Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Últimas depois do Oscar

23 de fevereiro de 2015 2

oscar(por Müller)

Por mais que habilidoso Neil Patrick Harris tenha sido para divertir a plateia, principalmente quando apareceu de cueca, brincando com a cena do filme Birdman, o cheiro de mofo daquelas cortinas vermelhas é mais forte a cada ano. A cerimônia precisa se modernizar, acompanhar o cinema contemporâneo. Não saberia dizer como, mas essa formalidade toda faz a coisa ficar arrastada. Chata, aburrida, como diria esse cara aí em baixo, Iñárritu, o grande vencedor.

Inãrritu

Alguns comentários sobre o que acabou de acabar:

O Grande Hotel Budapeste, apesar de não levar os principais, saiu bem na foto, com quatro bonequinhos. Aliás, dizer que figurino e maquiagem são prêmios menores é uma ofensa, o cinema é o coletivo, tudo é importante. Viva figurinistas, maquiadores,

Wiplash foi outro grande vencedor. J.K. Simmons todo mundo já sabia que ia levar  como ator coadjuvante, mas o filme ainda saiu com os prêmios de melhor mixagem de som e melhor edição, ou seja, 3 bonequinhos de ouro para um filme que todos apostavam que só levaria um. É um dos melhores entre os indicados, e será mais assistido depois dos prêmios!

Eddie Redmayne tem um trabalho extraordinário. Certamente ralou muito, muito, muitíssimo para atingir aquela verdade do seu Stephen Hawkings. É um trabalho árduo, solitário e muitas vezes ingrato. Por isso talvez ele tenha dito, com muita maturidade, que é um homem sortudo por estar ali.

Mas esse prêmio era para ter sido mais um Oscar de Birdman, não o de melhor filme, mas melhor ator para Michael Keaton. Um prêmio para ele, pela carreira, pelos riscos que correu naquele papel, pela maturidade e volta por cima.

Para Julianne Moore, melhor atriz, foi um pouco assim. Pelo conjunto da obra.

Uma pena Keaton não estar com esse Oscar! Espero que esteja filmando bastante e volte, merece.
Que RedmaYne tenha maturidade para aguentar o que vem por aí. Como bom ator britânico, parece ter.

Foi bonito ver um latino, Alejando Gonzales Iñárritu, terminar a cerimônia falando num país de imigrantes (imagina a cara da turma do Tea Party ouvindo isso!). Seu Birdman, dentre os roteiros orginais, talvez seja o mais original mesmo. Mas não era para ser o melhor filme! Quando há um filme arrebatador, genial, faz sentido levar tudo. Não é o caso de Birdman. Esse era para ser um Oscar daqueles em que o melhor diretor é um e melhor filme é outro. Iñárritu, sábio, disse em seu discurso que é o tempo que vai dizer quais são as grandes obras. Seu Birdman ainda será muito assistido, é o filme do Oscar, apesar das firulas, é um filme muito interessante.

Mas Boyhood, o filme da grande mãe, da infância, da conexão com as emoções mais profundas, é o filme que será lembrado, o tempo vai dizer.

Mas isso tudo porque a gente coloca o Oscar como prioridade por umas semanas. Vamos deixar ele de lado, pensar em tantos outros grandes – e até melhores – fimes que estão e entrarão em cartaz. E vamos falar do cinema brasileiro também!

Acesse também:

Programação de cinemas em Florianópolis

Veja o que está rolando nas telonas em São José

Confira horários e filmes em cinemas de Palhoça

Comentários (2)

  • Paula diz: 23 de fevereiro de 2015

    Ainda não assisti ao Birdman, mas achei merecido o Oscar ao ator Eddie Redmayne. Aliás, foi o único premiado que aplaudi quando escutei “…and the Oscar goes to…”. Sua caracterização e atuação no filme The Theory of Everything foram espetaculares! :)

  • Guilherme diz: 24 de fevereiro de 2015

    Discordo em boyhood! Um filme, na minha opinião, apenas bem costurado. O fator 12 é admirável, mas longe de notável. Ser diretor, roteirista, idealizador de uma grande obra é ir além. Fico perplexo que foi preciso 12 anos pra contar a história de um garoto branco, americano, hétero e de vida notavelmente perfeita e confortável. Entristece saber que foram 12 anos de um retrato monótono e batido. E 12 anos de uma família pobre? Ou negra? Enfim, de uma minoria? O que em 12 anos mudou para as pessoas do perfil retratado em Boyhood? Pra mim acabou tendo um gosto amargo de egoísmo. Duro assistir como a vida é tranquila e prazerosa quando se é maioria. Boyhood foi uma chance maravilhosa que se foi. Basta estar do outro lado para assistir Boyhood diariamente.

Envie seu Comentário