Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de novembro 2011

Mais uma..mais uma..

25 de novembro de 2011 0

Bookmark and Share

O GOLPISTA DO ANO - filme

14 de novembro de 2011 0

O GOLPISTA DO ANO (I love you Phillip Morris)

Tem certos atores que nos fazem entrar no cinema ou alugar um DVD só pelo nome deles. O Jim Carrey para mim se enquadra nessa categoria. Sou fissurado nos clássicos dele como Ace Ventura, O Máskara, Cine Magestic, entre outros tantos.

Por força disso, fomos ver esse O GOLPISTA DO ANO (2010).

O filme é bem feito, produção impecável, trama bem amarrada, mas a gente fica o tempo todo numa dúvida. Os produtores pegaram três filmes a saber: O SEGREDO DE BROKEBACK MOUNTAIN, ACE VENTURA e AGARRA-ME SE PUDERES, jogaram tudo dentro de um liquidificador e o resultado deu neste filme.

A trama é bem contada mas a gente fica o tempo todo numa dúvida cruel: – O personagem do Jim Carrey está sentido o que está mostrando ou está fingindo para poder escapar?

A história é contada em flash-backs, nos quais o personagem citado (Steve Russel) se vê às voltas com amores homossexuais, golpes e prisões. E ele passa o filme todo sendo preso, fugindo, dando novos golpes, sendo preso, fugindo de novo, sucessivamente.

O problema é que Carrey não deixa nunca de ser histriônico, exagerado, sexualizado ao extremo, como em todos seus outros filmes. Lembre que no Máskara ele colocava um macaco no ânus de um criminoso, no Ace Ventura o bandido era sodomizado por um orangotango no final. Em Eu, Eu Mesmo e Irene ele se entregava a festas com vibradores. Pois nesse aqui ele faz questão de aparecer em cenas fortes ,onde insinua e eventualmente mostra detalhes desse seu sexismo exacerbado.

Fosse um outro ator a exercer o papel e talvez o filme tivesse uma outra conotação. É que o público fica o tempo todo se preparando para rir, quando na verdade o relato que o filme traz é o de uma história triste de amor, história sofrida, corrida. No Brokeback a gente se emocionava. Neste aqui a gente ri meio sem graça.

A trilha sonora e a sucessão dos fatos nos remetem àqueles filmes dos Irmãos Cohen , o que confirma a qualidade do filme como um todo.

Para surpreender o espectador, no final a gente fica sabendo tratar-se de uma história real, com citações do que aconteceu e ainda acontece com os dois principais envolvidos.

Destaque-se a presença de Rodrigo Santoro. E de Ewan MacGregor (de O Peixe Grande). Perfeitos. Dramáticos. Profundos. Esses sim, adequados à história.

Nota: 6,5

Mas, para mim que sou fã, todo filme de Jim Carrey deve ser visto. Confira, portanto.

Silvano –  o impossível

Crédito das imagens: reprodução do cartaz


Bookmark and Share

Coisa de Gordo - 527

11 de novembro de 2011 0

527 – CAMINHADA 100

Lá no início do ano, dentre aquelas propostas todas, dentre promessas perdidas no tempo, dentre expectativas tolamente criadas, estabeleci uma meta de fazer CEM caminhadas aeróbicas no ano de 2011. Fiz um cálculo bem amistoso de que poderia caminhar uma vez a cada 3 dias e, com folga, atingiria o estabelecido.

Pois enfim, no dia 04 de novembro de 2001, conseguimos atingir a meta! Fizemos a caminhada de número 100!

Essa coisa da atividade física é meio que uma cachaça, a gente começa a caminhar, a fazer academia, a se mexer, e vai ficando cada vez mais focado nisso. Munido desse sentimento, acabei comprando um daqueles frequencímetros, aquela espécie de “relógio” onde você controla seus batimentos cardíacos. No início estava meio desconfiado, sempre achei esse negocinho meio desnecessário, uma frescura dispensável.

