Saúde

23 mai10:29

Veja que aspectos da sua pele podem indicar a formação de tumores

Maio é o mês de conscientização sobre o câncer de pele, que tem na exposição excessiva ao sol seu principal fator de risco. De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), no Brasil, cerca de 62 mil novos casos de câncer de pele não melanoma podem ser registrados em homens e 71 mil em mulheres, até 2013. A Região Sul é a mais afetada. Dados da Secretaria Estadual da Saúde informam que são esperados, em Porto Alegre, cerca de 210 novos casos de melanoma em 2012. No ano passado, foram registradas 209 mortes no Rio Grande do Sul em consequência da doença.

O uso do protetor solar é uma estratégia eficaz para a prevenção. A pele branca, por ter menor proteção em relação aos raios de sol, principalmente a radiação ultravioleta, está mais sujeita aos efeitos nocivos do sol. Camelôs, feirantes, agricultores, jardineiros, lixeiros, guardas de trânsito, carteiros, motoboys, operários da construção civil, pescadores e outros profissionais que cumprem suas jornadas de trabalho ao ar livre devem redobrar a atenção.

De acordo com a presidente do Instituto Oncoguia, Luciana Holtz, o melhor método para detectar precocemente o câncer de pele é prestar atenção aos sinais no corpo. Queimaduras, rugas, sardas, manchas brancas, textura rugosa da pele, capilares dilatados, massas escamosas são alguns dos aspectos. Se diagnosticado e tratado enquanto o tumor ainda não invadiu profundamente a pele, o câncer pode ser curado.


Preste atenção nos sinais

Manchas na pele devem ser observadas com cuidado. Fique atento a aspectos como:


:: Assimetria — uma metade diferente da outra

:: Bordas irregulares — contorno mal definido

:: Cor variável — várias cores numa mesma lesão: preta, castanho, branca, avermelhada ou azul

:: Diâmetro — maior que 6 mm


BEM ESTAR

Comente aqui
22 mai20:15

Mude hábitos e acelere a perda de peso

Se você começou a controlar a alimentação, mas está demorando a ver o ponteiro da balança baixar, a culpa pode estar em hábitos que prejudicam a perda de peso. Veja uma lista de detalhes que, quando observados com atenção, podem ser a diferença entre emagrecer mais rápido ou mais devagar.

- Cuide o tamanho das porções: antes de comprar um cereal você olha a embalagem e verifica quantas calorias ele têm por porção. E hora de servir? Você presta a mesma atenção? Passe a medir o quanto você está comendo para não extrapolar ingerindo pela manhã o equivalente ao valor calórico que deveria somar o dia todo.

- Pare de fingir que calorias líquidas não contam: uma cerveja tem um bom número de calorias e aquele capuccino da tarde também. Não adianta comer uma barrinha de cereal acompanhada de um suco de laranja cheio de açúcar.

- Não faça com que petiscar seja tão fácil: quando bater a fome você precisa ter por perto snacks saudáveis e de pouco valor calórico, como cenouras baby e frutas. Se o armário da cozinha estiver cheio de salgadinhos, será muito difícil resistir a eles. Para não correr riscos, nem compre.

- Não coma sempre as mesmas comidas saudáveis: você sabe que comer frutas e verduras faz bem e se esforça para incluí-las na alimentação, mas comer sempre as mesmas coisas pode causar um efeito contrário. Varie para não enjoar e acabar deixando de lado de vez os pratos saudáveis.


Comente aqui
21 mai13:36

Os perigos da medicina antienvelhecimento

Além da falta de comprovação científica quanto à sua eficácia, as novas terapias de combate aos efeitos do envelhecimento podem comprometer o bom funcionamento do organismo e aumentar os riscos de câncer, segundo a presidenta da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Silvia Pereira.

A reposição de nutrientes e o uso de remédios, como hormônio do crescimento (GH), para ganhar músculos e queimar gordura com facilidade, podem aumentar a incidência de cânceres.

