TV

21 ago09:19

Televisão vira principal palanque eleitoral a partir desta terça-feira

Natália Viana | natalia.viana@diario.com.br

A campanha só esquenta com o início do horário eleitoral no rádio e na televisão. A frase é repetida por candidatos, presidentes de partidos e especialistas para explicar o tom morno da disputa até agora. Por isso, partir de hoje, as atenções se voltam para os programas que irão apresentar os candidatos e suas propostas. Por maior que tenha sido o crescimento da internet nos últimos anos, é inegável o alcance que o rádio e a TV ainda mantêm.

Segundo o Censo 2010 do IBGE, em quase 98% das casas catarinenses existe pelo menos um aparelho de TV. O número de rádios é um pouco menor, mas não menos expressivo:está presente em quase 89% das residências. Para o professor de Marketing, Planejamento e Pesquisa de Mercado da Estácio de Sá, Paulo Pedroso, a propaganda na TV tem muita força porque atinge todas as camadas.

Com o objetivo de conquistar os eleitores, as candidaturas apostam em programas com impacto visual, com muita trilha sonora e imagens externas. Segundo Pedroso, não existe mais espaço para amadorismo na propaganda política. Mas ele ressalva que não basta investir somente na embalagem: é preciso valorizar, principalmente, o conteúdo.

— Acredito que o eleitor está querendo ver propostas concretas, que possam ser realizadas. Está cansado de promessas e quer projetos que interfiram na sua vida, desde o atendimento básico na saúde, até planos mais macros, de desenvolvimento municipal.

Os programas vão ao ar até 4 de outubro, de segunda a sábado, alternando candidatos a prefeito e a vereador. Hoje, estreiam os concorrentes às câmaras. Nesta quarta-feira, os candidatos a prefeito começam a aparecer na telinha.

DIÁRIO CATARINENSE



Comente aqui
20 ago16:54

Propaganda gratuita no rádio e na TV começa nesta terça-feira

Natália Viana | natalia.viana@diario.com.br

A partir desta terça-feira (21), a eleição começa “pra valer” em Santa Catarina com a transmissão da propaganda gratuita no rádio e na televisão. Para muito, é a partir deste momento que a campanha ganha cara e começa a ser vista pelo cidadão.

Por isso, dentro da estratégia de uma campanha, poucos itens se comparam ao peso e a importância dos programas de televisão e rádio. Os primeiros a ir ao ar serão os dos vereadores, sendo que na quarta-feira é a vez dos prefeitos.

A campanha na TV será transmitidas somente para as 10 cidades catarinenses que são sede de emissora: Florianópolis. Joinville, Blumenau, Criciúma, Itajaí, Balneário Camboriú, Lages, Chapecó, Xanxerê e Joaçaba.

>> Em Chapecó o sorteio da ordem de veiculação dos programas foi definido no dia 3 de agosto

O horário eleitoral na TV começa nesta terça-feira e segue até o dia 4 de outubro, sempre em duas edições: a primeira das 13h às 13h30min e a segunda das 20h30min às 21 horas.

No rádio, a propaganda segue a mesma lógica, também em dois horários: das 7h às 7h30min e das 12h às 12h30min.

Às segundas, quartas e sextas serão apresentados os programas dos candidatos a prefeito, e nas terças, quintas e sábados o horário será distribuído entre os candidatos a vereador.

Depois, a tendência é que os projetos e propostas comecem a ganhar mais destaque. Além de tornar os candidatos mais conhecidos, a propaganda eleitoral também acaba ditando o ritmo das campanhas como um todo. Se uma das candidaturas começa a “endurecer” o discurso, fazer críticas e até mesmo denúncias, a tendência é que a parte “atacada” responda, acentuando os debates.


Comente aqui
20 abr12:20

Número de leitores caiu 9,1% no país em quatro anos, segundo pesquisa

Dados da edição de 2012 da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, encomendada pela Fundação Pró-Livro e pelo Ibope Inteligência, mostram que os brasileiros estão cada vez mais trocando o hábito de ler jornais, revistas, livros e textos na internet por atividades como ver televisão, assistir a filmes em DVD, reunir-se com amigos e família e navegar na rede de computadores por diversão.

A pesquisa, divulgada nesta quarta-feira (28), revelou uma queda no número de leitores no país: de 95,6 milhões, registrada em 2007, para 88,2 milhões, com dados de 2011. O índice representa uma queda de 9,1% no universo de leitores ao mesmo tempo em que a população cresceu 2,9% neste período.

