Selo

17 set09:06

Selo de certificação da carne suína foi apresentado

O Presidente do Instituto Nacional da Carne Suína, Wolmir de Souza, juntamente com representantes da Cugnier Certificadora, participaram de uma reunião com o presidente da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc), Enori Barbieri, e com o gerente de Inspeção de Produtos de Origem Animal, Sérgio Borges. O objetivo do encontro foi buscar o apoio do órgão governamental para efetivar a certificação da carne suína brasileira.

O gerente de Inspeção de Produtos de Origem Animal, Sérgio Borges, afirma que a Cidasc reconhece o projeto de certificação como uma ideia muito boa. O Selo de Qualidade da Carne Suína pretende certificar as plantas frigoríficas que atenderem aos requisitos técnicos de controle de segurança alimentar.

- A Cidasc está avaliando os requisitos do projeto e pensando em como validar o Selo de certificação. As empresas que obtêm o selo são empresas diferenciadas, pois além de atender a mais requisitos do que os solicitados pela Inspeção Estadual, elas demonstram preocupação com a qualidade alimentar e o fazem por iniciativa própria – afirmou Borges.

Para o representante da Cugnier Certificadora, Dante Dauer, o interesse e aval positivo da Cidasc para a certificação da carne suína é muito importante.

Wolmir de Souza, presidente do INCS, frisa que é muito importante este espaço conquistado junto a Cidasc.

- Esperamos que nosso projeto de certificação da carne suína, assim como o regulamento técnico que o acompanha, sejam referência no estado e no Brasil. E uma ação que vai valorizar as pequenas plantas frigoríficas e mostrar que elas são tão qualificadas quanto as grandes marcas para oferecer segurança alimentar e produtos saborosos – afirmou o presidente.


Carne Suína de Qualidade

O projeto de certificação da carne suína é carro chefe do Instituto Nacional da Carne Suína. Esta ação pretende qualificar as plantas frigoríficas de pequenas agroindústrias dentro de normas técnicas rígidas que garantam a segurança alimentar do produto, além de agregar valor a cortes e derivados de carne suína, que irá impactar diretamente para a geração de renda e crescimento destes frigoríficos e dos suinocultores independentes.

O trabalho de certificação já foi realizado em um Frigorífico paranaense. O Primaz Alimentos, localizado em Rio Negrinho, será o primeiro a carregar o selo nas embalagens dos produtos. Em dezembro de 2011 a planta passou por uma auditoria piloto realizada pela Cugnier Certificadora. O resultado foi positivo e a planta atendeu a mais de 70% dos requisitos técnicos para receber o Selo. Agora, o INCS e o Primaz aguardam o parecer do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento sobre a adequação do selo ao rótulo das embalagens dos produtos.

Com o primeiro frigorífico certificado, o INCS começou a implantar o projeto no Oeste catarinense. Quatro frigoríficos da região já concluíram a primeira etapa do projeto, que é a consultoria e preparação para a auditoria da Cugnier. Em breve estes frigoríficos também poderão receber em seus produtos o selo de certificação de qualidade da carne suína.


Comente aqui
15 mai15:54

Ideias criativas podem virar selo nos Correios

Interessados em sugerir temas de selos postais a serem emitidos no próximo ano podem participar do processo de seleção promovido pelos Correios até o dia 1º de junho. As propostas devem ser enviadas pelo site da Empresa. Basta clicar no banner “Sua ideia pode virar selo” e efetuar o cadastro.

Todas as propostas devem vir acompanhadas de uma justificativa sobre a sugestão, contextualizando a importância do selo no âmbito nacional ou internacional. Devem, ainda, estar de acordo com a Portaria 500/2005 do Ministério das Comunicações, que estabelece critérios e procedimentos para a elaboração do Programa Anual de Selos Comemorativos e Especiais dos Correios.


Temas

Segundo a portaria, são considerados temas apropriados artes, cultura popular, datas comemorativas, arquitetura, esportes, fauna, flora, literatura brasileira, personalidades, preservação do meio ambiente, turismo, direitos humanos, entre outros.

