacional Jocicler Mascarello morreram na hora. O velório ocorreu na manhã de ontem, no ginásio da escola. Até a tarde de ontem, seis dos adolescentes feridos continuavam internados.


Também no domingo, em Içara, o motociclista Luiz Roberto de Souza, 39 anos, morreu ao bater a moto que pilotava contra um carro na SC-443. O acidente foi no km 25 da rodovia, por volta das 3h30min.


Sábado


São Miguel D’Oeste: O piloto e o passageiro de uma motocicleta morreram em um acidente na BR-282, por volta das 20h. Nelo Lizack, 34 anos, e Jackson Hoffmann, 17 anos, caíram do veículo no km 640,4 da rodovia e acabaram atropelados por um caminhão.


Navegantes: Um ciclista não identificado morreu ao ser atingido por um carro na BR-470. O acidente foi por volta das 18h30min no km 3 da rodovia.


Porto Belo: Guilherme Feijo Meirelles, 19 anos, estava de carona em uma motocicleta que saiu da pista na BR-101 ás 17h40min. O jovem morreu na hora e o condutor da motocicleta, de 36 anos, foi encaminhado ao hospital com machucados graves.


Mais vítimas em São José


Outro acidente, no Bairro Jardim Zanelatto, em São José, na Grande Florianópolis, provocou a morte de Leandro da Cunha Guedes Ricardo, 19 anos. Leandro pegou carona após sair do trabalho e estava a caminho de casa. Os outros três ocupantes do carro tiveram ferimentos leves. As causas do acidente estão sendo investigadas.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui