Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de fevereiro 2011

Tô a mil, tô a mil...

26 de fevereiro de 2011 0

Ahá…uns dias de férias permitiram que eu botasse o pé na estrada com mais vontade!

Beleza!!!! Tô em trinta caminhadas. Faltam só 70 !

Tênis no pé, gurizada e vamos caminhar!!

Silvano – mas que coisa

Crédito da gravura: Silvano Marques

Bookmark and Share

Coisa de Gordo - 508

21 de fevereiro de 2011 1

508 – EM BUSCA DO MIL FOLHAS PERFEITO

Já lhe segredei aqui neste espaço que sou gordo por força do salgado, não por força de comer doces em demasia. Sim, sim, sou fã de LEITE MOÇA e seus similares, mas me seduz mais uma lasanha, um churrasco, um peixe ao molho. O que não me impede de admirar certas iguarias.

Assim, confesso uma certa fixação nisso que eu (e a gauchada) chamo de MASSA FOLHADA e que é conhecido no resto do país por MIL FOLHAS.

Sim, falo daquele doce médio, de cerca de 5cm por 10cm, com uma altura que rodeia os 4-5cm. Esse doce é oferecido em padarias e confeitarias e traz em si a marca registrada do mestre-padeiro, do confeiteiro que faz as coisas boas neste tipo de estabelecimento. De tal sorte que nunca haverá um MIL FOLHAS igual a outro. Surgiram no mercado algumas variantes de sabor, como chocolate e doce-de-leite. Não consumo esses. Sou fiel ao tradicional, àquele de creme amarelo.

Há um cuidado no consumo do MIL FOLHAS. Ele requer uma certa reserva, um ambiente sem muitos estranhos, pois inevitavelmente você vai se sujar. Mas vai ser feliz! Nem tente comer esse doce com talher, não vale, é contra as normas internacionais. Ele merece ser comido com a mão, ser abocanhado ali mesmo, você e o doce numa aula de intimidade.

Com essa história de estar caminhando mais, de ter que fazer um controle de peso (nova essa , hein?), percebo que andei afastado dos MIL FOLHAS. Não lhes buscava com afinco. Tinha-lhes em grande conta, mas ia raramente bater-lhes à porta. Até que algo se deu.

Aqui em Santo Antônio abriu uma nova padaria, fui lá conhecer, ver as instalações, saber das novidades. É a Padaria Santa Cecília. Bela instalação, lá estava eu curtindo o espaço quando avistei numa espécie de balcão frio uma ou duas MIL FOLHAS. Levei para casa e o deleite foi dos maiores. Era um espécime de ma textura mais forte, mais consistente, o creme interno era saboroso, e aquele glacê branco da cobertura estava na medida. Tive que voltar lá outras vezes, contando aos donos que fora acometido por uma espécie de vício. Comer MIL FOLHAS!

Divulguei o feito para conhecidos e a resposta foi das melhores, muita gente igualmente gostou. Perceba nas fotos a textura da massa, a cor do creme amarelo, uma delícia só. E isso que o estabelecimento é uma padaria e confeitaria juntas, ou seja, o padeiro ainda tem que preparar o pão nosso de cada dia.

Munido dessa lembrança, dessa espécie de reencontro com as MIL FOLHAS, parti numa agradável maratona, estou em busca do MIL FOLHAS perfeito. Para tanto, terei que provar e provar e sempre provar novas receitas desse doce.

Umas semanas depois estava em Garopaba-SC, dessa vez o nome da confeitaria era Doce Suspiro, ali na avenida principal. Óbvio é que pedimos uma amostra e fomos surpreendidos por uma nova delícia, uma outra proposta de MIL FOLHAS. Aqui nesta catarinense havia menos massa, era bem mais leve, e pela finura da massa acabou ficando mais crocante, mais leve. Olha nas fotos a proporção massa/creme e veja que era, sim, um outro conceito.

Impressionante o gosto, a textura, o sabor desse doce. Imperdível.

Enfim, está lançado o desafio. Vamos em busca do MIL FOLHAS perfeito!

O difícil vai ser conciliar dieta, perda de peso e vida ativa com essa nova empreitada. Mas também….gordo inventa cada uma..

