Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "premiados"

Parabéns!

09 de novembro de 2014 0

1964ma

Galerinha da escola Santa Catarina mandou bem hein. Na premiação do festival de cinema Estrelas do Santa, ocorrida na sexta à noite, o curta 1964 levou para casa nada menos que 11 troféus, incluindo o de Melhor Filme. O roteiro utiliza a ditadura militar como pano de fundo para contar a história de uma paixão. O filme foi dirigido por Thais Ballico.

Bem legal gurizada, continuem produzindo!! Parabéns a todos premiados no festival.

Do Festival do Rio

09 de outubro de 2014 0
Daniel de Oliveira em "Sangue Azul"

Daniel de Oliveira em “Sangue Azul”

Pois bem, o diretor Lírio Ferreira está felizão com o Redentor de melhor ficção conquistado pelo seu Sangue Azul, na quarta à noite, durante o Festival do Rio. Ao receber o prêmio, ele disse que o filme é sobre o amor e tascou um beijo na boca do diretor Chico Teixeira. Demais!!

Lírio também foi escolhido como Melhor Diretor e Rômulo Braga levou Melhor Ator Coadjuvante. Sangue Azul é protagonizado por Daniel de Oliveira, que interpreta Pedro, um ilhéu que volta para terra natal carregando gigantes recordações e uma paixão da infância. O filme foi rodado em Fernando de Noronha.

Além desse, também fiquei tri curiosa sobre Prometo Um Dia Deixar Essa Cidade, de Daniel Aragão (mais um pernambucano, ô terra fértil). O filme conquistou o prêmio de Melhor Atriz para Bianca Joy Porte e narra a volta da ex-viciada em drogas Joli a Recife. Ela vai entrar em conflito com o pai, pré-candidato à prefeito.

Desse eu encontrei o trailer. Dá uma olhada!

Melhor Ator foi para o jovem ator Matheus Fagundes, que vive é um menino de 14 anos em conflito entre o despertar de sua sexualidade e a busca de uma figura paterna o longa Ausência. Irandhir Santos também está no elenco.

Confira todos os vencedores

Competição Oficial:
Júri: Karim Aïnouz (presidente), Andrea Barata Ribeiro, Malu Mader, Maurizio Braucci e Mike Downey
Melhor longa-metragem de ficção: Sangue azul, de Lírio Ferreira
Melhor longa-metragem documentário: À queima roupa, de Theresa Jessouroun
Melhor curta-metragem: Barqueiro, de José Menezes e Lucas Justiniano
Melhor diretor de ficção: Lírio Ferreira, por Sangue azul
Melhor diretor de documentário: Theresa Jessouroun, por À queima roupa
Melhor atriz: Bianca Joy Porte, por Prometo um dia deixar essa cidade
Melhor ator: Matheus Fagundes, por Ausência
Melhor atriz coadjuvante: Fernanda Rocha, por O último cine Drive-in
Melhor ator coadjuvante: Rômulo Braga, por Sangue azul
Melhor fotografia: André Brandão, por Obra
Melhor montagem: Luisa Marques, por A vida privada dos hipopótamos
Melhor roteiro: Murilo Salles, por O fim e os meios
Prêmio Especial do Júri: Ausência, de Chico Teixeira

Júri popular:
Melhor longa-metragem de ficção: Casa grande, de Fellipe Gamarano Barbosa
Melhor longa-metragem documentário: Favela gay, de Rodrigo Felha
Melhor curta-metragem: Max Uber, de Andre Amparo

Mostra Novos Rumos:
Júri: Felipe Bragança (presidente), Bianca Comparato e Cavi Borges
Melhor longa-metragem: Castanha, de Davi Pretto
Melhor curta-metragem: O bom comportamento, de Eva Randolph
Prêmio Especial do Júri: Deusa branca, de Alfeu França
Prêmio pelo conjunto da obra: Othon Bastos

Prêmio Felix
Júri: Wieland Speck (presidente), João Emanuel Carneiro, Albertina Carri e Malu de Martino
Melhor longa-metragem de ficção: Xenia, de Panos H. Koutras
Melhor longa-metragem documentário: De gravata e unha vermelha, de Miriam Chnaiderman
Prêmio Especial do Júri: Toda terça-feira, de Sophie Hyde

Prêmio FIPRESCI
Júri: Ernesto Diez-Martinez, Luiz Zanin e Roni Filgueiras
Melhor filme latino-americano: Obra, de Gregorio Graziosi

Mostra Geração
Melhor filme pelo júri popular: Finn, de Frans Weisz

Vencedores em Gramado

17 de agosto de 2014 0
Crédito: Europa Filmes

Crédito: Europa Filmes

A Estrada 47, de Vicente Ferraz, saiu consagrado como melhor filme nacional do 42º Festival de Cinema de Gramado. O longa sobre um grupo de brasileiros lutando ao lado das tropas aliadas na Segunda Guerra Mundial também levou o kikito de Melhor Desenho de Som, para Branco Neskov.

