SC

31 jul20:35

Mobilização dos caminhoneiros paralisou agroindústria no Oeste

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A paralisação dos caminhoneiros está afetando a produção dos frigoríficos e laticínios do Oeste. A Aurora Alimentos paralisou nesta terça-feira a produção total nas unidades de São Miguel do Oeste e Abelardo Luz e parcialmente numa das unidades de Chapecó. O Laticínio Terra Viva, de São Miguel do Oeste, também está funcionando parcialmente.

De acordo com o presidente da Aurora Mário Lanznaster, somente deixaram de ser abatidos 1,9 mil suínos por dia na unidade de São Miguel do Oeste e 140 mil aves em Abelardo Luz. Em Chapecó duas linhas de produção de salsicha e mortadela deixaram de produzir 160 toneladas somente nesta terça, segundo o gerente da unidade, Caciano Capello. E a produção de lingüiça para churrasco foi interrompida há noite. Tudo por falta de matéria prima vinda de outras unidades.

Somente a Aurora dispensou 2340 funcionários. Outros 5,6 mil podem paralisar a partir desta quinta-feira. Lanznaster disse que as duas unidades de Chapecó, mas as unidades de Maravilha e Quilombo, também podem suspender os abates.

O motivo é que não há mais espaço para estocagem. De acordo com o gerente de logística da Aurora, Celso Cappelaro, somente em São Miguel do Oeste e Abelardo Luz são mil toneladas de produtos que estão parados. A Aurora produz diariamente 2,5 mil toneladas de produtos. São 120 a 130 carretas que saem por dia do frigorífico.

Além da carne não escoar, já começa a faltar ração para as aves e suínos.

– Os animais já começam a passar fome – afrimou Mário Lanznaster.

Na fábrica de rações da cooperativa em Cunha Porã, há 70 caminhões parados.

E até a fábrica de leite da Aurora em Pinhalzinho pode fechar a partir de quinta-feira, pois está terminando as embalagens de envasamento de leite. O secretário do Sindicato das Indústrias de Leite de Santa Catarina (Sindileite), Ferrnando Neckel, disse que se a greve não terminasse durante a noite de terça-feira, as indústrias iriam se reunir na manhã de hoje e a tendência era de suspender o recolhimento de leite no campo.

Para o presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc), Marcos Zordan, todo esse problema vem sendo gerado pela implantação de um lei sem uma discussão melhor com as bases e infraestrutura para o cumprimento dela.

– Os caminhoneiros não tem onde ficar – disse.

Zordan, que também é diretor agropecuário da Aurora, disse que somente a cooperativa teria que aumentar em 50% a frota de 574 caminhões com câmaras frigoríficas.

- Os custos serão repassados para o consumidor – alertou.

A estimativa é de um aumento de 5% no preço dos produtos ao consumidor.

Para o presidente da Companhia Integrada para o Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Enori Barbieri, a situação é grave.

– Essa greve está atingindo o centro produtivo do estado – afirmou.

Barbieri disse que a continuidade da mobilização pode trazer sérios prejuízos para a cadeia produtiva de Santa Catarina.








Comente aqui
31 jul20:33

Caminhoneiros encerram paralisação nacional

Joana Colussi | joana.colussi@zerohora.com.br

Após quase cinco horas de reunião no Ministério dos Transportes, em Brasília, o Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC) comprometeu-se em encerrar por completo e de imediato a paralisação nacional iniciada há sete dias. O acordo foi feito após o ministro dos Transportes, Paulo Passos, abrir negociação para rever os pontos reivindicados pelos caminhoneiros.

O governo federal pediu prazo até 8 de agosto para instalar a mesa de negociação e mais 30 dias para concluir os trabalhos de revisão. O movimento pede, entre outros pontos, maior prazo para a implementação da Lei n° 12.619, que determina que haja descanso diário ininterrupto de 11 horas e parada de 30 minutos a cada quatro horas no volante.

Os caminhoneiros argumentam que as rodovias brasileiras não têm infraestrutura adequada para que os caminhoneiros cumpram a norma. Na ocasião da aprovação da lei, a presidenta Dilma Rousseff vetou o artigo que previa a construção de postos de descanso.

Além de maior prazo para cumprir a lei, os caminhoneiros querem a revisão de resoluções da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) que, segundo eles, prejudicam a categoria.

