Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Por que a candidatura do governo se fortalece

11 de setembro de 2012 8

Não é só pelo conteúdo, mas também pela forma, que a campanha do governo para a prefeitura de Caxias segura o tranco e transmite bem o recado ao eleitor.
Como mencionado em post anterior, momento de campanha é hora de passar a limpo a cidade, e a coligação do governo não hesita em mostrar o que tem para mostrar, e que não é pouco – Marrecas, Viaduto Campo dos Bugres, Complexo Centro à Vida, asfaltamento no interior, remoção de famílias do Fátima Baixo para o loteamento Victório Trez, Parque da Lagoa e Complexo Esportivo da Zona Norte são as realizações que despontam mais luminosas. O prefeito José Ivo Sartori (PMDB) notabilizou-se por ser um tocador de obras e, como ele gosta de enfatizar, também de programas sociais. Nesse sentido, as ações da prefeitura – a parte as eventuais inações e confusões de percurso, que sempre há – foram muitas e estão lá onde devem estar: no programa veiculado no horário eleitoral gratuito em rádio e tevê.
Afora esse aspcto, que já é importante, o programa acerta na forma. É alegre, martela insistentemente as realizações, dá visibilidade ao prefeito Sartori, sem exagerar na dose, e trabalha e valoriza acertadamente o bordão “Quer Mais? Juntos a gente faz”.
Vai bem a campanha da aliança do governo no horário eleitoral gratuito em rádio e tevê.

Nota do blog:
Antes que sejam entedidos como posições do autor do blog sobre o cenário eleitoral, este post, e outro anterior, sobre eleições limitam-se a considerações sobre a condução da propaganda eleitoral em rádio e tevê.

A cuidadora de flores e plantas da Érico Veríssimo

11 de setembro de 2012 2

Até seu nome é semelhante ao de uma flor. As mãos de Liria Lagni, 63 anos, carregam uma habilidade singular para cuidar de plantas. Intensificou o seu encantamento por flores, folhagens e árvores com seus alunos, especialmente a contar de 1984, quando começou a lecionar na Escola Estadual Érico Verissimo, no bairro São Ciro.
Natural de Paraí, Liria (de luvas, ao lado de alunas na foto acima) veio para Caxias ainda jovem para estudar. Formou-se em Estudos Sociais e História. Atuou em sala de aula por quatro décadas e está aposentada há quatro anos. Desde então, não consegue se afastar completamente do colégio em que foi vice-diretora. Tudo por causa das plantas que se espalham pelo pátio da escola.
Num trabalho voluntário, ela rega, planta, replanta, poda, ajeita as mudinhas para alegrar o cotidiano da comunidade escolar.
– Eu amo realmente a natureza e sempre tentei espalhar isso aos meus alunos. Em todas as escolas em que passei, sempre deixei pelo menos uma árvore plantada. Uma vez, na Érico, fizemos um projeto e colocamos uma placa dizendo: “Plante árvores e flores! Voltarão os pássaros, voltará a vida.” Agradeço à direção, fico muito feliz de continuar cuidando das plantas que existem lá – afirma Liria.
Numa das últimas passagens pela escola, a ex-professora e hoje voluntária, com auxílio de um professor, reergueu uma glícínia (tipo de trepadeira que faz lembrar um cacho de uva).
– É uma dificuldade cuidarmos sempre bem da área verde. Por amor e valorização à escola, a Liria colabora muito – agradece o vice-diretor da manhã, Jorge Gilmar Götz. (Texto: Vania Espeiorin)

(Foto: Jorge Gilmar Götz, Divulgação)

A estreia da Lagoa do Fátima

10 de setembro de 2012 1

A chuvarada de domingo e segunda-feira permitiu o acúmulo de 8 milhões de litros na lagoa de contenção construída pela prefeitura na Rua Ricieri Piccoli, próximo à antiga Gethal, na região do bairro Fátima. Foi a primeira grande chuva absorvida pelo reservatório.
A lagoa integra as ações antialagamento na zona norte da cidade. O reservatório tem capacidade para 28 milhões de litros. A estrutura de contenção acumula a água quando a chuva é excessiva e depois a libera com vazão mais moderada para o Arroio Tega.

