Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Reflexão molhada...

20 de dezembro de 2017 0
bike chuva

Foto: Daniel Costa

Quarta feira chuvosa.

Minha rotina em dias úteis é acordar, abrir as janelas, ligar o ventilador, dar comida aos peixes no aquário….ficar cinco minutos conversando com eles….fazer um café forte e novamente olhar para a rua.
Antes das seis da manhã “poucos carros” (na verdade passam espaçados, congestionamentos em breve).
Chove lá fora, o que complica ainda mais, pois sem chuva alguns vão de ônibus, a pé ou em bicicleta (temos as motos, mas comento mais tarde), hoje quem tem carro vai de carro, entupindo as ruas. É impressionante como o povo tem medo da chuva!!!

Lá estava eu, caminhando debaixo de uma leve chuva, tanto que nem me preocupei com o guarda chuva. No ponto de ônibus, novamente percebi como são inadequados, não protegem da chuva, do vento e amanhã começa o verão, não protegem nada no sol, são verdadeiras estufas. Tem ponto que não tem nada, muitas vezes nem placa tem, e o latão passa reto muitas vezes, mesmo tendo passageiros no “ponto!

Passou o ônibus sinalizei e embarquei, paguei com dinheiro, quem tem cartão paga um pouco menos, podem explicar e explicar mas não entendo por que a diferença. Chovendo a circulação de ar dentro do veículo se torna em verdadeiro ambiente transmissor de doenças infectocontagiosas transmitidas pelo ar em ambientes com alta densidade de pessoas e sem renovação do ar, lembram que eu disse que o povo tem medo da chuva, todas as janelas do ônibus fechadas? Comigo aconteceu um “causo”, que contarei em uma outra postagem, querem saber?

A reflexão molhada vem agora, pois reparei novamente que na cidade, por todo lado temos uma borracharia, uma oficina, um posto de gasolina, um estacionamento, um lava rápido, loja de acessórios, etc, etc, aproximadamente 60% do espaço da cidade destinado apenas aos carros? Esta prioridade dada ao carro, é um dos maiores problemas, senão o principal quando tratamos da mobilidade urbana.

Adesivos A rua é de todos
“A Rua é de Todos”, então por que priorizamos apenas um modal em detrimento de todos os outros?
Quando saio de bicicleta, e transito bastante, principalmente na Grande Florianópolis, sempre me deparo com a falta de paraciclos, bicicletários, infra estrutura que traga segurança e conforto ao usuário da bicicleta. Falta integração entre os modais, falta RESPEITO por uma considerável parcela de motoristas, e faltam ações concretas e adequadas do Poder Público priorizando as pessoas e não apenas o carro.

Enfim deixo como pedido, por favor repensem o jeito que nos deslocamos pela cidade, lembrando que;

“Cidade rica é aquela onde o rico anda de ônibus, cidade pobre aquele em que o rico anda de carro.”

“Congestionamento não é um problema, é apenas uma relação causa versus efeito.”

“Para beneficiar o coletivo, precisamos de “pequenos sacrifícios” individuais.” 

E vamos pedalando….cidades com maior número de Bicicletas nas ruas, apresentam uma melhor qualidade de vida, é fato!

Envie seu Comentário