Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts na categoria "Outros"

A Revolução das Mídias Sociais

22 de junho de 2011 0

A gente sabe muito bem que a internet está mudando o modo como são feitos os negócios, as relações interpessoais e, principalmente, o modo como as pessoas veem o mundo.

Erik Qualman, o autor do livro Socialnomics, produziu uma série de vídeos chamada Social Media Revolution para mostrar a importância da rede no dia a dia das pessoas.

O último filme dá uma mostra do que aconteceu no mundo on-line entre o fim de 2010 e o primeiro semestre de 2011.

É rapidinho, tem só dois minutos. Como não encontrei nenhuma versão legendada, segue também a tradução das informações:

“As mídias sociais são sobre pessoas.
Mais de 50% da população mundial tem menos de 30 anos.
Facebook ultrapassou Google em tráfico de dados por semana, e isso tem impacto em nosso comportamento off line.
Um em cada cinco casais se conheceu na internet.
Três em cada cinco casais gays se conheceram na internet.
O Facebook é a principal causa de um a cada cinco divórcios.
O que acontece em Vegas fica no Facebook, Twitter, Flickr, Youtube…
Estudantes do jardim de infância estão aprendendo com iPads, não com lousas.
Se o Facebook fosse um país, ele seria o terceiro maior do mundo.
Mas o Facebook, o Twitter, o Youtube e o Google ainda não são aceitos na China.
O LinkedIn ganha um novo membro a cada segundo.
Lady Gaga, Justin Bieber e Britney Spears tem mais seguidores no Twitter do que a população inteira de países como Suécia, Israel, Grécia, Chile, Coreia do Norte e Austrália.
Cerca de 50% do tráfego de internet móvel do Reino Unido é usado para o Facebook, agora imagine se isso for utilizado por usuários com más experiências.
Mais de 37 milhões de pessoas assistiram o comercial do Volkswagen Darth Vader que passou no intervalo da final do Super Bowl de 2011 (dos Estados Unidos) – no Youtube.
E o garotinho que interpretou Darth Vader nunca assistiu Star Wars.
O Ford Ecplorar Lauch gerou mais visualizações no Facebook do que um comercial do Super Bowl.
As gerações Y e Z consideram e-mails ultrapassados, alguns universitários pararam de distribuir suas contas de e-mail.
Os leitores de eReaders ultrapassaram o número de leitores de livros.
Jogadores de mídias sociais irão comprar U$6 bilhões de bens virtuais em 2013.
Frequentadores de cinema comprarão apenas U$2,5 bilhões em bens reais.
O Youtube é a segunda maior ferramenta utilizada no mundo.
Se o Wikipedia fosse um livro, ele teria mais de 2,25 milhões de páginas e levaria mais de 123 anos para ser lido.
90% dos usuários on-line confiam em recomendações de produtos.
Apenas 14% confiam em comerciais.
93% dos marketeiros utilizam mídias sociais para os negócios.
Bem-vindo à Revolução das Mídias Sociais.”

Olhando todos esses números e estatísticas surpreendentes, fica cada vez mais clara (e óbvia) a força da internet e das redes sociais. Portanto, o ClicSolidariedade deixa um convite: vamos usar toda esta força para fazer o bem!

Mobiliza-se, faça trabalho voluntário on-line, promova um mutirão entre seus amigos, compartilhe informações sobre o tema, ajude instituições no Portal Social. Vamos fazer uma revolução também na forma de ajudar as pessoas.

Com informações de EcoDesenvolvimento

Bookmark and Share

"The Girl Store" leva meninas indianas à escola

16 de fevereiro de 2011 0

Em muitas famílias da Índia ainda predomina a cultura de que os investimentos financeiros em educação devem ser feitos para os garotos, pois as meninas devem ser criadas para bem servir e cuidar dos maridos e dos filhos. Diferente dessa ideia ultrapassada dos pais, milhares de indianas alimentam o desejo de frequentar uma escola, aprender a ler e se relacionar com os colegas.

Mas como eu e você podemos ajudar a mudar essa realidade? Pensando nisso, o projeto Nanhi Kali e a Fundação Mahindra criaram o site The Girl Store.

