Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de outubro 2014

Presente aos olhos

30 de outubro de 2014 0

a bela e afera1

A Sala de Cinema Ulysses Geremia estreia, nesta quinta-feira, uma versão superproduzida do clássico A Bela e a Fera. Escrevi sobre o filme que fica em cartaz até o dia 9 de novembro, com sessões às 19h30min (quintas e sextas) e 20h (sábados e domingos).

Visual impressionante

A Disney fez o favor de popularizar grandes fábulas no cinema, transformando-as naqueles filmes que ultrapassam gerações agradando por suas belas histórias, personagens, lições e tal. A estreia desta semana na Sala de Cinema Ulysses Geremia corrobora essa ideia e adentra num filão mais atual: a refilmagem desses clássicos com toda a tecnologia disponível atualmente. Sem apelo hollywoodiano, a versão que chega a Caxias carrega a sensibilidade da terra natal do conto de fadas que recria, o francês A Bela e a Fera.

O diretor Christophe Gans (do decepcionante Terror em Silent Hill) pega o espectador pelo visual. Tudo é belo e grandioso, e praticamente tudo é construído digitalmente. Os figurinos e a direção de arte do filme são candidatos a indicações do Oscar, já a dramaturgia impressionante menos. Entretanto, não há como ficar incólume à beleza sofisticada de Léa Seydoux (do arrebatador Azul é a Cor Mais Quente e recém escolhida para ser a nova bond-girl) como a princesa condenada a viver e morrer ao lado de um homem-monstro. Vincent Cassel pouco aparece sem a “casca” de fera, mas é interessante como seus olhos humanizam o personagem de forma progressiva.

As irmãs estúpidas de Bela e os bichinhos fofos que habitam o castelo da Fera dão ar infantil ao longa, mas a obscuridade de boa parte da história (atente para o uso da cor vermelha) tende a agradar mais os adultos. A ação fica um pouco exagerada ao final, mas a beleza da fábula está, de fato, mantida.

Tim na telona

29 de outubro de 2014 0

Nesta quinta-feira, estreia nos cinemas o filme “Tim Maia”, cinebiografia do cantor carioca de voz marcante. Eu assisti e gostei muito..

Crédito: Downtown Filmes

Crédito: Downtown Filmes

Dá voz para o Tim

Tim Maia passou boa parte da carreira pedindo por ela nos palcos (“dá voz, dá voz”). Agora, ganha um filme inteiro para exibi-la, em prosa e verso.

Baseada no livro de Nelson Motta – Vale Tudo – O Som e a Fúria de Tim Maia – a cinebiografia que chega aos cinemas hoje retrata primeiro a fúria. Numa espécie de prólogo da história, a infância e adolescência do cantor carioca são retratadas em preto e branco. Ainda na pele de Tião (apelido para Sebastião), ele dá uma demonstração do instinto quase primitivo ao voar furioso para cima de um colega de banda, logo na primeira vez em que sobe num palco. A cena congela para dar um pulo na história e ganhar as cores de um palco profissional, com Tim Maia já envolto em seu folclórico terno de lamê e reclamando do som. Entre um Tim e o outro, há um mundo de histórias e um longa competente de Mauro Lima (de Meu Nome não é Johnny).

As 2h20min do filme vão fazendo sentido à medida que a história se desenrola. Além de contemplar todos os principais movimentos da vida de Tim Maia – a fase Jovem Guarda com o The Sputniks (ao lado de um Roberto Carlos tão pé rapado quanto ele); a ida a Nova York, as prisões, o sucesso, a fase Racional, as drogas – os roteiristas procuraram respiros para que o espectador se aproximasse de detalhes. Vemos um Tim entristecido por ser um “mulato sem vez”, um Tim que desdenhou os baluartes da bossa nova (“é muito acorde!”) e um Tim que preparava receitas cura-ressaca misturando ingredientes dos mais esdrúxulos no liquidificador.

Dois atores dividem-se no papel principal. Robson Nunes (que havia interpretado o cantor no programa Por Toda a Minha Vida) é o Tim Maia jovem, mais inocente, que fazia a “gentileza” de dar fim em salgados adormecidos nas lancherias da Tijuca. Esse garoto viu o amigo Roberto Carlos (vivido por um George Sauma meio caricato, mas tem como ser diferente em se tratando do Rei?) despontar em carreira solo, enquanto ele seguia amargando tempos difíceis.
Quando Tim Maia aparece mais velho, a história fica mais intensa. Babu Santana está visivelmente entregue ao papel – a caracterização é surpreendente – com destaque para a recriação do linguajar típico do malandro (“pausa para o baurete”) e para as cenas mais dramáticas de abandono.

