Seara

16 fev10:48

Moradores correm atrás da água em Seara

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Em virtude da redução no volume de água na bacia do Rio Uruguai as hidrelétricas de Machadinho e Itá estão operando em média com 33% da capacidade nos últimos 45 dias, segundo dados do gerente em exercício das duas usinas, Diego Collet.

Mesmo gerando menos energia o lago de Itá está 2,36 metros abaixo do nível máximo e, Machadinho, com 4,23 metros abaixo do nível máximo. No Lago de Itá é visível a borda de terra que apareceu no lago, provocada pela redução do reservatório. Próximo das torres da igreja da antiga cidade, que foi inundada, dá para ver parte das pedras que ficavam submersas.

Collet disse que é normal uma redução da geração nesse período. Ele explicou que não há risco de desabastecimento, pois a menor geração no Sul é compensada pela geração maior em outras regiões, já que o sistema nacional de distribuição de eletricidade é interligado.


>> Seara decreta calamidade e tem 70% do abastecimento feito com caminhões pipa

>> Blog do Puchalski: Estiagem no Oeste


Moradores correm atrás da água em Seara

Com a falta de água na cidade os moradores de Seara tem que buscar alternativas por conta própria. Moradores do bairro esperança recorrem a um poço no meio do mato. Outros vão buscar água nas torneiras de um poço na praça do Bairro Industrial. É o caso de Etelvino Junges, morador do bairro Garguetti. Ele estava sem receber água pela rede da Casan desde domingo. Com isso ele pegou litros de refrigerante, tambores e outros vasilhames para buscar água na praça.


Etelvino Junges busca água em fonte no centro da cidade.


–Venho aqui quase todos os dias- explicou.

Na sua casa moram seis pessoas e o consumo é grande. Por isso a família tem que administrar o volume que junta na caixa de água, com o que é buscado em outros locais. –Temos que economizar bastante- disse o auxiliar de produção, que trabalha numa agroindústria da cidade.

Sidiane Fátima, que trabalha na mesma agroindústria, é moradora nova na cidade e descobriu o poço da praça há dois dias. Desde então frequentemente vai buscar água com os litros de refrigerante para ter o que beber. Antes seus pais traziam água do interior do município. Para tomar banho, ela está utilizando a água de um poço que é imprópria para o consumo.

–Não sei se daria para usar, mas não temos outra- explicou.


93 Municípios em situação de emergência

Os últimos decretos foram de Ipumirim, Iomerê, Jaborá e Piratuba. Concórdia também decretou, porém a documentação ainda não foi recebida pela Defesa Civil do Estado.


Abelardo Luz

Águas de Chapecó

Águas Frias

Alto Bela Vista

Anchieta

Arvoredo

Bandeirante

Barra Bonita

Belmonte

Bom Jesus

Bom Jesus do Oeste

Caibi

Campo Erê

Caxambu do Sul

Celso Ramos

Chapecó

Concórdia*

Cordilheira Alta

Coronel Freitas

Coronel Martins

Cunhataí

Cunha Porã

Descanso

Dionísio Cerqueira

Entre Rios

Faxinal dos Guedes

Formosa do Sul

Flor do Sertão

Galvão

Guaraciaba

Guarujá do Sul

Guatambu

Iomerê

Iporã do Oeste

Ipuaçu

Ipumirim

Iraceminha

Irati

Irani

Itá

Itapiranga

Jaborá

Jardinópolis

Jupiá

Lajeado Grande

Lindóia do Sul

Maravilha

Marema

Modelo

Mondaí

Nova Erechim

Nova Itaberaba

Novo Horizonte

Ouro Verde

Paial

Palma Sola

Palmitos

Paraíso

Passos Maia

Peritiba

Pinhalzinho

Piratuba

Planalto Alegre

Ponte Serrada

Presidente Castelo Branco

Princesa

Quilombo

Riqueza

Romelândia

Saltinho

Santa Helena

Santa Terezinha do Progresso

Santiago do Sul

São Bernardino

São Carlos

São Domingos

São João do Oeste

São José do Cedro

São José do Cerrito

São Lourenço do Oeste

São Miguel da Boa Vista

São Miguel do Oeste

Saudades

Seara

Serra Alta

Sul Brasil

Tigrinhos

Tunápolis

União do Oeste

Vargeão

Xanxerê

Xavantina

Xaxim


Lista atualizada em 15de fevereiro de 2012, pela Defesa Civil.

