Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Homem dorme na rua. Menino também

08 de dezembro de 2011 13

O homem da foto acima dormia na rua na manhã desta quinta-feira, em uma reentrãncia na esquina da Moreira César com a Ernesto Alves.
O flagrante é da fotógrafa Daniela Xu.
Em outro endereço na cidade, por volta das 9 e meia, um pré-adolescente franzino, 13/14 anos no máximo, dormia encolhido diretamente sobre a calçada fria, embaixo da arquibancada da Ferradura Sul do Alfredo Jaconi, na Hércules Galó. Tinha a cabeça também encolhida dentro de uma fina jaqueta.
Meninos dormindo na rua deveriam comover ou, no mínimo, causar a perturbação dos espíritos. Não causam.

Altera-se a correlação de forças

08 de dezembro de 2011 0

As negociações em torno da composição da Mesa Diretora da Câmara para 2012 e alguns episódios políticos persistentes ou recentes estão produzindo uma alteração na correlação de forças no Legislativo caxiense. Diferente da maioria que se manteve até agora relativamente tranquila para o governo, esse novo cenário converge para o equilíbrio, e deve se fortalecer se o acordo para a presidência for mantido e ela ficar com o PMDB. A líder do governo, Geni Peteffi, é o nome que o partido irá indicar. Presidente não vota no dia a dia da Câmara, a não ser em poucos casos excepcionais. Assim, não será incomum haver empates em 8 a 8 em votações no ano que vem. Uma ausência qualquer por motivo de representação poderá fazer o quadro se desequilibrar para um lado ou para outro.
Um episódio persistente é o retrospecto legislativo do vereador Daniel Guerra (PSDB). Integrante de partido da base de apoio do governo, Guerra vota junto com a oposição com boa frequência. O que não significa afinidade política, mas o resultado político de sua atuação se soma.
As articulação para a nova mesa levaram alguns integrantes da oposição a cogitar de um plano B para Geni, ainda que dentro do PMDB, para cumprir o acordo pluripartidário mas, ao mesmo tempo, tentar reduzir o espaço da líder do governo, de reconhecido peso e influência. E saíram a buscar votos.
Além dos cinco vereadores do PT, mais Renato Oliveira (PCdoB) e Guerra, outro aliado possível vislumbrado para a empreitada foi Renato Nunes (PRB). Nunes não pretende permanecer na Mesa, só faz questão de ficar com a presidência da Comissão de Direitos Humanos. Recentemente, o PMDB atraiu do PRB uma de suas principais lideranças, a diretora de Segurança Alimentar e Inclusão Social, Janete Tavares. E Nunes, de postura em geral independente, ganhou um motivo para se afastar mais um pouco da base do governo.
Essa amarração, com oito votos para a oposição, foi buscada e já proposta ao vereador Mauro Pereira (PMDB), para que aceitasse uma indicação para a presidência com o respaldo desse grupo dos oito. Mauro não aceitou. Primeiro, porque quer ser candidato do partido à prefeitura, e aceitar a presidência da Câmara inviabiliza esse projeto. Segundo, porque seria um baque para Geni e o PMDB, e isso não está em suas cogitações.
- Não dá para ser presidente de janeiro a abril – justifica Mauro, fazendo referência ao prazo eleitoral para desincompatibilização a ordenadores de despesa, como é o caso do presidente da Câmara.

Fundo para pagar dívidas

07 de dezembro de 2011 1

Entrou em discussão na sessão de agora à tarde e deve ser votado nesta quinta-feira pela Câmara projeto do Executivo que amplia a destinação do Fundo Municipal de Recursos Hídricos para pagamentos de dívidas contratadas pelo Samae para custeio do abastecimento.
A criação do fundo foi aprovada há um ano pela Câmara, mas sua destinação era mais restrita: prover recursos para a aquisição de áreas de preservação ambiental nas bacias de captação, ao redor de mananciais atuais e futuros, como parte de uma política de desenvolvimento para áreas ocupadas na categoria de bacias.
Agora, diante do objetivo amplo do custeio de implantação de novos sistemas de abastecimento mencionado na exposição de motivos do projeto original, a prefeitura viu no fundo já existente uma porta para financiar dívidas. O projeto enviado inclui um novo inciso para ampliar a aplicação dos recursos provenientes do fundo, que diz textualmente: “pagamento de juros e amortização de operações de crédito, contratadas para custear a implantação de sistema de abastecimento público de água.”
Mensalmente, o Samae arrecada com o Fundo Municipal de Recursos Hídricos cerca de R$ 500 mil, o que significa uma previsão de fechar o primeiro ano de cobrança, em março próximo, com R$ 6 milhões no caixa.

Bancos acorrentados

07 de dezembro de 2011 3

Quase na final da Rua Evaristo de Antoni, no pé do bairro Fátima, é uma região industrial, de muitas empresas, por onde os caxienses, em geral, costumam não circular, ou apenas ocasionalmente.
Na frente de uma delas, sobre a calçada, há dois bancos de concreto, com assento de madeira, que foram conveniente e prudentemente acorrentados à árvore que lhes faz sombra (foto ao lado).
Quem fez deve saber que a providência é necessária. Foi uma boa ação, que está garantindo banco e sombra para o descanso e a pausa dos trabalhadores. Só lamenta-se que tal medida seja necessária, nesses tempos incivilizados.
O flagrante é da jornalista Juliana Bevilaqua.

Encanto no Encanto de Natal

07 de dezembro de 2011 0

Festas comunitárias são riquíssimas. A foto acima é uma comprovação.
Festas comunitárias permitem imagens encantadoras, como a das meninas que se apresentaram no final de semana, coincidentemente no Encanto de Natal, em Ana Rech.
O Encanto de Natal é uma festa comunitária, fruto da iniciativa dos moradores, que deve ser valorizada e impulsionada.
Aliás, uma ótima dica para o fim de semana dos caxienses.

(Foto: Cristopfer Giacomet, Divulgação)

Arsenais de esferográfica

07 de dezembro de 2011 2

Sejamos francos: muitos de nós, talvez quase todos, experimentamos extravagâncias juvenis, quando fomos além da conta ou exorbitamos da razão que ainda engatinhava em nós e resvalamos para a fronteira arriscada de uma contravenção. Lembro de colegas em sala de aula produzindo arsenais feitos à base de cargas de caneta bic, meticulosamente picoteadas a gilete de tal forma que se obtinha um conjunto de pequenos projéteis que depois eram soprados com força pelo invólucro vazio da esferográfica contra colegas mais desavisados. Aquilo era bullying puro. Na época, não se sabia que o nome era esse. Mas era um bullying mais ingênuo, se é que essa qualificação não se trata de um disparate politicamente incorreto. Eu não fazia, não cortava carga de caneta com gilete, juro que não. No máximo, testemunhei esses horrores daquela geração juvenil.
Havia as brigas da “hora da saída”, claro que havia. Ainda eram eventualíssimas, no mais das vezes motivada pela disputa por algum sorriso de alguma menina. Mas não havia uma cultura de rixa escolar, muito menos de agressividade que descamba para o ódio dos bondes. Porque naquele tempo, os limites ainda estavam bem demarcados, ainda que já em vias de deterioração, e eram em geral administrados em casa primeiro, depois na escola, e assim por diante.
Aos poucos,essa noção foi descambando sem controle. Pura falta de jeito e de vontade para educar a rapaziada. Dá trabalho. Começou a passar-se a mão na cabeça, ou nem isso. E hoje, sem controle, sem conhecer limites, ou pior, sem se importar com eles, bandos de adolescentes vagam pelas ruas com o propósito do exibicionismo, da violência, da agressividade. Viram-se agora essas cenas de selvageria em São Pelegrino, mostradas pelo jornal. A esse ponto chegamos.
Para tal selvageria, só tem um remédio: cultura de paz neles. Há valores a serem fortalecidos e disseminados, em oposição radical ao individualismo e à falta de respeito, e a ordem é não perder tempo. É preciso vestir a camisa desse time da cultura de paz. Como faz, por exemplo, a Escola Nova Esperança, lá no loteamento Vila Amélia, que no final de novembro propôs à comunidade do bairro ocupar com atividades mais nobres e comunitárias a área verde entregue à própria sorte na frente do colégio. Desperta valores da boa convivência. É preciso retirar espaço da estupidez e da selvageria. Só assim. Não há outro jeito. Essa é uma guerra santa.

