Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de outubro 2013

Bons companheiros para o Halloween

31 de outubro de 2013 1
Reprodução

Reprodução

Meu colega aqui do jornal Guilherme Ferrari é um parceiro quando o assunto é filme de terror. Compartilhamos um certo gosto por sangue jorrando, assassinos doentios, berros, sustos e tal. Então, numa conversa rápida elencamos alguns dos nossos filmes preferidos do gênero para comemorar o Dia das Bruxas. É claro que faltaram muitos, e é claro que provavelmente vocês já tenham visto todos da nossa lista, mas de qualquer forma, é sempre bom lembrar deles.

Tentamos eleger (mais ou menos) um clássico de cada “assunto” — vampiros, zumbis, bruxas, possessões demoníacas, psicopatas, crianças endiabradas, entre outros. Colocamos em ordem crescente por ano de lançamento.

É bom lembrar que esses filmes são bons em qualquer noite, mas em noite de Halloween fica tudo ainda mais divertido. Apague a luz, aumente todo o volume da televisão e boas sessões (só não se surpreenda se o vizinho bater na sua porta para perguntar se está tudo bem, sabe como é né, gritos…muitos gritos…)

Veja nossos eleitos aqui

História de amor ao som do banjo

29 de outubro de 2013 0
Crédito: Imovision

Crédito: Imovision

Meu amigo Conrado Heoli já havia falado super bem desse filme, que ele assistiu no Festival do Rio. Agora, vendo o trailer, entendi o que ele queria dizer. Alabama Monroe parace mesmo emocionante, ainda mais com essa trilha sonora folk embalando tudo lindamente. O longa é belga e tem direção de Felix Van Groeningen.

Pois bem, a história acompanha o casal Elise (Veerle Baetens) e Didier (Johan Heldenbergh), do início da paixão até a barra de enfrentar a doença grave da filha de seis anos. Ela é dona de um estúdio de tatuagem (e já me conquistou com esse estilo pin up) e ele é um músico country barbudo e oldschool. Os dois se apaixonam à primeira vista.

Mas a descoberta da doença da filha fará o casal desestabilizar. Pelo que entendi, o filme explora essa dualidade de sentimentos numa mesma história de amor. Me lembrou uma coisa meio assim Bue Valentine.

Pois bem, que chegue logo a Caxias!

Aos fãs do Coutinho

28 de outubro de 2013 0
Crédito: Daniela Xu, Banco de Dados

Crédito: Daniela Xu, Banco de Dados

Eduardo Coutinho já foi crítico de cinema, essa eu não sabia. O recém lançado livro que leva seu nome traz alguns dos textos que o documentarista escreveu para o Jornal do Brasil nos anos de 1973 e 1974. Todos ainda inéditos em livro. Entre as escolhidas para integrar a publicação estão críticas de filmes como Gilda, Cantando na Chuva, Loucuras de Verão e O Sétimo Selo.

O Uol selecionou alguns trechos para reproduzir. Saca este pedacinho sobre o clássico de Bergman:

“A peste, como a ameaça da bomba atômica nos anos 1950, era a destruição em massa que reduzia o homem à nudez moral e às máscaras sinistras da superstição e das religiões oficiais, impotentes para restabelecer a ligação com o divino. Filho de pastor protestante, [...] ele relaciona desde o início, no título do filme, a identidade entre a Idade Média das trevas-luzes místicas à perplexidade do intelectual contemporâneo, desiludido do progresso e da razão e ainda preso às forças religiosas do passado.”

Ah, o livro também tem uma retrospectiva bem interessante da filmografia do Coutinho, muitas entrevistas e textos de 27 críticos sobre as principais obras de sua autoria. Eu, que sou fã do trabalho dele, fiquei bem a fim de ler. Está está saindo pelas editoras Edições Sesc e Cosac Naify e custa R$ 60.

Reprodução

Reprodução

Segunda animada

27 de outubro de 2013 0

dia da animacao1 (1)

Aí pessoal, quem gosta de animação tem compromisso nesta segunda lá na Ftec Caxias. A faculdade vai sediar as comemorações do Dia Internacional da Animação. Tudo começa às 14h, com sessões para quem tem necessidades especiais. Às 15h30 tem sessão infantil. Mas o mais legal é às 19h30min, com a Mostra Nacional, e às 20h30min, com a Mostra Internacional, com um monte de filminho inventivo e divertido.

Ah, mas tem atividade para quem quer colocar a mão na massa também, literalmente, hehehe. Um dos mentores do mundo animado em Caxias, Murício Sabbi, ministra a oficina Animassinha: Fazendo uma animação muito massa, às 16h. Antes disso, às 14h, tem outra atividade, a oficina Ilustrações de Personagens: heróis, rabanetes e lagartixas, com Renata Medeiros.

