clicRBS
Nova busca - outros

Saúde

13 nov12:06

Confira cinco dicas para evitar mau hálito

Infecção por bactérias ou má escovação dos dentes. Essas são as principais causas do mau hálito, segundo o cirurgião-dentista Ruy Francisco de Oliveira, que dá cinco dias para evitar o problema.

Mas antes ele faz um alerta: no caso de mau hálito por infecção, as bactérias podem ser levadas pela corrente sanguínea e provocar doenças.


:: Escovar bem os dentes sempre após as refeições, sem esquecer da língua, onde se forma a placa conhecida como saburra, que gera os gases do mau hálito.


:: Usar limpador de língua, aparelho de higiene que é capaz de remover até 98% da massa bacteriana presente no local.


:: Usar produtos específicos que evitam proliferação das bactérias diretamente responsáveis pelo mau hálito.


:: Usar fio dental em todas as escovações para evitar que se forme massa bacteriana entre os dentes e na gengiva. Além de causar mau hálito, essa massa de bactérias pode causar inflamação da gengiva.


:: Evitar longo período de jejum. Quando ficamos muito tempo sem comer, o organismo começa a liberar ácidos graxos que geram mau hálito.


VIDA E SAÚDE



Comente aqui
16 out15:54

Anda faminto, esquecido e chorão? A culpa pode ser da falta de sono

Cerca de um terço da população adulta dorme menos do que deveria, segundo uma pesquisa americana. Os riscos mais conhecidos de se dormir menos que o indicado – que costuma variar entre sete e nove horas de descanso por noite, dependendo da pessoa – são os problemas cardíacos e a obesidade. No entanto, uma série de pesquisas revelou as consequências mais sutis da falta de repouso. Descubra abaixo se você sofre de alguma delas:


Fome: um estudo apresentado em um encontro da Society for the Study of Ingestive Behavior revelou que a falta de sono aumenta os níveis do hormônio grelina – o mesmo que estimula a sensação de fome. Essa alta no hormônio não apenas dá vontade de comer mais, mas ainda de ingerir alimentos mais gordurosos e calóricos. É por isso que quem dorme menos corre maior risco de desenvolver obesidade.


Choro: chorar ao assistir comerciais da TV não é necessariamente TPM. A verdadeira culpada pode ser a falta de sono: ela pode tornar o cérebro até 60% mais sensível a imagens negativas ou chocantes e incapaz de contextualizar experiências emocionais, de acordo com estudo publicado em 2007 no USA Today.


Esquecimento: mesmo que você ache que é problema da idade ou do stress, o cansaço pode ser o grande responsável pela diminuição da memória, bem como pela dificuldade de se concentrar. Ele pode, ainda, causar confusão mental e problemas de aprendizagem, segundo o site WebMD.


Resfriado: quem dorme menos de sete horas por noite tem três vezes mais chances de se resfriar, de acordo com o LA Times. Resfriados prolongados também podem ser um indício de falta de sono. Fique atenta!


Falta de jeito: se você anda desajeitada (derrubando objetos, batendo nas coisas), isso também pode ser um sinal. Apesar de não saberem bem por quê, cientistas afirmaram em um artigo da revista Prevention que as funções motoras de pessoas com sono ficam mais lentas e menos precisas. Os reflexos enfraquecem, o equilíbrio diminui e o tempo de reação fica mais lento – tudo isso porque você dormiu pouco.


Diminuição do apetite sexual: a falta de sono pode deixar você ou seu parceiro sem vontade de ação entre os lençóis. Além disso, ela acarreta uma elevação nos níveis de cortisol – o hormônio do stress -, o que também contribui para a diminuição do apetite sexual, segundo o WebMD. Para combater esse problema, experimente passar mais tempo na cama – dormindo!


DONNA ZH



Comente aqui
09 out09:39

Você sabe como realizar o autoexame de mama?

O autoexame não substitui uma consulta clínica, mas auxilia no conhecimento do corpo e na prevenção do câncer de mama. Mas pode ser que muitas mulheres não saibam a forma correta de fazer o exame.

Lembre-se que toda mulher acima dos 40 anos deve procurar um ambulatório, centro ou posto de saúde para realizar o exame clínico das mamas anualmente. Além disso, mulheres entre 50 e 69 anos devem fazer a cada dois anos a mamografia.