*A Defesa Civil do Estado ainda não recebeu a documentação do município.

Comente aqui
16 fev07:42

Estiagem se agrava no Oeste Catarinense

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br*

A estiagem que havia dado uma amenizada em meados de janeiro, quando ocorreu uma chuva de 70 milímetros em Chapecó, voltou a se intensificar neste mês, principalmente a partir da semana passada. Sete municípios decretaram emergência nesta semana: Alto Bela Vita, Presidente Castelo Branco, Ipumirim, Iomerê, Jaborá, Piratuba e Concórdia.

Além disso Seara, que já estava em Emergência, decretou Estado de Calamidade Pública, em virtude de que a cidade estava no início da semana com apenas 25% da água necessária para atender o município, que consome dois milhões de litros por dia.

- Está um caos- chegou a declarar o responsável do escritório local da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan), Marcelo Cozer. Os moradores nem tinham mais previsão de receber água.

A situação foi amenizada com a chegada de dois caminhões dos Bombeiros, a partir de terça-feira, um de São José e um de Chapecó. Um deles tem capacidade para 26 mil litros/dia e outro tem capacidade de 20 mil litros dia. – Eles estão disponíveis o tempo que for necessário- disse o comandante do 6º Batalhão de Bombeiros de Chapecó, Luiz Carlos Balsan.

Os caminhões estão buscando água no rio Uvá, a 16 quilômetros de distância, e a despejam na barragem de captação do Rio Caçador, que foi desassoreada. Cada caminhão faz cerca de 10 viagens por dia.

Além disso a Casan está com quatro caminhos puxando água da Estação de Tratamento de Itá, a 18 quilômetros, que é distribuída em casas nas partes mais altas e nos reservatórios.

- Hoje 70% do nosso abastecimento é feito com caminhão Pipa- disse Cozer. São cerca de 800 mil litros transportados por dia. Com essas medidas o fornecimento de água subiu para um milhão de litros/dia, que é metade do consumo normal. –Ainda não é o suficiente- explicou o representante da Casan.

O presidente da Defesa Civil do município, Fábio Stocco, disse que algumas famílias que estavam há dois ou três dias sem água, começaram a ser atendidas. –Atualmente 100% da área urbana está com dificuldade no abastecimento- afirmou Stocco. No interior a Prefeitura também está fornecendo água para 35 famílias. A Defesa Civil do município vai solicitar ao Estado mais caminhões ou então recursos para contratação de mais veículos.

Além disso a unidade da Seara Alimentos, controlada pelo grupo Marfrig, também iniciou o transporte de água nesta semana, para não paralizar os abates. São seis carretas que transportam mais de dois milhões de litros de água por dia, captadas no rio Uvá.


Comente aqui
14 fev10:46

Seara decreta situação de calamidade pública

Em reunião na tarde desta segunda-feira, Seara decretou situação de calamidade pública devido à estiagem e a dificuldade no abastecimento de água da cidade e interior do município. Também foi definida a entrada de uma ação administrativa no Ministério Público para que a Casan tome providências emergenciais para amenizar o problema. Uma das alternativas paliativas é de que a estatal contrate caminhões para o transporte de água à população.

O gerente da Casan em Seara Marcelo Cozer, explica que a necessidade de Seara é de 120 mil litros por hora. – Atualmente estão sendo distribuídos 45 mil litros/hora, ou seja, apenas um terço do que a população consome normalmente – disse.

A Prefeitura está transportando água potável com caminhões da estação de tratamento da Casan em Itá para abastecer os bairros Garghetti, Padre Lídio e parte do Bairro São João. São aproximadamente 200 mil litros de água por dia transportados do município vizinho para Seara. Outros caminhões estão abastecendo o restante da cidade através de poços artesianos e pelo rodízio da Casan.

Nesta terça-feira uma carreta do Corpo de Bombeiros, vinda de Florianópolis, chegou na região Oeste e está fazendo o transporte de água do reservatório de Itá e levando até Seara. O presidente da Defesa Civil de Seara Fabio Stocco disse que a Casan deve contratar mais três caminhões para realizar o transporte.

