Unochapecó

22 nov12:40

Unochapecó já criou programa para aumentar número de doutores

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A baixa nota do curso de Medicina da Unochapecó, que ficou com nota 1,93 no Conceito Preliminar de Cursos, foi atribuída ao baixo número de doutores, baixo número de horas dedicados ao curso e poucas publicações. –Já estamos com um cronograma para capacitar mais doutores- informou o reitor da Unochapecó, Odilon Poli. Ele informou que a instituição está estimulando, inclusive com auxílio financeiro, para ampliar o número de doutores.

O coordenador do curso de Medicina, Marcelo Moreno, afirmou que o curso ainda é novo, vai formar a primeira turma no final do ano, mas que há vários professores que já estão fazendo doutorado. Tanto o reitor, quanto o coordenador, afirmam que esse resultado não representar risco para o curso pois estão convictos de um resultado melhor nas próximas avaliações.

Eles ressaltaram que no Enade os alunos foram bem, com uma nota 3 numa escala que vai até 5.

Em relação a algumas restrições apontadas pelo Conselho Estadual de Educação, sobre uma suposta falta de centro cirúrgico, afirmaram que existe um laboratório de Cirurgia Experimental, onde foram apontadas algumas melhorias como a colocação da pia de higienização em outra sala. Além disso, nos dois últimos dos seis anos os alunos ficam acompanhando os médicos no Hospital Regional do Oeste, inclusive nos procedimentos cirúrgicos. –Um dos pontos fortes do curso é a parte procedimental- argumentou Moreno.

Alguns alunos, como o goiano Vitor Hugo Gouveia, ficaram preocupados com a baixa avaliação. Sua colega do segundo semestre, a baiana Fernanda Dourado, considera que a nota baixa vai ter reflexo positivo na capacitação dos professores, embora considere o corpo docente bom. A paulista Natália Cardoso, que trocou um curso na Argentina por Chapecó, considera a infraestrutura do curso boa. Armando Sbeghen, que é do diretório acadêmico do curso, também está otimista em relação a avaliações futuras.


Cursos de Medicina que ficaram com nota abaixo de 2 no Estado

Medicina UNIPLAC – Lages: 1,61

Medicina UNOESC – Joaçaba: 1,89

Medicina UNOCHAPECÓ – Chapecó: 1,93

Medicina UFSC – Florianópolis: 1,66






5 comentários
11 nov18:15

Unochapecó abre inscrições para a bolsa cultural

Com o objetivo de promover a cultura, o Núcleo de Extensão em Cultura da Unochapecó está com inscrições abertas para a bolsa cultural 2012, que oferece 10 vagas em cada projeto da universidade, que são: Coral Unochapecó, o Grupo de Teatro Expressão Universitária (Gteu), o Grupo de Dança Essência e a Orquestra de Câmara Unochapecó. Os acadêmicos interessados devem realizar a inscrição até o dia 18 de novembro, no setor de protocolo da universidade.

Segundo o coordenador do Núcleo de Extensão em Cultura, Éderson Vieira, o objetivo é criar mais espaços de expressão artística e intelectual, que contribuam para a promoção da cidadania e incentivem a formação de platéias, a defesa e a conservação do patrimônio histórico cultural e artístico. Além disso, os projetos visam estimular a produção e a difusão de bens culturais, no meio acadêmico e na comunidade.

Cada projeto oferece 10 bolsas, cada uma no valor fixo de R$ 300, descontados do custo da mensalidade do aluno participante. Para se candidatar, o acadêmico deve estar regularmente matriculado em um curso da Unochapecó com pelo menos 20 créditos no semestre, ter rendimento acadêmico igual ou superior a nota sete e estar disponível para atuar 10 horas semanais no projeto escolhido.

Para realizar a inscrição o candidato deve estar com a ficha de inscrição, atestado de frequência, histórico do curso de graduação ou pós-graduação e minuta do contrato preenchida. Os documentos podem ser acessados site http://www.unochapeco.edu.br/info/editais-e-relatorios. A seleção ocorre entre 18 e 28 de novembro nos locais de ensaio de cada projeto.