Aproveitando a campanha Outubro Rosa, que tem como meta ampliar a conscientização para a prevenção do câncer de mama, o Bem-estar tira suas dúvidas sobre o autoexame:


:: Quando fazer?

Faça o autoexame uma vez por mês. A melhor época é logo após a menstruação. Para as mulheres que não menstruam mais, o autoexame deve ser feito no mesmo dia de cada mês, como por exemplo todo dia 15. Aconselha-se começar a praticar o exame depois dos 21 anos.


:: Como examinar as mamas?

Na frente do espelho, eleve e abaixe os braços. Observe se há alguma anormalidade na pele, alterações no formato, abaulamentos ou retrações.

Durante o banho, com a pele molhada ou ensaboada, eleve o braço direito e deslize os dedos da mão esquerda suavemente sobre a mama direita estendendo até a axila. Faça o mesmo na mama esquerda.

Deitada, coloque um travesseiro debaixo do lado esquerdo do corpo e a mão esquerda sob a cabeça. Com os dedos da mão direita, apalpe a parte interna da mama. Inverta a posição para o lado direito e apalpe da mesma forma a mama direita.

Com o braço esquerdo posicionado ao lado do corpo, apalpe a parte externa da mama esquerda com os dedos da mão direita.


:: O que procurar?

Deformações ou alterações no formato das mamas:

— Abaulamentos ou retrações

— Ferida ao redor do mamilo

— Caroços nas mamas ou axilas

— Secreções pelos mamilos


Fonte: Ministério da Saúde


BEM-ESTAR



Comente aqui
05 out09:34

Nível de estresse entre trabalhadores brasileiros cresceu 41%, diz pesquisa

O nível de estresse entre trabalhadores brasileiros cresceu 41% no último ano de acordo com pesquisa realizada pela multinacional Regus, empresa de projetos para escritórios. Parece muito — e provavelmente é. No entanto, trata-se do terceiro menor percentual entre os 14 países pesquisados, à frente de Holanda (40%) e Austrália (38%).

Os campeões de estresse são os chineses (75%) e alemães (58%), enquanto a média percentual foi de 48%. De modo geral, fatores como a falta de infraestrutura interna para suportar o crescimento que o país vive, assim como a contínua instabilidade da economia mundial, parecem ter contribuído para essa pressão crescente.

Os participantes disseram que a maioria dos gatilhos que elevam o estresse não é de natureza pessoa, mas profissional. Preocupações com emprego, finanças pessoais e clientes encabeçaram a lista de causas.

O Brasil obteve o maior percentural no item Eu acredito que flexibilidade no trabalho reduz o estresse, com 66% — mesmo índice constatado nos Estados Unidos e Austrália e menor do que entre mexicanos (67%), belgas (69%), indianos (72%) e canadenses (73%).

— No Brasil, um em cada cinco trabalhadores descreve o estresse sentido no trabalho como “excessivo”. E a carga de estresse não recai apenas sobre eles, reflete também nos negócios, pois é aí que se percebe o rendimento das equipes abaixo do esperado, a necessidade de maior número de afastamentos por motivo de doença e a diminuição da eficiência — diz o diretor-geral da Regus no Brasil, Guilherme Ribeiro.

Além dos já citados, participaram da pesquisa trabalhadores da França, Reino Unido, África do Sul e Japão.


Em relação ao Brasil, a pesquisa também indicou que:

:: As principais causas do estresse são: emprego (55%), finanças pessoais (45%) e clientes (38%).

:: 66% dos participantes afirmam que meios flexíveis de trabalho reduzem o estresse.

:: Mais da metade (58%) dos participantes acredita que meios flexíveis de trabalho fazem muito bem para a família.

:: Os trabalhadores de pequenas empresas estão mais propensos ao estresse causado pelos clientes (41%) que os trabalhadores de grandes empresas (33%). Em compensação, são menos cobrados pelos gerentes (21%) que seus colegas de empresas maiores (42%).

:: 42% dos participantes consideram que meios flexíveis de trabalho são mais baratos que locais fixos de trabalho, e 83% dizem que tais meios melhoram a produtividade.

