SC

08 jan09:50

Governo de SC libera R$ 1,25 milhão para a estiagem

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O Governo do Estado liberou R$ 1,25 milhão para medidas de combate à emergência nos municípios atingidos pela estiagem. A medida foi anunciada na sexta-feira pelo governador em exercício, Pinho Moreira, que fez reuniões nas secretarias regionais de Chapecó, Maravilha e São Miguel do Oeste.

De acordo com o governador o dinheiro já foi repassado para as secretarias regionais na área abrangida pela seca. As prefeituras que decretaram emergência poderão fazer convênio com as secretarias para acessarem os recursos. Inicialmente o dinheiro foi dividido entre os 54 municípios que tinham decretado emergência até quinta-feira à noite. A divisão levou em conta o número de propriedades rurais. Chapecó, por exemplo, vai ganhar R$ 71 mil. –Vai nos ajudar no transporte de água com caminhões pipa e na perfuração de poços- informou o secretário da Agricultura de Chapecó, Ricardo Lunardi. O município também deve contratar máquinas para fazer reservatórios e estrutura para armazenar silagem de milho.

Outro município, Planalto Alegre, vai receber apenas R$ 9,3 mil.

–Tudo que vem ajuda- resignou-se o prefeito Edgar Rohrbeck.

Pinho Moreira disse que o valor deve aumentar já que mais municípios devem decretar emergência. –Vai ser crescente- confirmou o governador. Ontem a lista subiu para 65 decretos. O presidente da Epagri, Luiz Hessmann, informou que na terça-feira haverá uma reunião, às 9 horas, no Centro de Pesquisas da Agricultura Familiar em Chapecó com os técnicos que farão os laudos das perdas na lavoura. O documento é necessário para acessar o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro).



Agricultor Luiz Carlos Moratelli, de Águas de Chapecó, perdeu 50% da lavoura de melancia.



As perdas nas lavouras são de R$ 166 milhões segundo Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola da Epagri. O agricultor Luiz Carlos Moratelli, de Águas de Chapecó, perdeu 40% dos três hectares da lavoura de milho. Além disso perdeu 50% da lavoura de melancia. –Meu prejuízo é de R$ 8 mil- disse.

Valdecir Camatti, de Planalto Alegre, teve 70% de quebra numa lavoura de três hectares de milho e 40% em outra. Ele pretendia vender o milhos mas, como as plantas não tiveram bom desenvolvimento por falta de água, vai fazer silagem para as vacas.


Governo do estado vai pedir recursos federais

O Governo do Estado vai pedir auxílio federal para medidas de combate à estiagem. De acordo com o governador em exercício, Eduardo Pinho Moreira, na próxima quarta-feira o governador Raimundo Colombo deve ter uma reunião com o ministro Guido Mantega, em Brasília, para tratar sobre a vinda da BMW para Santa Catarina e também sobre a estiagem.

Uma das medidas esperadas junto ao Governo Federal é renegociação das dívidas e crédito emergencial para as famílias atingidas. O secretário adjunto da agricultura, Airton Spies, disse que o Estado vai ajudar com adubo e sementes caso ocorra chuva que permita novo plantio. Outras medidas do governo catarinense é auxiliar no transporte de água, perfuração de poços artesianos e auxílio a serviços como silagem de milho. Além disso o governo vai estudar uma forma de estimular um programa de reservação de água, principalmente em regiões altas, para que ela possa ser utilizada com a força da gravidade.