Comente aqui
07 nov11:52

Administradores de 1981 comemoram 30 anos de formatura

A turma que concluiu o curso de Administração em 1981 na Fundeste, hoje Unochapecó, realizou encontro para comemorar os 30 anos de formatura. Os administradores confraternizaram pela data juntamente com familiares, no sábado, 5 de novembro. Desde a formatura essa turma realiza anualmente dois ou três encontros de confraternização e, com isso, o do último sábado foi o de número 92.

Com a colação de grau realizada em 16 de dezembro de 81, os 45 administradores tiveram como paraninfo o então professor Galdino Rossetto e como patrono o prefeito da época, Milton Sander. A homenagem especial foi para a Associação dos Administradores do Oeste de Santa Catarina e o orador foi Hugo Paulo Gandolfi de Oliveira.

Hoje os membros da turma atuam em Chapecó e outras cidades de Santa Catarina e de outros Estados, em diversas áreas, como profissionais da administração, executivos de grandes empresas, consultores e empresários. Muitos deles tiveram ou têm filhos que estudam na Unochapecó, em diversos cursos, entre eles Administração.

Ao aconselhar os acadêmicos de hoje, Dimar Paulo Frozza, um dos formandos da turma, diz que é importante estabelecer metas a longo e a curto prazos. Atualmente diretor da área de fumo da Souza Cruz para as três Américas, a exceção dos Estados Unidos, ele exemplifica dizendo que se a meta é ganhar o campeonato, o foco deve ser ganhar a partida. – É preciso que os estudantes entendam que nunca sabem tudo a ponto de não querer ouvir os outros – alerta ele. Outra lição transmitida por Dimar é que, independente da universidade onde se cursa a graduação, quem faz o bom profissional em 90% é ele mesmo.

Sobre o que mudou nestes 30 anos, Luiz Antônio Lise, que atua como consultor, assinala as ferramentas diferenciadas que o administrador utiliza hoje e que facilitam o processo de gestão. Destaca que as informações estão mais rápidas e os dados disponíveis são mais exatos,  o que facilita a tomada de decisões. Lembra que as informações são muito ágeis, em áreas como finanças, estoques e vendas, contribuindo para mudar conceitos.

Paulo Henrique Signori, que possui uma empresa de representação comercial, diz que uma das dificuldades de se estudar há 30 anos atrás estava em bancar o estudo. Lembra a maturidade que a turma tinha, com rumos definidos para seguir, e que praticamente todos já atuavam, ao mesmo tempo em que estudavam.

A integração da turma é citada por Mariangela Iop de Oliveira ao destacar que sempre houve, nos encontros festivos, a participação dos formandos com os familiares. – Inicialmente eram as namoradas ou namorados, depois as esposas ou esposos, após vieram os filhos e agora os encontros de confraternização já ocorrem com a presença de netos de alguns dos formados de 81 – disse.

Claudio Rotava, que tem uma empresa de corretagem de seguros, destaca o sucesso profissional dos integrantes do grupo. Indica que são administradores, empresários, executivos, fazendeiros, funcionários de órgãos públicos e dirigentes de grandes empresas, bem sucedidos e que assimilaram o lema da turma, ter compromissos com o presente, lembrar e valorizar o passado e de pensar o futuro.