- A previsão é de que cada caminhão faça de oito a dez viagens por dia. Com quatro caminhões fazendo o transporte ainda não seria o suficiente para suspender o rodízio, porém amenizaria bastante a situação do abastecimento – destaca Marcelo.

A Prefeita Laci Grigolo enfatiza que a situação só tende a se agravar já que as previsões para chuvas não são animadoras. – A Prefeitura está fazendo tudo o que está ao seu alcance, agora buscamos com a ação administrativa, uma solução concreta e urgente da Casan para o município – disse.

No interior um trator e dois caminhões da Prefeitura também abastecem propriedades que necessitem de água principalmente aqueles que possuem produção de aves e suínos.

- Esse trabalho é por tempo indeterminado, até que chova o suficiente para acabar com a estiagem – destaca Stocco.

O trabalho de desassoriamento da barragem foi concluído na semana passada, já a retomada dos trabalhos de retirada da bomba do poço profundo devem ser retomados nesta semana com a chegada da peça para sucção da bomba.


Comente aqui
10 fev17:50

Rodízio de água em Seara

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Os moradores de Seara, que antes ficavam 12 horas sem receber água, em esquema de rodízio, a partir de hoje ficarão até 24 horas sem o fornecimento. O gerente da Casan em Seara, Marcelo Cozzer, disse que isso acontece porque a vazão do rio Caçador diminuiu ainda mais e é preciso buscar complemento na barragem de Itá. Com isso é preciso esperar mais tempo para tratar água e assim abastecer o município.

- E caso não chova nos próximos dias a tendência é que o período sem água aumente – comentou Marcelo.

O racionamento por falta de água, provocada pela estiagem, se deve porque o poço profundo que poderia abastecer a cidade, está com uma bomba e tubulação entalados desde dezembro. A bomba queimou no dia 15 de dezembro e, na troca, dia 20 de dezembro, o equipamento com 22 toneladas caiu mais de 100 metros dentro do poço, que tem 589 metros.

A barragem do Rio Caçador, que seria a alternativa, não tem volume de água suficiente. Para tentar acumular mais água foi realizado durante 10 dias um trabalho de desassoreamento na barragem de captação. – Agora está tudo limpo, só falta chover – disse Marcelo.

O Superintendente Regional da Casan, Écio Bordignon disse que, além de Seara, outros municípios estão com rodízio no abastecimento: Jardinópolis, Formosa do Sul, Caxambu do Sul e São Miguel do Oeste.


Caminhões puxam água

A população de 17 mil habitantes consome uma média 1,8 mil litros por dia. Para amenizar a situação três caminhões da Prefeitura buscam cerca de 200 mil litros de água por dia na estação de tratamento da Casan em Itá, distante 18 Km da cidade. – São cerca de 20 viagens diárias – disse o presidente da Defesa Civil em Seara, Fabio Stocco.

A prefeitura estuda também a possibilidade da contratação de mais três caminhões para buscar água. –Devemos iniciar o trabalho com esses caminhões a partir da segunda-feira – acredita Stocco. O custo diário para a locação e transporte para o poder municipal será de aproximadamente R$ 4,5 mil.

Na manhã desta sexta-feira o presidente da Defesa Civil se reuniu com diretores da Seara Alimentos. A empresa, que utiliza 5,4 mil litros de água por dia, vai disponibilizar a estrutura de captação no Rio Uvá. – A ideia é colocar a nossa estrutura a disposição da Prefeitura – disse Neri Cosmann, gerente geral da Unidade em Seara.


Comente aqui
09 fev14:15

Carnês do IPTU à disposição em Seara

Os carnês do Imposto Predial e Territorial Urbano – IPTU em Seara já estão sendo distribuídos e podem ser retirados no Departamento de Tributos da Prefeitura. O vencimento da primeira parcela ou cota única do ISS e alvarás é no dia 15 de fevereiro, já o IPTU será no dia 20 de março. Os contribuintes que optarem pelo pagamento à vista do IPTU tem 10% de desconto.

O responsável pelo setor de tributos Guilherme Bedin, disse que os valores arrecadados vão ser investidos em obras e melhorias no município, como a manutenção de vias e bens públicos.

Ao todo serão distribuídos aproximadamente 5,8 mil carnês. Para quem fizer o pagamento parcelado do IPTU, os vencimentos são: 20 de março, 20 de abril e 20 de maio. O alvará de funcionamento também pode ser pago em três parcelas, já o ISS fixo pode ser parcelado em seis vezes.

