Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de setembro 2010

Você já avisou sua família que quer ser um doador de órgãos?

28 de setembro de 2010 0

Estamos na Semana Nacional de Doação de Órgãos. Segundo dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), o Brasil é o segundo país do mundo em número de transplantes realizados por ano. No entanto, conforme o órgão, esses números poderiam ser mais expressivos.

A maioria dos brasileiros não declara ser doador de órgãos. Não é necessário deixar nada por escrito, mas é fundamental comunicar a família o desejo de ser um doador, para que o procedimento seja autorizado. E ninguém precisa ter medo. A retirada dos órgãos jamais será feita se ainda existirem chances de vida.

O transplante é um procedimento médico com enormes perspectivas as pessoas que recebem o órgão. Uma das formas de doação é com doadores não vivos, ou seja, aqueles em que a morte encefálica foi detectada, tendo a parada definitiva e irreversível do encéfalo, que provoca em poucos minutos a falência de todo o organismo. Pessoas de todas as idades podem ser consideradas potenciais doadoras.

Outra maneira de doação é com indivíduo vivo, ou seja, pessoa que possa doar órgão ou tecido sem comprometimento da saúde e que tenha sido avaliada por médico. Parentes até quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Não parentes somente com autorização judicial.

Portanto, avise sua família que você é um doador. É um gesto simples que pode salvar a vida de alguém!

*Texto com informações de Zero Hora

Bookmark and Share

Pior que tá não fica?

22 de setembro de 2010 0

Ontem, quando estava no ônibus indo para a faculdade, escutei um homem reclamando:

“Olha aquele carro ali! Fulano de Tal… Quem é Fulano de Tal? Nunca ouvi falar nesse cara e ele vem pedir meu voto. Essa política é mesmo uma palhaçada”.

Eu também não sabia quem era o fulano de tal, mas percebi que deveria saber. Percebi que só ouviria o nome desse cara nessa época de eleições. E isso acontecerá independente de ele ser eleito ou não.

A política só vira assunto no ônibus, nas mesas de bar ou mesmo nas salas de aula das universidades quando estamos próximos a uma eleição. Depois disso, todo mundo esquece em quem votou e tudo segue no seu ritmo normal: os políticos agindo desonestamente e nós reclamando.

Nós só entendemos a política como parte da nossa vida quando somos obrigados a votar, a cada quatro anos. Não nos interessamos pelo o que acontece depois disso. Pelo contrário, temos até uma certa aversão pelo assunto, já que é tudo “uma palhaçada” mesmo como disse o passageiro do ônibus.

E essa aversão parece só aumentar nesse período eleitoral. São cavaletes com rostos dos candidatos atrapalhando as ruas, carros de som executando aqueles jingles irritantes, horário eleitoral na televisão atrasando o início da minha novela preferida.

Atitudes e entendimentos como estes (justos ou não) são um grande sinal da nossa “não educação” para a política. É claro que eu e o passageiro do ônibus não sabíamos quem é o Fulano de Tal, porque nunca nos demos o trabalho de acompanhar o trabalho dos nossos representantes. Sentimos todos os dias na pele as consequências dos atos desonestos dos políticos e até reclamamos disso com frequência, mas sequer sabemos dizer o nome de quem votamos nas últimas eleições.

E assim segue um círculo vicioso: eleitores frustrados e desinteressados votam em pessoas que usam mal o poder e acabam frustrando novamente os eleitores.

E isso tem solução? Eu aposto na educação. Povo educado é povo politizado, é povo que sabe cobrar por um trabalho correto e honesto de quem o representa. Enquanto não aprendermos a tratar a política com o respeito que ela merece nunca seremos respeitados pelos políticos. Afinal, cada povo tem o líder que merece.

Bookmark and Share

Para aprender a consumir

06 de setembro de 2010 0

Pense um pouco em tudo o que você compra para viver: roupas, alimentos, materiais escolares, brinquedos e muitos outros artigos de consumo. Você faz ideia de como cada um deles é fabricado ou, então, do quanto cada um desses artigos impacta o nosso planeta?

Responder a essas perguntas, de um jeito supersimples, é a intenção da série de animações do projeto Consciente Coletivo, realizado pelo Instituto Akatu, em parceria com o Canal Futura. A série é composta por dez episódios, que possuem cerca de 2 minutos e abordam temas relacionados ao consumo consciente.

A ideia é que, ao assistir aos vídeos, possamos entender os impactos que nossas atitudes, enquanto consumidores, podem causar no planeta e, assim, repensar um pouco nossos hábitos na hora das compras. Por exemplo: será que é mesmo necessário que eu compre um caderno novo a cada ano, se o antigo ainda tem várias folhas em branco para serem usadas?

Os episódios serão exibidos a partir da próxima quarta-feira, dia 8 de setembro, nos intervalos da programação do Canal Futura.

Pra dar um gostinho, assista a esses dois episódios, divulgados antes mesmo da estreia da série:


Bookmark and Share