Foram entrevistadas para a pesquisa 5.012 pessoas em 315 municípios brasileiros entre 11 de junho e 3 de julho de 2011. Os entrevistadores classificam como leitores quem leu pelo menos um livro nos três meses anteriores à pesquisa. O resultado de 88,2 milhões de leitores corresponde a 50% da população total de brasileiros com 5 anos ou mais (178 milhões).

O número de entrevistados que afirmaram aos pesquisadores cultivar o hábito de ler durante o tempo livre caiu 8 pontos percentuais entre 2007 e 2011, de 36% para 24%.

No mesmo período, porém, a porcentagem de quem costuma ver televisão nas horas de lazer subiu de 77% para 85%. Vídeos e DVDs agora agora ocupam 38% das pessoas ociosas, contra 29% há quatro anos, e o hábito de navegar pela internet (mas sem de fato ler textos por prazer ou para se informar) aumentou de 18% para 24%. As reuniões com parentes e amigos também cresceu, de 31% para 44%. Os entrevistados puderam escolher mais de uma opção.

A ministra da Cultura, Ana Holanda, disse, após o lançamento da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, que é preciso incentivar a leitura nos jovens. “Trabalhando com o jovem, a gente forma o leitor para a vida toda”, afirmou. Para a ministra, é preciso afastar o jovem da ideia da leitura como uma obrigação escolar. “É preciso mostrar o livro não como uma obrigação escolar, mas como uma forma de ele conhecer dimensões que estão além dele, outras vias, outras realidades”, declarou.

De acordo com o diretor do Ibope Inteligência, Hélio Gastaldi, o aumento da expectativa de vida e a redução da concentração de brasileiros em idade escolar é um dos fatores causadores da diminuição de leitores. Além disso, Gastaldi afirmou que a leitura está mais pulverizada em diversos meios.

A presidente do Instituto Pró-Livro, Karine Pansa, acredita que ainda levará tempo para que o Brasil alcance níveis de leitura considerados ideais.”A gente olha para países com índice de oito livros por ano. São países europeus. Isso é um futuro longo e a gente vai ter que batalhar muito por isso”, disse.

Karina disse que é necessário que os professores incentivem o hábito da leitura nos alunos, já que a pesquisa os aponta como as pessoas que mais influenciam os indivíduos na hora de ler. “Se você ver o prazer que o seu professor tem pela leitura, você vai se perguntar o porquê. E vai, no mínimo, ter essa inquietude de querer saber por que ele gosta tanto daquele livro”, afirmou.


Perfil

Atualmente, as mulheres são maioria entre as pessoas com o hábito de ler pelo menos um livro a cada três meses (57%), e as faixas etárias que mais reúnem pessoas com o hábito de ler são entre 30 e 39 anos (16% do total), entre 5 e 10 anos (14%) e entre 18 e 24 anos (14%).

A queda do número de leitores foi apontada em todas as regiões brasileiras, com exceção do Nordeste, que ganhou um milhão de leitores entre 2007 e 2011, e onde a penetração da leitura subiu de 50% para 51%. Hoje, 29% de todos os leitores brasileiros vivem nesses estados, contra 25% em 2007. Por outro lado, no Sudeste, a penetração caiu de 59% para 50% do total da população e hoje responde por 43% do total de leitores, dois pontos percentuais a menos que na última edição da pesquisa. Nas regiões Norte, Centro-Oeste e Sul vivem 8%, 8% e 13% dos leitores brasileiros, respectivamente.

Os leitores brasileiros leram em média 1,85 livro nos três meses anteriores à pesquisa, número menor que a média de 2007 (2,4).

Os textos escolares são lidos com maior frequência: 44% dos leitores que leem esse tipo de texto o fazem todos os dias, e outros 44% afirmaram que leem textos escolares de vez em quando. O livro no formato tradicional vem perdendo espaço para os outros suportes. Os leitores de textos na internet afirmaram que têm o hábito de usar esse suporte com frequência: 38% o fazem todos os dias e 42% de vez em quando. Por outro lado, quase metade dos leitores (46%) que afirmaram ler livros em geral (ou seja, os que não são indicados pela escola, nem são jornais ou revistas) admitiram que cultivam esse hábito apenas uma vez por mês. Apenas 21% dessa faixa de entrevistados disse que lê livros em geral diariamente.