Os membros da turma

A turma de administradores iniciou as aulas no começo de 1978 com 50 integrantes. Alguns saíram do grupo e outros entraram nos quatro anos de curso. No total, os 45 que concluíram o curso de Administração em 1981 foram: Ademar Fontana Cardoso, Ademar Francisco Simon, Ana Cristina Beal, Antenor Bonzanini, Antonio Carlos Teston, Ari Antônio Sfredo, Bento Garcia, Claudio Rotava, Dalva de Araújo Oliveira, Dimar Paulo Frozza, Elisete Begnini, Érica Dorr Michel, Henrique Pesavento, Hermenegildo Vanoni, Hugo Paulo Gandolfi de Oliveira, Ione Marisa Tormen, Irineu Krause, Ivânia Vicini, Jacir Wustru (falecido), José Carlos Roversi, José Lopes Brum, José Nilo de Souza, Júlia Santin, Jussara de Arruda, Lisete Maria Bugnotto Frozza, Luis Gonzaga Garcia, Luiz Antônio Lise, Mara Alice Reschke (falecida), Mariangela Iop de Oliveira, Neuri Luiz Geremia, Odilce Magnanti, Olivia Giovanini, Osmar Buss, Paulo Henrique Signori, Rejane Marin, Reni Bellei, Romildo Bigolin, Roque Pereira, Rosa Capitânio, Sérgio Schwartz, Telmo Zanin, Valdir Baldin, Vergílio Bisi, Vilson Vanoni (falecido) e Vitoriano de Souza.


Comente aqui
04 nov17:01

Pet-Saúde previne contra a utilização de drogas em escolas

Promover a conscientização quanto ao uso de medicamentos e drogas lícitas e ilícitas, foi o objetivo de palestra realizada na Escola Municipal São Francisco, no Bairro Seminário, em Chapecó. A organização do evento foi a primeira atividade de intervenção feita pelo grupo da tutora Lucimare Ferraz, do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde). O trabalho de intervenção é voltado para adolescentes e jovens dos bairros Seminário, Universitário e Quedas do Palmital.

A pesquisa iniciou ainda no ano passado e resultou na temática de intervenção, feita por acadêmicos do PET-Saúde da Unochapecó, agentes de saúde e líderes comunitários. Segundo a enfermeira e preceptora do PET-Saúde, Lucivete Agostini, o uso de drogas é um problema que atinge todas as faixas etárias. Nas visitas à comunidade percebeu-se que muitas pessoas relatavam, nos postos de saúde e nas escolas, a necessidade de conscientização quanto ao uso das drogas, problema perceptível para os moradores. – Tenho um tio que usa drogas e pude perceber aqui também que isso é ruim, vou me manter afastada disso – afirmou uma adolescente que estuda na oitava série da escola.

Uma das principais preocupações da comunidade é quanto ao uso de drogas ilícitas em locais públicos. Antes, afirmam os moradores, os usuários somente se sentiam seguros para consumir estas drogas em locais escondidos, geralmente durante a noite, mas hoje isso acontece a qualquer hora do dia. Para diminuir a incidência do uso de drogas, principalmente entre os jovens, foram planejadas palestras de conscientização e prevenção às drogas.

A acadêmica de Nutrição Karine Lazarotto vê na atividade prevencionista uma oportunidade de envolvimento com a comunidade a partir da vivência e intervenção. – Podemos conscientizar sobre o problema e, assim, ajudar a diminuí-lo – afirma. Para a diretora da escola, Mara Rosane Costa Maria, é muito bom abrir o espaço da escola para trabalhar temas como gravidez na adolescência, sexualidade, drogas e bullying.

Alunos da sexta a oitava séries são o público alvo das palestras, com programação também para a Escola São Francisco. Até o final da campanha, segundo Lucivete Agostini, a pretensão é atingir cerca de mil estudantes. As palestras de intervenção são realizadas pelo PET-Saúde, com o apoio da Unochapecó e da Secretaria Municipal de Saúde de Chapecó.


Comente aqui
02 nov15:23

Projetos da Unochapecó são premiados pela excelência

Três projetos da Unochapecó, os únicos que concorreram representando Santa Catarina, foram premiados em iniciativa nacional do Instituto da Cidadania Brasil, em conjunto com o Ministério da Ciência e Tecnologia, através da Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social.

No Prêmio Cidadania Sem Fronteiras, os projetos “Documentário e comunidade: uma história que vai virar filme”, coordenado pela professora Ilka Goldschmidt, e “Sorriso para a Vida”, coordenado pela professora Lilian Rodrigues, foram classificados em segundo lugar. Já o projeto “Cidadania e formação de leitores: Programa de Leitura Bolsa Amarela”, realizado em Xaxim com a coordenação da professora Márcia de Souza, ficou em terceiro lugar.