— Estão vendendo ilusão de antienvelhecimento para a população sem nenhuma comprovação científica e que pode fazer mal a saúde. Com a idade, o metabolismo mais lento e a ingestão de algumas substâncias podem aumentar o risco de várias doenças — alertou a médica.

Segundo ela, estudos sobre vitaminas E, C e betacaroteno, por exemplo, apontam que, se consumidas em excesso, essas substâncias aumentam o risco de câncer e não reduzem doenças crônico-degenerativas.

O tema será discutido durante o 18º Congresso Brasileiro de Geriatria e Gerontologia, que reunirá mais de 4 mil pessoas. O encontro começa amanhã (22) e termina na sexta-feira (25). Entre os convidados está o especialista em longevidade Tomas Perls, da Boston University School of Medicine, nos Estados Unidos. O diretor da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Rubens de Fraga, ressaltou que velhice não é doença e, portanto, não deve ser prevenida.

— Hoje os consumidores estão obcecados com o envelhecimento. Esse mercado gera US$ 100 bilhões por ano no mundo. Tem seu lado positivo, que é a busca da alimentação balanceada e do exercício físico. Mas tem o lado negativo, que é o medo das rugas e a idolatria dos ideais de juventude eterna. Os velhos são bibliotecas vivas e em muitos casos sustentam famílias inteiras. Não existe uma pílula mágica. O importante é buscar envelhecer com autonomia e independência — diz Rubens.

Ele criticou a venda dos chamados hormônios bioidênticos para retardar a velocidade do envelhecimento, que são produzidos em laboratório, e passam por um processo industrial de síntese, transformação ou de modificação na sua estrutura química.

— Não existe estudo científico sério que ateste qualquer benefício dos hormônios chamados bioidênticos manipulados. A fabricação individualizada de um hormônio é praticamente impossível — alerta.

Na sexta-feira, geriatras, gerontólogos e representantes do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Médica Brasileira (AMB), entre outros, vão discutir a criação de mecanismos para coibir a prática do antienvelhecimento no Brasil. O encontro será aberto ao público. Mais informações podem ser obtidas no site: http://www.cbgg2012.com.br/


AGÊNCIA BRASIL



Comente aqui
17 mai14:39

Abertas inscrições para mestrados nas áreas ambiental, de educação e de saúde

Três cursos de mestrado, recomendados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação, estão com as inscrições abertas na Unochapecó. São dois mestrados novos, em Ciências da Saúde e em Educação, para as primeiras turmas, e em Ciências Ambientais, para a nona turma.

O mestrado em Ciências da Saúde objetiva qualificar profissionais para produzir e aplicar conhecimentos e tecnologias inovadoras no exercício do ensino, da pesquisa, da assistência e da gestão, com foco na integralidade e no contexto regional. Para tanto, possui as linhas de pesquisa “Formação e trabalho em saúde” e “Saúde, sociedade e ambiente”. É direcionado para portadores de diploma de ensino superior interessados na produção e difusão de conhecimento em saúde.

Através do mestrado em Educação, a Unochapecó assume o desafio de investigar a formação de docentes-pesquisadores, articulada aos vários contextos sociais, de onde emergem fenômenos educativos e suas práticas político-pedagógicas. Esse curso é dirigido para profissionais com graduação em diferentes áreas do conhecimento, envolvidos com questões educacionais e suas problemáticas. Possui as linhas de pesquisa “Formação de professores, produção do conhecimento e processos pedagógicos” e “Desigualdades sociais, diversidades socioculturais e práticas educativas”

Ministrado desde 2005, o curso stricto sensu em Ciências Ambientais objetiva capacitar profissionais para atuar na área ambiental, em apoio ao desenvolvimento científico e de tecnologias inovadoras. Busca, assim, gerar conhecimentos na área e ser um fórum permanente para a discussão de questões ambientais. Atualmente, as dissertações incluem pesquisas em várias áreas relevantes para a compreensão das dinâmicas ambientais da região, contemplando o meio ambiente físico, químico, biológico, social, cultural, econômico e político. Podem participar desse mestrado profissionais das áreas de Ciências Biológicas, Ciências Humanas e Sociais, Ciências Agrárias, engenharias e saúde. As linhas de pesquisa são “Biodiversidade, conservação e manejo de recursos naturais”, “Sociedade, ambiente e sustentabilidade” e “Tecnologias ambientais e bioprospecção”.