A ideia é simples: o site apresenta as garotas e os materiais escolares que elas precisam para frequentar a escola (cadernos, lápis, canetas, estojos, mochilas, lancheiras, sapatos, uniformes, etc). Você escolhe um ou mais objetos e realiza o pagamento online através do Paypal. Quando todos os materiais do kits forem comprados, a menina está pronta para ir à escola e uma nova garota ocupa lugar no site para ser beneficiada pelas doações.

A sessão “About us” do site (disponível apenas em inglês) ainda permite que o usuário conheça um pouco da vida e dos sonhos de cada garota participante do projeto.

Apesar de mais essa prova do quanto a internet é uma aliada nas iniciativas sociais, é importante lembrarmos que antes do livre acesso ao global temos total acesso ao local, onde podemos contribuir diretamente no desenvolvimento de regiões desfavorecidas de nossa cidade, estado ou país.

Bookmark and Share

Um quiz que alimenta pessoas famintas em todo mundo

21 de janeiro de 2011 0

Para cada resposta certa, dez grãos de arroz aos subnutridos. Essa é a promessa do FreeRice, um quiz online do PAM – Programa Alimentar Mundial, da ONU, que pretende envolver gente de todo o mundo no combate à fome.

O jogo (somente em inglês, infelizmente) é totalmente gratuito. Para participar basta acessar o site e começar a responder às perguntas, cujos temas são bem variados. Há questões de matemática, química, gramática inglesa e, até, história da arte, mas nada muito elaborado – afinal, a intenção é alimentar pessoas famintas em todo o mundo.

Se o competidor acertar a pergunta, doa 10 grãos de arroz ao PAM e recebe uma questão mais difícil para responder. Se errar, ganha uma questão mais fácil, como incentivo. Ao todo, o jogo possui 60 níveis de dificuldade e, caso o participante queira, é possível competir com outros internautas que também estão jogando.

Quem paga pelos grãos de arroz conquistados pelos internautas são os patrocinadores do quiz, que estão devidamente anunciados no site do jogo. Até agora, mais de 85 bilhões de grãos foram doados para pessoas subnutridas.

Fonte: Blog da Redação Planeta Sustentável

Bookmark and Share

Jogo eletrônico incentiva a prevenção da Aids entre os jovens

03 de janeiro de 2011 0

Um jogo de computador lançado pela Unesco leva o internauta a viajar pelos cinco continentes e competir em corridas, conhecer alguns patrimônios mundiais e ainda saber mais sobre como se prevenir do vírus da Aids.

O Fast Car: Travelling Safely around the World (Viajando de forma segura pelo mundo, em título traduzido para o português) está disponível em três línguas: inglês, francês e russo; e pode ser baixado gratuitamente.

O principal objetivo do jogo é tratar da prevenção do HIV com os jovens de 16 a 24 anos. Segundo a Unesco, os adolescentes têm medo da desaprovação dos próprios pais e por isso não conversam sobre os meios de se proteger da Aids. O jogo, então, foi desenvolvido para informar de um modo mais lúdico sobre as práticas preventivas, os tratamentos e os cuidados.

O game funciona da seguinte forma: há duas corridas em cada continente, uma “preliminar” e outra de “campeonato”. Antes de cada uma delas, o jogador poderá responder a um miniquiz e ganhar tempo bônus para a competição. As perguntas anteriores à prova são de múltipla escolha relacionadas ao HIV e a Aids.

O jogo foi desenvolvido para a educação dos jovens por um grupo de especialistas e pesquisadores de diversos países, como Ucrânia, Vietnã, Alemanha e Índia. Uma segunda versão do Fast Car já está sendo desenvolvida pela Unesco.

Bookmark and Share

Identifique empresas que utilizam trabalho escravo e infantil

28 de dezembro de 2010 0

Você compraria um produto se soubesse que ele foi fabricado por trabalhadores (inclusive crianças) em situação de escravidão? Para alertar os consumidores para esse tipo de prática, uma organização criou o Free2Work – um aplicativo que avalia diversas empresas e as pontua seguindo critérios como o uso de trabalho forçado ou mão de obra infantil na fabricação dos produtos.