ZERO HORA



Comente aqui
31 jul17:35

Governo recebe sindicatos para tratar da greve

O governo federal pediu prazo até 8 de agosto para apresentar uma resposta às reivindicações dos caminhoneiros autônomos, mas condicionou as negociações ao fim do bloqueio de rodovias que já dura sete dias em vários pontos do país. A informação é do presidente da Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA), Diumar Costa, que reuniu-se nesta terça-feira com o ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos.

>> Caminhoneiros impedem passagem de veículos de carga em pelo menos oito trechos de estradas em SC

A CNTA é contra a greve dos caminhoneiros, organizada por outro sindicato, o Movimento União Brasil Caminhoneiros (MUBC). Os representantes da CNTA afirmam que há interesses patronais por trás da paralisação.

De acordo com o presidente da CNTA, o governo entende que o bloqueio das estradas tem que ser suspenso inclusive por representar perigo para os motoristas de caminhão e a população em geral. O ministro Paulo Sérgio Passos começou uma reunião com representantes do MUBC logo após falar com o CNTA. O encontro ainda não havia terminado até o fechamento desta matéria.

— A posição [do governo] é de que há necessidade de desocupação das estradas, porque já houve morte — declarou o presidente da CNTA.

Segundo ele, foram registradas três mortes de caminhoneiros desde o início dos protestos. Duas mortes foram por atropelamento e uma causada por uma pedrada contra um caminhão, que acabou atingindo o motorista.

Os representantes da CNTA e da MUBC têm pelo menos uma reivindicação em comum. As duas entidades querem maior prazo para a implementação da Lei n° 12.619. A legislação que entrou em vigor ontem, determina que haja descanso ininterrupto de 11 horas a cada dois dias trabalhados para motoristas de caminhão. Os dois sindicatos argumentam, no entanto, que as rodovias brasileiras não têm infraestrutura adequada para que os caminhoneiros cumpram a norma. Na ocasião da aprovação da lei, a presidenta Dilma Rousseff vetou o artigo que previa a construção de postos de descanso.

Além de maior prazo para cumprir a lei, os caminhoneiros querem a revisão de resoluções da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) que, segundo eles, prejudicam a categoria. O MUBC defende a revogação de oito itens presentes em duas resoluções. Já o presidente da CNTA disse que a saída não é destruir o arcabouço legal existente, e sim “aparar as arestas”.

Antes de entrar na reunião com o ministro dos Transportes, o presidente do MUBC, Nélio Botelho, negou que haja intervenção patronal na greve:

— Não existem entidades envolvidas nessa manifestação. Surgiu do próprio trabalhador.

Botelho disse ainda que o movimento quer a “revogação imediata” dos itens que considera prejudiciais e que espera ter uma resposta do Ministério dos Transportes ainda hoje.

AGÊNCIA BRASIL



Comente aqui
31 jul16:32

Caminhoneiros impedem passagem de veículos de carga em pelo menos oito trechos de estradas em SC

Apesar da decisão da Justiça Federal no sábado, caminhoneiros seguem com manifestações nesta terça-feira em Santa Catarina. A BR-282 tem bloqueios parciais em Maravilha, Catanduvas, São Miguel do Oeste e Xanxerê. A BR-158 tem interdição parcial em Cunha Porã. Em Dionísio Cerqueira o protesto ocorre na BR-163. Em Chapecó, os manifestantes estão na BR-480. Já em Água Doce o bloqueio ocorre na SC-454.

Os protestos integram movimento nacional dos caminhoneiros. Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), nos locais das manifestações havia lentidão e formação de filas por volta das 8h.

Em Maravilha, no Extremo-Oeste, o protesto na BR-282 começou na manhã de segunda-feira e até as 8h desta terça a situação permanecia a mesma. Enquanto caminhões de carga são parados na altura do km 605, ambulâncias, veículos de passeio e ônibus tinham passagem permitida.

Situação semelhante ocorre em Catanduvas, no Meio-Oeste. A manifestação ocorre no km 406,5 da BR-282. Na mesma rodovia, há acúmulo de veículos de carga nas imediações do trevo de Jaborá. Ainda na BR-282, caminhoneiros também protestam no km 645 em São Miguel do Oeste; e no km 504, em Xanxerê.

