SC

24 fev09:28

Previsão alerta para possibilidade de pancadas de chuva em SC nesta sexta

A semana deve terminar com tempo nublado e com possibildidades de chuva e até queda de granizo na região litorânea de Santa Catarina, de acordo com a previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). As temperaturas começam a diminuir, em função da influência de uma massa de ar frio vinda do Rio Grande do Sul.

As temperaturas nesta sexta-feira deve ficar entre 14ºC e 29ºC na maior parte do Estado. Na Grande Florianópolis, os termômetros devem registrar entre 22ºC e 27ºC nesta sexta-feira.

Apesar do sol aparecer em alguns momentos do dia, há possibilidades de pancadas de chuva no Estado e até trovoadas em todo o Litoral. O Inmet aponta que a maior chance de haver queda de granizo é entre o vale do Itajaí e a região de Laguna.

Os ventos sopram na direção Norte e podem ter intensidade fraca a moderada, com algumas rajadas de vento ao longo do dia.

>> Confira a previsão completa do tempo


DIÁRIO CATARINENSE

Comente aqui
23 fev09:59

Governador vem à Chapecó anunciar novas medidas para combater os efeitos da estiagem no Oeste

Governador vem à Chapecó anunciar novas medidas para combater os efeitos da estiagem no Oeste

O encontro será nesta sexta-feira, dia 24, no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nes

Nesta sexta-feira, 24, o Governador Raimundo Colombo acompanhado do secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, João Rodrigues, e do secretário de Estado da Defesa Civil, Geraldo Althoff, estará em Chapecó para anunciar novas medidas para combater os efeitos da estiagem no Oeste. O evento está marcado para às 13h, no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nes na sala Agostinho Duarte, em Chapecó.

O encontro vai contar com a presença dos prefeitos dos municípios em situação de emergência, dos secretários de Desenvolvimento Regional e lideranças locais. De acordo com o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, João Rodrigues, as medidas anunciadas incluirão recursos financeiros para prefeituras, destinados à contratação de serviços, transporte de água e produção de silagem. Também será anunciada liberação de sementes de milho para a próxima safra aos agricultores atingidos pela estiagem, e que não foram atendidas por políticas de crédito rural ou seguro agrícola.

- Nosso trabalho é para que nenhum agricultor fique sem o apoio do Governo do Estado. Em Santa Catarina, cerca de 10% das propriedades que tinham financiamento de custeio acionaram o seguro agrícola e aquelas que não foram beneficiadas receberão sementes para próxima safra – destacou Rodrigues.

O Governador Raimundo Colombo faz questão de ressaltar a importância da armazenagem de água como saída para estiagem. – Santa Catarina não é um Estado seco, em condições normais, na região Oeste chove todos os meses do ano. Então a solução é armazenar água da chuva para atravessar esses períodos de estiagem -afirmou Colombo.

Para o secretário adjunto de Estado da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, esta estiagem está deixando lições importantes para agropecuária catarinense que confirmam a necessidade de investimentos em irrigação. – Isso vaio permitir uma agricultura baseada no uso de tecnologias de ponta. Resultando em alta produtividade com a necessária segurança ao agricultores – conclui.

Até o momento, 96 municípios decretaram estado de emergência em Santa Catarina resultando em aproximadamente R$ 600 milhões em perdas de produção agrícola e afetando diretamente 595 mil pessoas.


Comente aqui
23 fev09:53

Horário de verão termina no domingo, dia 26

À zero hora do domingo, dia 26, o Horário de Verão (HV) chega ao fim e os brasileiros que vivem nas regiões Centro-Oeste, Sul e Sudeste devem atrasar o relógio em uma hora. Essa edição do horário começou dia 16 de outubro e teve duração de 133 dias, o período mais longo desde a implantação do Horário em 1985.

Os dados preliminares indicam uma redução de 4,9% na carga do sistema elétrico da Celesc Distribuição (160MW) e 0,5% na energia (38GWh ou 12,5MW médios) em sua área de concessão. Essa redução equivale a 75% da carga de Florianópolis ou 35% da carga do município de Joinville no horário de ponta durante o período do HV. Em relação à redução no consumo de energia, o valor representa aproximadamente o consumo, durante o período do HV, de um município como Campos Novos, com 12.663 unidades consumidoras, 9,8% do consumo do município de Blumenau ou 34,5% do consumo do município de Lages.