Na pele de Fábio (personagem real), Cauã Reymond condensa as funções de narrador da história e a de representar na telona os trocentos amigos que passaram por situações desvairadas ao lado de Tim Maia. Alinne Moraes, como Janaína, é quem assume as paixões do cantor de coração oscilante entre a doçura e a violência. A música, claro, é um ponto forte do filme, e Babu Santana não decepciona – apesar de muitas vozes usadas serem as originais de Tim, escolha sempre acertada em se tratando de um dos timbres mais emblemáticos do Brasil.

Terça animada

28 de outubro de 2014 0

Para comemorar o Dia Internacional da Animação em Caxias do Sul o sempre entusiasta do gênero Maurício Sabbi ganhou o apoio da rede de escolas Caminho do Saber/Impulso neste ano. A data será lembrada nesta terça com programações temáticas em mais 30 países.

Em Caxias, teremos mostras de produções nacionais e internacionais, e oficinas sobre técnicas empregadas em filmes do gênero. Outra oportunidade bacana é conferir bons filmes de animação feitos aqui na Serra, na Mostra Regional. Aqui embaixo tem um belo exemplo, dos artistas Gio Mazzochi e Douglas Trancoso.

A programação é gratuita e será sediada nesta terça, nas escolas Caminho do Saber (Rua Guerino Sanvitto, 814), pela manhã, e Impulso (Rua Dante Baptista Andreis, 272), à tarde.

As oficinas oferecidas serão de Pixelation (Marcelo Casagrande), FlipBook (Maurício Sabbi), Desenho em Cartoon (Fredy Varela), StopMotion (Isa Molina), Criação e Fantasia (Marcia Machado), Desenho de Heróis (Renata Medeiros). Todas elas estarão disponíveis nos horários das 8h30min, 10h30min, 13h30min e 15h30min.

Confira a programação completa aqui:

11h – Mostra Ambiental
14h – Mostra Ambiental
18h – Mostra Infantil (Classificação indicativa – Livre)
19h15min – Making Of Oficinas e Protocolo de Abertura
19h30min – Mostra Nacional (Classificação Indicativa – 16 anos)
20h30min – Mostra Internacional (Classificação Indicativa – 16 anos)

MOSTRA REGIONAL
A Vaquinha Preta – Maurício Sabbi e Alunos do ponto de Cultura Cenas & Acordes
O Garoto Minuano – Marcos Malacarne e Paulo Moraes
A Noite do Sanguanel – Janete Kriger
Fada – Isa Molina
Da Pureza – Douglas Trancoso e Giovana Mazzochi
Festa na cabeça – Daniel Vargas

MOSTRA NACIONAL – (58min)
Frivolitá, de Luis Seel – 1930
Erros – Dir. Rodrigo Soldado
Lambada com Farinha – Dir. Thomate
Jam – Piscar de Olhos – Dir. Cesar Cabral
Fluxos – Dir. Diego Akel
A Pequena Vendedora de Fósforos – Dir. Kyoko Yamashita
Nightmare on Cork Street – Dir. Lucas Paio
Super Plunf – Dir. Camila Kauling Rumpf e Henrique Luiz Pereira Oliveira
O Sapato – Dir. Leandro Angare
Estrela – Dir. David Mussel
Guida – Dir. Rosana Urbes

MOSTRA INFANTIL (48 min)
Dalivincasso – Dir. Marcelo Castro e Marlo Tenório
Andar de Trem – Dir. Jon Russo
Ode a Sujeira – Dir. Guilherme Alvernaz
Sistema Digestório – Dir. Simon Pedro Brethé
Polvo Paul – Dir. Thomate
Erros – Dir. Rodrigo Soldado
Vida – Dir. Gordeeff
Ninja – Dir. Marão
Super Plunf – Dir. Camila Kauling Rumpf e Henrique Luiz Pereira Oliveira