VIDA E SAÚDE



Comente aqui
03 out15:10

Chocolate é aliado da atividade física se consumido na quantidade certa

O chocolate pode ser um aliado na prática de atividade física desde que consumido com moderação, diz o nutricionista Ricardo Zanuto, mestre em fisiologia humana. Isso porque, explica ele, o alimento aumenta os níveis de serotonina, substância responsável pelo bem-estar, o que gera mais disposição para fazer exercício. Além disso, contém cafeína, que é estimulante do sistema nervoso central.

— É ótimo pelo alto valor energético não só para quem faz atividade física, mas também para quem vive rotina agitada — afirma Zanuto, acrescentando que o chocolate é rico em sais minerais como potássio, fósforo, magnésio e ferro.

Pesquisas realizadas pela universidade de Cambridge, na Inglaterra, mostram que o consumo desse derivado do cacau exerce influência positiva na saúde, como antioxidante, anti-hipertensivo, anti-inflamatório, anti-aterogênico, entre outros.

— As propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, por exemplo, podem ser aliadas na recuperação pós-exercício — explica o especialista.

O consumo antes ou após a atividade física vai variar de acordo com a demanda e a necessidade energética de cada pessoa, sendo fundamental a orientação de um nutricionista, que irá inserir o chocolate na dieta.

— O chocolate é uma fonte de energia prática e rápida, mas é importante ter atenção com a ingestão excessiva de gordura.

A quantidade diária recomendada é de 30 gramas.

— Pela praticidade e quantidade, uma indicação é consumir barrinhas de cereal de chocolate, que possuem mais ou menos essa quantidade. Caem muito bem depois do exercício — diz Zanuto.


VIDA E SAÚDE



Comente aqui
02 out08:53

Olhos vermelhos podem indicar hipertensão

Um dos muitos sintomas da pressão alta pode ser facilmente identificado estando cara a cara com o paciente: os olhos vermelhos.

Dados da Mayo Clinic revelam que em 90% dos casos trata-se de hipertensão primária, quando não há causa identificável. Já os 10% restantes estão relacionados a algum outro problema de base, como falência dos rins e tumores, ou ainda a medicações como a pílula anticoncepcional e os antigripais.

De acordo com o doutor Renato Neves, diretor-presidente do Eye Care Hospital de Olhos, em São Paulo, quando a vermelhidão nos olhos é persistente, vale a pena consultar um oftalmologista para descartar outros problemas relevantes.

“Principalmente se o sintoma for acompanhado de perda de visão, dor de cabeça intensa, sensibilidade exagerada à luz, dificuldade de manter os olhos abertos, ou ainda de uma secreção purulenta, é preciso fazer uma avaliação criteriosa para descartar conjuntivite, reações alérgicas ou infecções”, diz o médico.

Como os vasos sanguíneos dos olhos são relativamente mais finos, Neves diz que, em caso de hipertensão, eles respondem ao aumento de pressão sanguínea inicialmente inchando e, inclusive, rompendo – provocando hemorragia ocular.

“O sangue costuma se espalhar e ficar mais visível na parte branca e aquosa dos olhos. É preciso ressaltar que, inicialmente, não há razão para alarde. Os olhos podem estar vermelhos simplesmente devido a um período de noites mal dormidas. Caso o quadro persista e seja acompanhado de alguns dos sintomas descritos, daí sim é importante procurar um médico oftalmologista e controlar a pressão arterial – ciente de que o padrão da pressão normal é 12×8”.

HORA DE SANTA CATARINA



Comente aqui
01 out14:15

Apesar da falta de especialistas, SUS atende mais rápido que planos de saúde em SC

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Na rede pública de Chapecó há opiniões divergentes sobre o atendimento. Alguns pacientes dizem que são atendidos rapidamente. Outros reclamam da demora. O que dá para perceber é que normalmente o atendimento é satisfatório para os procedimentos mais simples. O que complica é quando o paciente depende de especialistas ou alguns exames.


Em Chapecó, Silvana disse que conseguiu consulta para diabetes em 20 dias.



A corretora de imóveis Silvana Finger, é uma das que elogia o atendimento da rede pública de Chapecó.

– Não tenho do que reclamar – explicou.