Na BR-158, em Cunha Porã, no Extremo-Oeste, o trânsito começou a ser parcialmente bloqueado por caminhoneiros por volta das 10h15min de segunda. Até as 8h10min desta terça-feira o protesto seguia na rodovia, conforme a PRF. Enquanto isso em Dionísio Cerqueira, na fronteira com a Argentina e divisa com o Paraná, o protesto ocorre no km 121 da BR-163.

Outra rodovia que seguia com bloqueios até por volta das 8h15min desta terça era a BR-480, onde manifestantes interrompiam parcialmente o trânsito no km 123,7, em Chapecó, no Oeste. Na atualização da PRF divulgada por volta das 9h30min, o trecho já havia sido liberado, mas o bloqueio foi retomado depois do meio-dia.

Em Concórdia, manifestantes encerraram o protesto no km 90 da BR-153.

>> Agroindústria do Oeste suspende abate devido a paralisação dos caminhoneiros

>> “Estamos reféns”, reclama caminhoneiro parado há 24h em rodovia no Oeste de SC

>> Reunião em Brasília tenta acabar com impasse entre ANTT e movimento nacional de caminhoneiros

Protestos em rodovias estaduais

Segundo a Polícia Militar Rodoviária (PMRv), estradas estaduais também registram protestos de caminhoneiros. Até por volta das 8h20min, a SC-454 seguia com bloqueio parcial em Água Doce, no Meio-Oeste. Já em Abelardo Luz, houve manifestação na SC-467, mas foi encerrada, conforme a PMRv.


Motivo dos protestos

Os caminhoneiros reivindicam a revisão das normas e regras estabelecidas pela Agência Nacional doe Transporte Terrestre (ANTT). Elas incluem o cumprimento de intervalo de 30 minutos a cada quatro horas ao volante. A categoria também quer reduções no preço do óleo diesel e aumento da segurança nas estradas. A falta de pontos seguros para descanso nas estradas, o que facilitaria o roubo de cargas e a violência contra os motoristas é outra justificativa para o protesto.

As manifestações em Santa Catarina fazem parte de movimento nacional dos caminhoneiros. A categoria quer revisar a a Lei 12.619/2012, que entrou vigor na sexta-feira, dia 27, e regulamenta a profissão dos motoristas de transporte rodoviário interestadual. De acordo com proposta, depois de quatro horas de trabalho, os motoristas têm direito a 30 minutos de descanso. Eles ainda podem fazer uma hora de intervalo para as refeições e a cada 24h de trabalho devem descansar outras onze horas.

No sábado, dia 28, a Justiça Federal proibiu os caminhoneiros de bloquearem as rodovias federais em Santa Catarina. A multa para o descumprimento foi estipulada de R$ 100 mil. A justificativa é que as manifestações propostas pelo Movimento União Brasil Caminhoneiro impedem o trânsito livre e seguro nas BRs, ou seja, interferindo no direito do cidadão de ir e vir.

O Movimento União Brasil Caminhoneiro alega que algumas normas são impossíveis de cumprir. A ANTT informa que mantém a negociação com a categoria.

DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
31 jul10:47

Russos visitam granjas de suínos em SC

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Dois médicos veterinários do Ministério da Agricultura da Federação Russa visitaram na segunda-feira, dia 30 de julho, três propriedades de criadores de Suínos em Santa Catarina, nos municípios de Itapiranga, São João do Oeste e Iporã do Oeste.

A expectativa de Santa Catarina é de pelo menos dobrar a venda para os russos, que foi de 24 mil toneladas no primeiro semestre, num montante de US$ 70 milhões.

A Rússia chegou a comprar 76% das exportações catarinense em 2005, num volume de 198 mil toneladas, representando US$ 386 milhões. No final daquele ano, devido a focos de aftosa no Mato Grosso do Sul e Paraná, Santa Catarina sofreu embargo russo, por ser estado vizinho e vendeu apenas 36 mil toneladas no ano seguinte. Com isso perdeu a liderança nas exportações para o Rio Grande do Sul. A situação foi ainda pior em 2007 e 2008, com 12 e 11 mil toneladas respectivamente.

