Via Campesina

15 mar09:36

Mobilizações em SC nesta quinta-feira

A Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar da Região Sul – Fetraf-Sul, Via Campesina e os prefeitos dos municípios assolados pela estiagem realizam na manhã desta quinta-feira uma mobilização em Chapecó, Xanxerê e São Miguel do Oeste.

Segundo o coordenador Estadual da Federação em SC, Alexandre Bergamin, os recursos dos governos do Estado e Federal são considerados insuficientes e irrisórios em comparação com os prejuízos dos agricultores familiares com as safras.

- A Fetraf-Sul, Via Campesina e as prefeituras da região estão juntos. Unificamos a nossa pauta para ganharmos força nas medidas e nas mobilizações. Queremos uma solução para a Agricultura Familiar – disse.


Entre os pontos de reivindicação estão:


Pauta Nacional

•Endividamento Rural;

•Garantia da renda pelo período de seis meses, através do pagamento de um salário mínimo mensal;

•Transformar o Pronaf Eco nos moldes do Pronaf A garantindo subsídio para financiamento de cisternas e irrigação;

•Melhorias no Seguro Agrícola e Proagro Mais;

•Liberação de uma retro escavadeira por município;

•Garantia de milho subsidiado aos agricultores (800 mil toneladas) e locais de armazenamento deste milho;

•Recursos do governo Federal devem ser liberados diretamente aos municípios afetados pela estiagem.


Pauta Estadual

•Anistia no Programa “Troca –troca” de sementes 2011/2012;

•Subsídio de 50% no Troca-troca para a safra 2012/2013;

•Reposição das perdas com a estiagem;

•Subsídio de 50% para construção de cisternas.


O coordenador disse ainda que após as reuniões com os secretários e ministros, as medidas não avançaram. – Mais de 60 mil famílias estão sofrendo por conta da estiagem e os recursos anunciados só beneficiam 16 mil – salientou Bergamin.

Paralelamente ás mobilizações acontece uma reunião com os ministérios em Brasília e que também tem como tema principal a estiagem.

Prefeitos que apoiam o movimento: Abelardo Luz, São Domingos, Pinhalzinho, Coronel Freitas, Jupiá, Coronel Martins, Maravilha, Dionísio Cerqueira, Cunhataí, Seara e Itá.



Mobilização em São Miguel do Oeste – SC

Local: Praça Walnir Bottaro Daniel

Horário: 9h30


Mobilização em Chapecó – SC

Local: Praça Coronel Bertaso

Horário: 9h30


Mobilização em Xanxerê – SC

Local: Praça Tiradentes

Horário: 9h30



Comente aqui
28 fev09:27

Secretaria da Agricultura recebe reivindicações de Movimentos Sociais do Oeste

Nesta segunda-feira, 27, o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, João Rodrigues, recebeu integrantes da Fetraf-Sul e da Via Campesina para discutir pauta de reivindicações sobre a estiagem no Oeste.

Na pauta entregue ao secretário consta a solicitação para que os agricultores sejam beneficiados diretamente com recursos para reposição de suas perdas, ou reposição da renda que estava prevista com a colheita da produção. De acordo com o coordenador da Fetraf Sul em Santa Catarina, Alexandre Bergani, os Movimentos buscam o pagamento de um salário mínimo para os agricultores familiares por três meses.

Entre os pleitos está também a anistia do programa Terra-Boa de sementes e calcário da safra 2011/2012. Além de garantir a distribuição de sementes de inverno e verão para a próxima safra, com 50% de subsídios.

Na ocasião, o secretário mostrou aos presentes as ações do Governo do Estado para minimizar os efeitos causados pela estiagem, que atendem 80% das demandas apresentadas. – O Governo do Estado repassou R$ 6 milhões para as prefeituras em forma de convênios e para a distribuição de sementes de milho aos agricultores, desta maneira poderemos agir na contratação de serviços de transporte de água, apoio a produção de silagem e abertura de poços e bebedouros – explicou Rodrigues.

A distribuição de sementes de milho beneficiará 16 mil famílias atingidas pela estiagem, para o plantio da próxima safra, totalizando 35 mil sacos de 20 kg, para os que não foram atendidos pelo crédito rural ou seguro agrícola. – O Governo e a Secretaria estão trabalhando para auxiliar os agricultores que foram atingidos, os recursos liberados representam um alívio para as prefeituras que estão tendo elevados custos para socorrer os agricultores com transporte emergencial de água e as sementes são um estímulo para voltar à normalidade da produção agrícola – disse o secretário.