- O alvará sanitário em específico, teve mudanças no sistema, então peço para que os contribuintes venham se informar sobre o pagamento direto no setor – disse.


Comente aqui
09 fev11:07

Falta de água em Seara

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Enquanto a bomba e a tubulação do poço profundo não são consertadas e não chover o suficiente para encher a barragem do rio Caçador a população de Seara vai sofrendo com a falta de água nas torneiras. A Casan e a Prefeitura tentam abastecer o interior e as partes altas da cidade com caminhões pipa. Mesmo assim eles só conseguem amenizar a situação.

Um dos locais mais problemáticos é na Vila Esperança. O auxiliar de lavagem Írio Oliveira chegou a buscar água com um balde num poço no mato. Como a água turva ele só a utilizava para tomar banho e lavar a louça. O banho era de bacia.

Paulo Cesar Oliveira armazenou água em baldes depois de ficar 5 dias sem.

- Só me lavava com a mão- explicou. A água potável era trazida em litros de refrigerante, pela irmã. Ele chegou a ficar cinco dias sem receber água na rede. Írio mora com a família do irmão, Paulo César Oliveira. Paulo César, que é auxiliar de produção, tomava banho no trabalho. E a roupa e louça ficaram acumulados até ontem, quando chegou um caminhão pipa. Oliveira aproveitou para encher o tanque, tambores e panelas.

>> Limpeza na barragem para acumular água em Seara

A família de Elisama de Oliveira teve mais sorte. Eles ficaram “apenas” dois dias sem água. Ontem ela chegou a mãe de Elisama aproveitou para lavar a roupa. Ela ficou de “guarda” perto da torneira para encher 19 litros de refrigerante, com a ajuda do irmão Elizeu. Assim eles conseguiram um estoque para os próximos dias. Ela também aproveitou para lavar a louça que estava acumulada.

- Falta dois dias daí vem um pouco – relata.

Essa rotina da família desde dezembro. Ela relata que às vezes o pai chega cansado do trabalho e não tem água para tomar banho. A solução é esperar até meia-noite ou então ir na casa dos avós.


Comente aqui
09 fev09:39

Limpeza na barragem para acumular água em Seara

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A cidade de Seara voltou a entrar em racionamento por falta de água, provocada pela estiagem. O problema é que o poço profundo que poderia abastecer a cidade, está com uma bomba e tubulação entalados desde dezembro. A bomba queimou no dia 15 de dezembro e, na troca, dia 20 de dezembro, o equipamento com 22 toneladas caiu mais de 100 metros dentro do poço, que tem 589 metros.

A barragem do Rio Caçador, que seria a alternativa, não tem volume de água suficiente. Para tentar acumular mais água e aproveitar ao máximo as escassas chuvas está sendo feito um trabalho de desassoreamento da barragem. A empresa Tucano Terraplanagem, de Concórdia, foi a vencedora da licitação no valor de R$ 78 mil. O trabalho iniciou na semana passada e deve estar concluído até sexta-feira.

Aí vai depender de São Pedro ajudar a encher o reservatório. Na questão do poço profundo o superintendente de negócios da Casan para a Região Oeste, Écio Bordignon, disse que um dos canos se rompeu na troca da bomba.

A Casan teve que fazer uma licitação para contratação da empresa que fará a retirada do equipamento. Foi necessária a filmagem no poço e depois a colocação do equipamento para retirada. A empresa Hidropel Poços Artesianos, de Curitiba, foi contratada por licitação no dia 12 de janeiro para fazer a retirada. De acordo com o funcionário Gelson Lima, eles conseguiram engatar a tubulação, mas o peso era muito grande e o equipamento se soltou.

Por isso foi mandado confeccionar em São Paulo uma nova peça chamada “pescador”, que será acoplado ao equipamento. Esse material deve chegar no domingo e, a partir de segunda-feira o trabalho será retomado. A perspectiva é de que o trabalho demore cerca de uma semana para a retirada do equipamento queimado, limpeza e colocação da nova bomba. O custo da retirada é de R$ 137 mi. Mas pode chegar a R$ 406 mil se for necessário trocar o cabeamento.