As informações estão disponíveis de forma gratuita em um aplicativo para o iPhone e iPod touch, e também no site do projeto. Diversas marcas internacionais, como Lego, Levi’s, Timberland, Apple, Fisher Price, Mattel e Nestlé já foram avaliadas e pontuadas de A a F.

As empresas que ganharem um A podem celebrar, já que isso significa a existência de uma política ativa contra a escravidão. Já a nota F quer dizer que há pouco controle sobre como os produtos são fabricados, o que acontece, por exemplo, nas plantações de cacau na América do Sul e na Costa do Marfim.

Existem ainda as classificações intermediárias B, C, D e E, e as simbologias + e -, que são utilizadas para qualificar os produtos com mais precisão. Para a organização, a nota mínima para uma empresa deve ser o C, abaixo disso, a situação já é preocupante.

Acesse o site e confira a pontuação das empresas. É surpreendente!

Fonte: EcoDesenvolvimento

Bookmark and Share

Somos todos uma grande família!

14 de dezembro de 2010 0

A campanha Pretinho de Natal está mobilizando toda a audiência e também todos os colaboradores do Grupo RBS. Confira quem já demonstrou que faz parte da nossa grande família!

A galera do PB!

Carla Fachim

Rodaika

Lasier Martins

Paola Vernareccia




Rafael Sóbis




Jader Rocha


Estagiários da Atlântida


Cláudio Brito


Gurias do Esporte


Regina Lima


Giovani Grizotti


Daniela Ungareti

Acesse www.portalsocial.org.br, faça sua doação e também seja parte desta nossa grande família!

Bookmark and Share

Você já avisou sua família que quer ser um doador de órgãos?

28 de setembro de 2010 0

Estamos na Semana Nacional de Doação de Órgãos. Segundo dados da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), o Brasil é o segundo país do mundo em número de transplantes realizados por ano. No entanto, conforme o órgão, esses números poderiam ser mais expressivos.

A maioria dos brasileiros não declara ser doador de órgãos. Não é necessário deixar nada por escrito, mas é fundamental comunicar a família o desejo de ser um doador, para que o procedimento seja autorizado. E ninguém precisa ter medo. A retirada dos órgãos jamais será feita se ainda existirem chances de vida.

O transplante é um procedimento médico com enormes perspectivas as pessoas que recebem o órgão. Uma das formas de doação é com doadores não vivos, ou seja, aqueles em que a morte encefálica foi detectada, tendo a parada definitiva e irreversível do encéfalo, que provoca em poucos minutos a falência de todo o organismo. Pessoas de todas as idades podem ser consideradas potenciais doadoras.

Outra maneira de doação é com indivíduo vivo, ou seja, pessoa que possa doar órgão ou tecido sem comprometimento da saúde e que tenha sido avaliada por médico. Parentes até quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Não parentes somente com autorização judicial.

Portanto, avise sua família que você é um doador. É um gesto simples que pode salvar a vida de alguém!

*Texto com informações de Zero Hora

Bookmark and Share

Pior que tá não fica?

22 de setembro de 2010 0

Ontem, quando estava no ônibus indo para a faculdade, escutei um homem reclamando:

“Olha aquele carro ali! Fulano de Tal… Quem é Fulano de Tal? Nunca ouvi falar nesse cara e ele vem pedir meu voto. Essa política é mesmo uma palhaçada”.

Eu também não sabia quem era o fulano de tal, mas percebi que deveria saber. Percebi que só ouviria o nome desse cara nessa época de eleições. E isso acontecerá independente de ele ser eleito ou não.

A política só vira assunto no ônibus, nas mesas de bar ou mesmo nas salas de aula das universidades quando estamos próximos a uma eleição. Depois disso, todo mundo esquece em quem votou e tudo segue no seu ritmo normal: os políticos agindo desonestamente e nós reclamando.

Nós só entendemos a política como parte da nossa vida quando somos obrigados a votar, a cada quatro anos. Não nos interessamos pelo o que acontece depois disso. Pelo contrário, temos até uma certa aversão pelo assunto, já que é tudo “uma palhaçada” mesmo como disse o passageiro do ônibus.