As sugestões serão apresentadas à Comissão Filatélica Nacional em julho deste ano. A comissão elegerá as sugestões, que serão posteriormente homologadas pelo Ministério das Comunicações. Se aprovada, a ideia se tornará um selo, fazendo parte da Programação Filatélica de selos comemorativos e especiais de 2013


Comente aqui
14 nov11:30

Lançado em Chapecó selo nacional de produtos orgânicos

O selo do Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica foi lançado em Chapecó no sábado, 12, na Feira Municipal do Centro de Chapecó, localizada na esquina das ruas Nereu Ramos e Uruguai. Esse é um selo público oficial usado para identificar e controlar a produção nacional de orgânicos.

A iniciativa, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), concedeu o selo a cinco famílias que compõem o Núcleo Oeste de Agroecologia, vinculado à Rede Ecovida de Agroecologia e auxiliado pela Associação dos Pequenos Agricultores do Oeste Catarinense (Apaco). Entre elas está a família Zanrosso, que integra o projeto Feira Agroecológica da Unochapecó, desenvolvido pelo Grupo de Trabalho em Agroecologia da universidade.

O lançamento contou com a presença de representantes da Secretaria Municipal de Agricultura de Chapecó, Epagri, Unochapecó, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Apaco e Rede Ecovida de Agroecologia. Essa Rede é responsável por fiscalizar o sistema de produção das famílias para que, em seguida, elas passem pela certificação do Ministério da Agricultura.

Para receber a certificação, as famílias devem passar por período de conversão do sistema de produção. O Ministério da Agricultura exige o mínimo de um ano para esse processo. Segundo o professor da Unochapecó e coordenador do GTA, Vagner Lopes da Silva, o processo busca avaliar todos os momentos envolvidos na produção dos alimentos que serão comercializados nas feiras municipais, inclusive a que ocorre na Unochapecó todas as terças e quintas-feiras. – Além de ser uma opção saudável para o consumidor, a certificação traz maior segurança na hora da compra e também agrega valor ao produto comercializado – disse.


Comente aqui
09 nov14:35

Projeto Piloto

O Instituto Nacional da Carne Suína – INCS com a participação das empresas Cugnier Inspections e a Top Carnes estão desenvolvendo o Selo de Qualidade da Carne Suína.  Projeto Piloto será implantado no Oeste.

O selo consiste na implantação de ações para o desenvolvimento sustentável da cadeia suinícola, demonstrando de modo transparente que os envolvidos as legislações sanitárias legais para boas práticas na produção de alimentos. A proposta do projeto da certificação é colaborar com as indústrias e produtores, no atendimento das exigências de mercado, integrando-os ao varejo e consumidor final. – Os consumidores estão mais exigentes e por isso estão optando por produtos que ofereçam garantia de qualidade, diferencial que agrega valor as carnes comercializadas – disse o presidente do INCS, Wolmir de Souza.

Para o consultor de frigoríficos da Top Carnes, Dilnei Echevenguá, esta será uma oportunidade de crescimento não só para a empresa mas sim para toda cadeia suinícola. – Vamos viabilizar economicamente toda a cadeia produtiva, todos terão o mesmo espaço, principalmente as pequenas e médias indústrias – disse Echevenguá.

Segundo a representante do Departamento Comercial da Cugnier Danielle Schwarzbach, o processo consiste na realização de auditorias para avaliação da conformidade nos frigoríficos e produtores através de um cronograma de auditorias periódicas em um processo sistemático de avaliação das instalações, cumprimento de legislações higiênico-sanitárias, auditoria documental, análises laboratoriais dos produtos coletados diretamente no mercado e envio a laboratórios credenciados, entre outros requisitos do Regulamento Técnico do Programa de Certificação do INCS, bem como os padrões estabelecidos de acordo com os Requisitos para Organismos que Oferecem Auditoria e Certificação de Sistemas de Gestão.