SESSÃO OFICIAL – MOSTRA INTERNACIONAL (56 min)
Villa Antropoff – Dir. Kaspar Jancis e Vladimir Leschiov – Estônia
Electric Soul – Dir. Joni Männistö – Finlândia e Coréia do Sul
Fight – Dir. Steven Suboyinick – EUA-
Fly Mill – Dir. Anu-Laura – Estônia
My Name Is Maria – Dir. Elio Quiroga Rodriguez – Espanha
I Look & Move – Dir. Irina Neustroeva – Rússia
La Funambola – Dir. Roberto Catani – Itália
Niespodzianka – Dir. Tereza Badzian – Polônia,
Camera Takes Five – Dir. Steven Woloshen – Canadá
En La Opera – Dir. Juan Pablo Zaramella – Argentina

"X-Coração" no Disney XD

27 de outubro de 2014 0
Crédito: Cartunaria

Crédito: Cartunaria

A estreia foi na semana passada, mas ainda está valendo o registro. Fiquei sabendo hoje que o pessoal da Cartunaria Desenhos (de Porto Alegre) emplacou a série X-Coração no canal Disney HD. A história do personagem Alex, “chapeiro” numa lanchonete e aspirante a rock star, ficou mais conhecida quando o Curtas Gaúchos da RBSTV exibiu o trabalho, lá em 2007. Agora, o X-Coração ganhou novas histórias em 26 episódios de 11 minutos cada. Eles vão ao ar de terça a quinta, sempre às 20h30min, no Disney XD.

A direção é Guto Bozzetti e Lisandro Santos, e os roteiros são assinados por Carlos Gerbase e sua filha Iuli Gerbase, além de Lisandro Santos.

A série foi financiada com recursos do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). Dá uma olhada que legal a abertura.

Vencedores do Cineserra

26 de outubro de 2014 0
Crédito: Divulgação

Crédito: Conrado Heoli

Então pessoal, a noite deste domingo foi de premiação para os participantes do festival Cineserra. O festerê foi lá no no Teatro do Sesc. Estavam no páreo 43 produções (entre documentário, ficção e videoclipe), 19 concorreram no certame regional e 24 no estadual. A programação do Cineserra começou na quinta-feira, e incluiu mostras de filmes em Caxias, Garibaldi e Bento Gonçalves.

Entre os destaques, legal ver a galera do cinema “do it yourself” conquistando prêmios, como o Ia Dizer que Voltei, que levou para casa melhor roteiro e melhor atriz, Perspective (produzido durante uma disciplina de universidade), que levou edição e direção, e a produção colaborativa APPOMBA, que levou menção honrosa na categoria regional de documentário.

Outros premiados como a ficção Crianças e o documentário Heranças, ambos filmados com recursos do Financiarte, e bons exemplos do belo potencial da produção atual na Serra.

No certame regional, também legal ver caxienses premiados, como Marcelo Andrighetti (que levou estatuetas pelo seu Boca de Rua) e Deivis Horbach (vencedor pela segunda vez na categoria videoclipe).

Confira a lista completa de vencedores:

CERTAME REGIONAL
Categoria: Ficção
Melhor filme: CRIANÇAS (Ruy Fritsch)
Melhor direção: LUIS RECH/NICOLAS TESSARI/RODRIGO MACHADO, por Perspective
Melhor roteiro: MATEUS FRAZÃO, por Ia dizer que voltei
Melhor fotografia: RUY FRITSCH, por Crianças
Melhor direção de arte: RUY FRITSCH / SHAIANE DARTORA, por Crianças
Melhor edição: RODRIGO MACHADO / NICOLAS TESSARI, por Perspective
Melhor trilha sonora original: ELOY FRITSCH, por Crianças
Melhor ator: GIRLEY PAES, por Crianças
Melhor atriz: MARIA DO HORTO COELHO, por Ia dizer que voltei
Menção honrosa: PARASITAS DO LODO (Fernando Menegatti)

Categoria: Documentário
Melhor filme: HERANÇAS (Maicon Dewes)
Melhor direção: MAICON DEWES, por Heranças
Melhor roteiro: ELISÂNGELA SILVA, por Heranças
Melhor fotografia: MAICON DEWES, por Heranças
Menção honrosa: APPOMBA (produção colaborativa)

Categoria: Videoclipe
1º Lugar: I Hang my Head – Spangled Shore (Danni Rossi)
2º Lugar: Up in The Sky – Mindgarden (Daniel De Bem)
3º Lugar: Cosmopolita – Projeto Ccoma (Robinson Cabral)