Como fazer a inscrição

O mestrado em Ciências da Saúde – www.unochapeco.edu.br/cienciasdasaude -pode ser custeado em até 40 parcelas de R$ 976,73, enquanto o curso na área de Educação – www.unochapeco.edu.br/educacao – tem o custo de até 40 parcelas de R$ 896,77. Esses dois cursos têm inscrições abertas até 15 de junho. Já mestrado em Ciências Ambientais – www.unochapeco.edu.br/cienciasambientais – recebe inscrições até 21 de junho e o custo é de até 36 parcelas de R$ 941,28.

As inscrições para os três cursos de mestrado podem ser feitas na Central de Soluções Unochapecó (SOL), de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 22h, ou via Sedex.

Comente aqui
16 mai15:19

Planos podem ter que cobrir a quimioterapia via oral em casa

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado aprovou nesta quarta-feira o Projeto de Lei (PL) que obriga os planos de saúde a cobrirem tratamentos quimioterápicos via oral, feito em casa, para pacientes com câncer. A inovação foi uma iniciativa da senadora Ana Amélia que acredita que os planos, por não cobrirem este tipo de terapia, acabam repassando os custos ao Sistema único de Saúde (SUS).

No projeto, Ana Amélia argumenta que atualmente cerca de 40% do tratamento oncológico se vale de medicamentos de uso domiciliar. Em 15 anos ela estima que tal procedimento chegará a 80% dos casos.

—A quimioterapia oral feita em casa oferece vantagens substanciais ao paciente, tanto físicas como emocionais, como sentir-se menos agredido pelos procedimentos, o que proporciona uma maior adesão e facilidades, já que não é preciso alterar a rotina, nem gastar com transporte — explica o senador Waldemir Moka, relator do projeto.

Moka apresentou uma emenda ao projeto para delegar à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e às sociedades médicas de especialistas da área para fazer a inclusão desses medicamentos no rol de cobertura dos planos de saúde. A matéria deverá seguir para apreciação da Câmara dos Deputados, exceto se houver recurso de um dos senadores para levá-la para apreciação do plenário. Os planos de saúde terão 180 dias, após a sanção da lei, se isso ocorrer, para se adequar à nova regra.


AGÊNCIA BRASIL


Comente aqui
16 mai13:30

Ar condicionado limpo e bem regulado para afastar doenças

O ar condicionado é um poderoso aliado para manter o conforto em dias de muito calor ou muito frio, mas deve ter sua temperatura regulada com cuidado e ser limpo regularmente para não causar problemas de saúde.

Muitas pessoas acreditam que o ar condicionado pode causar gripe. O que acontece, na verdade, é que quando a temperatura é acionada para níveis muito baixos, o aparelho precisa reduzir a umidade do ambiente.Isso pode deixar as mucosas um pouco mais ressecadas e irritadas. A temperatura mais recomendada pelos fabricantes, que proporciona conforto térmico com boa umidade, é de 24º.

O cuidado com a limpeza dos filtros do ar condicionado também é essencial para seu funcionamento perfeito. Ela pode ser feita pelo próprio usuário todos os meses seguindo as orientações do manual. A limpeza periódica evita o acúmulo de fungos e bactérias.

Comente aqui
15 mai16:10

Unidade de saúde é construída em Ipuaçu

O novo Posto de Saúde de Ipuaçu será construído no Bairro Samburá. A obra de 243 metros quadrados vai ter 10 salas, mais área de serviço, banheiro, cozinha e área de atendimento.

- Essa unidade de saúde vai dar mais condições de atendimento para os pacientes – comentou o prefeito Denilso Casal.

O Secretário de Saúde José Leonir comentou que a atual unidade não estava em bom estado. O projeto desta obra foi aprovado pelo governo municipal em 2011 e as obras estão em ritmo acelerado.