Com os dias mais longos, o objetivo é reduzir o consumo de energia e aproveitar mais a luz do sol durante o verão. A conjugação de fatores como a mudança de comportamento dos consumidores residenciais e o término do expediente de trabalho ainda com luz natural, associados ao atraso no início da iluminação pública, reduz a coincidência com o consumo comercial e industrial de energia elétrica, acarretando uma diminuição na demanda máxima no horário de ponta de cada distribuidora de energia e, por conseqüência, do Sistema Interligado Nacional.

Os ganhos referentes ao custo evitado na segurança operacional resultarão em benefícios econômicos de R$103 milhões de reais, com a redução de geração térmica, no período de outubro de 2011 à fevereiro de 2012. Desse total, R$4,5 milhões referem-se ao despacho de térmica evitado nas usinas no subsistema Sul, R$95,5 milhões no subsistema Sudeste/Centro-Oeste e aproximadamente R$3 milhões no estado da Bahia. Os ganhos referentes ao custo evitado de geração térmica devido à redução prevista no horário de pico no SIN poderão ser da ordem de R$77 milhões. Os ganhos referentes à racionalização de investimentos em geração e/ou transmissão para o atendimento ao aumento de carga do período de verão poderão ser traduzidos pelo custo evitado de investimento na construção de térmicas a gás natural (US$750/kW), para atender à ponta, da ordem de US$2,1 bilhões ou R$3,8 bilhões no SIN.

Na última edição, que teve 126 dias em vigor, os dados do ONS indicaram redução de 5% na carga do sistema elétrico da Celesc Distribuição (150MW) e 0,5% na energia (12MWmédios) em sua área de concessão. A redução foi equivalente a 70% da carga de Florianópolis ou 65% da carga de Blumenau no horário de ponta durante o período do HV. Em relação à redução no consumo de energia, o valor representou aproximadamente o consumo, durante o período do HV, de um município como Campos Novos, com 12.296 unidades consumidoras, 23,3% do consumo de Criciúma, 9,3% do consumo de Blumenau, 4,3% do consumo de Joinville, 19,5% do consumo de Chapecó e 34,4% do consumo de Lages.

O principal efeito esperado nas áreas do Sistema Interligado Nacional – SIN, onde há a implantação do Horário de Verão, é a redução da carga máxima durante o horário de ponta, entre 18h e 22h. A aplicação dessa medida vem sendo praticada nas regiões geográficas onde sua eficácia tem sido comprovada, garantindo atendimento às áreas críticas, proporcionando folgas à operação para efetivação de manutenções em instalações de geração e transmissão do SIN e economia relacionada à redução de geração térmica para manter níveis adequados de suprimento aos centros de consumo.



Fonte: ASCOM/SC


Comente aqui
23 fev09:29

Dia começa com sol entre nuvens e pode apresentar chuvas isoladas em SC

A frente fria que prometeu trazer chuvas a Santa Catarina se desloca agora em direção ao Sudeste do país, podendo causar chuvas isoladas pela manhã e fim do dia no Litoral, com o sol aparecendo no resto do tempo. Nas demais regiões a previsão é de sol entre nuvens e chuvas isoladas à noite no Vale do Itajaí e Planalto Norte.

>> Frente Fria promete trazer chuvas para SC

Segundo o Epagri/Ciram, órgão que monitora o clima, as temperaturas no Estado caem ligeiramente, ficando entre 13ºC, mínima no Planalto Sul, e 27ºC, máxima na Grande Florianópolis, no Oeste, Meio-Oeste e Litoral Norte. Ao amanhecer, as temperaturas são de 23ºC em Florianópolis, 23,1ºC em Blumenau e 19,5ºC em Chapecó.