Ainda que o resultado da pesquisa mostra o enfraquecimento do hábito de leitura no país, os brasileiros se mostraram mais otimistas: 49% deles afirmou que atualmente lê mais do que no passado, e 28% admitiu que vem perdendo este costume. Outros 20% disseram que não aumentaram nem diminuíram o hobby de ler livros, jornais, revistas ou textos na internet.


G1



Comente aqui
10 jan09:29

Quem é quem no Big Brother Brasil 12

Ainda não foram anunciadas novidades como uma casa de vidro em meio a um shopping, a participação de ex-BBBs ou um quarto branco de isolamento, mas o Big Brother Brasil 12 não para de gerar notícia.

Antes mesmo do início do programa (que começa nesta terça, logo após Fina Estampa, na RBS TV), dois participantes anunciados pela Globo na quarta-feira passada desistiram: o advogado mineiro Netinho, 28 anos, e a empresária carioca Fernanda, 29 anos. Se as desistências significam ou não um enfraquecimento do reality da Globo, só as primeiras semanas do programa poderão dizer.

O fato é que José Bonifácio Brasil de Oliveira, o Boninho, escalou um time com perfis que, baseado em edições anteriores, tem as ferramentas para garantir uma boa audiência.

– A produção está voltada para recuperar o clima dos primeiros BBBs. Inclusive nas provas e dinâmicas – garante Boninho.


Participantes do BBB 12 chegam à casa nesta terça-feira, após "Fina Estampa".



A partir do que surgiu na internet sobre esses “amadores”, ZH analisou o perfil de cada um (na mesma ordem em que aparecem na foto acima) e traçou um paralelo com participantes das outras 11 edições. Se acertamos ou não, somente os próximos meses poderão confirmar. Fique à vontade para dar uma espiadinha.


A divertida: Fabiana Teixeira

35 anos, São Paulo

Boninho, o diretor do programa, disse à Folha de S. Paulo que Fabiana é engraçadíssima, “uma figura”. Ao que se sabe, ela já apresentou programas que vendem títulos de capitalização e é casada com um cantor sertanejo.

Similar a Anamara (BBB 10) e Fani (BBB 7)


A boa moça: Jakeline Leal

22 anos, Feira de Santana, Bahia

Estudante de Zootecnia, boa moça do Interior, comprometida, sua inspiração é Jesus Cristo (é o que diz o seu Facebook), seus livros preferidos são a Bíblia e Marley e Eu e seus filmes, A Órfã e Esposa de Mentirinha.

Similar a Mirla, BBB 9, Bruna, BBB 7 e Géris, BBB 4


O de alma jovem: João Carvalho

46 anos, Minas Gerais

O mais velho da turma, tatuado, estiloso e, muito provavelmente, jovem de espírito. Seu Facebook mostra diversas fotos em barzinhos, festinhas e viagens. Amigos já garantiram que, sim, ele é gay. E que não tem nenhum problema com isso.

Similar a Lucival (BBB 11) e Dicesar (BBB10)


O amigão: João Maurício Dantas Leite

34 anos, Goiás

Boa pinta, fanático pelo Flamengo, baladeiro, porém reservado e trabalhador (administra as fazendas da família). O site Ego afirma que o moço tem dois filhos e que a mulherada cai em cima, mas que ele seleciona bem as escolhidas.

Similar a Cadu (BBB 10) e Emanuel (BBB 9)


O menino da mamãe: Jonas Sulzbach

25 anos, Lajeado

Belo, simpático, queridinho da mamãe e amigão da galera. Jonas já foi garoto propaganda de marca de cueca, capa de revista e finalista de concurso de beleza internacional. Família e amigos garantem que é simpático, animado e boa gente.

Similar a Rodrigão (BBB 11) e Michel (BBB 10)


A saidinha: Kelly Medeiros

28 anos, Minas Gerais

Consta que tem namorado (e que eles vão se casar), é religiosa, trabalha como secretária executiva e é menina de família. Porém, já foi dançarina do Aviões do Forró, concorreu ao Garota Fitness Brasil e tem fotos bem saidinhas no Facebook.

Similar a Michelly (BBB 11) e Fernanda (BBB 10)


Bela e esperta: Laisa Portela

23 anos, Passo Fundo

Rata de academia e estudante de Medicina. Nas horas vagas, disputa concursos como o Preferência Nacional, para escolher o melhor bumbum do país, e faz comerciais em trajes mínimos.

