Sonora Brasil

31 jul13:18

Sonora Brasil apresenta música sacra no Sesc de Chapecó

Nesta quarta-feira, dia 1° de agosto, tem apresentação do Quarteto Colonial, do Rio de Janeiro/RJ, no Teatro do Sesc de Chapecó. A apresentação gratuita, dentro do Projeto Sonora Brasil, será às 20h.

O espetáculo apresenta a música sacra brasileira de concerto, partindo da obra do Padre José Maurício Nunes Garcia (1767 – 1830).

Maior projeto de circulação de música do Brasil, o Sonora Brasil promove o intercâmbio entre grupos de diversas partes do Brasil, visando à formação de plateia. Este ano, com o tema Sagrados Mistérios: Vozes do Brasil, traz a Santa Catarina o cancioneiro religioso brasileiro, através de quatro grupos musicais que representam as festividades religiosas e a música sacra.


Sobre o Quarteto Colonial

A expressão “música sacra” designa a música erudita da tradição religiosa judaico-cristã, mas em sentido mais amplo também relaciona a música religiosa presente em cultos de outras religiões. Encontra-se essa denominação desde a Idade Média, quando se buscou definir uma forma distinta para as composições relacionadas às missas e outras práticas religiosas, tendo o canto gregoriano como uma de suas expressões mais antigas e reconhecidas.

Em todos os períodos da história da música ocidental encontramos exemplos de repertório composto para a função religiosa ou para concertos a partir das referências dessa música funcional. Palestrina, Monteverdi, Vivaldi, Bach, Mozart, Gounod, Penderecki e tantos outros podem ser citados como exemplos em âmbito mundial. No Brasil, Lobo de Mesquita, Padre José Maurício Nunes Garcia, Camargo Guarniere, João Guilherme Ripper, Ernani Aguiar e Almeida Prado são destaques.

Os salmos, os motetes, as missas e os réquiens, principais formas representativas da música sacra, tinham na voz um elemento fundamental em sua representação. Coros e solistas interpretavam os textos bíblicos sobre os quais eram compostas as músicas que acompanhavam as partes das missas. Muitas igrejas tinham seus músicos residentes, que compunham novas músicas regularmente, especialmente para os ciclos da Semana Santa, o que fez com que o repertório de músicas sacras alcançasse volume expressivo de obras ao longo da história. O mais ilustre compositor que um dia assumiu essa função foi Johann Sebastian Bach e, no Brasil, o grande destaque foi o Padre José Maurício.

O Quarteto Colonial, formado por Doriana Mendes, Daniela Mesquita, Geilson Santos e Luiz Kleber Queiroz, apresenta no projeto Sonora Brasil a música sacra brasileira de concerto, partindo da obra do Padre José Maurício Nunes Garcia (1767 – 1830), que foi mestre de capela da Sé do Rio de Janeiro e, posteriormente, da Capela Real, passando por compositores de vários períodos até chegar nos da atualidade.


Repertório Musical

Divertimentos harmônicos – (Luis Álvares Pinto 1719/ 1789)

Quae Est Ista

Eficcieris Grávida

Oh! Pulcchra Es, Et Decora

Cum appropinquaret (dominica in palmis) – (José Joaquim Emerico Lobo De Mesquita 1746/ 1805)

Obras para a Semana Santa (Padre José Maurício Nunes Garcia (1767/1830)

Gradual Para Domingo De Ramos – S.D.

Domine Jesu – S.D.

Domine Tu Mihi Lava Pedes

Improperium Espectavi – S.D.

O salutaris hostia – (Alberto Nepomuceno 1864/1920)

Ave Maria Nº 17 – (Heitor Villa-Lobos 1887/1959)

Kyrie (da Missa Ferial) – (Osvaldo Lacerda 1927)

Categiró – (Ernst Mahle 1929 e Cassiano Ricardo 1895/1974)

Procissão da chuva – (Cacilda Borges Barbosa 1914 / 2010 e Wilson Rodrigues)

Pater Noster – (Antônio Vaz 1935/2005)

Kyrie – (Caio Sena 1959)

2ª Ladainha – (Antônio Vaz 1935/2005 e Cassiano Ricardo 1895/1974)

Sacra Cantilena – (João Guilherme Ripper 1959)

Alleluia

Oratio (texto de Maria Lucia Vianna)

Psalmos Brevis

Réquiem (Do Tríptico) – (Alexandre Schubert 1970)



01/08 – quarta-feira

MÚSICA SACRA Quarteto Colonial – Projeto Sonora Brasil

Horário: 20h

Local: Teatro do Sesc – Chapecó/SC

Entrada Gratuita [é preciso retirar os bilhetes com uma hora de antecedência na secretaria do Sesc]


Comente aqui
31 out19:15

“Rei do Chamamé”

A programação de novembro do Sesc Chapecó começa com um belo espetáculo para os fãs e apaixonados por acordeão. Nesta terça e quarta-feira sobem ao palco, dentro do Sonora Brasil, Dino Rocha e Grupo. Eles apresentam a tradicional música da região Centro-Oeste.

As apresentações são gratuitas e iniciam sempre às 20h. Os ingressos devem ser retirados uma hora antes do show.

Dino Rocha e Grupo

A música tradicional da região Centro-Oeste do Brasil, relacionada ao acordeão, tem sua origem na imigração de paraguaios para o interior do Centro-Sul. Vários aspectos da cultura paraguaia foram assimilados pelas populações locais e ainda hoje estão presentes na rotina do povo sul-mato-grossense. Na música, a polca paraguaia, a guarânia e o chamamé formaram a base do repertório que se consolidou nas festas familiares e nas festividades populares. Na mesma região também são encontrados outros gêneros tradicionais, como a rancheira, o xote e a marchinha. Conhecido como o “Rei do Chamamé”, Dino Rocha desenvolveu sua carreira apresentando o repertório da tradição musical preocupado com a preservação das características mais autênticas. Acordeonista, compositor e cantor, começou a tocar sanfona aos 9 anos e, aos 16, se apresentava profissionalmente com seu primeiro grupo, Los 5 Nativos, da cidade de Ponta-Porã. Acompanhado dos violonistas Hugo Cesar e Tico Rocha, o músico com seu acordeão de 120 baixos apresenta a tradição musical da região do Mato Grosso do Sul em repertório que abrange desde a chegada dos paraguaios, na passagem dos séculos XIX e XX, até os dias de hoje, incluindo composições próprias.


Duração: 1h10min | Classificação: Livre


Repertório:

El Kangui (Tradição oral), chamamé

Amélia (Tradição oral), chamamé

Cambacuá (Tradição oral), chamamé

O passo da ema (Rezendinho), rasqueado

Siriema do Mato Grosso (Mário Zan / Nhô Pai), rasqueado

Curitibana (Tonico, Tinoco e Perigoso), marchinha

Baile das crianças (Dino Rocha), marchinha

Ama kiriri (Tradição oral), guarânia

Rancheirinha de Mané Nanias (Manoel Ananias), rancheira

Um Chamamé para Transito Coco Marola (Dino Rocha), chamamé

Gaivota Pantaneira (Dino Rocha), chamamé

Caraipiano (Dino Rocha), chamamé

Colorado (Tradição oral), polca paraguaia


Dias: 01 e 02 de Novembro

Horário: 20h

Local: Teatro do SESC

Entrada Gratuita (retirar sua senha uma hora antes do show)



Comente aqui