Confira a previsão completa do tempo


Comente aqui
22 fev23:48

Chuva chegou, mas não alivia falta de água no Oeste

Darci Debona e Mayara Rinaldi | darci.debona@diario.com.br e mayara.rinaldi@diario.com.br

Alívio imediato. Este é o efeito da chuva que ocorreu entre a noite de terça e a manhã de quarta-feira na região Oeste, amenizando os efeitos da estiagem nos 96 municípios que decretaram situação de emergência. O total registrado é um terço da média do mês. Algumas cidades, como Seara, registraram 40 milímetros. Em Chapecó, foram 55 milímetros e, em Iporã do Oeste, cerca de 100 milímetros. Em São Miguel do Oeste, o acúmulo de água foi de 29,5 milímetros, e em Xanxerê, 20 milímetros.Em Iporã, a precipitação permitiu normalizar o abastecimento na cidade, onde as famílias chegavam a ficar 20 horas sem água. No Rio Pirapó, que abastece a cidade, onde havia um filete de água ontem tinha um metro de profundidade.

— Encheu a calha do rio e agora temos água para pelo menos 20 dias — comemorou o chefe da agência local da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan), Luiz Mickma.

Em Seara, choveu 40 milímetros e encheu o reservatório do Rio Caçador, que foi desassoreado recentemente. De acordo com o chefe da Casan em Seara, Carlos Pressoni Filho, a retirada de 4,3 milhões de metros cúbicos de terra permitiu acumular 5 milhões de metros cúbicos de água.


Chuva encheu o reservatório do Rio Caçador em Seara.


— Isso dá para uns 10 a 15 dias — calculou o gerente. Até lá, ele espera que esteja consertado o poço profundo, onde a bomba está trancada a cerca de 400 metros.

Segundo a Casan, o abastecimento está praticamente normalizado, exceto em algumas partes altas da cidade. Agora, com a chuva, a água existe, mas está muito suja, o que dificulta o tratamento na estação.A umidade é bem-vinda no campo para recuperar principalmente as pastagens. Também beneficia as lavouras de soja e o plantio da safrinha (segunda safra) do milho. As perdas permanecem nas lavouras de milho, que já estão maduras, e plantações de soja em fase adiantada.Estão consolidadas as perdas de R$ 60 milhões na agropecuária, segundo o secretário de Agricultura do Estado, João Rodrigues. O que a chuva da noite de terça-feira pode ajudar é evitar o aumento dos prejuízos para os agricultores.


Anúncio de medidas para o campo

Em meio ao anúncio de medidas para resolver o problema das enchentes no Vale do Itajaí, o governador Raimundo Colombo convidou o secretário João Rodrigues para anunciar medidas que podem ajudar os agricultores do Oeste. A primeira, foi um levantamento da quantidade de agricultores que não receberam nenhum tipo de ajuda e não têm seguro agrícola.

De acordo com Rodrigues, são 17 mil famílias e, para esses agricultores, o governo autorizou a compra de 35 mil sacas de semente de milho. A segunda medida será a liberação de mais R$ 3 milhões para o transporte de água. A solução para o problema na região, segundo Colombo, é a construção de cisternas para armazenar a água. Ele explicou que há uma linha de crédito no Banco do Brasil — cada unidade custa R$ 15 mil —, num programa em que Estado paga o juro para o agricultor. O governador sse que serão proibidas instalações para a criação de suínos e aves sem que a propriedade tenha cisterna.


Comente aqui
22 fev09:47

Um terço de SC em emergência

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A previsão de uma chegada de uma frente fria a partir de hoje é a esperança de milhares de catarinenses, principalmente do Oeste, para amenizar estiagem que já atinge quase um terço dos 293 municípios catarinenses. Até o Carnaval a Defesa Civil recebeu 96 decretos de emergência. Um deles, Seara, já decretou Estado de Calamidade, mas ainda não foi reconhecido pela Defesa Civil. São quase 600 mil pessoas atingidas segundo o órgão.

Para o diretor de prevenção da Secretaria de Defesa Civil do Estado, tenente-coronel Emerson Emerim, o número de municípios em situação de emergência deve passar de 100, já que os efeitos da estiagem estão se expandindo para outras regiões, como Meio Oeste e Planalto Serrano.

Ele lembrou que em meados de janeiro e início de fevereiro ocorreram frentes frias no Estado, mas com chuvas mal distribuídas. Em Chapecó chegou a chover cerca de 70 milímetros em dois dias. Mesmo assim nos últimos quatro meses a precipitação foi abaixo da média.

No município de Descanso há locais que não dá uma chuva “boa” há quase três meses.

– Faz uns 80 dias que deu a última chuva- afirmou Valdir Grunewald, que é o responsável por uma fazenda de criação de bovinos de corte. Um dos açudes da propriedade, que servia para os animais beberem água, resta apenas uma pequena poça de água onde tinha mais de um metro de profundidade.