CERTAME ESTADUAL
Categoria: Ficção
Melhor filme: LINDA – UMA HISTÓRIA HORRÍVEL(Bruno Gularte Barreto)
Melhor direção: EMILIANO CUNHA, por Tomou café e esperou
Melhor roteiro: BRUNO GULARTE BARRETO, por Linda – Uma História Horrível
Melhor fotografia: PABLO CHASSERAUX, por Kassandra
Melhor direção de arte: ANA GUSSON, por Kassandra
Melhor edição: ABEL ROLAND / EMILIANO CUNHA, por Lobos
Melhor trilha sonora original: CHICO PEREIRA, por Kassandra
Melhor ator: MILTON MATTOS, por Tomou café e esperou
Melhor atriz: SANDRA DANI, por Linda – Uma História Horrível

Categoria: Documentário
Melhor filme: CINE BRASÍLIA (Boca Migotto)
Melhor direção: MARCELO ANDRIGHETTI, por Boca de Rua – Vozes de Uma Gente Invisível
Melhor roteiro: BOCA MIGOTTO, por Cine Brasília
Melhor fotografia: GREG KUHN, por Boca de Rua – Vozes de Uma Gente Invisível
Melhor edição: ALFREDO BARROS / SAMUEL BOVO, por Boca de Rua – Vozes de Uma Gente Invisível

Categoria: Videoclipe
1º Lugar: Contando Estrelas (Deivis Horbach)
2º Lugar: Dia Feliz – General Bonimores (Carlos Teston)
3º Lugar: Tit for Tat – Luciano Leães (Renata Heinz)

Cineserra na finaleira

24 de outubro de 2014 0

cineserra2014

Gente, este fim de semana é para curtir as atrações do Cineserra em Caxias. Neste sábado, além das sessões ao meio-dia no Sesc, tem exibição do documentário Mais uma Canção (sobre Bebeto Alves), às 18h, e uma leva de curtas às 20h, ambas na Sala de Cinema Ulysses Geremia.

No domingo, a programação começa às 18h, com sessão do longa convidado A Oeste do Fim do Mundo, na Sala de Cinema Ulysses Geremia. A premiação que vai escolher os melhores nas categorias documentário, ficção e videoclipe (regional e estadual) começa às 20h30min, no Teatro do Sesc.

Veja a programação completa aqui  e fique ligado que publicaremos os vencedores no blog no domingo à noite.

Cineserra em Caxias

23 de outubro de 2014 0
Imagem do curta "Kassandra", de São Leopoldo

Imagem do curta “Kassandra”, de São Leopoldo

Gente, não esqueçam, nesta quinta começa a programação do Cineserra em Caxias. Ao meio-dia tem sessões no Sesc e, a partir das 20h, na Sala de Cinema Ulysses Geremia.

Dá uma conferida no que você pode assistir hoje:


12h, no Sesc

Lugh – Sete Mares (clipe – Santa Maria)
Papel Cidadão (doc – Santa Maria)
A Lágrima (ficção – Caxias do Sul)
Rosa Tattooada – Rezar não vai te livrar do fim (clipe – Caxias do Sul)
Heranças (doc – Caxias do Sul)
Kassandra (ficção – São Leopoldo)
Rui de Paula (doc – Santa Maria)
A Princesa (ficção – Porto Alegre)

20h, na Sala de Cinema
Velocetts – Porto (clipe – Porto Alegre)
Três Quartos e Um Terço (ficção – Caxias do Sul)
O Homem que Conserta Estrelas (doc – Porto Alegre)
Projeto CCOMA – Bukowina (clipe – Caxias do Sul)
Abre Aspas (ficção – Caxias do Sul)
Lacross – Até o Dia Acabar (clipe – Caxias do Sul)
Lobos (ficção – Porto Alegre)
Cine Brasília (doc – Porto Alegre)
Outro Lugar (ficção – Rolante)

Mais um Cineserra

20 de outubro de 2014 0
Crédito: Espaço Filmes

Crédito: Espaço Filmes

Começa nesta terça a segunda edição do Festival do Audiovisual da Serra Gaúcha. Desta vez a programação vai além das salas de Caxias, e chegará também em Garibaldi e Bento Gonçalves.

