Rural

21 ago15:32

Faesc alerta produtores sobre o prazo de entrega da declaração do DITR

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc) orienta os produtores rurais sobre o prazo de entrega da Declaração do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural (DITR), referente ao exercício de 2012, que iniciou na última segunda-feira (20) e encerra no dia 28 de setembro. A Receita Federal publicou a Instrução Normativa RFB nº 1.279, de 6 de julho de 2012, com as regras para a declaração.

A apresentação é obrigatória para pessoa física ou jurídica que seja proprietária, titular do domínio útil e possuidora a qualquer título, inclusive a usufrutuária, do imóvel rural, exceto o imune ou isento. Um condômino deverá apresentar a declaração quando o imóvel rural pertencer simultaneamente a mais de um contribuinte, em decorrência de contrato ou decisão judicial ou em função de doação recebida em comum.

Há dois meios para apresentar a DITR. A primeira opção é pela internet, mediante utilização do programa de transmissão Receitanet, disponível no site da Refeita Federal (www.receita.fazenda.gov.br). Porém, o serviço de recepção será interrompido às 23h59min59s, horário de Brasília, do último dia do prazo. A outra maneira é por meio de disquete, nas agências do Banco do Brasil ou da Caixa Econômica Federal, durante o horário de expediente. A comprovação da apresentação da DITR é feita por meio de recibo gravado após a sua transmissão, em disco rígido de computador ou em mídia removível que contenha a declaração transmitida, cuja impressão deve ser realizada pelo contribuinte mediante a utilização do Programa Gerador da Declaração (PGD), relativo ao exercício de 2012.

Conforme a Instrução Normativa RFB nº 1.279, a entrega fora do prazo corresponderá à multa de 1% ao mês-calendário ou fração de atraso, calculada sobre o total do imposto devido, não podendo seu valor ser inferior a R$ 50, no caso de imóvel rural sujeito à apuração do imposto, sem prejuízo da multa e dos juros de mora devidos pela falta ou insuficiência do recolhimento do imposto ou quota. Para imóvel rural imune ou isento de ITR, a multa é de R$ 50. De acordo com o presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo, quem não fizer a declaração está impedido de tirar a Certidão Negativa de Débitos, documento indispensável para registro de uma compra ou venda de propriedade rural e na obtenção de financiamento agrícola.

O valor do imposto pode ser pago em até quatro quotas iguais, mensais e consecutivas, sendo que: nenhuma quota deve ser inferior a R$ 50; o imposto de valor inferior a R$ 100 deve ser pago em parcela única; a primeira ou única quota deve ser paga até o dia 28 de setembro, as demais devem ser quitadas até o último dia de cada mês, acrescidas de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic) para títulos federais, acumulada mensalmente, calculados a partir do mês de outubro de 2012 até o mês anterior ao do pagamento, e de 1% no mês do pagamento.

Para fins de exclusão das áreas não tributáveis da área total do imóvel rural, o contribuinte deve apresentar ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) o Ato Declaratório Ambiental (ADA) a que se refere o artigo 17, da Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, observada a legislação pertinente.


Comente aqui
21 ago14:16

Cooperhaf e Caixa comemoram investimentos em habitação rural

A Cooperativa de Habitação dos Agricultores Familiares (Cooperhaf) e a Caixa Econômica Federal, por meio do Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR) Minha Casa Minha Vida, já contrataram, na região Sul do Brasil 4.875 unidades habitacionais destinadas a agricultores familiares. Destas, 1.824 são famílias agricultoras beneficiadas em Santa Catarina, 1.731 no Rio Grande do Sul e 1.320 no Paraná.

Foram mais de R$ 100 milhões investidos, sendo cerca de R$ 70 milhões de subsidio do Governo Federal e R$ 32 milhões de recursos financiados pela Caixa, valores estes que incrementaram a economia dos municípios do Sul do Brasil.

De acordo com a presidente da Cooperhaf, Liane Vitali Kothe, se transformarmos o valor médio do subsídio em produtos da agricultura familiar, como o leite, teríamos a seguinte situação: Uma família que trabalha com a bovinocultura de leite e que recebeu de subsídio o valor médio de R$ 20 mil para a construção da nova moradia, deveria comercializar todo mês 2.300 litros de leite ao valor de R$ 0.70, que é o preço do litro atualmente, acumulando o valor mensal de RS 1666.00 e depositando na poupança integralmente este valor durante o período de um ano.

- Muito mais que ter a casa nova, são milhões investidos que movimentam a economia dos municípios, gerando emprego e renda e proporcionando ainda a qualidade de vida aos moradores da agricultura – complementa Liane.

De acordo com a superintendente nacional de habitação rural da Caixa, Noemi Lemes, nas ações do Programa, as famílias recebem capacitação técnica e orientação sobre gestão da propriedade rural, embelezamento das moradias, cooperativismo, participação da mulher na gestão da propriedade e ações que visem à permanência do jovem no campo. O PNHR prevê o subsidio de R$ 1 mil, por família, para que a entidade organizadora preste assistência técnica e execute o trabalho social junto às famílias, aspecto fundamental do Programa, que visa promover a qualidade de vida dos trabalhadores do campo e evitar o êxodo rural.

Vale ressaltar que se enquadram no PNHR agricultores familiares e trabalhadores rurais. As famílias são organizadas por entidade representativa sem fins lucrativos (município, estado, sindicatos, cooperativa ou associações), que apresentam projetos técnicos de engenharia e social para Caixa Econômica Federal.

No PNHR, as entidades identificam a demanda habitacional e auxiliam no trabalho de organização das famílias. Os bancos habilitados entram como agentes financeiros e gestores operacionais do Programa, contribuindo com o trabalho de capacitação técnica e social das comunidades, por fim, liberam os recursos e acompanham a realização das obras.


Programa Nacional de Habitação Rural

Parte integrante do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV), o Programa Nacional de Habitação Rural foi criado pela necessidade de uma política habitacional que atendesse as especificidades da moradia no campo, onde as diferenças do meio urbano para o rural – tais como cultura, forma de remuneração, gleba de terra, logística para construção – passaram a ser consideradas nos programas de moradia para a população do campo.


Parâmetros do programa

Para famílias com renda anual de até R$ 15 mil (Grupo I), o valor do subsídio, com recursos do Orçamento Geral da União (OGU), é de até R$ 25 mil para construção e até R$ 15 mil para reforma. Cada família devolve à União apenas 4% do valor subsidiado, em 4 parcelas anuais (1% por ano – 96% do valor total do projeto é subsidiado).

Famílias com renda anual entre R$ 15 mil e R$ 30 mil (Grupos II), podem receber subsidio de até R$ 7 mil e os valores financiados podem chegar a R$ 80 mil, com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

O valor médio das unidades habitacionais é de R$ 25 mil – custo mais baixo, em relação às áreas urbanas, pela disponibilidade de terrenos no meio rural e pelo sistema de produção das moradias (mutirão/autoconstrução assistida, administração direta).


Comente aqui
29 mai12:31

Negócio certo rural tem terceiro encontro em Ipuaçu

O curso Negócio Certo Rural foi dividido em cinco etapas. No terceiro encontro foi apresentado o final do plano de negócios que destacou novas ideias para as propriedades.

O consultor do Sebrae Nedir Alexandre que está ministrando o curso salientou que a finalidade dos encontros é fazer com que os participantes tenham novos projetos para aplicar nas suas propriedades.

- Queremos fazer com que eles trabalhem e tenham novas ideias com o que eles tem nas propriedades – disse Nedir.

O objetivo do curso é contribuir para a melhoria da gestão das atividades praticadas nas propriedades rurais, promover a mudança de comportamento e de atitude dos produtores rurais, incentivar os jovens a identificarem ideias de negócio na propriedade familiar e contribuir para a geração de renda e melhorar a qualidade de vida dos produtores e seus familiares.

O Primeiro encontro foi trabalhando a geração de novas ideias de negócios, o segundo a busca de informações e os participantes montaram o plano de negócios os quais foram colocados em prática. Nedir explicou que já houve a consultoria de duas horas por propriedade e após encerrar o curso, será feita uma visita de quatro horas em cada propriedade para analisar e verificar o que foi colocado em prática.

O curso é uma parceria da Secretaria Municipal de Agricultura de Ipuaçu, Sebrae e Senar.



