Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Ovelha chegou feliz, mas Gilberto Pereira riu por último

23 de janeiro de 2012 2

Darci Debona | darci.debona@diario.com.br

A alegria do técnico Mauro Ovelha ao pisar novamente no gramado do estádio Índio Condá era visível. Afinal foi naquela grama que ele conquistou seu primeiro título Catarinense. Lá ele tinha conseguido muitas vitórias e o reconhecimento profissional, a ponto de ser convidado para treinar o Avaí.

Mas para a torcida era estranho ver o treinador vestindo azul. Até o treinador às vezes mexia na camisa, como se estivesse sentindo-se desconfortável. Do outro lado quem parecia desconfortável era o treinador Gilberto Pereira. Não por causa da roupa, um abrigo e uma camisa pólo. Mas por causa de um estádio inteiro que lhe observava. Quatro mil torcedores queriam ver se ele era digno de substituir o técnico campeão catarinense, que estava a alguns passos ao lado.

Enquanto Ovelha parecia mais tranqüilo que o normal, Gilberto Pereira gesticulava o tempo todo. Parecia que o espírito de Mauro Ovelha, que em alguns jogos só faltava entrar em campo, tinha incorporado no colega.

A torcida da Chapecoense não homenageou o treinador, afinal ele estava no lado adversário. Mas o respeitou. Jogadores, diretores e funcionários foram cumprimentar o ex-comandante. Ovelha sorria, satisfeito.

No primeiro tempo o Avaí foi melhor e marcou no campo do ataque, como Ovelha já montava seu time nos tempos de Chapecoense. O time da casa tinha dificuldade em sair com a bola. Ovelha conversava por um sistema de rádio com o auxiliar técnico. Gilberto Pereira às vezes voltava para a casamata e conversava com os jogadores e auxiliares.

Na segunda etapa Gilberto Pereira resolveu mexer no time que não estava rendendo bem. Tirou João Paulo de colocou Nicolas. E recebeu as primeiras críticas das arquibancadas, onde alguns torcedores queriam a saída de Tiago Cavalcanti. Outros pediam a entrada de Barbosa. Mas foi a partir daí que ele começou a ganhar o jogo. Ovelha perdeu o zagueiro Leandro Silva e colocou Cássio em seu lugar.

Minutos depois o zagueiro da Chapecoense, Fabiano, fez o gol de cabeça, em cobrança de escanteio. Aí todo o estádio comemorou, menos uns 30 torcedores avaianos que assistiam passivamente a partida. O sorriso de Ovelha deu lugar a uma cara de preocupação. Gilberto Pereira ficou ainda mais agitado. Até que veio o apito final e Ovelha caminhou sério até o vestiário. Gilberto Pereira ergueu a mão e cumprimentou a torcida. Era como se dissesse: eu mereço estar aqui e venci o treinador campeão catarinense. O estreante em catarinense venceu o especialista e riu por último.

Comentários (2)

  • CRISTIANO diz: 23 de janeiro de 2012

    É COMO SEMPRE DISSE, OS CONSIDERADOS GRANDES, PODEM CONTAR COM O TÍTULO, ENQUANTO NÓS AQUI COMO VOÇÊS CHAMAM A COLONADA, VAI CORRENDO POR FORA, PARA CHEGAR LÁ NA FRENTE E PLANTA A MANDIOCA.

  • MARCELO diz: 27 de janeiro de 2012

    Para quem conhece o Gilberto, isso e normal, vitorias e mais vitorias
    Ele foi tecnico do iraty aonde resido e mostrou como se faz um time vencedor, Chapecoense que teve a sorte de ter ele como tecnico
    Boa sorte Gilberto voce merece……..

Envie seu Comentário