65 Cidades em situação de emergência

Águas de Chapecó

Águas Frias

Anchieta

Bandeirante

Bom Jesus

Bom Jesus do Oeste

Caibi

Campo Erê

Caxambu do Sul

Chapecó

Coronel Freitas

Coronel Martins

Cunhataí

Cunha Porã

Descanso

Dionísio Cerqueira

Entre Rios

Faxinal dos Guedes

Formosa do Sul

Flor do Sertão

Galvão

Guaraciaba

Guarujá do Sul*

Guatambu

Ipuaçu

Iraceminha

Irati

Jardinópolis

Jupiá

Lajeado Grande

Maravilha

Marema

Modelo

Nova Erechim

Nova Itaberaba

Novo Horizonte

Ouro Verde

Palma Sola

Palmitos*

Passos Maia

Pinhalzinho

Planalto Alegre

Ponte Serrada

Princesa

Quilombo

Riqueza

Romelândia

Santa Terezinha do Progresso

Santiago do Sul

São Bernardino

São Carlos

São Domingos

São José do Cedro

São Miguel da Boa Vista

São Miguel do Oeste

Saudades

Seara

Serra Alta

Sul Brasil

Tigrinhos

União do Oeste

Vargeão

Xanxerê

Xaxim


*Defesa Civil ainda não recebeu a documentação dos decretos destes municípios.  Dados do relatório das 19h da Defesa Civil, da sexta-feira, 06/01.

Comente aqui
08 jan09:36

Domingo deve ser de tempo instável e temperaturas elevadas em Santa Catarina

Neste domingo, as áreas de instabilidade devem manter a condição de chuva, principalmente entre a tarde e a noite na maioria da regiões de Santa Catarina. Há ainda a possibilidade de temporal isolado em alguns pontos.

>> Confira a previsão completa do tempo

A temperatura segue elevada, podendo chegar a 34ºC no Extremo-Oeste. Na Grande Florianópolis a máxima deve ficar em 29ºC e em 32ºC no Meio-Oeste. No Vale do Itajaí os termômetros devem indicar 26ºC.

Navegue pelo site das Estações Meteorológicas:








DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
06 jan20:13

SC discute ações contra a febre aftosa com o Ministério da Agricultura

Nesta sexta-feira, o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca em exercício, Airton Spies, participou de reunião convocada pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Mendes Ribeiro Filho, para definir e anunciar medidas que evitem a introdução do vírus da febre aftosa no Estado. Um novo foco da doença foi notificado pelo Paraguai na última segunda-feira, dia 02. O vírus foi identificado em bovinos numa propriedade na localidade de Aguaray Amistad, no departamento San Pedro, a cerca de 30 quilômetros do foco notificado em setembro de 2011.

O encontro ocorreu na sede do Governo em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, e contou com a participação dos secretários de Agricultura do Conselho de Desenvolvimento e Integração Sul (Codesul) e os respectivos superintendentes estaduais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e presidentes das agências sanitárias.

Dentre as medidas de prevenção ficou acertado com o Ministério da Agricultura e agências de defesa Sanitária uma ação integrada entre os estados do Codesul e a garantia de recursos para ações emergenciais de fiscalização e controle de trânsito de animais e produtos derivados. O Ministério vai monitorar diariamente a situação por meio de uma sala de inteligência e videoconferências, interligando os responsáveis técnicos das agências de defesa sanitária do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul. O ministro Mendes Ribeiro informou que o Ministério da Agricultura colocará um adido agrícola para atuar na embaixada brasileira em Assunção, no Paraguai.

Para o Secretário da Agricultura e da Pesca, Airton Spies, o sucesso dessa ação integrada de defesa sanitária depende também do engajamento dos produtores rurais, agroindústrias e população em geral.

O apoio militar foi pedido por conta da descoberta do foco no país vizinho. A partir de segunda-feira, equipes do Exército estarão nas fronteiras para dar apoio na fiscalização das barreiras sanitárias com postos fixos na localidade de Idamar, em Dionísio Cerqueira, e em Abelardo Luz, além de unidades móveis que atuarão entre esses postos na fronteira até Itapiranga.

Durante o encontro, o presidente da Companhia Integradade Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Enori Barbieri, destacou a importância do trabalho com as Polícia Federal, Militar, Civil, Rodoviária e do Exército para proteção das fronteiras catarinenses. – A Cidasc está preparada para cumprir sua função nesse momento que exige vigilância redobrada.Toda a nossa estrutura está priorizando as medidas preventivas de proteção ao nosso território. Nossa zona de atenção máxima está nas fronteiras – disse o presidente.

O último foco de febre aftosa no Brasil foi registrado no final de 2005, e teve início no Mato Grosso do Sul e se estendeu até o Paraná. Isso acarretou grandes prejuízos para Santa Catarina, em função das restrições impostas pelos países importadores de carne suína.