No site oficial do Cineserra dá para conferir a programação completa e ainda participar da votação popular nas categorias ficção, documentário e videoclipe.

Além da premiação, claro, que ocorre no domingo, às 20h30min, no Teatro do Sesc; estou curiosa com relação a dois longas que serão exibidos durante o Cineserra. É legal ver o festival manter e ampliar a proposta nascida ainda na primeira edição, quando os caxienses puderam conferir o filme Disparos, de Juliana Reis.

Desta vez serão duas sessões, ambas às 18h, na Sala de Cinema Ulysses Geremia. No sábado, a atração é documentário Mais uma Canção, dirigido por Rene Goya Filho e Alexandre Derlam. O filme, inédito por aqui, é sobre o compositor Bebeto Alves. Em uma verdadeira viagem de descobrimento pela Península Ibérica e pelo Norte da África, o artista entra em contato com o sentido de brasilidade sulina.

No domingo é a vez do drama A Oeste do Fim do Mundo, produção dirigida por Paulo Nascimento que foi exibida em Caxias em somente uma sessão, em junho. O filme acompanha o introspectivo Leon (César Troncoso), que refugia num velho posto de gasolina perdido na imensidão da antiga estrada transcontinental. Sua solidão só é quebrada por um ou outro caminhoneiro ou pelas visitas sempre bem humoradas do sarcástico Silas (Nelson Diniz). Mas a enigmática e inesperada chegada de Ana (Fernanda Moro) transforma radicalmente o cotidiano dos amigos.

Último do Alain Resnais

15 de outubro de 2014 0
Crédito: Imovision

Crédito: Imovision

O último filme do francês Alain Resnais (morto em março, aos 91 anos) entra em cartaz nesta quinta, na Sala de Cinema Ulysses Geremia. Amar, Beber e Cantar é bem ousado quanto à linguagem cinematográfica, vale a pena conferir.

Tempo de Resnais

O mesmo tempo que foi generoso com o cineasta Alain Resnais _ afinal, foram 91 anos de “estadia” por aqui — também serve de matéria-prima para o último filme dirigido por ele, estreia desta semana na Sala de Cinema Ulysses Geremia. A comédia Amar, Beber e Cantar brinca com a finitude como temática, quase uma ironia em se tratando da obra derradeira do francês morto em março.

O espectador sabe de início que o personagem George, que nunca aparece em cena, está com a expectativa de vida reduzida a seis meses. O prazo é dele, mas todos os outros seis personagens do filme serão influenciados pela sensação de perda que se aproxima. E se o caminhar do relógio é realmente impossível de controlar, Resnais mostra que as opções vão muito além quando o assunto é linguagem cinematográfica. Os poucos cenários filmados são construídos com papelão e objetos nitidamente falsos. A ousadia conversa com a teatralidade também intrínseca na trama. Os personagens vividos pelos competentes Hippolyte Girardot, Sabine Azéma, Caroline Sihol e Michel Vuillermoz ensaiam uma peça (o tempo, novamente, aparece por aqui revertido no timing dos diálogos) dentro do filme, numa nítida brincadeira entre as ilusões consentidas em forma de ficção e as que criamos rotineiramente.

As atuações parecem propositalmente exageradas, mas Resnais cria suspiros dramáticos para cada personagem. Cada um tem seu momento de ficar com o rosto em primeiro plano, enquanto faz uma confissão mais séria, mudando sutilmente o tom da interpretação. Porém, mesmo nessas cenas, há um fundo falso gritando atrás do elemento humano, alegoria perfeita e atual.

Dois meses de atraso

14 de outubro de 2014 0
Crédito: Imagem Filmes

Crédito: Imagem Filmes

Demorou, mas chegou. Magia ao Luar, o novo (ou nem tanto) longa de Woody Allen, estreou em agosto no Brasil, mas está finalmente chegando a Caxias do Sul nesta quinta. O filme terá sessões na sala 6 do Cinépolis San Pelegrino.

Magia ao Luar traz Emma Stone no papel de uma jovem que supostamente tem poderes médiuns e terá de lidar com o personagem de Colin Firth, que pretende desmascará-la. Parece uma comédia deliciosa, dá uma olhadinha no trailer.

Emma parece ter conquistado o título de nova musa de Woody Allen, pois está também no próximo filme do cineasta, ao lado de Joaquin Phoenix.