Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de junho 2016

Ponto Zero

06 de junho de 2016 0
Crédito: Mínima

Crédito: Mínima

Ponto Zero é um delírio, um mergulho criativo numa temática até batida: o adolescente que precisa amadurecer enfrentando um ambiente hostil.

Em seu primeiro longa solo, o diretor e roteirista Zé Pedro Goulart ( um dos fundadores da Casa de Cinema de Porto Alegre) constrói uma narrativa corajosa e provocativa, buscando estéticas que inquietam.
Na história, Ênio ( Sandro Aliprandini) é um garoto de 14 anos que convive com as fraquezas ao redor – a carência da mãe, a ausência do pai, a violência do colega – enquanto tenta lidar com seus próprios demônios ( um acidente vai potencializar tudo).

A solidão é um elemento crucial no roteiro, e Goulart encontra maneiras artísticas de fazer com que seja possível não só vê-la, mas senti-la.

Deste ponto de vista, Ponto Zero é desconcertante, com silêncios que sufocam.
A bela fotografia e os enquadramentos nada óbvios denunciam a experiência do diretor gaúcho.
Numa das sequências mais inteligentes do longa, Ênio aparece andando de bicicleta por ambientes onde não é notado, e em ruas onde os carros andam para trás.

Sujeitas a mil interpretações, as cenas podem denunciar a invisibilidade social do garoto, mas mais do que isso, são uma alegoria à própria adolescência: lugar de costura esquizofrênica entre o que fomos e o que seremos.

Vá ver, Ponto Zero está em cartaz no GNC Cinemas.