Estado livre sem vacinação

Em 2007, Santa Catarina obteve a certificação internacional da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como Estado livre de febre aftosa sem vacinação. O Estado é o único do Brasil a conquistar este status. – O Estado está tomando todas as medidas preventivas para manter o reconhecimento da OIE – assegura o secretário da Agricultura e da Pesca em exercício, Airton Spies.



Fonte: Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca


Comente aqui
06 jan19:55

Chega a 65 o número de municípios em situação de emergência no Oeste

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

No relatório das 19h da Defesa Civil, 63 municípios haviam registrado situação de emergência. Outros dois municípios da região, Palmitos e Guarujá do Sul, também decretaram situação de emergência, mas a documentação ainda não chegou à Defesa Civil do Estado.



Valdecir Camatti, de Planalto Alegre, teve 70% de quebra numa lavoura de três hectares de milho e 40% em outra. Ele pretendia vender o milhos mas, como as plantas não tiveram bom desenvolvimento por falta de água, vai fazer silagem para as vacas.



Pela manhã o governador Eduardo Pinho Moreira esteve em Chapecó e anunciou a liberação de R$ 1,25 milhão para os municípios atingidos com a estiagem.


>> Galeria de fotos


65 Cidades em situação de emergência

Águas de Chapecó

Águas Frias

Anchieta

Bandeirante

Bom Jesus

Bom Jesus do Oeste

Caibi

Campo Erê

Caxambu do Sul

Chapecó

Coronel Freitas

Coronel Martins

Cunhataí

Cunha Porã

Descanso

Dionísio Cerqueira

Entre Rios

Faxinal dos Guedes

Formosa do Sul

Flor do Sertão

Galvão

Guaraciaba

Guarujá do Sul*

Guatambu

Ipuaçu

Iraceminha

Irati

Jardinópolis

Jupiá

Lajeado Grande

Maravilha

Marema

Modelo

Nova Erechim

Nova Itaberaba

Novo Horizonte

Ouro Verde

Palma Sola

Palmitos*

Passos Maia

Pinhalzinho

Planalto Alegre

Ponte Serrada

Princesa

Quilombo

Riqueza

Romelândia

Santa Terezinha do Progresso

Santiago do Sul

São Bernardino

São Carlos

São Domingos

São José do Cedro

São Miguel da Boa Vista

São Miguel do Oeste

Saudades

Seara

Serra Alta

Sul Brasil

Tigrinhos

União do Oeste

Vargeão

Xanxerê

Xaxim


*Defesa Civil ainda não recebeu a documentação dos decretos destes municípios. Dados do relatório das 19h da Defesa Civil, do dia 06/01.




Comente aqui
06 jan16:38

59 municípios em situação de emergência no Oeste

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Jupiá, Vargeão e Lajeado Grande também assinaram decreto de situação de emergência, devido a estiagem que assola a região Oeste. Agora são 59 municípios nessa situação. E o número deve aumentar, já que a previsão de chuva abaixo da média vai até o mês de março.

No relatório das 16h da Defesa Civil, 57 municípios haviam registrado situação de emergência. Outros dois municípios da região, Palmitos e Guarujá do Sul, também decretaram situação de emergência, mas a documentação ainda não chegou à Defesa Civil do Estado.

Pela manhã o governador Eduardo Pinho Moreira esteve em Chapecó e anunciou a liberação de R$ 1,25 milhão para os municípios atingidos com a estiagem.

Segundo Moreira, o recurso já está na conta das SDR´s e os municípios vão firmar convênios para a contratação de serviços como de caminhão pipa e retro escavadeiras. O dinheiro será distribuído conforme o número de propriedades. – Em Chapecó, temos mais de seis mil famílias atingidas, e iremos repassar os recurso conforme a necessidade de cada cidade – destacou o governador.

Além de Chapecó, foram liberados durante a manhã valores na ordem de R$ 142 mil para as dez comunidades da região de Xanxerê, e seis municípios da SDR Quilombo receberão um total de R$ 97,1 mil.