O filme A Despedida, do qual já havíamos mostrado algumas belas imagens aqui, rendeu prêmio de Melhor Ator, para Nelson Xavier, e Melhor Atriz, para Juliana Paes — que desbancou a franca favorita Fernanda Montenegro, de Infância. Além disso, o longa também levou kikitos de Melhor Diretor (Marcelo Galvão) e Fotografia (Eduardo Makino).

A estreia de Alceu Valença na direção rendeu troféus de Melhor Trilha e Melhor Direção de Arte, para a A Luneta do Tempo.

Veja todos os vencedores da noite de sábado aqui:

CURTAS-METRAGENS

DESENHO DE SOM: Guga Rocha, por História Natural
TRILHA MUSICAL: Sem Título #1: Dance of Leitfossil
DIREÇÃO DE ARTE: Caio Ryuichi Yossimi, por O Coração do Príncipe
MONTAGEM: Carlos Adriano, por Sem Título #1: Dance of Leitfossil
FOTOGRAFIA: Giovanna Pezzo, por La Llamada
ROTEIRO: Caio Ryuichi Yossimi, por O Coração do Príncipe
ATRIZ: Rafaela Souza, por Carranca
ATOR: Guilherme Silva, por Carranca

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI: O Clube, Allan Ribeiro
MELHOR FILME / Júri Popular: A Pequena Vendedora de Fósforos, de Kyoko Yamashita
MELHOR DIRETOR: Gustavo Vinagre, por La Llamada
MELHOR FILME: Se Essa Lua Fosse Minha, de Larissa Lewandowski

PRÊMIO CANAL BRASIL: A Pequena Vendedora de Fósforos, de Kyoko Yamashita

PRÊMIO DOM QUIXOTE: Las Analfabetas, de Moisés Sepúlveda

LONGAS-METRAGENS LATINOS

MELHOR FOTOGRAFIA: Arnaldo Rodriguez, por Las Analfabetas
MELHOR ROTEIRO: Manuel Nieto, por El Lugar Del Hijo
MELHOR ATRIZ: Paulina Garcia e Valentina Muhr, por Las Analfabetas
MELHOR ATOR: Felipe Dieste, por El Lugar Del Hijo
MELHOR FILME / Júri Popular: Esclavo de Dios, de Joel Novoa
MELHOR DIRETOR: Moisés Sepúlveda, por Las Analfabetas
MELHOR FILME: El Lugar Del Hijo, de Manuel Nieto

JÚRI DA CRÍTICA

MELHOR CURTA / Júri da Crítica: La Llamada, de Gustavo Vinagre
MELHOR LONGA LATINO / Júri da Crítica: El Crítico, de Hernán Guerschuny
MELHOR LONGA BRAS. / Júri da Crítica: Sinfonia da Necrópole, de Juliana Rojas

LONGAS-METRAGENS BRASILEIROS

MELHOR DESENHO DE SOM: Branco Neskov, por A Estrada 47
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Andrea Buzato, por Os Senhores da Guerra
MELHOR ATOR COADJUVANTE: Paulo Betti, por Infância
MELHOR TRILHA MUSICAL: Alceu Valença, por A Luneta do Tempo
MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Moacyr Gramacho, por A Luneta do Tempo
MELHOR MONTAGEM: Tina Saphira, por Infância
MELHOR FOTOGRAFIA: Eduardo Makino, por A Despedida
MELHOR ROTEIRO: Domingos Oliveira, por Infância
MELHOR ATRIZ: Juliana Paes, por A Despedida
MELHOR ATOR: Nelson Xavier, por A Despedida

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI (1): Os Senhores da Guerra, de Tabajara Ruas
PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI (2): Fernanda Montenegro, por Infância
MELHOR FILME / Júri Popular: O Segredo dos Diamantes, de Helvécio Ratton
MELHOR DIRETOR: Marcelo Galvão, por A Despedida
MELHOR FILME: A Estrada 47, de Vicente Ferraz

Da Mostra de SP

02 de novembro de 2013 0
Imagem de 'Lições de Harmonia'

Imagem de ‘Lições de Harmonia’

Estou atrasada, mas ainda vale compartilhar aqui com vocês os premiados do júri da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Vou colocar os trailers que encontrei de cada obra. Nenhum deles tem legenda em português, mas dá para ter uma ideia de fotografia, luz, personagens, etc, nestas pequenas amostras.