Similar a Lia (BBB 10), Priscila (BBB 9) e Juliana (BBB 4)


A moderna: Mayara Medeiros

23 anos, São Paulo

Arte-educadora e produtora de vídeo pornô alternativo. Esta é Mayara, no Twitter @brancanoescuro. Gosta de meninos e meninas e “não leva desaforo”, segundo uma amiga contou à Caras Online.

Similar a Diana (BBB 11), Morango (BBB 10) e Bianca Jahara (BBB 8)


O “na dele”: Rafael Oliveira

35 anos, Rio de Janeiro

Tudo que se sabe é que o rapaz gosta de surfe, skate, Carnaval, Guns, Zé Ramalho, Mart’nália e resolveu começar o ano lendo O Amor nos Tempos do Cólera, de Gabriel Garcia Márquez. Também consta que é gentil e animado, porém briguento.

Similar a Diogo (BBB 11) e Dourado (BBB 10)


A festeira: Renata Dávila

21 anos, Minas Gerais

Está entre as musas da edição. Terminou um namoro de dois anos para entrar na casa tranquila. É estudante de Psicologia e, em boa parte de suas fotos no Facebook, aparece em festas, sempre com um copo na mão.

Similar a Francine (BBB 9) e Natália (BBB 8)


O pegador: Ronaldo Peres

31 anos, São Paulo

Entrou no lugar de Netinho, que desistiu. Todas as descrições que circulam pela web dão conta que o moço é festeiro, pegador e fã de música eletrônica. Segundo um amigo, a mulherada chega junto no rapaz e ele faz um “processo seletivo”.

Similar a Diego Alemão (BBB 7)


O lutador: Yuri Fernandes

26 anos, Goiás

Todo BBB que se preze tem um lutador para chamar de seu. Nesta edição, o papel é de Yuri, que gosta de convocar suas alunas para um “treino pesado” de muay thay. Resta saber se ele faz parte dos grandões calmos ou dos esquentadinhos.

Similar a Felipe Cobra (BBB 8) e Dourado (BBB 10)


ZERO HORA

Comente aqui
05 out14:46

Parceria entre Net, Claro e Embratel oferecerá pacote de serviços

A competitividade no mercado brasileiro de comunicação, aliada ao crescimento do poder aquisitivo do brasileiro, está levando as empresas do setor a buscar por novos serviços. É o que fizeram a Net, Claro e Embratel. As três empresas anunciaram, nesta quarta-feira, uma parceria para oferecer um pacote que inclui TV por assinatura, vídeos sob demanda, banda larga fixa, wi-fi (residencial e em locais públicos), internet 3G (com modem e pelo smartphone) e telefone fixo.

De acordo com o site G1, o pacote, batizado como Combo Multi, começa a ser vendido no dia 15 deste mês e estará disponível em quatro opções, com mensalidades a partir de R$ 400. Há planos ainda de R$ 500 e R$ 600, que agregam os serviços das três companhias.

A previsão dos executivos das três empresas é que a economia com os três serviços contratados juntos deve chegar a 30% se comparado com a contratação em separado.

O pacote mais caro será de R$ 700 e inclui TV a cabo em alta definição com mais de 160 canais, gravação digital, acesso ao serviço de vídeo sob demanda, ligações gratuitas entre celulares Claro, 100 minutos de ligações para Net Fone via Embratel local ou DDD, 500 minutos de ligações locais para outras operadoras móveis, 500 torpedos, 500 MB de dados no celular, 2 linhas de telefone, 10 Mbps de internet, Wi-Fi residencial, modem 3G com plano de 2 GB e acesso grátis a hot spots Wi-Fi.


Unificação de serviços

Para atender aos clientes e processar as faturas, uma central de atendimento exclusiva para o Combo Multi será instalada em Americana, no interior de São Paulo. Para o cliente, a mudança será no recebimento das contas. Apesar de encaminhadas em um único envelope, elas virão em faturas separadas.

– Não se trata de fusão. É uma parceria comercial igual às que fizemos ao longo dos anos. As três empresas são focadas em seus segmentos e são complementares em seus serviços – disse o presidente da NET, José Antonio Felix.


DIÁRIO CATARINENSE

Comente aqui