Açude de Valdir Grunewald está seco.


–Ele foi secando, foi secando….- desabafa Grunewald. O solo que ficava submerso rachou lembrando paisagens do Nordeste Brasileiro. Dos 1,6 mil peixes que haviam no local, restam apenas as caveiras. –Eu salvei uns 800 e levei pra outro açude e o resto morreu- contou o funcionário.

Em virtude da escassez da falta de umidade a lavoura de milho teve quebra de 80% e os 300 bovinos perderam cerca de 20% do peso. Grunewald tenta se conformar. –É coisa da natureza- diz. Mas em 12 anos que mora em Descanso nunca tinha visto uma estiagem tão forte.

Os moradores dos municípios atingidos tentam se adaptar à falta de água, economizando, recebendo água em caminhão-pipa, buscando com litros de refrigerante ou emendando mangueiras em fontes de vizinhos. Eles aguardam a chuva do céu e à boa vontade das ações governamentais.

A Defesa Civil do Estado já liberou 54 kits para os municípios atingidos pela estiagem. Cada kit custou R$ 6,5 mil e é composto de duas caixas de água com cinco mil litros cada, bomba e mangueiras.

De acordo com o tenente-coronel Emerim, esse material serve para a captação e transporte de água. Já foram investidos R$ 350 mil do Fundo Estadual de Defesa Civil e outros kits devem ser adquiridos nos próximos dias. O Governo Federal deve repassar nos próximos dias mais R$ 3,1 milhões para ações emergenciais de abastecimento de água, como compra de água mineral e caixas de água. Outros R$ 10 milhões do Governo Federal serão investidos na perfuração de cerca de 300 poços artesianos.

O secretário de Agricultura do Estado, João Rodrigues, disse que foram disponibilizados R$ 10 milhões para bancar o juro de financiamento de cisternas e sistemas de distribuição de água. Esse valor pode subir para R$ 20 milhões, conforme a demanda. Além disso o Estado repassou pelo menos R$ 1,6 milhão para os municípios bancarem o transporte de água. Mesmo assim os valores estão sendo considerados insuficientes pelos municípios. A prefeitura de São Carlos, por exemplo, já gastou R$ 273 mil com o transporte de água e recebeu R$ 34,5 mil em recursos. O prefeito de Descanso, Sadi Bonamigo, disse que os R$ 40 mil repassados bancam apenas 13 dias de transporte. E o município está levando água para os produtores desde dezembro. –Precisamos de mais apoio- cobrou Bonamigo.


Comente aqui
19 fev11:18

Dia amanhece com sol no domingo e promete esquentar ainda mais

Seguindo a previsão dos últimos dias, o dia amanheceu com sol em boa parte de Santa Catarina neste domingo. O tempo deve permanecer assim, com muito calor, até o fim de tarde e noite, quando pancadas isoladas de chuva e trovoadas devem aparecer. A temperatura na Capital já chega a 25.8 ºC.

Segundo informações do Ciram/Epagri, órgão que monitora o clima, as máximas chegam até 37ºC no Litoral Sul, 36ºC no Meio-Oeste e 33ºC no Litoral Norte. A mínima mais baixa, no Planalto Sul, é de apenas 13ºC.

O vento predominante no Estado é de nordeste, fraco a moderado com rajadas.



DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
15 fev18:31

Desenho de aluna de São José do Cedro ilustra kits escolares

O empenho de uma aluna do interior de São José do Cedro estampa os kits escolares utilizados pelos alunos da rede estadual de Santa Catarina. Marcieli Revers, de 14 anos, participou do concurso “O Artista Sou Eu”, promovido pela Secretaria de Estado da Educação (SED) em 2010.

Marcieli foi incentivada pela direção e professoras da escola onde estudava para participar do concurso. Na época, a menina cursava a 7ª série do Ensino Fundamental na EEF Osni Medeiros Régis, no Distrito de Mariflor, em São José do Cedro. O desenho da aluna cedrense foi classificado depois de três etapas e estampa as caixas de lápis de cor que compõem os kits escolares.