Com a vinda de uma nova missão as lideranças do setor estão otimistas. Atualmente Santa Catarina tem dois frigoríficos exportando para os russos, a unidade da Marfrig em Seara e da Pamplona em Presidente Getúlio.

Os russos Arten Medvedev e Dmitry Kosokoz chegaram em Santa Catarina na quinta-feira passada e, na sexta-feira, visitaram a unidade da Pamplona em Rio do Sul. Ontem eles visitaram as granjas de suínos e hoje visitam a unidade da Marfrig em Itapiranga.

Amanhã eles viajam até o Paraná, onde vão visitar o frigorífico Kaefer, em Laranjeiras do Sul. Depois vão para Rondonópolis, no Mato Grosso, onde visitam a unidade da Agra Agroindustrial. O encerramento é na sexta-feira, em Brasília, onde se encontram com outros sete técnicos que estão visitando frigoríficos de aves e bovinos.

Os técnicos russos farão um relatório que será encaminhado ao Governo Brasileiro apontando se as unidades estão com conformidade com os pré-requisitos para exportação. O presidente da Associação Catarinense dos Criadores de Suínos (ACCS), Losivânio Di Lorenzi, espera que a resposta seja positiva para ajudara a amenizar a crise do setor, que vem tendo prejuízos com o alto custo da soja e do milho no mercado internacional.


EXPORTAÇÕES TOTAIS DE SANTA CATARINA

2005: 260 mil toneladas (US$ 484 milhões)

2006: 172 mil toneladas (US$ 296 milhões)

2007: 170 mil toneladas (US$ 309 milhões)

2008: 149 mil toneladas (US$ 395 milhões)

2009: 147 mil toneladas (US$ 295 milhões)

2010: 119 mil toneladas (US$ 297 milhões)

2011: 153 mil toneladas (US$ 452 milhões)

2012*: 84 mil toneladas (US$ 229 milhões)

*Até junho


EXPORTAÇÕES CATARINENSES PARA A RÚSSIA

2005: 198 mil toneladas (US$ 386 milhões)

2006: 36 mil toneladas (US$ 72 milhões)

2007: 12 mil toneladas (US$ 28 milhões)

2008: 11 mil toneladas (US$ 34 milhões)

2009: 19 mil toneladas (US$ 36 milhões)

2010: 22 mil toneladas (US$ 57 milhões)

2011: 37 mil toneladas (US$ 117 milhões)

2012*: 24 mil toneladas (US$ 70 milhões)

Fontes: ACCS e SECEX


Comente aqui
30 jul22:00

Social: Maiara Magrin vai representar Chapecó no Miss Mundo SC

Maiara Magrin, 22 anos, é estudante de nutrição e vai representar Chapecó no concurso Miss Mundo Santa Catarina 2013. O evento acontece entre os dias 17 e 19 de agosto de 2012 em Itá.

A final do concurso Miss Mundo Santa Catarina 2013 está marcada para noite do dia 19 de agosto no Clube Cruzeiro em Itá. O Concurso é coordenado por Ernesto Antonini.

Fotografia: Robson Covatti | Produção: Duda Scussiato e Zama Carvalho | Acessórios: e Roupas: Yellow e Blush.



2 comentários
27 jul10:50

BR 282 está interditada para caminhões de cargas em Maravilha e São Miguel do Oeste

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Desde as 7 horas desta sexta-feira a BR 282 está interditada em Maravilha e São Miguel do Oeste. Apenas caminhões de carga são impedidos de transitar. Automóveis, ambulâncias e cargas vivas estão liberados. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, a Manifestação dos Transportadores de Cargas não tem previsão de término. Porém a Justiça Federal expediu interdito proibitório para que a rodovia seja liberada. Ação judicial pode ser cumprida a qualquer momento.

Na quinta-feira a BR 163 também foi trancada em Dionísio Cerqueira.

Segundo o coordenador do Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC) em Santa Catarina, Odimar Roman, a manifestação não tem prazo para terminar.

- Vamos ficar paralisados até recebermos uma resposta do governo – disse Roman. Ele informou ainda que a paralisação pode continuar no final de semana e com isso poderá faltar mercadorias nos grandes centros.

O coordenador do movimento disse ainda que deve ser realizada nesta tarde uma manifestação no Trevo de entrada de Chapecó, na BR 282. O horário ainda não foi definido.