Até que comecei a CORRER, sim, amigo, após anos e anos me aventurei nessa coisa chamada corrida. Mas antes que você caia na gargalhada, esclareço. As “corridas” que pratico se dão dentro das caminhadas, onde eu primeiro faço um aquecimento e só então me solto a correr. E o faço por uma, duas quadras e olhe lá. Sim, sim, o peso dos anos e principalmente dos quilos não me permitem vôos maiores. Mas mesmo assim os resultados são impressionantes!

Mesmo com essas corridinhas breves, mesmo sob os olhares penalizados das pessoas ao redor (meu Deus do céu, olha aquele “troço” se arrastando no asfalto, como se estivesse correndo), a perda calórica, a perda de peso é impressionante! Correr bota a máquina prá derreter!

Assim, instalei o tal aparelhinho, com aquela faixa no peito e o relógio no pulso e fui me exercitar. Percebi que no auge do exercício, correndo, eu atingia 155 batimentos cardíacos por minuto. Guardei esse valor.

Na hora adequada, em contato com o médico que cuida de meu coração, o Dr JASPER, contei-lhe as minhas travessuras aeróbicas. Ele riu e então me deu a dica de segurança. Para uma segura corrida aeróbica – ensinou-me ele – a gente deve se manter numa certa faixa de batimentos cardíacos. A conta é a seguinte. Tome o número 220 e dele subtraia a sua idade. Por exemplo, pessoa de 50 anos, dá 220 – 50 e então o resultado é 170 ! Esse é o valor máximo que seu coração agüentaria. Mas aí entra a dica do especialista!

Para um exercício seguro, você não deve atingir a marca total dos batimentos (170 no exemplo citado). Fique no máximo em 80% disso. No exemplo então o limite máximo seria 140 batimentos. E, continuou o cardiológico homem me dizendo, não diminua de 60% que é para ficar na faixa em que o exercício é aeróbico. Que é onde você gasta calorias, protege o corpo, ajuda o coração!

A dica então é esta. Para o tal cara de 50 anos, se ficar entre 100 e 140 batimentos cardíacos por minuto, estará fazendo um exercício efetivo e seguro.

Desde então corro e caminho sempre de olho nos batimentos. É sensacional! A gente chega cansado ao final, suando às vezes, mas se sente seguro.

A meta de 2011 foi atingida, mas é óbvio que persistiremos em busca de picos maiores! Sim, as caminhadas continuam! Quero ver a quantas vou consegui chegar até o dia 31 de dezembro. Até lá, se vivo estiver, o aviso dos resultados.

Silvano – era só o que faltava..

Crédito dos gráficos: Silvano Marques

Crédito do vídeo abaixo: Silvano marques


Confira o vídeo da centésima caminhada:


Bookmark and Share

Sabe a quantas anda?

11 de novembro de 2011 0

Isso aí, a luta continua, companheiro!

Bookmark and Share

Coisa de Gordo - 526

03 de novembro de 2011 0

526 – ÍDOLOS

Neste quente feriado de Finados, aproveitamos o sol e fomos dar uma chegadinha na FEIRA DO LIVRO DE PORTO ALEGRE, marco no mercado editorial latino, quiçá mundial. Por ser feriado, tinha gente, muita gente, gente demais. Mas a Feira é sempre um arraso. Dentre tantas coisas ela nos possibilita algumas.

DESCOBRIR O RIO – por incrível que pareça, o porto-alegrense e o gaúcho como um todo se viu alijado das margens do Rio Guaíba por décadas. Uma baita cidade na beira de um baita rio e ninguém podia desfrutar disso. Vencidas resistências atávicas e outras mais, enfim as autoridades começaram a nos deixar ver o rio. E as pessoas se aproximam, olham maravilhadas, apreciam a paisagem, os barcos, os navios atracados. É tudo tão novo para nós que não somos marinheiros. E uma foto aqui, uma curiosidade ali, muito legal, mesmo.