Maria Luiza Lajus, vice-reitora e as coordenadoras.

Os projetos receberam o prêmio pela excelência e pela contribuição para a formação profissional e a melhoria da qualidade de vida da comunidade. A Unochapecó também foi homenageada pelos projetos Viveiro Educativo e Residência em Software. Para receber os prêmios, estiveram presentes as três professoras coordenadoras dos projetos, juntamente com a vice-reitora de Ensino, Pesquisa e Extensão, professora Maria Luiza Lajus.

A iniciativa do Instituto da Cidadania Brasil e do Ministério da Ciência e Tecnologia, que neste ano envolveu 47 projetos de extensão de universidades brasileiras, objetiva reconhecer e criar referência quanto às melhores ações ou práticas sociais desenvolvidas pelas instituições de ensino superior. Dessa forma, o Prêmio Cidadania Sem Fronteiras valoriza ações com a participação de alunos em atividades de extensão, agregando valores e conhecimentos aos estudantes e melhorias de qualidade de vida nas comunidades atendidas.

A Unochapecó mantém 53 projetos de extensão, em áreas variadas e segmentos diversificados da população. Depois de ter obtido em 2009 a segunda colocação no Prêmio Cidadania, na categoria Direitos Humanos e Justiça, com o Projeto de Extensão Comunitária Jurídica (PecJur), a universidade concorre neste ano com outros 44 projetos de extensão de universidades brasileiras.




Comente aqui
29 out07:54

Três projetos de Chapecó concorrem ao Prêmio Nacional

Reconhecer e criar referência quanto às melhores ações ou práticas sociais desenvolvidas pelas instituições de ensino superior, com a participação de alunos em atividades de extensão, agregando valores e conhecimentos aos estudantes e melhorias de qualidade de vida nas comunidades atendidas. Esse é o objetivo do Prêmio Cidadania Sem Fronteiras, realizado pelo Instituto da Cidadania Brasil em conjunto com o Ministério da Ciência e Tecnologia, através da Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social.

A edição deste ano do prêmio, criado em 2007, terá os resultados divulgados na segunda-feira, 31 de outubro, na Pinacoteca de São Paulo. Três projetos da Unochapecó, os únicos de Santa Catarina, são finalistas do Cidadania Sem Fronteiras, que homenageia iniciativas que contribuem com a qualidade de vida, emprego e renda e, mediante novas tecnologias e metodologias de abordagem, preenchem lacunas sociais nas áreas de direitos humanos, justiça, trabalho, cultura, comunicação, saúde, tecnologia e produção e educação e meio ambiente.

Os projetos da Unochapecó que concorrem ao prêmio – Bolsa Amarela, Documentário e Comunidade e Sorriso Para a Vida -, estão em conformidade com o trabalho da instituição como universidade comunitária, para desenvolver a região e promover o crescimento ordenado de seus segmentos. A instituição mantém 53 projetos de extensão, em áreas variadas e segmentos diversificados da população. Depois de ter obtido em 2009 a segunda colocação no Prêmio Cidadania, na categoria Direitos Humanos e Justiça, com o Projeto de Extensão Comunitária Jurídica (PecJur), a universidade concorre neste ano com outros 44 projetos de extensão de universidades brasileiras.

P ara a vice-reitora de Ensino, Pesquisa e Extensão, professora Maria Luiza Lajus, o fato da Unochapecó contar com três projetos concorrendo ao prêmio é de grande relevância, considerando o caráter nacional da promoção. – O fato de estar entre as melhores práticas/ações de extensão do país e ter a possibilidade de premiação demonstra que a preocupação em adotar como referência a qualidade acadêmica é uma realidade que a Unochapecó vem conquistando nas suas práticas cotidianas – disse a vice-reitora.


Sorriso para a Vida

Uma das ações que concorre ao prêmio neste ano, na categoria Saúde, é o projeto “Sorriso para a Vida”, criado há 10 anos e atualmente realizado no Hospital Regional do Oeste e no Materno Infantil. Intervenções diárias, com jogos e brincadeiras, contação de histórias, atividades rítmicas e expressivas, atenção fisioterapêutica e atividades educativas e de cuidado voltadas à saúde bucal, à segurança alimentar e às doenças transmissíveis, envolvem a faixa etária até 18 anos.

