Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de setembro 2011

Coisa de Gordo - 523

27 de setembro de 2011 0

523 – A VOLTA DA CANCELA PRETA

Temos um grupo de caminhadas aqui na cidade de Santo Antônio, isso você já sabe, de tal sorte que volta e meia nos embarafustamos interior adentro para gastar calorias na estrada, curtir a paisagem, ser feliz.

O inverno chuvoso nos afastou das pistas, o pessoal já vinha reclamando, me pedindo novos trajetos. Os dias foram melhorando, a chuva deu uma trégua e então neste domingo que passou, aproveitando a abertura da primavera, lá nos fomos para conhecer novos lugares.

Um amigo, o Jaime, é especialista em descobrir novos percursos e foi ele quem me sugeriu este. Uma ida à CANCELA PRETA. Trata-se de localidade aqui ao redor da cidade, bem pertinho, cujas qualidades naturais se prestam às coisas que buscamos.

O ponto de partida foi ali na cidade baixa, na frente da Redemac da Várzea, uma madeireira local. Marcamos para as 9:00h da manhã, afinal o trajeto seria curto, dets avez. Apenas 6,9Km de caminhada. Falo isso pois já fizemos percursos de 18Km, 12Km, entre outros. Para retomar o ritmo preferimos este mais curto, só que com um detalhe. Era um terreno mais acidentado. Isso compensaria o curto do trajeto.

Assim, a gente foi saindo da cidade pela rua do Parque da Guarda e lá nos fomos. Seja porque eu chamo um aqui, outro ali, seja porque fico enviando e-mails para os pobres caminhantes, o afluxo de gente nesta caminhada nos surpreendeu! Digo mais, batemos o nosso recorde em afluência. Éramos 55 caminhantes em plena manhã de domingo.

O sol apareceu, o dia estava lindo, e juntando essa turma sempre alegre, animada, lá nos fomos. Após uns 1500metros chegamos ao primeiro desafio. Uma subida de média a forte. Já com os corpos aquecidos, ali a gente pôde sentir as dificuldades do terreno e dar uma forçadinha no fôlego. Falando em fôlego, quem quiser assistir aqui abaixo o vídeo da caminhada vai rir do meu pouco fôlego. E isso ficava evidente nas tais subidas. Vencida essa primeira dificuldade, atingimos uma espécie de platô, onde serpenteamos numa estrada bucólica, passamos por uma espécie de túnel verde, cruzamos por entre casas de habitantes locais. Nesse ponto da caminhada um grupo de motoqueiros passou por nós, aproveitando também eles as belezas da paisagem.

Andamos mais um pedaço e atingimos um arroio, coleção de água que cruzava por baixo da estrada numa parte envolta por mato. O som da água era música para nossos ouvidos.

Vencemos uma segunda subida, mais leve, até atingirmos uma estrada mais forte do que esta que estávamos. Nela pendemos à direita e andamos mais um quilômetro noutro altiplano. Mato de um lado, algumas casas, a montanha do outro lado, a estrada serpenteando por dentro da paisagem. Até que chegamos ao pé da terceira e derradeira subida! Este era o maior desafio! Nas mensagens eu já alertara o grupo. Andando com calma, forçando um joelho aqui, puxando ar para conseguir vencer, lá nos fomos.

Vencida esta subida, a partir daí a coisa melhorava sensivelmente. Na marca dos 4 quilômetros de pernada tomamos a estrada do Montenegro em direção à cidade e começamos o caminho de volta, fazendo uma espécie de círculo. Agora faltavam só 3 quilômetros para o fim da caminhada!

Nessa descida a natureza reservou uma surpresa aos andantes. Num certo ponto, à esquerda, a gente viu se descortinar uma lindíssima paisagem onde se alternavam lagos, estradas, campos, ovelhas, o horizonte lá longe, uma maravilha aos nossos cansados olhos! Essa visão por si só já fez valer a caminhada!

Já mais relaxados, lá nos fomos então, cidade adentro, para atingir o alvo. Na chegada de volta à Redemac, o grande grupo estava excitado, comentando o passeio, falando alegremente. Olha, foram 54 parceiros de caminhada dos mais qualificados! Uma turma muito legal, descontraída, que parece ter incorporado a nossa idéia de caminhar por caminhar. Caminhar por ser feliz, curtir a natureza, fazer fotos, fazer vídeos, rir da vida, lembrar de amigos, lembrar de familiares, lembrar de Deus.

Fomos cinqüenta e cinco caminhantes felizes, que viram aquelas curtas duas horas passarem tão rápido naquele ensolarado domingo de setembro.

Valeu, grupo de caminhantes! Vocês são demais!

Silvano – pé na estrada

Crédito das ilustrações, fotos e vídeos: Silvano Marques e  Kátia Marques

 Se você quiser se aventurar, pode ver as fotos no Picasa:

 https://picasaweb.google.com/103110697667302168864/CANCELAPRETA2011


E para ver o vídeo, clique aqui abaixo:


Bookmark and Share

Placar das Caminhadas

27 de setembro de 2011 0

Boa, boa, já faltam poucas prá eu atingir a meta proposta! Lembra? Planejei fazer 100 caminhadas aeróbicas este ano! Pois já fechei 82! Faltam só 18! Ueba!