Tanto que ela não tem nem plano de saúde. Silvana disse que conseguiu consulta para diabetes em 20 dias. Na quinta-feira ela foi consultar na unidade de Saúde do Centro, marcou exames para o dia 4 de outubro e retorno da consulta para o início de novembro.

Ela afirmou que teve outro problema de saúde, que necessitou de cirurgia, e fez tudo em dois meses, na rede pública. Outra vez que torceu o tornozelo, as enfermeiras iam até sua casa fazer os curativos.

A cabeleireira Salete Ernetti disse que abandonou o plano de saúde que tinha pois preferia o pediatra do Hospital Regional do Oeste, que atende pelo Sistema Único de Saúde. Mas reclama da falta de médicos que façam visita em casa, pois sua mãe tem 80 anos e fica só na cama. No posto de saúde da Colônia Cella, comunidade onde mora, não tem nem cadeira de rodas.

>> Faltam médicos para atendimento de especialidades pelo SUS

A funcionária pública Marilene Moura levou quatro meses para conseguir uma consulta com nutricionista. E com neurologista levou um ano.

– É muito demorado – reclama.

Outra paciente que buscou dermatologista, conseguiu consulta só para dezembro.

A encarregada administrativa Edite Pereira, que mora no bairro Santa Maria, disse que consultou no posto de saúde com um clínico geral no dia 16 de julho. Como teve trombose na virilha, necessitava de consulta com um especialista, o que não conseguiu até esta semana.

Seu atestado médico está terminando e, como não tem condições de voltar a trabalhar, vai tentar novamente um clínico geral.

Edite disse que as consultas com clínico geral não demoram. Quem acorda cedo e enfrenta fila consegue até atender na hora. Mas são apenas quatro a cinco fichas por dia no posto, segundo ela. Quem não consegue no dia tem consulta marcada na semana seguinte.



Comente aqui
17 set09:51

Veja quais alimentos aceleram o envelhecimento da pele

Batata frita, churrasco, açúcar e refrigerante são alguns dos maiores inimigos para a jovialidade da pele. De acordo com a dermatologista Vanessa Penteado, alguns alimentos que costumamos comer no dia a dia podem auxiliar no ganho de peso e também proporcionar o envelhecimento cutâneo.

— Alguns alimentos provocam o excesso de produção de radicais livres, que aceleram o envelhecimento celular, fazendo com que na pele surjam manchas, asperezas, rugas e outros sinais do envelhecimento precoce — explica a médica.

A pele, ao longo dos anos pode sofrer perda de elasticidade, luminosidade, flacidez e provocar o surgimento das marcas de expressões, além de outros fatores. Poluição ambiental, tabagismo, agrotóxicos e o estresse, conforme a especialista, aumentam a produção de radicais livres e, consequentemente, aceleram o envelhecimento.

— A única maneira de proteger o organismo desses radicais é a ingestão de alimentos com funcionais antioxidantes. Eles possuem substâncias neutralizadoras que são responsáveis pela inibição e redução da danificação provocada no nível celular — ressalta a dermatologista.

Investir em soluções que podem atrasar os sinais de envelhecimento da pele passou a ser uma alternativa de muitas melhores entre os 35 a 40 anos, justamente a idade em que as rugas resolvem aparecer. Uma alimentação regrada pode retardar o envelhecimento, além de proporcionar diversos benefícios à saúde.


Preste atenção nos perigos de alguns alimentos:

:: Carne Vermelha — coração de galinha, picanha e cupim produzem o excesso de gordura que proporcionam o aumento do colesterol e também é considerado um dos vilões do coração e das células. O ideal é consumir 7% das gorduras saturadas.


:: Frios — salame, mortadela e presunto são ricos em gorduras saturadas e contêm nitratos que inflamam as células que favorecem ao envelhecimento precoce. Reduza o consumo desses frios.


:: Frituras — batata frita e outras frituras atacam as células corporais devido ao excesso de gordura nociva. Não importa o quanto deliciosas elas são, é melhor evitar.


:: Doces — sabe aqueles doces recheados de creme à base de ovos, leite e gordura saturada? São perigosíssimos, eles contém excesso de açúcar, que liberam radicais livres no organismo acelerando o envelhecimento da pele. É bom maneirar na ingestão de doces, bolachas recheadas e pão francês.


