Sobe

31 mai14:36

IPI de motos, micro-ondas e ar condicionado sobe a 35%

O governo elevou a 35% o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para motos importadas, micro-ondas e ar-condicionado. O decreto foi publicado nesta quinta-feira no Diário Oficial da União (DOU).

O objetivo da medida é proteger as empresas instaladas na Zona Franca de Manaus da concorrência dos importados.


AGÊNCIA ESTADO

Comente aqui
28 mai10:19

Índice de Construção Civil sobe 1,30% em maio, diz FGV

O Índice Nacional da Construção Civil – Mercado (INCC-M) subiu 1,30% em maio, variação acima do mês anterior, de 0,83%, segundo divulgou, nesta segunda-feira, a Fundação Getúlio Vargas (FGV). No ano, o índice acumula variação de 3,63% e em 12 meses, de 7,16%.

No quesito materiais, equipamentos e serviços a variação em maio foi de 0,35%, menor do que a de 0,58% no mês anterior. Dentro desse grupo, o de materiais e equipamentos ficou em 0,35%, ante 0,65% em abril.

Também houve decréscimo em materiais para estrutura (0,68% para 0,40%), materiais para instalação (1,00% para 0,35%), materiais para acabamento (0,48% para 0,37%) e equipamentos para transporte de pessoas (0,40% para 0,04%). Os serviços responderam por 0,37% em maio, na comparação com 0,32% em abril, puxado por serviços pessoais, que passou de 0,38% para 0,73%. Já em mão de obra a taxa foi de 2,22%, ante 1,08% em abril.


AGÊNCIA ESTADO

Comente aqui
21 mai10:40

Índice que reajusta o aluguel sobe 1% na segunda prévia de maio

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) subiu 1% na segunda prévia de maio, após ter registrado alta de 0,71% em igual prévia do mesmo indicador em abril. O resultado, anunciado nesta segunda-feira pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), ficou acima das estimativas dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo AE-Projeções, que esperavam uma elevação entre 0,85% a 0,96%.

O resultado acumulado do IGP-M é usado no cálculo de reajuste nos preços dos aluguéis. Até a segunda prévia de maio, o IGP-M acumula aumentos de 2,49% no ano e de 4,23% em 12 meses. O período de coleta de preços para cálculo da segunda prévia do IGP-M deste mês foi do dia 21 de abril a 10 de maio.

A FGV informou ainda os resultados dos três indicadores que compõem o IGP-M. O IPA-M subiu 1,24% na prévia anunciada nesta segunda-feira, após aumentar 0,77% em igual prévia do mesmo índice em abril. Por sua vez, o IPC-M teve alta de 0,41% na segunda prévia deste mês, em comparação com o aumento de 0,52% na segunda prévia do mês passado. Já o INCC registrou taxa positiva de 0,81% na segunda prévia do indicador deste mês, após registrar elevação de 0,82% na segunda prévia de abril.


Agropecuária

A inflação agropecuária perdeu força no atacado, enquanto a industrial acelerou na segunda prévia do IGP-M de maio. Os preços dos produtos agrícolas no atacado subiram 0,87%, após uma alta de 0,94% na segunda prévia do mesmo índice de abril.

De acordo com a FGV, os preços dos produtos industriais no atacado tiveram aumento de 1,37% na segunda prévia em comparação com a alta de 0,71% na segunda prévia de abril.

No âmbito do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais subiram 0,74% na segunda prévia de maio, após terem aumentado 0,68% na segunda prévia de abril.

Os preços dos bens intermediários subiram 1,60% na prévia divulgada nesta segunda-feira em comparação com a elevação de 0,86% na segunda prévia do IGP-M do mês passado. Os preços das matérias-primas brutas tiveram taxa positiva de 1,33% na segunda prévia de maio, em comparação com a alta de 0,76% na segunda prévia de abril.


AGÊNCIA ESTADO

Comente aqui
02 abr16:31

Preço da gasolina sobe em Chapecó

O preço da gasolina registrou alta de 0,11% em Chapecó no mês de março. A variação é apontada pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó, através do Projeto de Acompanhamento de Preços Regionais. O boletim que acompanha a evolução dos preços da gasolina comum no mercado de combustíveis em municípios de Santa Catarina passou a ser divulgado pela Unochapecó em fevereiro. Objetiva conscientizar o consumidor para que esteja atento às diferenças de custo que pode encontrar.

A pesquisa, que envolve 22 municípios e 385 postos de combustíveis, mostra que com a variação positiva da gasolina comum em março, Chapecó apresentou preço médio de revenda maior que o da capital, de R$ 2,770, enquanto em Florianópolis foi de R$ 2,769. Já o município catarinense que apresentou maior preço médio de revenda foi São Miguel do Oeste, cobrando R$ 2,878 por litro, e o menor preço médio foi registrado no município de Biguaçu, com R$ 2,597. Dos municípios pesquisados, somente sete apresentaram alta.

Conforme o coordenador da pesquisa, professor Guilherme de Oliveira, em março os municípios que apresentaram indícios de cartel no mercado da gasolina comum catarinense foram Jaraguá do Sul, com o coeficiente de variação de 0,00611, e Itajaí, com 0,00831, ambos com número de postos pesquisados relativamente grande.

A pesquisa é inédita em Santa Catarina, pois nenhum outro instituto ou universidade a realizam. O levantamento engloba os municípios de Araranguá, Balneário Camboriu, Biguaçu, Blumenau, Brusque, Caçador, Chapecó, Concórdia, Criciúma, Florianópolis, Itajaí, Jaraguá do Sul, Joinville, Lages, Laguna, Mafra, Palhoça, São José, São Miguel do Oeste, Tubarão, Videira e Xanxerê.

A pesquisa apresenta dados quanto ao número de postos pesquisados, preço médio de revenda da gasolina comum por litro, preço mínimo, preço máximo e desvio padrão médio entre os postos de combustíveis dos municípios catarinenses envolvidos no levantamento.


1 comentário