- As empresas que forem certificadas irão receber um Selo de Qualidade Controlada, o qual certifica que o estabelecimento cumpre com todos os requisitos Técnicos, Higiênicos e Sanitários verificados nas auditorias, garantindo a qualidade dos produtos e o desenvolvimento sustentável da cadeia – explicou Danielle.

A Cugnier irá fornecer a avaliação da conformidade através de processos de auditorias independentes e emissão dos respectivos relatórios para concessão do selo de qualidade aos estabelecimentos participantes do programa. Os itens de controle trabalhados serão os programas de auto controle do estabelecimento, inspeção visual da instalações e estrutura, Boas Práticas de Fabricação (BPF), Procedimento Padrão Higiênico Operacional (PPHO), análises laboratoriais, entre outros requisitos do regulamento técnico do INCS.

Para dar início ao processo de certificação um projeto piloto será implantado. De acordo com Danielle, o projeto visa verificar a aplicação do programa em campo. – Vamos conhecer eventuais ajustes e melhorias nos processos de implantação, auditoria e certificação do programa do INCS, bem como possibilitar apresentação de case ao público interessado – destacou ela. Após a conclusão, o projeto piloto, que será realizado de acordo com o cronograma do INCS, passará por uma aprovação.


Entenda os passos em relação ao selo de qualidade:

1. Empresa – Decide pela obtenção do Selo e informa INCS por meio de termo de adesão.

2. INCS – Recebe termos de adesão e agenda visita da Gerenciadora à Empresa.

3. Gerenciadora – Realiza avaliação da Empresa e auxilia nos preparativos para auditoria.

4. Certificadora – Fornece proposta de trabalho.

5. INCS – Agenda a auditoria da Certificadora.

6. Certificadora – Realiza a auditoria nas instalações da empresa, recolhe amostra do produto ou instrui o envio desta à Gerenciadora. Emite atestado de conformidade.

7. Gerenciadora – Recebe Atestado de conformidade da Certificadora e envia amostras para Laboratório credenciado.

8. Laboratório – Realiza análises microbiológicas.

9. Gerenciadora – Recebe dados do Laboratório, avalia o relatório de auditoria da empresa e encaminha à Comissão de Certificação.

10. INCS – Realiza Comissão de Certificação e aprova concessão do Selo de Qualidade.

11. Empresa – Recebe Selo da Qualidade INCS.



Comente aqui
15 set14:31

Instituto Nacional da Carne Suína presente na Efapi

O Instituto Nacional da Carne Suína (INCS) participa pela primeira vez da maior feira multissetorial do estado a Efapi, que será realizada de sete a 16 de outubro em Chapecó.

A convite do secretário de Agricultura, João Rodrigues, o INCS ficará instalado no estande da Secretária de Estado da Agricultura e da Pesca, localizado próximo a Comissão Central Organizadora (CCO). O estande com aproximadamente 1.600 mil metros vai abrigar uma Mostra de Produtos da Agricultura Familiar, um auditório para palestras temáticas, associações e instituições do setor.

Para o presidente do INCS, Wolmir de Souza, a feira oferece oportunidades de divulgação.

- Nossos produtores precisam de incentivo, principalmente no momento em que o mercado segue instável. A Efapi vai abrir portas onde o INCS será o mediador – disse.

O foco do INCS no evento será a divulgação dos critérios técnicos do Selo de Qualidade da Carne Suína Brasileira que deve ser lançado ainda neste ano. – O processo de certificação da carne será de extrema importância para o setor. Uma nova alternativa que deve abranger todo o segmento de produção, proporcionando assim resultados satisfatórios para toda a cadeia – explica ainda o presidente.

Segundo o secretário da Agricultura a participação do INCS na feira representa a força da entidade diante dos frigoríficos, pequenos e médios produtores.

A feira pretende atrair um público estimado de 520.000 mil pessoas. A Efapi terá 650 expositores e deve movimentar em termos econômicos mais de 125 milhões de reais.


Comente aqui