O governador e representantes da Defesa Civil também viajaram para Maravilha e se reuniram com os prefeitos das regiões de Palmitos e Maravilha. Para essas regionais, foi repassado mais de R$ 400 mil, sendo R$ 256 mil para os 12 municípios da SDR Maravilha, e R$ 147,5 mil para os seis municípios de Palmitos. – Os recursos serão destinados para o transporte de água às famílias e animais, bem como a terceirização de equipamentos para produção de silagem e outras atividades que possam amenizar de imediato a situação de estiagem – informou o secretário da Agricultura em exercício, Airton Spies.

Seguindo o roteiro, a comitiva técnica debateu com as regionais de São Miguel do Oeste, Dionísio Cerqueira e São Lourenço do Oeste os principais problemas da falta de água. Durante a reunião, foram destinados R$ 54,6 mil para Dionísio Cerqueira, que atenderá inicialmente três municípios; R$ 132,7 mil para quatro municípios em situação de emergência em São Miguel do Oeste; e R$ 32,8 mil à três cidades de São Lourenço do Oeste na primeira etapa. – Essa é a primeira leva de recursos que o Estado está destinando aos locais em situação de emergência – disse o governador. Ele ressaltou ainda que o estado vai buscar de apoio do Governo Federal.


Agilidade no Proagro

Para agilizar a liberação dos seguros do Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) aos produtores rurais, uma equipe de técnicos da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) está trabalhando em horário de plantão para a aprovação imediata dos laudos periciais. O processo normal é de 15 dias, mas conforme solicitação do governador será feito em cinco dias. – Os agricultores vão poder retirar seus seguros para amenizar os prejuízos causados pela estiagem – informou o presidente da Epagri, Luiz Hessmann.


59 Cidades em situação de emergência

Águas de Chapecó

Águas Frias

Anchieta

Bandeirante

Bom Jesus

Bom Jesus do Oeste

Caibi

Campo Erê

Caxambu do Sul

Chapecó

Coronel Freitas

Coronel Martins

Cunhataí

Cunha Porã

Descanso

Entre Rios

Faxinal dos Guedes

Formosa do Sul

Flor do Sertão

Galvão

Guaraciaba

Guarujá do Sul*

Guatambu

Ipuaçu

Iraceminha

Irati

Jardinópolis

Jupiá

Lajeado Grande

Maravilha

Marema

Modelo

Nova Erechim

Nova Itaberaba

Ouro Verde

Palma Sola

Palmitos*

Passos Maia

Pinhalzinho

Planalto Alegre

Ponte Serrada

Quilombo

Riqueza

Romelândia

Santa Terezinha do Progresso

Santiago do Sul

São Carlos

São Domingos

São José do Cedro

São Miguel da Boa Vista

São Miguel do Oeste

Saudades

Seara

Serra Alta

Sul Brasil

Tigrinhos

União do Oeste

Vargeão

Xanxerê


*Defesa Civil ainda não recebeu a documentação dos decretos destes municípios. Dados do relatório das 16h da Defesa Civil, do dia 06/01.





Comente aqui
06 jan09:42

Governador anuncia R$ 1,25 milhão para municípios atingidos com a estiagem

[atualizada 10h10]

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O governador em exercício Eduardo Pinho Moreira anunciou agora pouco na Secretaria de Desenvolvimento de Chapecó, que o estado vai ajudar com R$ 1,25 milhão os 54 municípios atingidos com a estiagem no Oeste. Outros dois municípios da região, Palmitos e Guarujá do Sul, também decretaram situação de emergência, mas a documentação ainda não chegou à Defesa Civil do Estado.

Segundo Moreira, o recurso já está na conta das SDR´s e os municípios vão firmar convênios para a contratação de serviços como de caminhão pipa e retro escavadeiras.

O dinheiro será distribuído conforme o número de propriedades dos municípios:


Águas Frias – R$ 7,4 mil

Chapecó – R$ 71 mil

Coronel Freitas – R$ 30,7 mil

Faxinal dos Guedes – R$ 9,1 mil

Ipuaçu – R$ 10,4 mil

Marema – R$ 12 mil

Nova Itaberaba – R$ 18,2 mil

Ouro Verde – R$ 10,2 mil

Passos Maia – R$ 9,9 mil

Planalto Alegre – R$ 9,3 mil

Ponte Serrada – R$ 13,5 mil

São Domingos – R$ 30,1 mil

Xanxerê – R$ 34,1 mil


O governador e representantes da Defesa Civil viajam ainda para Maravilha e São Miguel do Oeste onde participam de reunião com prefeitos representantes da Defesa Civil.