Bom, as atividades são todas gratuitas e não precisa se inscrever, sem burocracias…É para não perder mesmo hein.

A Ftec fica na Rua Gustavo Ramos Sehbe, 107, bairro Cinquentenário.

Anime-se com Durval

26 de outubro de 2013 0

durval1

Sábado é dia de Durval Discos na Mostra de Cinema Brasileiro, em Caxias. Em seu longa de estreia, a diretora (e excelente roteirista) Anna Muylaert já nos presenteou logo com um personagem que se tornou clássico no cinema brasileiro. Como não simpatizar com Ary França com esse visual meio Howard Stern dando vida a um quarentão dono de uma loja de vinis que teima em não seguir a tendência de mercado e atualizar seu estoque para CD?

O filme levou sete kikitos no Festival de Cinema de Gramado de 2002, incluindo o de melhor filme. O longa tem no elenco ainda nomes como Marisa Orth, Letícia Sabatella e até Rita Lee. Não percam!

Sessões neste sábado e domingo, às 18h, no UCS Cinema. Entrada franca.

Ah, e às 16h, em ambos os dias, tem sessão infantil com Os Xeretas (2001), de Michael Ruman.

Últimos dias de Jornada

25 de outubro de 2013 0
Cena de 'Eu Não Quis Chegar Mais Perto'

Cena de ‘Eu Não Quis Chegar Mais Perto’

A programação da Jornada Audiovisual está entrando em sua última semana. Então, dá uma olhada na agenda desta sexta. Lá na casinha da Estação Férrea vai rolar a Mostra Rumos Videodança, a partir das 20h.

Tratam-se de produções ligadas a movimentos, porém produzidas com linguagem audiovisual. Serão exibidos 10 trabalhos de lugares diferentes do Brasil e aprovados em dois editais do Rumos. Boa oportunidade hein…

Também às 20h começam as exibições dos trabalhos produzidos durante algumas oficinas da jornada, como Teoria e Prática em Filmmaking, Realização Audiovisual com Crianças e Adolescentes e Intervenção Plástica em Fotograma. Isso vai ser no Zarabatana. É provável que a produção Eu Não Quis Chegar Mais Perto, integre a mostra — essa você pode assistir também aqui.

O encerramento da programação é na terça com mostra de clipes locais (com um monte de produção massa) e lançamento do novo clipe do Projeto CCOMA, a partir das 19h, no Coletivo Labs.

Parabéns a todos os envolvidos na concepção da Jornada Audiovisual e aproveitem as últimas atrações.

Europeu no cinemão

24 de outubro de 2013 1
Crédito: H2O Films

Crédito: H2O Films

Ok, eu não tenho muitas informações sobre o filme, mas tenho que compartilhar com vocês um aspecto que me animou com relação a Salvo – Uma História de Amor e Máfia. Comentava com o amigo e também blogueiro de cinema Saulo José Leite a “novidade” de ver um filme fora do eixo “comum” de blockbusters ganhar espaço num dos principais cinemas de Caxias. Isso não acontece muito por aqui né.. Salvo é uma coprodução entre Itália e França e entra em cartaz no Cinépolis a partir desta sexta.

Pelo que li a respeito o filme é bem sensorial, até porque acompanha a história de uma mulher cega que volta a enxergar após um assassino da máfia, o tal Salvo do título, matar seu irmão. Os diretores Fabio Grassadonia e Antonio Piazz já haviam mostrado uma prévia do trabalho com o curta Rita, de 2009. No drama, uma menina cega de 10 anos presencia um assassinato.

Aqui embaixo tem um trechinho deste curta e o trailer de Salvo. Falando do longa, só não curti muito esta trilha aí, mas a fotografia parece interessante. Pelo jeito, são os efeitos sonoros que surpreendem mais. De qualquer forma, tomara que venham mais filmes europeus para os cinemões de Caxias.

Enquanto você dormia...

23 de outubro de 2013 0
Crédito: Calvin Furtado

Crédito: Calvin Furtado

Já falei por aqui da produtora Bigode de Gato, capitaneada em Porto Alegre pelo Marcelo Andrighetti e pela Nicole Fischer. Pois então, esse pessoal se uniu a Boulevard Filmes, do Rio, para rodar o documentário Boca de Rua – Vozes de uma Gente Invisível. O filme tem patrocínio do Programa Rumos do Itaú Cultural e mostra tudo que envolve a concepção do jornal Boca de Rua, feito por um grupo de moradores de rua da Capital.