Por meio da Federação dos Trabalhadores da Agricultura de Santa Catarina – Fetaesc, serão distribuídas sementes de azevem e aveia beneficiando 20 mil famílias rurais da região Oeste. O secretário explicou que cada agricultor receberá um saco de 25 kg de azevem e dois sacos de 40 kg de aveia. – Com esse kit, os agricultores poderão plantar o milho na próxima safra e usar o azevem e a aveia para as pastagens de inverno, atendendo os produtores de leite, como aos agricultores familiares atingidos pela estiagem – afirmou.

O secretário apresentou também o Programa Nacional de Universalização do Acesso e Uso da Água (Água para Todos) que estará presente em Santa Catarina. O Programa Federal visa garantir o amplo acesso à água para o consumo próprio ou para a produção de alimentos e a criação de animais destinados à sua segurança nutricional. Nos próximos dias será instituído o Comitê da Água para operacionalizar o Programa Água para Todos em Santa Catarina.

Estiveram presentes na reunião o deputado estadual Dirceu Dresch; o coordenador da Fetraf-Sul/SC, Jandir Selgler; o coordenador do MPA/SC, Valdeci Cello; o coordenador do MMC, Letícia Pereira; o coordenador do MAB, Rudinei Cenci; o coordenador da Fetraf-Sul/SC, Noel da Silva; o diretor do MST/SC, Nelson Santin, e a deputada federal Luci Choinacki.


Comente aqui
24 fev17:58

Fetraf-Sul e Via Campesina querem audiência com o Governo do Estado

Juliano Zanotelli | juliano.zanotelli@rbsonline.com.br

Na tarde desta sexta-feira, dia 24, durante o terceiro anúncio de ações emergenciais para conter a estiagem no Oeste, integrantes da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar – Fetraf-Sul e Via Campesina realizaram manifestação na entrada do Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nes, em Chapecó.

No ato eles entregaram para o Secretário da Agricultura e Pesca, João Rodrigues, uma pauta de reivindicações. – Já havíamos encaminhado uma solicitação de audiência no dia 12 de janeiro, mas não tivemos retorno – disse o coordenador adjunto da Fetraf-Sul Alexandre Bergamin.

>> Governo libera R$ 6 milhões para conter a estiagem no Oeste

O Secretário confirmou, após breve conversa com os integrantes, que vai receber a diretoria da entidade às 17h da segunda-feira, dia 27 em Florianópolis.

Entre os assuntos da pauta está a anistia do programa “Troca-troca” da safra 2010/2011, 50% de subsídio para a safra 2012/2013 e ainda uma ajuda de 50% na construção de cisternas. Bergamin disse ainda que se o agricultor quiser mesmo acessar o Juro Zero será necessário esse subsídio de 50%. – Alguns produtores estão cogitando procurar trabalhos alternativos, fora da propriedade para sustentar a família até a próxima safra – disse.


Comente aqui
25 ago15:23

Agricultores fecham ponte na BR 153 em Concórdia

Na manhã desta quinta-feira, agricultores gaúchos e catarinenses trancaram a ponte do Rio Uruguai na BR 153 por 20 minutos.

Acampados na cabeceira da ponte, no lado gaúcho, os integrantes da Via Campesina, ficam mobilizados no local até sexta-feira. De acordo com a Assessoria da Fetraf-Sul, a Via Campesina reivindica a anistia do Crédito Emergencial e bonificação da adimplência de 12 mil reais por família.

Nesta sexta-feira os agricultores devem fechar novamente o acesso.

Comente aqui
23 ago15:26

Via Campesina fecha agência do Banco do Brasil

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

Integrantes da Via Campesina fecharam por volta das 10h30 de hoje uma das agências do Banco do Brasil em Chapecó, na esquina da avenida Getúlio Vargas com rua Marechal Deodoro. Até as 15 horas a agência permanecia fechada.

A Via Campesina é composta por vários movimentos sociais do campo, como o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento das Mulheres Camponesas (MMC), Movimento dos Pequenos Agricultores e Pastorais da Igreja Católica.

De acordo com Álvaro Santin, da coordenação estadual do MST, o ato em frente ao Banco do Brasil tem como objetivo renegociar uma dívida de estiagens antigas que se arrasta há três anos. Eles pedem um perdão de R$ 12 mil por família e alongamento do prazo de pagamento para 15 anos.

Enquanto isso o movimento faz atos em outros estados e em Brasília. Em Chapecó a Via Campesina também entregou uma pauta na agência do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Ontem, eles ocuparam a sede regional do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A mobilização faz parte da Jornada Nacional de Lutas da Via Campesina.

1 comentário