(Foto: Luiz Chaves, Divulgação)

Oposição não quer ganhar eleição

10 de setembro de 2012 5

Campanha eleitoral é época de passar a cidade a limpo, correto? Errado. Não na campanha eleitoral em Caxias. A campanha do governo passa a limpo a cidade, pela ótica das realizações. Está certo. Passar a cidade a limpo não significa apego exclusivo e preferencial à crítica, mas inclui também o exame necessário de temas que foram muito mal-ecaminhados, para dizer o mínimo, brindados com trapalhadas ou inações da administração. Essa é a parte da oposição, que deveria, portanto, ter todo interesse em colocar sobre a mesa esses temas mal-encaminhados, na vitrina do espaço eleitoral gratuito em rádio e tevê. Mas não coloca.
A lista é bem longa:
* Alagamentos. É questão central no São José, no Santa Catarina, no Pio X, na zona norte da cidade.
* Passarelas, no São Ciro e no Planalto.
* Corte de 630 árvores na Festa da Uva.
* Falta de táxis na cidade e a incrível sucessão de protelações.
* Criação de CCs.
* Pichações.
Alguém aí já ouviu o debate eleitoral mencionar esses temas?
A oposição parece que não quer ganhar a eleição.

Nota do blog:
Diante de comentários acerca do post acima, o blog acrescenta, para fins de contexto:
O post é análise da propaganda eleitoral em rádio e tevê. O governo faz bem. A oposição faz mal.

O novo BRT da Visate

05 de setembro de 2012 0

A Visate já recebeu o novo BRT (bus rapid transit) que, assim, fica incorporado à sua frota. Ele tem 23 metros de comprimento (foto acima), com capacidade para 172 pessoas: 77 sentadas, mais um cálculo de cinco pessoas por metro quadrado em pé.
O BRT fará a linha Salgado Filho-Marcopolo e deverá entrar em operação dentro de aproximadamente uma semana. É o tempo para vistoria do veículo pela prefeitura e emplacamento.
O BRT atual, entregue na Festa da Uva passada, tem 18,70 metros e capacidade para 132 pessoas. Ele também opera na linha Salgado Filho-Marcopolo.
A Visate também deve incorporar à sua frota nos próximos meses quatro BRTs simples (não-articulados) com 15 metros de comprimento e capacidade para 110 pessoas na linhas coletoras norte-sul (veículos verdes e amarelos). Esses terão combustível sustentável, menos poluente.

(Foto: Camila Borghetti, Divulgação)

Duplo símbolo na Alfredo Chaves

04 de setembro de 2012 3

A foto acima consegue sintetizar duas situações de maltrato protagonizadas pela cidade: a poda arrasadora sobre os ligustros da Rua Alfredo Chaves, bem diante da Casa Rosa, que ficará espremida entre duas torres em construção.
A cidade despreza os ligustros, como se vê pelos casos seguidos de poda agressiva e supressão, depois de anos de serviços prestados. Alguém os plantou e os reconheceu úteis para a cobertura vegetal da cidade. Eles não pediram para ser plantados. Agora, seus galhos são decepados, sistematicamente.
Quanto ao cenário da Casa Rosa, também não houve preocupação com sua valorização e preservação.

(Foto Rubem Pires Junior, Divulgação)

Próximos da leitura desde pequenos

04 de setembro de 2012 0

A proposta de enfatizar a leitura e a escrita, aproximando a garotada do autor, partiu da bibliotecária Marinez Costa. Os alunos do turno da manhã na Escola Municipal José de Alencar, em São Vitor-Corona, promoveram ações em torno das crônicas e do livro O gato que não sabia de nada, do escritor e jornalista Marcos Fernando Kirst. Uma das atividades foi desenvolvida pela turma da educação infantil da professora Roselei Terezinha Adamatti. Após a contação da história sobre o gato-filósofo Bioy, os alunos confeccionaram o personagem principal com materiais alternativos. Já os alunos maiores exploraram bastante a crônica do escritor.
– Procuramos associar a história às vivências das crianças, perguntando se tinham gatos e como cuidavam deles. O fato de o Bioy ser muito curioso foi bastante comentado. Os alunos fizeram desenhos e uma espécie de móbile de um gato com CDs usados. Assim, relacionamos a prática com a literatura – explica Roselei.
Kailon Karczeski, cinco anos, conta que os desenhos dele e dos colegas ficaram lindos. Já Daniela Puhl, cinco, adorou bater um papo com o escritor.
– O autor disse que o Bioy existe e está sempre de olhos bem abertos. Ele não trouxe o gatinho gorducho e peludo por dois motivos: porque não gosta de entrar em gaiolas de gato e porque ele iria destruir a escola, pois é muito sapeca – relata Daniela.
A próxima tarefa que Roselei prevê com os estudantes é estimulá-los a recontar a história. Como ainda estão aprendendo a ler, poderão se entregar à fantasia e incrementar a narrativa de acordo com suas experimentações e memórias. (Texto: Vania Espeiorin)