São atendidos anualmente cerca de 700 pacientes, principalmente crianças, nos setores de pediatria, quimioterapia ambulatorial e internação oncológica, com atividades que objetivam tornar a hospitalização menos traumática.


Documentário e Comunidade

Finalista da categoria Comunicação, o projeto “Documentário e Comunidade: uma história que vai virar filme”, começou em 2007 e apresenta a proposta de livre espaço midiático, para que a comunidade possa expor suas percepções sobre o local em que vive. A proposta visa ampliar o campo da comunicação audiovisual, levando as técnicas e os meios de produção para fora da universidade, para dar voz às populações.

O trabalho é desenvolvido junto à população, para que se torne personagem da própria história e possa retratar o cotidiano a partir da visão particular dos envolvidos. As atividades envolvem membros da comunidade para motivá-los a atuar na produção de conteúdos e participar em todas as fases de produção do documentário.


Bolsa Amarela

Iniciado em 2009, o programa “Cidadania e Formação de Leitores: Programa de Leitura Bolsa Amarela”, é outro finalista do Prêmio Cidadania, na categoria Cultura. É uma atividade de extensão desenvolvida pela Unochapecó em Xaxim, através de parceria com a Prefeitura Municipal. O objetivo é incentivar o hábito da leitura nas crianças estudantes dos anos iniciais do ensino, especialmente aquelas que vivem em situação de vulnerabilidade social.

Atualmente o projeto atende cerca de 300 crianças que estudam na Escola Básica Municipal Santa Terezinha, com aulas de leitura e um trabalho articulado entre matemática com a literatura. Bolsistas do projeto visitam a escola todas as quartas-feiras e desenvolvem atividades que integram alunos e professores, através da formação continuada.



Comente aqui
28 out16:01

“As flores do mal” exposição é aberta na Galeria Agostinho Duarte

A Galeria Agostinho Duarte, da Unochapecó, apresenta a exposição “As flores do mal”, que tem como base a poesia e o universo soturno de Charles Baudelaire. As obras foram produzidas pelos integrantes do Grupo de Artistas Fronte (GAF) e estão expostas desde quinta-feira, 27 de outubro, até 14 de novembro.

Cada integrante escolheu uma parte de livro de Baudelaire, para servir de base para suas produções artísticas. A exposição conta com trabalhos das mais diferentes linguagens. Questões como beleza, morte, vingança e o tempo vem à tona, e cada um dos acadêmicos mescla suas vivências ao texto de Baudelaire, criando trabalhos que não visam a mera apreciação passiva, mas querem evocar no espectador os seus sentimentos mais ocultos.

O Grupo de Artistas Fronte é formado por Audrian Cassanelli, Carla Naides da Costa, Débora Poltronieri, Elizandra Bet, Juliana Povala, Lourdes Maria Fredo, Marcos Bettú, Nairalda Oligliari e Tayze Covatti.


Comente aqui
25 out09:34

Elevar a autoestima

A Organização Mundial de Saúde define que “saúde é o completo bem-estar físico, mental e social e não a simples ausência de doença”. Essa definição leva a considerar a necessidade de ações intersetoriais e interdisciplinares no sentido de criar condições de vida saudáveis.

Pensando no conceito ampliado de saúde, um dos grupos do Pet Saúde da Família e a Acin (Agência de Comunicação Integrada, do curso de Jornalismo da Unochapecó), convidaram gestantes adolescentes atendidas no Centro Integrado de Saúde da Grande Efapi para uma atividade diferente: a construção do álbum da gestante. O objetivo principal da ação, realizada no dia 19 de outubro, foi elevar a autoestima das futuras mamães.