:: Congelados — apesar da praticidade dos alimentos congelados, eles oferecem um grande perigo para quem deseja cuidar da pele. Os níveis elevados de fosfato encontrados nesses alimentos aceleraram os sinais de envelhecimento. Entre outros problemas relacionados aos congelados, está o aumento da severidade de complicações relacionadas com a idade, doença renal crônica e calcificação cardiovascular.


:: Açúcar — o açúcar faz uma ligação das moléculas com as proteínas no organismo, conhecido como glicação, é um processo natural que provoca na pele o efeito de perda da elasticidade e firmeza da derme, causando flacidez e favorecendo o envelhecimento. Além do, surgimento de marcas de expressão como as rugas. A única solução é diminuir o consumo do açúcar e acrescentar mais vegetais, que são ricos em antioxidantes.


:: Desequilíbrio alimentar — o ideal é manter uma alimentação rica em vegetais, frutas, cereais, hortaliças e leguminosas. Se você conseguir colocar na balança todos esses alimentos e consumir doses diárias de cada um deles será possível conservar a pele. Insira em suas refeições alimentos em vitamina C e E como: laranja, limão, nozes, cenoura, fígado, brócolis, melão, acerola e tomate.


BEM-ESTAR



Comente aqui
15 set11:37

Psiquiatra desvenda mitos da loucura

Louco é aquele sujeito que perdeu a razão, que tem pensamentos e ações sem sentido, tem comportamentos distorcidos que fogem à regra: é a “alienação mental” de Philippe Pinel, o pai da psiquiatria moderna — cujo sobrenome virou sinônimo de loucura —, que atuou na França entre o final do século XVIII e o começo do século XIX.

— Hoje em dia, podemos dizer que os sintomas psicóticos são o equivalente à loucura empregada nos meios psiquiátricos no passado. Os sintomas psicóticos ocorrem na esquizofrenia e também costumam ocorrem no transtorno bipolar — afirma o psiquiatra Deyvis Rocha.

Muitas pessoas deixam de ir ao psiquiatra porque isso seria o mesmo que declarar-se louco ou obter um atestado de loucura. O indivíduo que já passou por essa fase crítica e vai ao psiquiatra por algum problema qualquer, como sintomas depressivos ou ansiosos, teme que o seu quadro clínico possa evoluir para um quadro de loucura.

— As pessoas têm medo de perder a razão, o controle sobre si mesmas, sobre os seus pensamentos e os seus atos e de se ver obrigadas a tomar um remédio para ficarem bem — explica o médico.

Em psiquiatria, há um velho ditado utilizado para tranquilizar os pacientes que diz que a pessoa que está ficando louca não sabe que está ficando louca, o que significa que a capacidade de alguém se preocupar com o fato de poder ficar louco é uma segurança de que isso não vai acontecer.

Sendo assim, um transtorno de pânico ou outro transtorno ansioso, como a ansiedade generalizada, as fobias, uma depressão, não vão evoluir para um estado de loucura e de perda da razão, mesmo que seja essa a sensação que se tem quando ocorre uma crise de pânico.

Pode até ser que a pessoa tenha mais de um diagnóstico, como depressão e esquizofrenia, ansiedade e transtorno bipolar, mas não é que uma doença levou a pessoa a ter a outra, mas é que são quadros diversos que, por genética ou por coisas da vida, atingem a mesma pessoa.

Além do tratamento com os remédios chamados antipsicóticos, a psicoterapia pode auxiliar o paciente a lidar com as dificuldades de realizar atividades do dia a dia impostas pelos sintomas.


Conheça os principais transtornos psicóticos que podem levar um indivíduo a loucura:


:: Esquizofrenia

É uma doença mental que afeta a zona central do “eu” e altera a estrutura vivencial. O portador de esquizofrenia, quando em surto, costuma agir em função dos seus delírios e alucinações, perdendo a liberdade de escapar a essas vivências fantásticas. Cerca de 1% da população é acometida pela doença, geralmente iniciada antes dos 25 anos de idade.

— A esquizofrenia se caracteriza por distorções do pensamento, da percepção e por inadequação dos afetos. Usualmente o paciente com esquizofrenia mantém clara sua consciência — explica o psiquiatra Deyvis Rocha.