Silvano – o impossível

Bookmark and Share

Alice Salazar arrasa de novo!

27 de setembro de 2011 0

Isso já é chover no molhado, vir aqui falar do sucesso da Alice Salazar, a maquiadora mais famosa do Brasil. Mas é sempre bom vê-la por aí mostrando seu talento. Dessa vez foi numa entrevista no Programa da Eliana no SBT. Olhe que legal.

Silvano


Bookmark and Share

Dica para Iphone

21 de setembro de 2011 0

Como baixar as fotos que tiro no Iphone para o computador?

Meus amigos que têm Iphone eventualmente me perguntavam isso e eu, que não tenho um, nunca soube responder. Dia desses me deparei com uma “aulinha” tão fácil sobre isso que resolvi colocar aqui. Portanto, clique e aproveite.

Silvano

http://www.youtube.com/watch?v=ikRhhTXi1wM&feature=player_embedded



Bookmark and Share

Coisa de Gordo - 522

16 de setembro de 2011 0

522 – A LEGALIDADE

Tem umas coisas que a História oficial brasileira manteve em segredo, ou pelo menos, deixou de falar. São temas que geraram constrangimentos aqui e acolá. Um desses temas é esta história da Legalidade. Esse evento histórico de curta duração, acontecido entre agosto e setembro de 1961, é uma das coisas mais esdrúxulas entre historiadores.

Se for um gaúcho a contar o acontecido, ele vai falar em atos de heroísmo, em dias e horas de tensão, em mostras de coragem e arrebatamento. Se for um paulista ele vai falar em traição à nação, deserção de ideais, em rebeldia desmedida.

Quando passei pelo colégio isso não me foi ensinado, até porque eram tempos da ditadura militar, e a tal Legalidade sempre incomodou a milicada.

Pois fecharam cinqüenta anos do acontecido e a coisa veio à tona. Li coisas aqui e ali, formei alguns conceitos, amadureci outros tantos e então algo veio a calhar. A cidade de Osório, fronteiriça a Santo Antônio, tem uma visão cultural avançada no meio local. E promove feira do livro, eventos teatrais, promoções diversas. Numa noite chuvosa, na Câmara de Vereadores de lá, tinha uma palestra do JUREMIR MACHADO DA SILVA marcada e o tema era exatamente este, a Legalidade. Nada a admirar, o Juremir acaba de lançar um livro sobre isso e tem feito inúmeras apresentações em torno do tema. O nome do livro é VOZES DA LEGALIDADE.

A noite passou rápida, o professor Jerri de Osório recepcionou o palestrante da noite e o auditório estava cheio. O Juremir, com seu talento de professor, de orador, de radialista, falou animadamente sobre a Legalidade, narrando os fatos históricos daquele tempo como se fosse numa novela, uma coisa puxando a outra. O público esteve sempre atento e foi uma bela ocasião de aprendizado.

Fiquei instigado a ler o livro dele e, aproveitando uma chance ímpar de tempo e espera, mergulhei na leitura do livro.

A narrativa é igualmente ágil, os capítulos vão abrindo as cortinas das cenas, os fatos vão sendo trazidos aos poucos. O Juremir busca o passado do Leonel Brizola lá na sua infância, e até mesmo antes dela. Conta o assassinato do pai do Brizola, da vida difícil, da trajetória deste mito político. Conta que o nome do Brizola era Itagiba, o que nunca o agradou. Assim, mais velho, quando teve que se registrar num cartório (naquele tempo era assim) ele aproveitou e sacou fora o Itagiba e registrou Leonel. Leonel Brizola. Ao longo do texto, o Juremir freqüentemente alude a isto, falando continuamente no “Itagiba”. Aliás, daria uma tarefa de gincana: – quantas vezes o Juremir grafou Itagiba em seu livro? Olhe, devem ser umas vinte ou trinta! Parece que ele se fissurou nisso, nessa mudança de nome.

Para mim que não tinha muito saber sobre a Legalidade, a palestra e principalmente este livro vieram ajudar bastante. Se você quiser, eis aí uma bela oportunidade.

Silvano – levemente menos burro – mas não tanto

Crédito da ilustração: reprodução da capa do livro

VOZES DA LEGALIDADE

Editora Sulina – 2011

221 páginas


Atualizando as caminhadas…:

Bookmark and Share

Atualizando Placares

07 de setembro de 2011 0

Dia desses recebi mensagem do THIAGO BIAZETTO informando que estava há 7 meses e 7 dias sem fumar! Boa, Thiagão, vamos firme nessa luta!

Aí já estou aproveitando para atualizar o meu placar. Sim, minha meta para este ano são 100 caminhadas aeróbicas. Já fiz 75 ! Deixa ver….faltam 25! É isso aí, amigo. Basta cair na estrada!

Silvano – na contagem das coisas

Crédito das ilustrações: Silvano Marques

 

 

 

Bookmark and Share