O grupo do Pet Saúde (Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde) realizou a atividade acreditando que a importância da autoestima é grande na relação do indivíduo consigo mesmo e com os outros, influenciando sua percepção dos acontecimentos e principalmente seu comportamento. O sucesso frente a um desafio depende do estado emocional do indivíduo, o que está diretamente relacionado à qualidade da autoestima e seu nível de confiança. Logo, ao se lançar aos desafios da maternidade, quanto melhor o estado emocional da mulher, maior sua chance de sucesso nessa tarefa.

Seis estudantes bolsistas de diversos cursos de graduação da Unochapecó, um tutor, duas estudantes voluntárias e três preceptores (trabalhadores da rede de saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Chapecó), fazem parte do grupo do Pet-Saúde que promoveu a ação.


Comente aqui
24 out15:04

Curso de Moda busca as tendências do setor

Acadêmicos e professores do curso de Design de Moda da Unochapecó participaram do Erechim Moda Show. O evento realizado na cidade gaúcha reuniu especialistas, confeccionistas, estudantes e autoridades da área de moda.

As atividades foram realizadas no parque da Associação Comercial e Industrial de Erechim, onde também ocorreram palestras com profissionais renomados e exposições que demonstraram as tendências da moda nacional e internacional para a próxima estação. Para os acadêmicos do curso de Design de Moda da Unochapecó, essa foi uma oportunidade para aumentar o repertório criativo de cada um e conhecer o que está em alta discussão no mundo da moda.

Acompanhados pelos professores Rogério Lima e Carmem Fassbinder e pela coordenadora do curso, professora Rachel Quadros, os alunos participaram de palestras, com temas como “De olho na moda”, ministrada por Xico Gonçalves, criador do evento “Donna Fashion Iguatemi”, em Porto Alegre. Além disso, a viagem de estudos proporcionou agregar conhecimentos sobre o setor de produção e as pesquisas desenvolvidas na região.

Todo o conhecimento adquirido pelos alunos e professores na viagem, realizada na última quinta-feira, 20 de outubro, bem como as tendências para o outono/inverno 2012, serão aplicadas agora nas produções e pesquisas acadêmicas desenvolvidas na Usina da Moda, mantida pelo curso na Unochapecó.


Comente aqui
23 out19:27

III Contradança: diversidade, caminhos e encontros

Divulgar e discutir a respeito dos trabalhos de dança envolvendo pessoas com deficiência realizados pelas diferentes instituições do município de Chapecó e da região. Esses são os objetivos do III Contradança: Diversidade, Caminhos e Encontros. O evento ocorre nesta segunda-feira, 24 de outubro, no salão de atos da Unochapecó, e na terça-feira no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo De Nes.

Para a coordenadora do evento, professora Neusa Dendena Kleinubing, o projeto contribui de forma significativa no sentido de possibilitar um novo olhar sobre o corpo com deficiência e quanto à própria dança. Além disso, segundo a professora, o Contradança cria espaços nos quais as pessoas com deficiência podem mostrar sua capacidade artística, buscando perceber o limite como ponto de partida e não como ponto de chegada, ideia refletida nas coreografias e que expressa a potencialidade do ser humano, independentemente da sua condição corporal.

A programação do evento inicia na segunda, às 19h30, com a palestra “A dança como possibilidade de todos os corpos, um caminho para a educação estética”, pela professora Maria do Carmo Saraiva, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

No segundo dia, às 14h30, acontece a socialização dos trabalhos realizados nas oficinas do III Contradança, com o título “Contradança: encontro de todos os corpos, encontro de muitas danças”. Já a partir das 19h30, ocorrerá a Mostra de Dança, com apresentação dos grupos das instituições parceiras do evento.


Ação conjunta

O Contradança é realizado pelo Núcleo de Extensão em Cultura e pelo curso de Educação Física da Unochapecó. Ocorre em parceria com o Centro Associativo de Atividades Psicofísicas Patrick (Capp), a Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), a Associação dos Deficientes Visuais do Oeste de Santa Catarina (Adevosc) e a Fraternidade Cristã de Pessoas com Deficiência (FCD). O evento também conta com o apoio da Secretaria de Desenvolvimento Regional (SDR) e Prefeitura Municipal de Chapecó.


Comente aqui