:: Transtorno delirante

É caracterizada pela ocorrência de ideias delirantes, em geral paranoide (de estar sendo perseguido, de estar sendo alvo de críticas, de as pessoas quererem prejudicá-lo intencionalmente). O delírio tende a ser persistente e algumas vezes crônico. Pode haver alucinações auditivas (ouve vozes que não existem na realidade) e visuais (vê imagens que não existem na realidade), embora alucinações sejam incomuns. O afeto tende a ser inexpressivo.


:: Transtorno esquizoafetivo

Manifesta-se pela ocorrência de episódios de humor intercalados por episódios psicóticos sem sintomas de humor. É importante salientar que dentro dos episódios de humor, quando graves, podem também ocorrer sintomas psicóticos. Existem dois tipos principais: depressivo, onde os episódios de humor são sempre depressivos, e misto, onde ocorrem episódios depressivos, maníacos, hipomaníacos e mistos.


:: Transtornos psicóticos agudos

Têm frequentemente um início repentino, desenvolvendo-se em geral rapidamente no espaço de poucos dias e desaparecendo também em geral rapidamente, sem recidivas. Quando os sintomas persistem, o diagnóstico deve ser modificado para esquizofrenia ou transtorno delirante persistente.


:: Transtorno Bipolar

É uma doença mental em que o paciente alterna estados de euforia e depressão, além de fases de “normalidade” intercaladas. A pessoa pode apresentar alguns sintomas de euforia e de depressão ao mesmo tempo, que são os estados mistos. A causa exata é desconhecida, mas os cientistas acreditam que esteja ligada à genética.


BEM-ESTAR



Comente aqui
13 set12:30

Primavera antecipada exige cuidados de quem sofre da febre do feno

Com o agosto mais seco dos últimos 30 anos em Santa Catarina e o fim do inverno seguindo com temperaturas acima da média histórica em setembro, problemas de saúde relacionados à primavera, como a febre do feno, podem aparecer mais cedo. Considerada um tipo de rinite alérgica, a febre do feno (ou polinose) é induzida pelo pólen das plantas que o vento dissipa pelo ar — o termo foi criado na Europa durante a época de colheita de feno, em que as pessoas começavam a espirrar e o nariz a escorrer.

Processo inflamatório causado pela reação do sistema imunológico ao pólen, a doença ocorre em indivíduos predispostos geneticamente e não tem cura. Os sintomas mais recorrentes da rinite alérgica são crises de espirros, coriza, nariz entupido, dor de cabeça, lacrimejamento, coceira no nariz, nos olhos, na garganta e no céu da boca.

Existem dois tipos de rinite alérgica: a sazonal e a persistente. A sazonal é aquela que varia conforme a estação do ano. Na primavera, por exemplo, pessoas alérgicas ao pólen vão apresentar os sintomas no início da estação. Já se a pessoa tem alergia a mofo, em geral vai apresentar os sintomas no inverno, quando o tempo é mais frio e úmido.

A alergia persistente, por sua vez, é aquela que dura o tempo todo, sem relação com a estação do ano, como a causada pela poeira. Segundo a Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia, 67% da população da América Latina tem rinite persistente e 33% sazonal ou intermitente. Na Europa, 71% têm rinite sazonal e 29% persistente.

— A melhor maneira para controlar a febre do feno, é manter as janelas fechadas e, se possível, usar o ar condicionado para filtrar o ar, além, claro, de trocar o filtro do aparelho anualmente. Como em qualquer outro tipo de alergia respiratória, é importante conservar o ambiente limpo, em especial o quarto, onde as pessoas passam a maior parte do tempo — explica a alergista Ana Paula Moschione Castro, diretora da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (Asbai) e médica da Unidade de Alergia e Imunologia do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas (USP).

Além das medidas ambientais, um médico poderá receitar medicamentos para controlar os sintomas e a inflamação na mucosa nasal. Nesses casos, os medicamentos utilizados com mais frequência são os anti-histamínicos, descongestionantes, corticosteróides intranasais, entre outros. Alguns anti-histamínicos como, por exemplo, a loratadina, proporcionam alívio dos sintomas alérgicos por 24 horas e não causam sonolência.


VIDA E SAÚDE



Comente aqui