Bordignon disse que, além de Seara, outros municípios estão com rodízio no abastecimento: Jardinópolis, Formosa do Sul, Maravilha, Pinhalzinho, Caxambu do Sul e São Miguel do Oeste.

Até ontem 86 municípios decretaram situação de emergência. Ontem o secretário de Agricultura João Rodrigues esteve em Brasília onde conversou com a coordenadora de projetos especiais do Ministério da Integração Nacional, Daniela Nogueira. Ele afirmou que Santa Catarina e Rio Grande do Sul devem ser beneficiados com recursos do Programa Água para Todos, do Governo Federal. O programa prevê investimento em infraestrutura de captação de água para famílias que se enquadram no programa Bolsa Família. Na próxima semana deve ser agendada uma reunião com prefeitos para explicar o funcionamento do programa.



Comente aqui
07 fev23:19

Defesa Civil repassa kit para distribuição de água a SDR Seara

O gerente de Logística e Mobilização da Defesa Civil Estadual, Renaldo Onofre Laureano Junior acompanhado pelo Major Fernando da Defesa Civil Nacional, a geógrafa Sarah Lindberg e o representante da Defesa Civil Regional, Sargento Muller, realizaram demonstração na tarde desta terça-feira, dia 7, nas dependências da Secretaria Regional de Seara, aos conselheiros e prefeitos quanto o funcionamento do equipamento para distribuição de água.

O kit foi entregue a SDR que posteriormente será repassado ao município, na intenção de amenizar os efeitos da estiagem.

O material é composto por quatro caixas de água de cinco mil litros cada e duas motobombas com kit de mangueiras para o transporte de água para consumo humano.


Comente aqui
06 fev15:08

Reinauguração da Casa Colonial em Seara

A Administração Municipal de Seara em parceria com a COOPASE, COPAFAS e AMAS realizam na tarde desta segunda-feira, a reinauguração da Casa Colonial – Espaço para vendas de produtos das agroindústrias familiares do município. O local passou por diversas melhorias e ampliação da sala de vendas, pois apresentava problemas na estrutura.

- Em maio percebemos que parte da estrutura estava comprometida, a madeira estava visivelmente podre, o que fez o telhado e a escada ceder alguns centímetros – disse o Diretor da Agricultura José Reinaldo Ost.

Como a construção da Casa é de 2007, a Promotoria de Justiça entendeu que houve prejuízo ao patrimônio público, porque a madeira utilizada demonstrou não ter a qualidade esperada para manter a segurança e solidez da obra. Assim, ficou acordado que o município reformaria e os valores gastos com madeira foram arcados por Edemilson Canale, Cladenir Chiarello e Givanildo Biondo.

- Com a reforma melhoramos a estrutura da casa, o térreo ficou maior e foi feita escadaria nova com coberto, num investimento da Prefeitura de R$ 10 mil, fora os gastos com a madeira (acordo promotoria) e a mão-de-obra que ficou por conta da COOPASE, COPAFAS e AMAS – comenta Ost.


Comente aqui
01 fev09:58

GERED Seara repassa kits escolares

A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional (SDR) Seara através da Gerência Regional de Educação (GERED) está realizando nesta semana, a entrega de kits contendo matérias escolares há 19 escolas de abrangência da Regional.

No total, serão distribuídos 1166 kits da 1ª ao 5ª série do Ensino Fundamental; 2.184 kits do 6º ao 8º ano e 1620 kits de 1ª a 3ª série do Ensino Médio.

O kit destinado do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental é composto por três cadernos em espiral, uma mochila, seis lápis grafites, duas borrachas, um apontador, uma cola bastão, uma régua, uma caixa de lápis de cor, uma caixa de giz de cera e uma tesoura.

O kit de 6ª a 8ª séries contém uma régua, dois esquadros, um transferidor, uma tesoura, uma caixa de lápis de cor, seis lápis grafites, duas borrachas, um apontador, uma cola bastão, dois cadernos universitários de 200 folhas, duas canetas azuis e uma mochila.

Já o kit para o Ensino Médio possui dois cadernos universitários, uma régua plástica, duas canetas e seis lápis.

Além dos kits, a GERED está repassando a 15 escolas, 150 mesas com bancos acoplados para refeitório. O investimento final da mobília é de R$ 97 mil.


Comente aqui