Estiagem pode atingir 140 municípios

A Defesa Civil também deve disponibilizar auxílio para atender o abastecimento nos municípios, segundo o diretor de respostas aos desastres da Secretaria da Defesa Civil, major Aldo Baptista Neto.

A Defesa Civil recebeu uma projeção da estiagem para Estado onde aponta que podem ser atingidos entre 132 e 140 municípios. A situação mais grave foi em 2009, quando 194 cidades decretaram emergência por falta de água.

O relatório também aponta chuvas abaixo do normal até março. Mas os efeitos dela podem chegar até abril, segundo o major Neto. O Governo do Estado apontou com o auxílio na perfuração de poços, transporte de água e nos relatórios de perdas.



Comente aqui
06 jan08:46

Previsão aponta sol entre nuvens e risco de temporal no fim de semana em Santa Catarina

Apesar do dia amanhecer com nebulosidade em algumas regiões, o sol aparece na maior parte da sexta-feira em SC. Porém, entre a tarde e a noite, áreas de instabilidade provocam pancadas isoladas de chuva na maior parte das regiões catarinenses. Há risco de temporais e queda de granizo isolado.

As máximas chegam entre 28ºC e 29ºC na Grande Florianópolis, no Litoral Norte, no Planalto Norte, no Vale do Itajaí e no Sul. No Oeste, os termômetros atingem 32ºC. Na Serra, ficam por volta dos 26ºC.

No sábado, o sol aparece em aberturas no decorrer dia no Oeste e no Meio-Oeste. Da Serra ao Litoral, áreas de baixa pressão mantém nebulosidade com chuva fraca pela manhã.

Entre a tarde e a noite, estendendo-se pela manhã de domingo, a passagem de uma frente fria pelo oceano provoca instabilidade com temporais e queda de granizo isolado. As temperaturas ficam elevadas.


DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
05 jan19:25

Cepa/Epagri estima perdas em R$ 166 milhões

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

O Centro de Socioeconomia e Planejamento Agrícola da Epagri divulgou uma estimativa de perdas com a estiagem. De acordo com Cepa as perdas são R$ 166 milhões, sendo R$ 125 milhões no milho, R$ 21 milhões no leite, R$ 10,5 milhões na soja e R$ 5,5 milhões no feijão.

Já numa estimativa do secretário de agricultura de SC João Rodrigues as perdas podem chegar a R$ 400 milhões. Ele avalia que o prejuízo no milho pode chegar a 25%, contra apenas 8,5% na estimativa inicial do Cepa.


Comente aqui
05 jan11:22

Polícia Civil prende comandante de quadrilha especializada em furtos e roubos de caminhões em Chapecó

Na noite desta quarta-feira, dia 04, a Divisão de Investigação Criminal – DIC, da Polícia Civil de Chapecó prendeu em uma empresa no trevo próximo a BR 282, Ivandro Luiz Paulo do Nascimento, 29 anos, considerado comandante da quadrilha especializada em roubos e furtos de caminhões na região Sul do país. Nascimento, que tinha prisão preventiva, foi encaminhado ao Presídio Regional de Chapecó, onde está à disposição da Justiça. Ele vai responder também por receptação.

A operação Mandrake começou há cerca de um ano, quando agentes da Polícia Civil de Chapecó e de Sombrio realizaram buscas na região Oeste, extremo Oeste de Santa Catarina, Paraná e em cidades vizinhas do Rio Grande do Sul.


Dez pessoas já haviam sido presas

Durante a investigação os policiais prenderam dez integrantes da quadrilha, que residiam em Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. Estados onde ocorriam os crimes. Foram presos: Adílio de Oliveira; Ademir Modler; Leandro Gomes, vulgo “Pato”; Valcir de Lima, vulgo “Bugre”; Fabio Caetano de Azevedo, vulgo “Fabinho”; Marcelo Caetano de Azevedo, vulgo “Celinho”; Nilton Antonio Wohlmeister, vulgo “Dieco”; Marcia Fernandes Nunes; Marcio Jose Cardoso e Sidnei Silveira Reus.