Comente aqui
14 mai09:52

Regimes da moda podem representar riscos à saúde renal

A moda já foi dieta da lua, dos pontos, do carboidrato, das proteínas e das sopas. As dietas emergenciais prometem o corpo desejado em poucas semanas, assim surgem as dietas “detox”. Atualmente em ascensão, elas prometem uma desintoxicação por meio de ingestão de sucos e chás com a propriedade diurética ou laxante.

A Sociedade Gaúcha de Nefrologia alerta para os riscos que esse tipo de dieta apresenta para a função renal. De acordo com a instituição, beber líquidos em excesso pode sobrecarregar os rins e diminuir os níveis de sais minerais do organismo. A nutricionista Julia Romero recomenda que aqueles que apresentam alguma complicação renal tenham ainda mais cuidados com esse tipo de dieta.

— Pacientes com problemas renais devem incrementar a hidratação através da água pura, pois facilita o trabalho dos rins — sugere.

Já pacientes em hemodiálise, por exemplo, devem ter os líquidos totais controlados no seu plano alimentar. Por isso, condutas nutricionais devem ser acompanhadas por especialistas, já que os prejuízos de uma dieta equivocada podem agravar a situação renal.

— O doente renal é um dos poucos pacientes em que não podemos generalizar nenhum tipo de alimentação, pois a conduta nutricional depende totalmente da fase de tratamento que o paciente se encontra — completa Julia.

A dieta detox, além de poder causar malefícios às pessoas com problemas nos rins, não agrega nenhum benefício aos indivíduos com função renal normal. Pelo contrário, pode expor os rins à sobrecargas e desencadear alguma disfunção a longo prazo.


BEM-ESTAR



Comente aqui
10 mai18:32

Aumento de casos de alergias e asma pode estar relacionado à falta de contato com a natureza

A falta de contato com a natureza pode ser um importante fator para o aumento de casos de asma e alergias entre habitantes de centros urbanos. É o que indica a pesquisa coordenada por Ilkka Hanski, da Universidade de Helsinque, na Finlândia. Os pesquisadores colheram amostras de pele de 118 adolescentes, e constataram que os moradores de fazendas ou próximos de florestas, apresentavam maior diversidade de bactérias e eram menos sensíveis a alergias que os moradores de cidades.

De acordo com Hanski, os micróbios de ambientes naturais são mais benéficos que os encontrados em áreas urbanas. Ele afirma que o conjunto de microrganismos chamado de microbiota, que habita a pele, vias intestinais e aéreas, é fundamental para a manutenção do sistema imunológico, protegendo o corpo de doenças inflamatórias.

Como não é possível reverter o crescimento das cidades, o pesquisador recomenda que mais áreas verdes sejam construídas, incentivando o contato das pessoas com a natureza.


Hipótese da Higiene

O resultado desta pesquisa colabora para uma teoria já existente, chamada “Hipótese da Higiene”. Essa teoria prega que limpeza demais faz mal. Com a falta de exposição a sujeira e microrganismos, o sistema imunológico não tem inimigos para combater, e as células de defesa podem entrar em “pane”, atacando as células do próprio corpo. Para alguns cientistas os partos por cesariana também contribuem para o enfraquecimento do sistema imunológico, pois a criança não tem contato com as centenas de bactérias encontradas na vagina.


VIDA E SAÚDE



Comente aqui
10 mai15:55

Em São Miguel do Oeste 42% da meta do município já foi vacinada contra a Gripe A

A secretaria de saúde de São Miguel do Oeste registrou até o momento, a aplicação de 2.540 doses da vacina contra a gripe, o que corresponde a aproximadamente 42% do total da meta do município que é vacinar 5.595 pessoas.

A 14ª Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza teve início no sábado, dia 5, durante o DIA D da campanha.

O atendimento é feito na unidade central de vacinas e em todas as estratégias de saúde dos bairros e interior às crianças de seis meses a menores de 2 anos, trabalhadores da saúde, gestantes, pessoas com idade acima de 60 anos e pacientes crônicos.



Comente aqui