Vinho

01 set12:23

Uva e vinho contêm composto que dificulta formação de gordura

A uva e o vinho contêm um composto que dificulta a formação de células de gordura, diz uma pesquisa americana publicada no periódico cientìfico The Journal of  Biological Chemistry.

— O piceatannol é composto por uma substância antioxidante que bloqueia a capacidade de novas células de gordura de se desenvolverem e crescerem, auxiliando no controle do peso, retardando a origem de células jovens de gordura e evitando que elas se transformem em células maduras — explica o médico nutrólogo Guilherme Giorelli, da Associação Brasileira de Nutrologia.

O composto também pode diminuir os níveis de açúcar no sangue e reduzir a pressão arterial, prevenindo infartos e doenças do coração. Além disso, ajuda no combate ao câncer, agindo como um bloqueio no crescimento e na dispersão das células cancerosas. Mas Giorelli ressalta que os benefícios do piceatannol são experimentais e não clínicos.

— Esse possível efeito foi percebido em estudos experimentais em animais, mas ainda precisam de comprovação clinica em humanos.

O composto auxilia no aumento do colesterol bom (HDL) e oxida o mau colesterol (LDL). O médico indica que uma taça ao dia é o consumo ideal. O mais recomendado é o vinho tinto seco, por ser o menos calórico — uma taça de 150 ml contém em média 108 calorias.

— É preciso ficar atento, pois o vinho só traz benefícios se for consumido moderadamente. Álcool em excesso pode trazer danos à saúde — afirma Giorelli.

Para ele, o consumo do vinho tinto moderado pode ser diário, porém, não substitui uma alimentação saudável e balanceada.

— O vinho é apenas um complemento para uma vida mais saudável e não uma prioridade — diz.

Para quem não pode consumir álcool, o suco de uva tem o mesmo benefício do vinho tinto. O composto também pode ser encontrado em amoras, frutas vermelhas, maracujá, mirtillo e amendoim.


VIDA E SAÚDE



Comente aqui
24 ago11:40

Coq au vin, acompanhado de arroz e batata na manteiga

Sâmia Frantz | samia.frantz@horasc.com.br

O frango é a cara do Oeste. O vinho que é a cara do inverno. Nas mãos do chef Felipe Oliveira Carioni, os dois se misturam em uma receita adaptada da típica cozinha francesa, o Coq au vin (galo ao vinho, em francês). O prato, diferenciado na região turística chamada de Grande Oeste, já se consagrou no cardápio do mais novo restaurante de Chapecó, o Du Sel _ inaugurado no início de julho e em funcionamento nas dependências do Almasty Hotel.

A receita de fora foi adaptada com ingredientes locais, como os legumes e alguns temperos. Segundo o chef Felipe, o segredo é por a carne e o vinho para marinarem junto com os legumes e os temperos por dois dias _ período que garante a mistura e a integração de sabores e aromas.


Coq au vin _ galo ao vinho tinto, acompanhado de arroz e batata na manteiga


Ingredientes

1 galo de aproximadamente 2,5 kg

4 cebolas cortadas em cubos

4 cenouras cortadas em cubos

3 litros de vinho tinto seco

1 talo de salsão cortado em cubos

1 bouquet garni amarrado com um barbante, contendo 1 folha de salsão, 1 dente de alho, 2 folhas de louro, 2 ramos de tomilho e 2 ramos de salsa crespa

1/2 xícara de chá de óleo vegetal de girassol

1/2 xícara de chá de conhaque

60g de farinha de trigo

1 litro de fundo de carne (ou caldo em cubos) diluído em água

200g de bacon magro

500g de champignon

30g de manteiga

30g de açúcar

Sal e pimenta do reino a gosto

1 kg de batatas


Modo de preparo

Corte o galo em pedaços pequenos e deixe-o marinar com as cenouras, o salsão, o vinho, o bouquet garni e o caldo de carne por 48h.

No dia do preparo, separe a carne e coe o caldo.

Tempere os pedaços do galo com sal e pimenta.

Em uma caçarola, aqueça parte do óleo vegetal e refogue a cenoura, a cebola e o salsão da marinada em fogo baixo.

Enquanto isso, disponha em uma frigideira o restante do óleo vegetal e doure os pedaços de galo de ambos os lados. Depois, polvilhe-os com um pouco da farinha.

Em seguida, acrescente o conhaque e flambe. Na caçarola, junto aos legumes, coloque a carne e o bouquet garni.

Cubra com o vinho e o caldo (ou fundo da carne) e cozinhe lentamente por aproximadamente uma hora e meia, ou até que a carne fique macia, e o molho, bem encorpado.

Enquanto isso, doure e bacon e reserve.

Em uma pequena frigideira, derreta o açúcar com a manteiga e caramelize as cebolas.

Junte-os com o bacon e reserve.

Em outra frigideira, doure os champignons com um pouco de manteiga e uma pitada de sal e também reserve.

Quando a carne estiver pronta, coe o molho para finalizar e retire o bouquet garni.

Coloque os pedaços de galo no centro de uma travessa e cubra com o molho e os champignons. Ao lado, ficam as cebolas caramelizadas.

Cozinhe batatas na água e sal e sirva junto ao prato.


Indicação do chef

Para harmonizar com o prato, o chef Felipe Oliveira Carioni indica dois vinhos, ambos do tipo tinto seco: o francês Château Parcand, da safra 2008, e o italiano Borgonero, da safra 2009. Fortes e refinados, ambos intensificam o sabor da carne, marcada pela suavidade.



Comente aqui