Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 22 June 2011

Chuteira vermelha é barrada no Olímpico

22 de June de 2011 126

As chuteiras coloridas estão na moda. As marcas esportivas cada vez mais inovam nos modelos, não somente nas questões técnicas, como também nas cores. Laranjas, rosas, amarelas, azuis, vermelhas. Opa! No Olímpico, chuteira vermelha é barrada. Não pode.

No final do treino da manhã desta quarta, o técnico Renato reuniu os jogadores no centro do campo suplementar para uma conversa. Em seguida, chamou o representante da Adidas, que estava do lado de fora acompanhando o trabalho. Ele entrega aos atletas os novos modelos.

Depois que voltou, ficou esclarecido o motivo pelo qual ele foi chamado pelo treinador: as novas chuteiras que alguns jogadores usavam hoje, que enganam nos detalhes em rosa, e que nas imagens aparecem com um tom alaranjado, mas que tem gente que pode achar que é vermelha. Rodrigo, o representante, deixa claro: é rosa.

Postado por Tatiana Lopes.


Boca Juniors pede de volta goleira dada a Palermo

22 de June de 2011 2

Além das homenagens em sua despedida do Boca Juniors, Martín Palermo ganhou um presente inusitado: a goleira do estádio, como contamos aqui. Mas mais estranho ainda é que agora ele terá que devolver as traves para o clube, já que não seria possível repô-las a tempo para a partida desta noite entre Huracán e Gimnasia.

Palermo não se importou e atendeu o pedido, mas com uma exigência: “Foi um presente lindo. Não tem problema que a usem. Só peço que não tirem a placa com o meu nome”. Segundo o vice-presidente do Boca, Juan Carlos Crespi, assim que o jogo acabar, a goleira está à disposição de Martín novamente.

Postado por Débora Pradella

No Ângulo: Ficar de fora do Mundial foi motivo de choro, revela Glaydson

22 de June de 2011 14

Foi dele o gol marcado no Couto Pereira que garantiu o empate do Inter fora de casa contra o Coritiba. Mas, apesar do bom momento, uma lembrança ainda incomoda o volante Glaydson. Inscrito para ir ao Mundial de Clubes no ano passado, o jogador sofreu uma lesão, foi cortado de última hora e não viajou a Abu Dhabi.

- Foi um dos momentos mais tristes da minha carreira. Para minha esposa e minha filha também. Foi um momento de choro e tristeza – revelou Glaydson.

O No ângulo desta quarta-feira foi ao Estádio Beira-Rio conversar com o volante colorado que, já curado da decepção do Mundial, falou sobre o golaço do último domingo e relembrou outros gols bonitos que marcou em sua carreira.

Desde 2009 no Inter, Glaydson recebeu sua primeira chance como titular no time de Falcão e não desperdiçou a oportunidade. O objetivo agora é continuar trabalhando para se firmar na equipe, seja na lateral-direita, onde já treinou algumas vezes, ou no meio-campo, onde diz se sentir mais à vontade.

Mas fora de campo o volante não gosta de se sobressair. Tímido e bastante discreto, Glaydson é caseiro e diz que sair para rua é motivo de “briga” entre a família.

Pai de Beatriz, 11 anos, e da pequena Isabelle, de quatro meses, ele não se arrisca na tarefa de trocar fraldas e deixa tudo nas mãos da mulher Hellen, para quem se derrete em elogios.

- Ela é uma supermãe. O bebê chora e ela já está ali para cuidar. É minha amada.

Postado por Débora Pradella