De acordo com a diretora da EEF Osni Medeiros Régis, Edimara Tremea Pontin, a escola trabalha com 5 núcleos de ação, desenvolvendo vários projetos ao longo do ano letivo. Um deles foca a diversidade, que foi o tema escolhido por Marcieli para participar do concurso e ilustrar as caixas de lápis de cor. O desenho da cedrense é um coração composto por rostos de diversas etnias.

- A participação da escola e dos alunos nestes prêmios incentiva e revela talentos. A Marcieli sempre foi destaque em nossa escola. Os pais dela e a comunidade de Mariflor ficaram muito contentes – ressalta Edimara.

Marcieli Revers é filha de Gaspar e Marilde Revers. O casal é agricultor e mora na Linha Mariflor, em São José do Cedro. A jovem concluiu o Ensino Fundamental na EEF Osni Medeiros Régis e neste ano cursa está cursando a 1ª Série do Ensino Médio na EEB Cedrense.


O concurso

Conforme a gerente de Educação da SDR Dionísio Cerqueira, Nilza Suffredini, objetivo do projeto “O Artista Sou Eu” é dar visibilidade ao talento e criatividade dos estudantes da rede pública estadual. – Esse concurso fortalece o papel da escola na construção de ações de caráter participativo e democrático, além de valorizar a realidade vivida pelo aluno em sua comunidade – destaca Nilza.

Participaram do projeto alunos das Séries Iniciais e Finais do Ensino Fundamental e 1ª e 3ª séries do Ensino Médio da rede Pública. As produções artísticas foram divididas por temas de acordo com as três categorias: Ensino Fundamental – Séries Iniciais: Meio Ambiente e Sustentabilidade, Saúde, Minha Escola e Direitos da Criança; Ensino Fundamental – Séries Finais: Educação para o Trânsito, Diversidade, Direitos da Criança e do Adolescente, Ética e Ensino Médio – 1ª e 3ª séries: Diversidade, Ética, Cidadania e Perspectivas para o Futuro.



Comente aqui
09 fev11:38

São Miguel do Oeste terá sistema de videomonitoramento

O secretário de Estado de Desenvolvimento Regional de São Miguel do Oeste, Wilson Trevisan, recebeu nesta quarta-feira a confirmação de que o sistema de videomonitoramento urbano será instalado dentro de 120 dias em São Miguel do Oeste. Trevisan disse que o convênio será custeado de forma integral pelo Governo do Estado, sem a necessidade de participação de recursos do município.

De acordo com o secretário, esta ação, coordenada pela Regional de São Miguel do Oeste, terá um investimento estimado em R$ 400 mil. O município será o primeiro do Extremo Oeste a receber um sistema de videomonitoramento com recursos do Estado. – É mais um conquista para nossa região e mais um reconhecimento para a cidade pólo do Extremo Oeste – enfatiza Trevisan.


Maior número de câmeras

Na primeira tratativa, foi definida a instalação de nove câmeras. Após levantamento realizado pelas Polícias Militar e Civil de São Miguel do Oeste, o Governo do Estado autorizou a instalação de 20 pontos considerando as áreas com maior concentração comercial, bancária e com maior fluxo de veículos. – A necessidade foi apontada pelo estudo realizado. Nessas áreas, a incidência de delitos tem maior probabilidade de acontecerem. O objetivo do sistema é inibir esses tipos de crimes e, se ocorrerem, flagrá-los – disse o secretário regional.

O sistema será composto por 20 pontos monitorados por uma central que será instalada na sede do 11º Batalhão da Polícia Militar de São Miguel do Oeste. As Delegacias de Polícia Civil também terão acesso às imagens, permitindo a identificação de infratores, auxiliando nas investigações.


Comente aqui
02 fev08:54

Termômetros podem chegar a 35ºC nesta quinta-feira em Santa Catarina

Nesta quinta-feira, os termômetros devem registrar altas temperaturas em praticamente todo o Estado. A mais alta temperatura prevista para o dia é de 35ºC no Litoral Sul e em torno dos 30ºC nas demais regiões de Santa Catarina.

Além do calor, a sensação de tempo abafado deve ser intensificada pela baixa velocidade dos ventos, que não devem passar de 50 Km/h nesta quinta-feira.

De acordo com a Epagri, órgão que monitora as condições climáticas, há ainda a possibilidade de pancadas isoladas de chuva entre o Meio-Oeste e o Alto vale do Itajaí.

DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui