Sargento

12 ago11:11

Sargento que teve 50% do corpo queimado recebe promoção por ato de bravura em Chapecó

O sargento Valmir Bressan Camargo do 2º Batalhão da Polícia Militar de Chapecó, que sofreu graves queimaduras durante uma ação no início deste ano e realizou o tratamento no hospital da Unimed em Joinville, recebeu promoção por ato de bravura na tarde de sexta-feira, dia 10.

A solenidade, que graduou o policial como 1º sargento, contou com a presença de convidados, policiais e familiares.

Camargo ainda está em tratamento após sofrer queimaduras de primeiro e segundo grau em cerca de 50% do corpo no dia 2 de janeiro deste ano ao atender uma ocorrência no município de Abelardo Luz, durante a Operação Veraneio em uma agência bancária.


Como foi o acidente

Camargo e o soldado Viviani Solforoso foram acionados porque homem que estaria quebrando caixas eletrônicos. Ao chegarem, viram que o suspeito jogava combustível no interior da agência e pediram para que ele se retirasse do local, mas ele não acatou a ordem dos policiais.

Camargo, então, foi em direção ao sujeito e o segurou para impedir que ateasse fogo no local, mas ambos acabaram caindo sobre o combustível, o isqueiro que estava na mão do suspeito foi acionado e as chamas atingiram os dois.

O suspeito não sobreviveu em razão da gravidade dos ferimentos e o sargento foi trazido para Joinville no dia 3 de janeiro pelo helicóptero da PM para receber tratamento.

Ele permaneceu internado por cerca de seis meses, passou por mais de 20 cirurgias e retornou para casa no último dia 3 de julho.

O sargento Camargo está na corporação há 18 anos, e a mais de 10 anos atua na 4ª Companhia PM de Xanxerê, onde desenvolveu funções na Agência de Inteligência e Pelotão de Patrulhamento Tático (PPT).


A NOTÍCIA


Comente aqui
04 jul10:53

Sargento da PM que teve corpo queimado visita Xanxerê

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Após seis meses de tratamento e 20 cirurgias de retirada de pele, enxerto e plásticas o 2º Sargento Valmir Bressan Camargo, 40 anos, visita Xanxerê. O policial, que teve 50% do corpo queimado durante atendimento em uma ocorrência, no dia 2 de janeiro deste ano, em Abelardo Luz, deve ficar 30 dias na cidade. Durante a estadia na região ele segue os trabalhos de fisioterapia. Depois retorna para o Joinville onde se recupera.

Camargo chegou à cidade na tarde da terça-feira, dia 3 de julho, e foi recepcionado por amigos e oficiais da Polícia Militar, como o capitão Maurício Gonçalves Viríssimo, comandante da 4ª Companhia e o tenente Vilte dos Santos, subcomandante, no aeroporto de Xanxerê. Ao descer da aeronave da Polícia Militar de Santa Catarina ele não conteve as lágrimas e a emoção de retornar à terra natal.

- Sinto uma paz de espírito em estar com meus amigos. Até o ar é daqui é diferente. Vai ser muito bom para minha recuperação – disse emocionado.

>> Sargento da PM de Xanxerê que teve corpo queimado recebe visita

O Soldado falou ainda que foi preparado para atuar em diversas ocasiões e que tem a sensação de dever cumprido em todas as ocorrências que participou durante os quase 18 anos de corporação e não vê a hora de voltar ao trabalho.

- Quero retornar ao serviço e fazer muito pela sociedade. Mas se não for possível, de alguma forma quero fazer algo de bom – disse.

Camargo também visitou a 4ª Companhia da Polícia Militar. No local de trabalho conheceu e reencontrou colegas da corporação.


Comente aqui
15 fev16:20

Sargento da PM de Xanxerê que teve corpo queimado recebe visita

Na segunda-feira, dia 14, o sargento Valmir Bressan Camargo, vítima de queimadura após atendimento de uma ocorrência no dia 2 de janeiro em Abelardo Luz, recebeu a visita do capitão Maurício Gonçalves Viríssimo, comandante da 4ª Companhia do 2º BPM, do sargento Leandro e dos soldados Curtarelli e Fabiano. Ele segue internado no Hospital da Unimed, em Joinville.

Os policiais colheram o depoimento de Camargo que teve 50% do corpo queimado. Ele foi transferido um dia após o acidente, pelo helicóptero da Polícia Militar, para o Hospital de Joinville.

>> Sargento de Xanxerê que tentou impedir morte no Oeste segue internado

Segundo o capitão Maurício, o Sargento ficou emocionado com a visita. Por algumas vezes ele chorou ao lembrar a ocorrência e ao saber que a população de Xanxerê está preocupada com a situação dele – contou o oficial.

De acordo com o capitão, todos os dias o policial militar é submetido ao tratamento em câmara hiperbárica, em outro hospital, e em dias alternados são trocados os curativos, um procedimento que chega a durar cerca de três horas, além da fisioterapia todos os dias. – É uma recuperação lenta, mas que com o apoio da família e dos colegas de farda com certeza o sargento terá muita força e coragem para passar por essa etapa da sua vida ainda mais fortalecido – completou Maurício.


Comente aqui
15 jan19:40

Sargento de Xanxerê que tentou impedir morte no Oeste segue internado em Joinville

Karina Schovepper | karina.schovepper@an.com.br

O ano havia começado e, com ele, a esperança do sargento da Polícia Militar Valmir Bressan Camargo, 40 anos, de ser chamado para o curso de formação de oficiais e ficar dois anos em Florianópolis, especializando-se na profissão que era uma de suas paixões.

As longas horas de trabalho e os plantões durante os feriados não eram problema para ele e a mulher, a assistente-social Cristiane Golembuski Camargo, 33 anos.

Valmir era admirado pelos colegas e um exemplo para quem o conhecia. Pai de uma menina de dois anos, começou na carreira militar aos 18 anos e sempre sonhou em ser policial. Há mais de dez anos, ele trabalha na Polícia Militar de Xanxerê, onde desenvolve funções na agência de inteligência e comanda o Pelotão de Patrulhamento Tático (PPT).

Os riscos da profissão eram motivos de apreensão para Cristiane sempre que o marido saía de casa, mas nunca imaginou que um dia teria de ouvir que ele havia se ferido.

No último dia 3, Valmir, que trabalhava na Operação Veraneio, em Aberlado Luz, no Oeste, foi chamado para atender uma ocorrência em uma agência bancária, onde um homem estaria quebrando os vidros e danificando os caixas.

Ao chegar ao local, o policial encontrou Fábio Bevilácqua, 30, que estava alterado, e que havia jogado gasolina na agência e ameaçava se matar.

Em um ato heróico, Valmir tentou puxar Fábio para fora do local, mas já era tarde. Ele acendeu um isqueiro e a agência explodiu. Fábio teve 90% do corpo queimado, não resistiu aos ferimentos e faleceu no Hospital São Paulo de Xanxerê, no dia 4.

Valmir teve queimaduras de primeiro e segundo grau em 50% do corpo – nas mãos, braços, pernas e rosto – e chegou a ser internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São Paulo, mas foi transferido para a UTI do Hospital da Unimed, em Joinville, um dia depois.

Segundo a mulher, como ele usava colete a prova de a balas na hora da ocorrência, seu tronco ficou protegido das chamas.

— É um momento difícil, a gente ainda não conversou sobre o que aconteceu. Acho que o principal agora é ele se recuperar —, explica.

O acidente aconteceu uma semana antes de Valmir tirar férias. Para este ano, ele e a mulher não haviam programado nenhuma viagem, mas queriam curtir a família e, quem sabe, fazer algum passeio. Planos que precisaram ser adiados e sem previsão de uma nova data.

— De certa forma foi bom eu já estar de férias para poder cuidar dele. Mas claro que não é nada daquilo que tínhamos em mente —, conta.

Valmir gosta de futebol. Ele costuma participar de campeonatos, além de acompanhar os jogos do Internacional.

Comente aqui
03 jan20:21

Sargento da PM de Xanxerê que teve o corpo queimado foi transferido para Joinville

O Sargento da Polícia Militar, Valmir Bressan Camargo, que teve queimaduras de primeiro e segundo grau em 60% nas mãos, braços, pernas e no rosto, foi transferido para o centro de tratamento para queimados do Hospital da Unimed de Joinville. A transferência foi de helicóptero no começo da tarde. Ele segue internado na UTI.

O sargento está com queimaduras de primeiro e segundo graus, Por estar usando o colete a prova de balas na hora da ocorrência, seu tronco ficou protegido das chamas.

Já o autor do crime, Fábio Bevilaqua, 30 anos, que ficou com 90% do corpo queimado não resistiu aos ferimentos e morreu na madrugada no Hospital São Paulo. Ele foi sepultado às 17h30 da terça-feira no Cemitério Municipal de Abelardo Luz.

A Polícia Militar disse que Fábio, que já era conhecido por diversas ocorrências na cidade, teria tentado colocar fogo nos caixas eletrônicos de uma agência bancária de Abelardo Luz, usando gasolina como combustível. O Sargento chegou e os dois entraram em luta. O homem tentou atear fogo no policial e também acabou ferido.

A Polícia Civil deve concluir o inquérito nos próximos dias, segundo informou o Delegado Luiz Carlos Dadam, que cuida o caso.



Comente aqui