Então, o vencedor na ficção foi Lições de Harmonia (Harmony Lessons), de Emir Baigazin, numa coprodução ente Cazaquistão, França e Alemanha. O longa conta a história de Aslan, um menino de 13 anos que vive em um vilarejo perigoso no Cazaquistão. Ele decide agir contra Bolat, o líder da gangue da escola.

A menção honrosa dentro da ficção ficou com o mexicano La Jaula de Oro, de Diego Quemada-Díez. O drama segue as aventuras de dois adolescentes que buscam cruzar a fronteira mexicana para encontrar uma vida melhor nos Estados Unidos.

O melhor documentário é da África do Sul. Plano para a Paz (Plot for Peace) é de Carlos Agulló e Mandy Jacobson e narra fatos sobre o Apartheid.

A menção honrosa dentro do documentário foi para Eu Vou Ser Assassinado (I Will Be Murdered), coprodução entre Espanha e Reino Unido dirigida por Justin Webster.  O filme tenta desvendar a história de Rodrigo Rosenberg, um rico advogado, que foi morto a tiros. Porém, ele tinha certeza de que ia morrer e, dia antes, gravou um vídeo onde acusava o presidente Álvaro Colom Caballeros de seu futuro assassinato.

Veja os outros premiados

Prêmio do público
Melhor filme brasileiro de ficção:
Até que a Sbórnia nos separe, de Otto Guerra e Ennio Torresan Jr.
Melhor documentário brasileiro: Outro sertão, de Adriana Jacobsen e Soraia Vilela
Melhor filme estrangeiro de ficção: Pais e filhos, de Hirokazu Kore-Eda
Melhor documentário estrangeiro: Planos para a paz, de Carlos Agulló e Mandy Jacobson

Prêmio Leon Cakoff Ettore Scola e Hector Babenco pelo conjunto de suas obras

Prêmio da crítica
Melhor filme:
La jaula de oro, de Diego Quemada-Díez
Menção honrosa: Lições de harmonia, de Emir Baigazin, e O militante, de Manolo Nieto

Prêmio da Abraccine (Associação Brasileira de Críticos de Cinema)
Melhor filme brasileiro:
Riocorrente, de Paulo Sacramento

Prêmio da Juventude
Melhor filme estrangeiro:
Vai, Eddy!, de Gert Embrechts
Melhor filme brasileiro: O menino e o mundo, de Alê Abreu

Premiados do Cineserra

21 de outubro de 2013 0
Crédito: Luciano Paim

Crédito: Luciano Paim

A primeira edição do festival Cineserra encerrou com premiação, na noite desta segunda. Os trabalhos de ficção Armada (foto), de Filipe Ferreira, e É Proibido Falar Italiano, de Robinson Cabral, foram os que levaram mais troféus para casa. Confira todos os premiados abaixo…parabéns.

Os organizadores do festival preveem uma segunda edição em 2015. E tomara que a cena se fortaleça ainda mais até lá!

FICÇÃO
Melhor filme: Armada, de Filipe Ferreira
Melhor direção: Robinson Cabral, por É Proibido Falar Italiano
Melhor roteiro: Robinson Cabral, por É Proibido Falar Italiano
Melhor fotografia: Luciano Paim, por Armada
Melhor direção de arte: Filipe Mello, por As Últimas Palavras
Melhor edição: Rogério Mottin, por Armada
Melhor trilha sonora original: Fausto Prado, por Armada
Melhor ator: Joanin Andrighetti, por É Proibido Falar Italiano
Melhor atriz: Odelta Simonetti, por Amargor

DOCUMENTÁRIO
Melhor filme: Profissão: Músico, de Daniel Ignácio Vargas
Melhor direção: Éverton Rigatti, por De Outros Tempos
Melhor fotografia: Janete Kriger, por Bruno Segalla
Melhor trilha sonora original: Felipe Gue Martini, por Gigante de Ferro
Melhor edição: Boca Migotto, por Tcheco
Menção honrosa: Zarabatana, de Robinson Cabral

VIDEOCLIPE
1º Lugar: Inner Pain (Hecatombe), de Dêivis Horbach
2º Lugar: Milonga para los Perros (Projeto CCOMA), de Robinson Cabral
3º Lugar: Faz-me (Grandfúria), de Filipe Mello