Comente aqui
18 mar15:04

Festa Estadual do Milho em Xanxerê terá palestra sobre Turismo Rural

Mostrar para os agricultores uma nova opção que pode gerar renda alternativa para as propriedades é o objetivo da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, através de uma palestra que acontecerá no auditório do Parque de Exposições Rovilho Bortoluzzi durante a realização da XVI Festa Estadual do Milho – Femi 2012. O evento contará com a presença de técnicos e agricultores do projeto “Acolhida na Colônia”, que veio para o Brasil em 1998 e foi desenvolvido em Santa Rosa de Lima/SC.

Segundo a responsável pela palestra, Eliane Lanner, a intenção é reunir agricultores, estudantes e a comunidade para apresentar uma nova ideia que pode ser aplicada em Xanxerê e na região, especialmente pelas potencialidades turísticas do município. – A Femi é voltada para vários segmentos e acredito que esta é uma boa oportunidade para trazer esse projeto. O nosso foco são os agricultores, para que eles conheçam um pouco de uma ideia que deu certo em Santa Rosa de Lima e que pode dar certo em Xanxerê – afirma.

O evento acontecerá no dia 02 de maio, às 14h, no auditório na Femi 2012, sendo que a entrada será gratuita no Parque neste dia.

Mais informações com Eliane Lanner, pelo telefone (49) 3441 8568.


Comente aqui
23 fev14:58

Tecnoeste 2012: A importância da Gestão Rural

A tecnologia já é uma realidade na vida do produtor rural. Ele não lida apenas com o trabalho pesado na propriedade, mas com números, dados e finanças, é a Gestão Rural com foco em resultados. Tema que será abordado no Show Tecnológico Rural do Oeste Catarinense – Tecnoeste 2012, a partir do dia 29 de fevereiro, em Concórdia.

Na prática, a Gestão da Propriedade é adotada por empreendedores rurais, que visam a ampliação das metas e dos objetivos. Na Linha Rigon, interior de Concórdia, encontramos um exemplo de evolução no campo. O coração da propriedade da Família Rogowscki bate mais forte durante a noite, quando o empreendedor rural, Giovani Rogowscki, dedica-se a trabalhar nas contas da granja. As tabelas indicam as despesas e receitas. E abrem possibilidades para novos investimentos. – Tomada de decisão, com o controle é possível conhecer o lucro real de cada atividade, isso facilita o trabalho prático na granja – explica o empreendedor.

Com a produção voltada para os segmentos da Bovinocultura de Leite e Suinocultura, é preciso ter caixa para investimentos. O filho da família Rogowscki destaca que lidar com o financeiro não foi uma tarefa fácil, mas abriu oportunidades. – A produção da granja praticamente dobrou, antes tínhamos 10 bovinos em lactação e 20 matrizes suínas, ou seja, evoluímos – acrescenta.

Gerenciar uma propriedade rural não significa apenas ter um controle de custos. É acompanhar na prática o desenvolvimento promissor da propriedade. – Ordenha, estábulo adequado, sistema de resfriamento, isso tudo foi conquistado aos poucos, com os pés no chão, resultado de um trabalho feito por toda a família, mas baseado no conhecimento que meu filho obteve – destaca a mãe da família, Justina Rogowscki.

Realidade bem diferente do que a família imaginava há 11 anos atrás, quando a primeira edição do Tecnoeste foi realizada, e o filho Giovani ainda cursava o Técnico em Agropecuária. – Eu incentivei o estudo e a formação para que o caminho deles fosse diferente do nosso, de sofrimento no interior, na época nossa granja não era assim e eu não queria que eles voltassem para trabalhar em casa – recorda Dona Justina.

Com a permanência de um dos filhos na propriedade, a família passou a investir ainda mais na produção de leite e suínos. Investimento aliado a compra de maquinário, adoção de tecnologia e conhecimento. – Usamos as ferramentas do papel e caneta em tudo, anotamos tudo da propriedade – completou o filho.

A gestão rural também proporcionou mudanças em uma outra propriedade. Localizada em Linha São Paulo, também em Concórdia, a propriedade da Família Agostini é controlada. Tudo para evitar prejuízos e manter a funcionalidade da empresa rural. – Precisamos pensar em tudo, colocar na ponta do lápis as contas e avaliar o desempenho da atividade – explica o empresário rural, Ilocir Agostini.