Candidatura de Assis avança

06 de dezembro de 2011 0

O PCdoB anunciou nesta terça-feira uma medida importante para a consolidação da candidatura de Assis Melo a prefeito. O partido constituiu um grupo de trabalho para criar o programa de governo.
Assim, a candidatura de Assis Melo, que já foi acolhida em encontro partidário, se reforça e está cada vez mais colocada no cenário eleitoral para 2012. O partido quer. E se o partido quer, Assis, que evita declarações enfáticas quanto a uma candidatura, terá de ir para a linha de frente.
Um dos estímulos à candidatura comunista é o comportamento petista em Porto Alegre diante da candidatura de Manuela D’Ávila à prefeitura por lá. E o PT, quando acirra os ânimos ou fala em unidade, quando uma ou outra situação convém, parece não se dar conta disso

Chico está de volta

06 de dezembro de 2011 0

Está aí a foto para comprovar: Francisco Spiandorello (PSDB) está de volta à Câmara. E à tribuna.
A bancada do PSDB dobra de tamanho. Diante do retrospecto do outro tucano na Câmara, o vereador Daniel Guerra, deve haver racha explícito na votação de boa parte das matérias.

(Foto: Letícia Rossetti, Divulgação)

A frase da sexta-feira

02 de dezembro de 2011 1

ÚLTIMO ROMÂNTICO
“Eu tenho 63 anos, uma filha com 34 anos, um neto de um ano e dois meses. Eu não sou propriamente uma adolescente e eu diria também (que não sou propriamente) uma romântica. Acho que a vida ensina a gente. Acho que a gente tem de respeitar as pessoas, mas eu faço análises muito objetivas”
DILMA ROUSSEFF
, presidente da República, em resposta à “declaração de amor” do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, dias atrás, indicando que não será a manifestação do pedetista que interferirá em suas decisões

Onde será o próximo almoço?

02 de dezembro de 2011 2

Dois almoços consecutivos entre o pré-candidato autoanunciado do PMDB à prefeitura, vereador Mauro Pereira (PMDB), e o presidente do PDT caxiense, Edson Néspolo, não deixam dúvida alguma: está em curso investida para aproximar Mauro da pré-candidatura de Alceu. E logicamente que o pedetista já tem a sua pré-candidatura consolidada. Então…
Aliás, essa dobradinha fortalece bastante a candidatura de Alceu.
O PDT, no discurso oficial, sustenta que aceita o candidato a vice que o PMDB decidir, mas a opção está clara. Prefere Mauro a outros nomes mais do agrado da cúpula.
Para o PMDB, posta essa questão eleitoral do jeito que foi, buscar uma alternativa a Mauro é um tema que permanece sobre a mesa. Só que o cenário se transferiria: de uma indicação para candidato a prefeito para uma indicação a candidato a vice. Muito pouco para o PMDB caxiense e sua história.
Sobre os almoços entre Mauro e Néspolo: o da quinta-feira foi no Colina Grill. O desta sexta-feira, foi em um restaurante no loteamento Parque Oásis, na companhia do presidente da associação de moradores do bairro, Luiz Carlos Bragagnolo.
Onde será o próximo almoço?
Em tempo: Mauro segue afirmando que é candidato a prefeito.