E essa aversão parece só aumentar nesse período eleitoral. São cavaletes com rostos dos candidatos atrapalhando as ruas, carros de som executando aqueles jingles irritantes, horário eleitoral na televisão atrasando o início da minha novela preferida.

Atitudes e entendimentos como estes (justos ou não) são um grande sinal da nossa “não educação” para a política. É claro que eu e o passageiro do ônibus não sabíamos quem é o Fulano de Tal, porque nunca nos demos o trabalho de acompanhar o trabalho dos nossos representantes. Sentimos todos os dias na pele as consequências dos atos desonestos dos políticos e até reclamamos disso com frequência, mas sequer sabemos dizer o nome de quem votamos nas últimas eleições.

E assim segue um círculo vicioso: eleitores frustrados e desinteressados votam em pessoas que usam mal o poder e acabam frustrando novamente os eleitores.

E isso tem solução? Eu aposto na educação. Povo educado é povo politizado, é povo que sabe cobrar por um trabalho correto e honesto de quem o representa. Enquanto não aprendermos a tratar a política com o respeito que ela merece nunca seremos respeitados pelos políticos. Afinal, cada povo tem o líder que merece.

Bookmark and Share

Criança, a alma do negócio

31 de agosto de 2010 0

Eu sei que esse documentário já é “velho” quando pensamos na rapidez que as informações circulam aqui na web (ele foi lançado no ano passado), mas não pude deixar de trazê-lo aqui para o blog.

“Criança, a alma do negócio”, de Estela Renner e Marcos Nisti, faz parte do Projeto Criança e Consumo, desenvolvido pelo Instituto Alana, que busca despertar a consciência da sociedade brasileira a respeito do consumo infantil.

O documentário é, no mínimo, revelador. Lá você vai encontrar crianças que preferem comprar a brincar, que vão ao salão de beleza todos os sábados, que não mal conseguem contabilizar quantos sapatos possuem, que conhecem diversas marcas dos mais diversos produtos, mas não são capazes de reconhecer uma simples fruta como o mamão.

É inevitável não refletirmos sobre o que está acontecendo com nossas crianças…

Dá uma olhadinha no trailer que eu tenho certeza que você via querer assistir ao documentário completo:

O vídeo completo também está no YouTube. É só clicar e assistir.

Bookmark and Share

Uma rede social só para crianças

13 de agosto de 2010 0

Já publicamos no Portal Social algumas matérias alertando para o perigo do mau uso da internet pelas crianças. Nesta semana, por exemplo, replicamos uma reportagem da Zero Hora mostrando que os jovens estão escancarando sua privacidade na rede e transformando suas vidas pessoais em espetáculo. Enfim, a internet é muito bacana, mas seu uso exige cuidados.

Para evitar que as crianças caiam em armadilhas na web sem ter que tomar a arbitrária atitude de bani-las deste meio, surgiu uma rede social feita somente para elas. É a ScuttlePad, lançada recentemente e que pretende ajudar a garotada entre 6 a 12 anos lidar com as redes.

scuttlepad

Os pais do pequeno internauta se envolvem no processo desde o início
: e preciso informar o e-mail do pai ou da mãe para criar um perfil. As informações fornecidas são muito básicas e não incluem, por exemplo, o sobrenome da criança (uma pesquisa junto aos pais indicou que omitir esse dado era importante).

Em termos de privacidade e segurança, o site se propõe a revisar todas as fotos enviadas pelas crianças, uma a uma (trabalho feito pela equipe do ScuttlePad), e a moderar o conteúdo através de uma ferramenta que disponibiliza um conjunto de palavras para criar frases. A idéia é evitar comentários ofensivos ou muito pessoais.

Ah, o site é todo em inglês. Dificulta um pouco para quem não domina a língua, mas também pode ser uma excelente forma de aprender um pouco mais.

Será que a criançada vai curtir ou as redes já consolidadas como Orkut, Facebook e Twitter são imbatíveis?

Bookmark and Share