Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Bicicleta Fantasma

02 de julho de 2019 0

A Bicicleta Fantasma, do inglês Ghost Bike.
Eu particularmente prefiro chamar de Bicicleta Branca.

Resumidamente;
É uma “Homenagem” feita ao ciclista morto pelo MAU e MAL uso do motorizado.
E que visa chamar a atenção e a conscientização  da Sociedade para o RESPEITO ao Código de Trânsito – CTB, ou seja, dirigir com inteligência coletiva.

Infraestrutura inadequada contribui, mas o maior problema é definitivamente o mal e mau comportamento e as assassinas velocidades permitidas dos motorizados transitarem em nossas ruas.
Em Santa Catarina, mas de 90% dos chamados acidente de trânsito, na verdade sinistros de trânsito, são decorrentes da imprudência e irresponsabilidade, aliados a sensação de impunidade, quando ao comando de um motorizado. 

 

2019-07-02 (1)

BICICLETA FANTASMA

Cabisbaixa as margens da estrada, subjugada, punida, ignorada, batida pelo tempo.
Sou bicicleta fantasma, minha morte faz te lembrar.
Que hoje sou bicicleta sem alma; muitas outras eu tento salvar.
Dividida, atônita, aturdida, pressa ao teu passado; sofro só de vê-los passar sem um corpo a me pedalar.
Sou bicicleta branca, fantasma, sabe lá o nome que querem me dar,
Sou calada, amordaçada, indefesa e não posso falar.

Sou bicicleta sem alma, minha morte faz te lembrar
Ninguém sabe agora és morta.
Nem disso eu posso falar.
Amordaçam minhas rodas não posso gritar.
Entre amarras e presilhas, meu corpo e minhas rodas estão livres, mais não posso ti levar.
Sou bicicleta morta, o significado de estar morta só eu posso lhes mostrar.

Sou branca, desprezada, reciclada, remontada sabe lá, o nome que querem me dar. Agora bicicleta Branca.
Mas sou bicicleta morta e da morte te fazer lembrar.
Sou menina, sou menino, não importa! Sou simplesmente bicicleta morta.

Fui roubada, ultrajada para outro me usar, mas sou bicicleta morta e pro meu lugar devo voltar.
Vejo amigos, vejo estranhos, vejo a vida me rondar. Vejo as lagrimas da amada que se curva a chorar.
Vejo luas, tempestades, vejo o inverno passar, vejo flores de saudades, lembranças a me acalentar.
Represento vida e morte daqueles que vejo passar

Sou bicicleta morta, e morta estou,
Sou bicicleta branca, e branca estou,
Sou fantasma sem alma, sabe lá o nome que ainda terei
Fantasma sem alma, morta está, e branca me tornei.
Tu que me fizeste fantasma, branca sem alma, de ti sempre lembrarei.

Nicolau Marques

2019-07-02

Envie seu Comentário