Em São Miguel do Oeste cerca de 50 motoristas estão paralisados no trevo de entrada da cidade. Em Maravilha a rodovia está trancada no Km 605.

A manifestação iniciou no dia 25 de julho Dia de São Cristóvão, padroeiro dos motoristas. A categoria reivindica oito pontos de reivindicação. Entre elas os motoristas não aceitaram a Lei 12.619, sancionada pela presidente da República Dilma Rousseff, que regulamenta a profissão de motorista do transporte de cargas e de passageiros. A Lei entra em vigor nesta sexta-feira.

Na prática, as regras proíbem os profissionais de dirigir por um período superior a quatro horas sem descanso mínimo de 30 minutos. Além disso, a nova lei também obriga os motoristas a ter repouso diário de 11 horas a cada 24 horas e descanso semanal de 30 horas para motoristas empregados.


Fechada também em Catanduvas, no Meio-Oeste

A BR 282 está fechada no Km 406, em Catanduvas. Cerca de 80 manifestantes estão no local. De acordo com a PRF a previsão é que a pista seja liberada até as 12h.


Comente aqui
27 jul08:56

Novo relatório aponta 72 mortes por Gripe A em Santa Catarina

O novo relatório da Gripe A em Santa Catarina aponta 72 mortes pela doença e 741 casos registrados. Os dados foram divulgados ontem pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive). São 10 mortes a mais em relação ao documento da semana passada. Morreram cinco mulheres com idades entre 27 e 82 anos e cinco homens entre 31 e 88 anos. Todas as vítimas apresentavam problemas crônicos ou fumavam.

São Bento do Sul registrou o primeiro caso de morte, uma mulher de 82 anos. Um homem de 67 anos também foi a primeira vítima em Cunha Porã. Com os dois casos—um homem de 39 anos e um de 31—, o número de mortes em Lages chegou a três. Videira já registra a quinta morte, um homem de 88 anos.

Uma mulher de 58 anos é a terceira vítima em Fraiburgo, e um homem de 38, a primeira de Orleans. Indaial registrou seu primeiro caso de morte pelo vírus H1N1, uma mulher de 59 anos, assim como Forquilhinha, uma mulher de 27 anos. Em São José, na Grande Florianópolis, uma mulher de 58 anos foi a segunda vítima.

DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
27 jul08:08

Prevenção contra a estiagem em SC

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A estiagem do último verão já se foi, deixando um prejuízo de R$ 748 milhões e 152 municípios em emergência. Para amenizar as consequências de um novo período seco os agricultores estão se prevenindo. Somente na região de Chapecó a empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Epagri) fez 80 projetos de cisternas em 2012, segundo o gerente regional, Valdir Crestani. Somente em cisternas foram investidos entre 65 e 70% dos R$ 5 milhões em projetos encaminhados ao Programa Juro Zero, do Governo do Estado, que banca o juro do financiamento bancário. O restante dos recursos foi para projetos de expansão da atividade leiteira.

Além da construção de cisternas alguns agricultores estão investindo em projetos de irrigação. É o caso de Romar Nespolo, de Marema. No ano passado ele já tinha financiado R$ 22 mil para a instalação de um sistema de irrigação em 2,8 hectares de pastagem, pegando a água de um rio que passa pela propriedade. O investimento deu resultado pois ele conseguiu manter a produção de 6,5 mil litros por mês, mesmo durante o período seco.

– A estiagem não atingiu a produção de leite – declarou.

Ele lembra que, em 2008, sua produção baixou para 2,5 mil litros por mês.

O produtor Romar Nespolo, de Marema, investiu na instalação de um sistema de irrigação.

Graças à irrigação ele conseguiu manter uma renda de R$ 5,7 mil por mês. Em compensação perdeu mais da metade da lavoura de milho, que não era irrigada.

Nespolo ficou tão satisfeito com o resultado que pegou mais um financiamento, de R$ 50 mil, para irrigar mais dois hectares e ampliar a infraestrutura de produção de leite. Além do encanamento ele comprou freezer, mas cinco vacas e construiu nova sala de ordenha.

O agricultorpegou o dinheiro do Governo Federal e se cadastrou no Programas Juro Zero, do Governo do Estado. Com isso não precisa pagar o juro, que é de 2% ao ano. Além disso terá 10 anos para pagar.