A boa gestão de uma propriedade pode significar a continuidade da produção de alimentos. Em um mercado cada vez mais competitivo e instável, é preciso ter bases sólidas para enfrentar todos os desafios. – A dificuldade é ainda maior nesta região do estado, os terrenos não são planos, a topografia não contribui, mas mesmo assim precisamos andar ao lado das tecnologias e produzir sempre mais e melhor – destacou Agostini.


Comente aqui
30 jan14:10

Prazo para contribuição sindical rural termina nesta terça-feira

O prazo para os produtores rurais, pessoa jurídica, recolherem a Contribuição sindical rural, exercício 2012, encerra nesta terça-feira, dia 31. A orientação é da Federação do Estado de Santa Catarina – Faesc, em parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA e os Sindicatos rurais.

São considerados pessoa jurídica os produtores rurais que possuem imóvel rural ou empreendem, a qualquer título, atividade econômica rural, enquadrados como “empresários” ou “empregadores rurais”. A contribuição é um tributo obrigatório, previsto na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), regulamentada pelo Decreto nº 1.166/1971.

O presidente da Faesc, José Zeferino Pedrozo, esclarece que a falta de recolhimento da Contribuição Sindical Rural até a data de vencimento sujeitará ao produtor pagamento de juros, multa e atualização monetária, previstos no artigo 600 da CLT.

As guias foram emitidas com base nas informações prestadas pelos contribuintes nas Declarações do Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural – ITR, repassadas à CNA pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, com amparo no que estabelece o artigo 17 da Lei nº 9.393, de 19 de dezembro de 1996.

O documento foi remetido, via postal, para os endereços indicados nas respectivas declarações. Em caso de perda, de extravio ou de não recebimento da guia de recolhimento, o contribuinte poderá obter diretamente pela internet, no site da CNA (www.canaldoprodutor.com.br). Outras informações através do telefone 48 3333 0322.


Comente aqui
26 jan17:24

14ª Itaipu Rural Show em Pinhalzinho

Os incentivos para a educação no meio rural e para o cooperativismo são fundamentais para o fortalecimento do campo. Esse foi o discurso do presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina, Marcos Antonio Zordan, na abertura da 14ª edição do Itaipu Rural Show. A feira segue até o sábado, dia 28 em Pinhalzinho.

O dirigente manifestou esta preocupação para diversas autoridades políticas, empresariais e do sistema cooperativista que estavam presentes no evento, considerado um dos maiores no setor de difusão tecnológica do agronegócio do sul do país, voltado para a pequena e média propriedade rural.

Zordan lembrou que 2012 é considerado o Ano Internacional das Cooperativas e será amplamente comemorado por determinação da Organização das Nações Unidas (ONU).

- Esse reconhecimento representa a contribuição do cooperativismo para o desenvolvimento socioeconômico, além de promover a valorização do segmento e, consequentemente, o crescimento nos mais diversos ramos – disse.

A iniciativa permitirá discussões sobre a contribuição das cooperativas para a geração de emprego e integração social, através de um modelo de negócio que contribui para o desenvolvimento socioeconômico dos cooperados e comunidades onde atuam. – O sistema cooperativista gera estímulo, crescimento e distribuição igualitária de renda, o que fortalece todos os setores da economia do país. É um modelo que dá certo e merece incentivos – enfatizou.

A educação do campo também foi defendida como prioridade pelo presidente da Ocesc. Segundo Zordan, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop), vinculado à Ocesc, investe 97% dos recursos na formação e qualificação profissional de dirigentes, funcionários e associados das cooperativas.

O Sescoop organiza, administra e executa o ensino de formação profissional e a promoção social voltados ao cooperativismo e inclui treinamentos nas seguintes áreas: comunicação, matérias tributárias, jogos cooperativos, auditorias e rotinas trabalhistas, contabilidade básica, formação de multiplicadores, formação de jovens lideranças cooperativistas, encontro de mulheres, além dos programas menor aprendiz, cooperjovem e do apoio financeiro a estudantes.

- Somente conseguiremos manter os jovens no meio rural se eles tiverem acesso ao ensino, à tecnologia e informação. Sem o jovem para dar continuidade às atividades rurais, o campo enfraquece e também não haverá desenvolvimento para as cidades – finalizou.