DESCOBRIR LIVROS – é óbvio. Afinal, esta é a finalidade da Feira. Livros, livros, muitos livros, livros novos, usados, novos, velhos, estranhos, livros de sucesso, livros apócrifos. Eu passaria o resto de meus dias por ali, se assim pudesse, mergulhado nesse universo de livros. Já passei daquela fase que o Luis Fernando Veríssimo certa vez descreveu, no dia em que se deu conta de que não conseguiria ler todos os livros que gostaria. A gente morre antes! Já me dei conta disso, também. No início me deu até um certo pânico, com o tempo serenei as emoções e desde então olho as capas desses livros que nunca lerei por falta de tempo com uma certa solenidade, um respeito, uma nostalgia. Pirateando o Mário Quintana, diria que tenho uma saudade infinita das páginas dos livros que eu nunca lerei. Tanta coisa bonita, tanta frase bendita, leituras que não farei.

ENCONTRAR NOSSOS ÍDOLOS – estando por ali, indo e vindo, vejo a Cláudia Laitano dando uma entrevista para um dos programas da RBS, acho que era rádio. Bem na hora que íamos passar eis que ela se levanta e aí rolou aquele clássico: – Posso tirar um foto contigo? Bah, só essa já valeu a ida na Feira! Ela é muito legal, eventualmente a assisto na TVCOM e sempre a leio nas páginas da Zero Hora. Pronto, tive meu momento de tietagem! E não esqueça que a patrona da Feira do Livro deste ano é a Jane Tutikian, escritora de muitas publicações. Fomos até ela e ela nos recebeu com muito carinho. Fiz a foto, é claro, e então lhe segredei:

- Jane, tu é a autora da uma das frases-lema da minha vida, daquelas que a gente tem na mesinha de cabeceira.

- Que frase?

- Não, ninguém te disse que seria fácil..

- Que coisa linda!!..olha só, me arrepiei toda..

- E o pior é que foi tu quem escreveu essa frase!!..

Lindo momento, lindo encontro do mito com seu público. Ela não lembrava da frase solta assim, é claro, mas se deixou tocar por algo que, sem lembrar, ela mesma houvera escrito! Ao chegar em casa fui direto ao livro e abri na página certa para lá me deliciar no texto de novo. Colocarei aqui abaixo um trechinho.

 

 

 

 

ENCONTRAR AMIGOS – isso é inevitável, o povo todo indo e vindo, a gente acaba sempre encontrando um conhecido. No nosso caso, os amigos fazem parte do staff da Feira, é o pessoal da ISASUL livraria que sempre marca presença na Feira de Porto Alegre. Falamos com a Simone em meio à confusão do público ávido por livros. Mas tem sempre gente indo e vindo e volta e meia rola um “tudo bem, tu parece mais gordo, e aí?”.

Enfim, motivos não faltam prá se ir à Feira do Livro de Porto Alegre. Quisera ter mais tempo para poder passar as tardes por lá. Um dia, quem sabe..um dia..

Silvano – leitor de carteirinha

Crédito das fotos: Silvano Marques

Crédito da capa do livro: reprodução da capa

Livro : PESSOAS – De Jane Tutikian  – editora Movimento – 2ª edição – 1997 – página 62:

A UM JOVEM EQUILIBRISTA

(..) Não, ninguém te disse que seria fácil e por que escolheste o risco do equilíbrio ao invés da segurança da cadeira macia(…) isso não te posso responder.

(..) na vida há os que fazem o espetáculo, os que sofrem criando as emoções, despertando os sentimentos..(..) o circo dá direito à escolha: a cadeira ou o picadeiro. Na cadeira passa pipoca, algodão-doce, refrigerante, a alegria que se apagará na próxima retomada da vida. No picadeiro tem suor, odor, medo, tem amor.

Já te falaram do amor?…(..)

Bookmark and Share

Falta pouco..falta pouco..

03 de novembro de 2011 0

Lembra que no início do ano tracei uma meta de fazer CEM CAMINHADAS AERÓBICAS ao longo de 2011? Pois é…está chegando a hora. Ontem, dia o2 de novembro, fechei a marca de 99 caminhadas! Falta uma, só uma!! E ainda tenho dois meses inteiros para caminhar! Boooooa!

Silvano – o impossível

Bookmark and Share