O projeto foi encaminhado pela Epagri. O engenheiro agrônomo Adilson Barella disse que há crédito disponível e os projetos de irrigação são viáveis.

– Com cinco a seis milímetros por dia é possível manter a pastagem- explicou. Ele afirmou que as pequenas propriedades situadas na bacia do Rio Chapecó não precisam de outorga de uso da água, bastando um cadastro de usuário na Secretaria de Desenvolvimento Social.

O secretário de Agricultura do Estado, João Rodrigues, disse que mais de 300 projetos foram beneficiados pelo Programa Juro Zero e mais produtores serão beneficiados com o empréstimo de R$ 60 milhões junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES). Ele afirmou que as licitações devem ser encaminhadas ainda neste ano.

Além disso afirmou que no próximo ano serão disponibilizados mais R$ 10 milhões para o Programa Juro Zero.

O coordenador da Federação dos Agricultores da Agricultura Familiar de Santa Catarina, Alexandre Bergamin, disse que os investimentos em cisternas são importantes mas devem ser disponibilizados mais recursos. Bergamin informou ainda que 15 mil a 18 mil famílias conseguiram acessar o seguro agrícola, quitando os financiamentos no banco. Mas o que preocupa ainda é que muitos produtores ficaram sem renda e por isso é necessário avançar nas políticas públicas.


Medidas do Governo do Estado

Programa Juro Zero

- R$ 10 milhões para bancar o juro de financiamentos captados pelos produtores. Esse dinheiro já se esgotou e, no próximo ano, devem ser disponibilizados mais R$ 10 milhões


Recursos do BNDES

-R$ 20 milhões ser]ao investidos na compra de duas mil cisternas com capacidade para 40 mil litros cada

-R$ 6,5 milhões para perfuração de 200 poços artesianos comunitários, com bomba e caixa de água de 20 mil litros, para as comunidades que tiveram maior problema.

-R$ 2,8 milhões para a compra de 134 distribuidores de adubo orgânico, com capacidade para seis mil litros cada, que pode ser utilizado para o transporte de água, que serão disponibilizados para os 134 municípios que frequentemente são atingidos por estiagem.

-R$ 20 milhões para subsídio de R$ 5 mil para cisternas em propriedades privadas de agricultores de baixa renda, com capacidade de 500 mil litros cada. A medida deve beneficiar quatro mil agricultores.

-R$ 9,4 milhões para subsídio de 30% do valor de financiamento de sistemas de irrigação, de até dois hectares. A medida deve beneficiar 4.780 famílias.



Comente aqui
26 jul10:18

Festival da Canção de Itá inicia nesta quinta-feira

O Festival Intermunicipal da Música Popular, Sertanejo e Infantil de Itá inicia nesta quinta-feira, dia 26 de julho. Estão inscritos 47 candidatos divididos em: 16 duplas, 21 no Adulto Livre e dez inscrições na categoria infantil. A abertura será as 19h, após acontece a eliminatória Infantil. As apresentações acontecem na Praça Central Aldo Ivo Stumpf.

Na sexta-feira, dia 27, será realizada a eliminatória da categoria adulto individual e no sábado, 28, a eliminatória da categoria sertaneja adulto dupla. Já para o domingo dia 29, está programada a grande final de todas as categorias.

Candidato durante apresentação no Festival em 2011.

>> Confira a AGENDA do clicRBS Chapecó

A ordem das apresentações de acordo as normas do festival será a seguinte: primeiro a final da categorial infantil, na sequência a final da categoria individual e por último a categoria dupla sertanejo.

São mais de R$ 6 mil em premiação. O vencedor da categoria sertaneja dupla receberá R$ 1,5 mil. O segundo R$ 800 e o terceiro R$ 600. Na individual, R$ 1 mil para o primeiro; R$ 600 para o segundo e R$ 400 para o terceiro. Para a categoria infantil, o melhor interprete levará R$ 600; o segundo R$ 400 e o terceiro R$ 200.

Além da premiação em dinheiro, os três primeiros colocados de cada categoria também receberão troféus.

O evento é promovido pela Secretaria Municipal de Turismo, Cultura e Desenvolvimento Econômico, e integra a programação do 4º Festival de Inverno.


Comente aqui