Silvano – o impossível

Crédito das fotos: Silvano Marques

 

Bookmark and Share

Caminhando...

21 de fevereiro de 2011 1

Ahá, pensou que eu ia esmorecer nas caminhadas, né? Pensou que eu ia me entregar às delícias dos veraneios, às seduções das cervejas geladas, aos prazeres que só o verão possui. Mas não foi bem o que se deu. Tenho mantido firme o hábito da caminhada e hoje, 21 de fevereiro, estou fechando 26 caminhadas!

Lembre que a meta é fazer 100 neste ano! Já cumpri 25% e um tantinho mais. Faltam apenas 74 caminhadas! E você…está caminhando também? Mande seu relato.

Silvano – com o pé na estrada

Crédito das ilustrações: Silvano Marques

Bookmark and Share

Gigi

21 de fevereiro de 2011 0

Sabe por que estou assim com essa cara de choro? É que nesta foto fazia apenas umas horas que eu tinha nascido, ali no início do mês de fevereiro de 2011. Nasci linda, saudável, já estou incomodando meu pai e minha mãe….aí inventei de perguntar quem era esse cara fazendo tantas fotos. A resposta dos meus pais foi: – É…bem…é o Silvano…e tem outra coisa…olha só….ele também é teu DINDO!

Tive que fazer beiço, né? Quem é que agüenta um cara desses como dindo? Só chorando…..

Gigi – recém embarcada na nave “Planeta Terra”

Crédito da foto: Silvano Marques

Bookmark and Share

Coisa de Gordo - 507

14 de fevereiro de 2011 0

507 – UM  DITADOR  A  MENOS?

O Egito saiu do meio da areia para ocupar as páginas de jornais e as telas de TVs de todo mundo, assim do nada. Ninguém falava nisso, até que o povo local se insurgiu e começou a questionar o presidente Mubarak. Trinta anos no poder, parece que o cara estava meio desgastado.

Passado esse período turbulento, o citado presidente se afasta da cena presidencial, abrindo caminho para sua sucessão.

Acho graça em algumas coisas.

A Globo (e outras redes) chamavam esse Hosni Mubarak de PRESIDENTE até um mês atrás. Agora começaram a denominá-lo de DITADOR. Estavam errados antes? Nos pediram desculpa? Parece que não. E, no entanto, ele está no poder faz 30 anos! Por que só agora virou “ditador”?

Outra coisa. Alguém está pensando em trocar, suceder, destituir o ditador de Cuba? Não, ninguém fala nisso. E prepare-se você, leitor amigo, para ver o mundo mergulhado em profundo e coletivo “luto oficial” no dia em que o Fidel “bater as botas”. Aí, de novo, ninguém vai falar em ditador, em paredão e mão de ferro sobre a oposição. Prá que falar nisso, né? Deixas que as múmias e faraós ocupem os noticiários.

As pessoas acham que trinta anos é tempo demais para alguém ficar no poder. Eu também acho!

E aí começo a lembrar de umas coisas. Cara….eu tinha a idade de 7 anos, e o José Sarney já estava no poder. Ele passou por uma ditadura, por uma redemocratização, pela Nova República, pelo plano real, pelo Lula….e continua no poder. Sendo eleito pelo estado do Amapá, que não é o seu. Sendo responsável por escândalos financeiros junto com sua família. Sendo um dos responsáveis pelo descalabro monetário que o Senado Federal causa à nação. E não vejo ninguém combater o Sarney. E ele anda aos braços e abraços com gente de toda estirpe, do Lula ao Pedro Simon. Enfim, passaram-se 40 anos (tenho 47!!!), e o cara continua lá.

Falando no Pedro Simon, este é outro “ditador”. Eu tinha a idade de 14 anos e ele já flanava pelos corredores da capital federal. Tornou-se político profissional, eleito e reeleito senador várias vezes. Em certa época, assumiu um ar de moralidade. Mas isso passou. Agora ele vem sorrateiramente pedir “pensão de ex-governador”, cargo que não ocupa faz décadas. Que vergonha! Tempos atrás, alguém viu que o Senado federal tinha CEM funcionários para cada senador! Isso mesmo, uma centena. Aí o Pedro Simon se mostrou surpreso, disse que não sabia, e ele e outros prometeram enxugar o senado! Rá, rá. Dia desses foram contar os funcionários do senado. Agora tem CENTO E DEZ funcionários por senador! Passaram 33 anos e o Simon continua lá, no poder, mamando e querendo mais! Por que ninguém pensa em tirar ele de lá?

Lembra do Orestes Quércia? Fez o que fez, aí morreu. Bom, pensei eu, a notícia vai ocupar um bloco do Jornal Nacional, para poderem falar de todos os escândalos e de toda a roubalheira que ele promoveu. O JN se limitou a noticiar que “morreu o ex-governador Orestes Quércia” e boa noite, amor! Fiquei ali, diante da TV, com aquela cara de bobo que caracteriza todo brasileiro nessas horas. Pois é, quando vivo, ninguém pensou e tirar ele do poder.

Já falei do Jader Barbalho, do Palocci, do José Dirceu? Bah, já falei do Paulo Maluf?  Amigo, este tem milhões e milhões que ele roubou no exterior, foi eleito e está lá, no poder! Faz quarenta anos! E sempre rindo de mim. De nós! Alguém pensou em tirar ele do poder?

Pois é, acho que tem pouco egípcio por aqui no Brasil. Agora, “múmias”….isso tem aos montes. Somos todos umas múmias inertes diante desses ditadores do poder!

Silvano – engasgado com areia do deserto (o deserto da imoralidade brasileira)

Crédito da foto: Pedro Ugarte, AFP – retirada do CLICRBS

Bookmark and Share

Placar das Caminhadas

14 de fevereiro de 2011 0

Bookmark and Share

Força, Isabel

08 de fevereiro de 2011 0

Nossa amiga Isabel vai firme na sua caminhada de deixar de fumar. Cada dia é um leão que ela mata, mas está valendo a pena! Isso, aí, guria, vamos juntos nessa contagem. Puxa….25 dias sem fumar!! Valeu!

Silvano

Bookmark and Share

Remexendo o Baú

08 de fevereiro de 2011 0

Mais uma vez vamos remexer o baú de meus singelos escritos para colocar aqui um texto de 2001. Na época fez sucesso (entre meus quatro leitores!). Para você ter uma idéia, nessa contagem que uso ele foi o COISA DE GORDO – 10. Aí vai… Silvano

COME, ATALIBA, COME….

Caro e persistente leitor, volto a incomodá-lo com assuntos pertinentes ao “ser gordo”, tentando trazer um pouco de luz aonde antes só haviam sombras. Nossa, que bela frase para começar.

Ocorre o seguinte. Um indivíduo é gordo por uma série de fatores que aqui eu poderia listar. Indo desde tendências hereditárias, já que a obesidade é um traço familiar detectável em 40% dos descendentes de um gordo, até fatores ambientais, já que os filhos de donos de restaurante têm uma chance maior de serem gordos do que os filhos de donos de lavanderias.

No tocante aos fatores ambientais, trago ao centro da conversa, ao claro dos flashes, ao esmiuçar da verdade, as cenas cruéis a que os gordos são submetidos pelas pessoas que os cercam.

Vejamos o seguinte. Uma família sai para jantar fora. Há os pais, alguns filhos de idades variadas. Um prato foi pedido, mas sem as pessoas saberem bem o que é aquilo. A comida chega na mesa, todos titubeiam.Na dúvida, todos se voltam ao gordo da família, doravante denominado por nós de ATALIBA ( para fins didáticos), e dizem:

-Isso aqui é bom , Ataliba?

- Não sei, ainda não comi.

E eles:

- Então come e nos diz se é bom!

Ou seja, o pobre do Ataliba, além de ser o gordo de plantão, passa a ser considerado pela família como um verdadeiro piloto de testes. E testes alimentares.

A exemplo daqueles escravos que provavam as comidas dos faraós para que esses não fossem envenenados.

O doce de abóbora da vovó está dando azia nas pessoas? Ataliba, meu filho, prova esse doce e vê se realmente está muito ácido. E lá se vai o Ataliba.