Comente aqui
25 jan15:04

14ª Itaipu Rural Show em Pinhalzinho

Uma oportunidade para conhecer a evolução tecnológica do Agronegócio, este é o objetivo da 14ª edição da Itaipu Rural Show. A feira, que tem como tema desta edição a Sucessão Familiar, foi aberta na manhã desta quarta-feira em Pinhalzinho.

Assim que chegam ao local os visitantes recebem a programação dos quatro dias de evento e um mapa para encontrar tudo que a Itaipu oferece nos 18 hectares.

Os agricultores encontram, além das novidades na lavoura, opções de maquinários para o campo. São 230 empresas expositoras que trazem novas tecnologias em máquinas agrícolas, equipamentos para a agricultura familiar, produção de leite, avicultura, enfim, opções que possam acompanhar a evolução do Agronegócio.

A Itaipu Rural Show pode ser visitada até sábado, dia 28. Os portões abrem às 8h e fecham às 19h.


Comente aqui
16 dez12:28

Rota de Turismo Rural

A Secretaria Municipal de Turismo lança nesta sexta-feira, 16, às 19h a Rota do Turismo Rural. O projeto foi desenvolvido focando o turismo com aproveitamento das potencialidades agrícolas do município. Famílias de agricultores foram capacitadas nos últimos meses com treinamento sobre empreendedorismo, qualidade no atendimento, manipulação de alimentos e gestão do turismo rural.

A intenção da secretaria é oferecer ao turista mais um atrativo para que permaneça um tempo maior em Itá, incrementando a renda das propriedades envolvidas. – Inicialmente, vamos contar com três propriedades. Se der resultado, podemos inserir outras que já demonstraram interesse – salienta a secretária Karla Hall.

A parceria entre a prefeitura e a Coopervale de Itá rendeu a cada propriedade R$ 8 mil para adequação das estruturas visando receber os turistas.

A Rota do Turismo Rural compreende o Recanto do Balseiro, e o Cantinho da Vovó Maria na Linha Simon, e o Itaçúcar, em Passo do Uvá. No Recanto do Balseiro terá como atração um Museu do Balseiro, a Trilha das Frutas, geléias e sucos naturais e o café da roça. No Paraíso da Vovó Maria haverá uma pousada, lanches e refeições, frutas nativas e sucos naturais e a Casa do Mel. No Itaçúcar o visitante vai encontrar cachaça artesanal, rapaduras, melado, caldo de cana e passeio de carroça.

A partir do dia 07 de janeiro as três propriedades estarão abertas à visitação. O agendamento dos visitantes deve ser feitos através do fone (49) 8835-5677 ou na Secretaria Municipal de Turismo de Itá (49) 3458-2299.

Além destes atrativos da rota, em Itá existe o quiosque da agricultura familiar que comercializa diariamente frutas, hortaliças, panifícios, geléias, queijos, salames e derivados do campo.


Comente aqui
14 dez10:04

Casa Familiar Rural de São José do Cedro promove curso de formação

Durante três dias, a Casa Familiar Rural de São José do Cedro realizou um curso de formação voltado às famílias. O objetivo foi proporcionar um encontro entre pais, monitores e associação, com o intuito de promover um momento de aprendizagem e de múltiplos diálogos, que enfatizam principalmente a formação integral dos jovens, tendo a educação familiar como base.

A atividade iniciou com palestra sobre a Pedagogia da Alternância, a programação seguiu com uma palestra sobre o Histórico da Evolução da Agricultura e a Importância da Organização da Propriedade, ministrada pelo técnico em Agropecuária da Epagri, Elmar Hentz. A terceira palestra tratou o tema da Sucessão Familiar e Gestão Familiar, com a palestrante, Maritânia Bagnara.

Os participantes também tiveram aulas sobre a Importância da Casa Familiar e o papel da Associação, com José Luiz Lorenzini. O último dia de atividades ofereceu uma palestra sobre Saúde Física, Mental e Afetividade com as profissionais da Secretaria de Saúde, a enfermeira, Adeli Nonnemacher, a psicóloga, Ana Paula da Luz Bianchini e as fisioterapeutas, Letícia Priori e Francyely Casagranda. Nos três dias de curso os pais permaneceram na Casa Familiar e vivenciaram situações semelhantes às dos seus filhos quando estes estão em Alternância da CFR.


Comente aqui