Além da prisão dos investigados, várias apreensões foram realizadas. Foram recuperados caminhões, carretas, e muncks (possui sistema hidráulico para movimentação, içamento, remoção de equipamentos e máquinas industriais e de construção civil), todos furtados na região Sul e encaminhados à perícia para depois devolver aos proprietários.

- A desarticulação da quadrilha contou com as Polícias Civis do Estado de Santa Catarina (Araranguá, Chapecó, Criciúma e Joaçaba), do Estado do Rio Grande do Sul (Carazinho e Ijuí) e da Polícia Rodoviária Federal – disse o delegado Ronaldo Moretto.

Segundo o Delegado Ronaldo Moretto com esta investigação houve uma diminuição das ocorrências de roubos/furtos de caminhões, carretas e cargas na região. As investigações continuam.


Comente aqui
05 jan07:44

SC adota medidas de proteção contra a aftosa

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A confirmação de um novo foco de aftosa no Paraguai levou Santa Catarina a adotar novas medidas de proteção para que o vírus não chegue ao Estado. A principal é reforçar a fiscalização nas barreiras 67 sanitárias instaladas nas rodovias de acesso ao Estado. Ontem pela manhã foi realizada uma reunião na secretaria da Agricultura do Estado, com a presença de representantes da Companhia Integrada Para o Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) e do Ministério da Agricultura.

Mesmo tendo ocorrido no Departamento de San Pedro, no Paraguai, o foco de aftosa preocupa Santa Catarina pois o estado recebe insumos do Paraguai, principalmente milho e farelo de soja.

Veículos são pulverizados na barreira de Abelardo Luz.

O presidente da Cidasc, Enori Barbieri, terá uma reunião hoje com representantes do Sindicato das Indústrias de Carnes e Derivados (Sindicarne), para solicitar que as agroindústrias não tragam produtos do Paraguai neste período. Em setembro do ano passado, quando também foram registrados focos no Paraguai, o Estado chegou a suspender a entrada de milho do Paraguai por 15 dias. Barbieri considera que o risco do vírus chegar ao estado é médio.

Para o diretor executivo do Sindicarne, Ricardo Gouvêa, a suspensão de importação de milho e farelo de soja é uma hipótese a ser cogitada. –Entre o custo de suspender a importação e o risco da aftosa é melhor bancar o custo- disse Gouvêa.

O motivo é que as exportações de suínos e aves de Santa Catarina por ano chegam a US$ 2,5 bilhões. A entrada do vírus em Santa Catarina suspenderia imediatamente as exportações. Em 2005, quando ocorreu aftosa no Paraná, Santa Catarina teve as exportações de suínos para a Rússia suspensa por dois anos, só por ser estado vizinho.

Na avaliação do presidente do Núcleo dos Criadores de Bovinos de Chapecó e Região, Enedi Zanchet, o maior risco é que o vírus venha em cargas de insumos vindos do Paraguai. Mas ele afirmou estar tranqüilo pois confia no controle sanitário realizado pela Cidasc.

O presidente da Associação Catarinense dos Criadores de Suínos (ACCS), Losivânio de Lorenzi, afirma que o estado tem uma boa condição sanitária, tanto que é o único reconhecido internacionalmente como livre de aftosa sem vacinação. No entanto é preciso manter a vigilância. –Não dá para amolecer- ressaltou Lorenzi. Ainda mais que Santa Catarina está começando agora a conquistar mercados como Japão, Coréia do Sul e China.


Medidas adotadas por SC

-Intensificação da fiscalização nas 67 barreiras sanitárias instaladas nas divisas com Paraná e Rio Grande do Sul e na fronteira com a Argentina. Carros provenientes do Paraguai serão vistoriados e desinfectados com pulverizador.

-Solicitação de reforço das Polícia Militar para atuar nos postos de fiscalização.

-Compra de mais material de desinfecção.

-Solicitação para que as indústrias não tragam milho e farelo de soja do Paraguai neste período.

-Distribuição de panfletos com orientações sobre a aftosa.

-Colocação de tapetes sanitários nos aeroportos

-Ações em conjunto com os três estados do Sul, Mato Grosso do Sul e Ministério da Agricultura.




Comente aqui