As gravações ocorreram entre janeiro e maio, acompanhando a produção desse significativo meio de comunicação. O documentário de 10 minutos assume um papel parecido com o da própria publicação Boca de Rua, o de dar a palavra a essas pessoas, e de mostrar suas capacidades. O filme será lançado no dia 6 de novembro no canal www.youtube.com/bocaderuaofilme.

No blog do filme, o diretor e roteirista Marcelo Andrighetti escreveu um relato bem interessante que eu reproduzo aqui:

“Lá no início, quando comecei a frequentar a reunião do Boca de Rua, eu sempre chegava com o pé atrás, achando que iria ser mal visto por eles.
— O que esse cara tá fazendo aqui com essa câmera?
Fui pronto para ouvir isso. Só que, para minha surpresa, as perguntas foram mais profundas.
— Tu vais gravar nossa história e cair fora? Ou tu quer fazer parte disso tudo?
Foi uma das questões que mais ouvi.”

Aqui tem o trailer e o último teaser (para entender o título desse post) do webdoc.

Palavras de Juliana

22 de outubro de 2013 0
Crédito: Carlos Bovo

Crédito: Carlos Bovo

Já publiquei os merecidos vencedores do Cineserra, dei parabéns e tal. Mas antes de me despedir completamente do festival gostaria de deixar registrado como foi legal ver a integração brotando entre o pessoal envolvido com o audiovisual por aqui.

Uma pena que poucos conferiram o bate-papo com a cineasta carioca Juliana Reis e a exibição do longa Disparos, antes da premiação. O filme é super interessante, com uma reflexão bem latente sobre violência. Um soco no estômago, envolto numa realidade que grita – mas sem deixar de ser divertido, vale ressaltar.

Da palestra da Juliana anotei algumas frases que podem nos fazer pensar sobre cinema:

• Quero ser uma contadora de histórias, que conta histórias através do cinema. Não tenho a menor vontade de fazer filme conceitual, hermético, de artista. Ainda que ache que não posso perder o meu olhar.
• O cinema no Brasil se confronta com uma coisa que pode se tornar perversa. Há os filmes que precisam falar com todo mundo e os que não falam com ninguém. São dois lados de uma moeda doente.
• Feio, chato e conceitual. É o que se espera do cinema do terceiro mundo.
• Um dos elogios que recebi sobre Disparos foi: “é um filme cabeça para gente normal”.
• Não sei se acredito que um filme tenha de esperar 10 anos para sair. Duvido que em 10 anos você dê conta desse latejar do mundo, dessa vida. Sempre digo que filme é crônica, não é romance.
• Gosto de pensar que Disparos está vinculado com o mundo hoje, ele é vivo.
• Roteiro é cada articulação que as cenas de um filme fazem brotar. Representa um filme como uma partitura representa uma composição. Não tem nada de literário ali, nada de floreio.

Premiados do Cineserra

21 de outubro de 2013 0
Crédito: Luciano Paim

Crédito: Luciano Paim

A primeira edição do festival Cineserra encerrou com premiação, na noite desta segunda. Os trabalhos de ficção Armada (foto), de Filipe Ferreira, e É Proibido Falar Italiano, de Robinson Cabral, foram os que levaram mais troféus para casa. Confira todos os premiados abaixo…parabéns.

Os organizadores do festival preveem uma segunda edição em 2015. E tomara que a cena se fortaleça ainda mais até lá!

FICÇÃO
Melhor filme: Armada, de Filipe Ferreira
Melhor direção: Robinson Cabral, por É Proibido Falar Italiano
Melhor roteiro: Robinson Cabral, por É Proibido Falar Italiano
Melhor fotografia: Luciano Paim, por Armada
Melhor direção de arte: Filipe Mello, por As Últimas Palavras
Melhor edição: Rogério Mottin, por Armada
Melhor trilha sonora original: Fausto Prado, por Armada
Melhor ator: Joanin Andrighetti, por É Proibido Falar Italiano
Melhor atriz: Odelta Simonetti, por Amargor

DOCUMENTÁRIO
Melhor filme: Profissão: Músico, de Daniel Ignácio Vargas
Melhor direção: Éverton Rigatti, por De Outros Tempos
Melhor fotografia: Janete Kriger, por Bruno Segalla
Melhor trilha sonora original: Felipe Gue Martini, por Gigante de Ferro
Melhor edição: Boca Migotto, por Tcheco
Menção honrosa: Zarabatana, de Robinson Cabral

VIDEOCLIPE
1º Lugar: Inner Pain (Hecatombe), de Dêivis Horbach
2º Lugar: Milonga para los Perros (Projeto CCOMA), de Robinson Cabral
3º Lugar: Faz-me (Grandfúria), de Filipe Mello