Outro exemplo de fator ambiental que pode manter uma pessoa no grupo dito “gordo”, entre os que têm mais do que 20% acima de seu peso ideal, o grupo cujo Índice de Massa Corporal é acima de 30, é a clássica cena de final de refeição.

Todos os magros já comeram. O gordo também. A mesa vai ser “tirada”, a louça vai ser lavada. Nisso, a pessoa que está tirando a louça vê que na travessa das polentas fritas ficaram 3 ou 4 pedaços. Se tiver que guardar na geladeira, vai ocupar espaço e não vai servir para muito depois. Colocar comida fora, nem pensar, que “é pecado”!! O que fazer?

- Ataliba, vem aqui, menino. Come essas polentas que não vai dar para guardar!

- Mas eu já almocei!

- Ai, não encrenca! São só 3 ou 4 pedacinhos de polenta. Come, vai..

E ao dizer isso, a pessoa que estava tirando a mesa já está como que socando a primeira polenta na boca do Ataliba. Ele ainda tentar resistir dizendo :

- hmgrt…fgreouw..

Tarde demais! A primeira polenta já foi socada goela adentro.

Enquanto tenta respirar, para se defender e dizer que aquilo é uma falta de consideração, que é uma falta de respeito, que é uma falta de educação, que a boca dele não é latão de lixo, o pobre do Ataliba vê a segunda polenta já a caminho! Se encosta na parede. Levanta a mão e acaba ouvindo:

- Ai, Talibinha, não seja mal-educado, quase derrubei o troço no chão! Come logo!

E foi-se a segunda polenta prá dentro do esgoto, digo, da boca do Ataliba.

Diante disso, e como nesse tétrico momento o mais importante é respirar, Ataliba, o “boca de caçapa”,resolve dar cabo logo da situação, e com lágrimas nos cantos dos olhos ( ele quase se afogou, lembram?) acaba deglutindo a última polenta.

Após tanto desmazelo para com ele, Ataliba, o “limpa-trilhos” , vai se retirando devagar para outra peça da casa. Chegando ao corredor ainda escuta alguém dizer que é prá chamá-lo de volta, que sobrou um restinho de ambrosia.

Para fechar esse filme de terror com chave de ouro, mais tarde a mãe o aborda no quarto e informa que amanhã ele tem hora marcada com a nutricionista do Posto de Saúde prá ver se descobrem porque será que ele é tão gordo.

Chora, Ataliba, chora. Chora, resfolega e vai lá no Posto consultar, seu “triturador ambulante”.

Esse, meus amigos, um tênue e singelo exemplo daquilo a que se convencionou chamar Fatores Ambientais na vida de um gordo.

Para ilustrar tal comportamento em minha vida mais recente, dessa vez não terei que levá-los, caros leitores, a viagens lúgubres no meu passado. Não, não trilharemos os portais misteriosos e os horizontes longínquos de minha sinistra existência. Não, não será necessário que encharquem suas galochas nos pântanos rutilantes de minha existência pregressa.Nada disso.

Simplesmente trago ao vosso conhecimento uma prática muito em voga da qual a Sra Kátia lança mão. Por vezes, ela quer preparar um Nescau para algum da prole, um lanche, algo assim. No ato de servir o leite no copo, ela fica em dúvida quanto à boa saúde daquele leite. Estará azedo? – pensa ela. Talhou? – pensa de novo. Será que o Silvano o esqueceu fora da geladeira desde ontem à noite?

Num simples franzir de testa, ela me requisita a estar presente no culinário ambiente da casa, serve o “maledeto” leite no copo, levanta-o à altura da minha boca e diz:

- Toma um pouco e vê se está estragado! É prá dar prás crianças.

Por ter viva em minha mente a trágica história do Ataliba, e por temer que ela invista sobre mim de copo em riste, tomo o leite, provo, degusto, me submeto.

Afinal, toda segunda-feira é dia de recomeçar a dieta.

Aguardem para breve o lançamento da Campanha:

PODE SER GRANDE, PODE SER LARGO, PODE SER BICHO….

GORDO PODE SER QUASE TUDO! SÓ QUE GORDO NÃO É LIXO!

Um abraço. Não do Ataliba. Do

Silvano – definitivamente impossível

03/05/2001

Bookmark and Share