(Foto: Maria Neves, Divulgação)

Agora o Tega ficou branco, ou alvinegro

03 de setembro de 2012 0

Depois do Tega vermelho, agora o Tega branco. Foi assim que ele amanheceu nesta segunda-feira, no trecho entre a Casa de Pedra e a Rua Luiz Covolan, repleto de espuma, como mostra a foto acima.
Sem uma fiscalização eficiente e implacável contra quem joga dejetos industriais diretamente no arroio, imaginar o Tega limpo será apenas um devaneio.
Por ora, a fiscalização não consegue demover quem tem indústria perto do Tega de fazer despejos no arroio. Sinal de que não está dando conta.
Na verdade, na manhã de segunda, o Tega estava alvinegro. A farta espuma surgia em meio a uma coloração preta da água.
Se despeja de tudo no Tega, e a cidade não consegue impedir.

(Foto: Roni Rigon)

Ser profe, um sonho de criança

28 de agosto de 2012 7

O sonho de criança virou realidade e já soma 27 anos. Delaine Cristina Dal Ri, 49 anos, é professora. Desejou essa profissão ainda na infância, quando brincava com giz e quadro verde. Uma tia chamada Neiva Teresinha Neis (já falecida) serviu de inspiração. Delaine cursou magistério no Instituto Estadual de Educação Cristóvão de Mendoza. Em 1985, ingressou como profe na rede municipal e, mais tarde, também na estadual.
Sua primeira experiência foi na Escola Municipal Marianinha Queiroz, de onde nunca mais saiu. Apesar de uma de suas aposentadorias estar prestes a chegar, ela não pensa em largar a sala de aula.
Também professora de uma turma do 1º ano na Escola Estadual José Generosi, em Forqueta, realiza-se ao ver seus pequenos felizes. Sim, ela diz que são seus, tamanho o afeto que sente por eles. Além da alfabetização, procura envolvê-los em brincadeiras e interação.
– Como estão descobrindo as coisas, precisam do concreto. Aí, uso brinquedos, bonecos e jogos. Quanto mais eu consigo trazer o lúdico, mais eles avançam na aprendizagem, o espaço escolar fica mais divertido. Gosto de ter alunos felizes, de vê-los vindo à aula com prazer, e não como se fosse obrigação. Isso me entusiasma – releva.
Vice-diretora da manhã na José Generosi, Suzana Teresinha Nilson elogia a dedicação de Delaine. E são os alunos que aproveitam o empenho da professora. João Vitor Mesari dos Santos Nunes, seis anos, diz por que gosta de comparecer todo o dia à aula:
– A gente aprende muita coisa. A professora é legal e lê histórias. Ela contou a história do Chapeuzinho Vermelho e eu não tenho medo do lobo. (Texto: Vania Espeiorin)

(Foto: Susana Teresinha Nilson, Divulgação)

A poda está arrasadora

24 de agosto de 2012 3

A devastação está pegando nas ruas de Caxias do Sul, em todos os quadrantes. A poda está sendo arrasadora. As ruas estão sendo despidas da cobertura vegetal dos ligustros. Na foto acima, o novo cenário na Os Dezoito do Forte, próximo ao Camelódromo.
O blog já mostrou a poda no mesmo estilo na Alfredo Chaves, perto da prefeitura, na frente da Casa Rosa. Nesta sexta, a coluna foi informada que a poda prosseguiu na mesma rua, na direção do Panazzolo. A poda também já depenou ligustros na Bento Gonçalves, na Olavo Bilac, em Lourdes, e assim vamos.E as ruas vão ficando peladas, peladas… A Secretaria do Meio Ambiente deve ter certeza do que está fazendo.

(Foto: Roni Rigon)