Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de outubro 2012

Coisa de Gordo - 547

09 de outubro de 2012 1

547 – HERÓIS DE PAPEL

Já escrevi aqui, sem nenhum laivo de originalidade, que o gaúcho é o único povo que festeja uma guerra que perdeu. Queríamos nos tornar independentes do Império Brasileiro, perdemos a guerra, continuamos sendo do Brasil. E mesmo assim festejamos. Vá entender. Acho que é por causa do churrasco! Se a desculpa é o 20 de setembro, vamos churrasquear, sem dar bola a quem venceu a guerra.

Atento a tais acontecimentos, sentei olhos num livro do professor Jerri Almeida, intitulado HERÓIS DE PAPEL (Editora Alcance, Porto Alegre, 2007). O subtítulo é “As representações sobre a Revolução Farroupilha na Literatura”, e este é o ponto de partida do autor. Sendo ele um historiador, toma a si o desafio de confrontar duas áreas distintas do saber. A História e a Literatura. Desatento que sou, não me houvera apercebido das enormes diferenças existentes entre uma e outra vertente. Imaginava que ambas fossem quase que sobrepostas. Não são! História é história. Literatura é literatura!

Os relatos históricos sobre os acontecimentos citados são uma abordagem. Prendem-se à realidade, tentam ser o mais fiel possível ao que se deu. Já na literatura entra a imaginação do escritor, suas fantasias, suas opiniões. Em que pesem sejam tão distintas, ocorre que ambas acabam se complementando, dando ao leitor, ao estudioso, uma idéia mais completa sobre o passado. O autor escreve, num determinado capítulo que “o diálogo entre a História e a Literatura vem ganhando cada vez mais espaço no campo da reflexão acadêmica”, para logo a seguir citar um outro autor que diz que “ a narrativa ficcional constitui fonte  documental essencial, já que expressa os cenários, a linguagem, as personagens dominantes, as concepções, as visões de mundo…da época em que foi produzida!

Quando li esta parte lembrei dos escritos do Nelson Rodrigues ( A Vida como ela é) onde se pode lançar olhos sobre a sociedade carioca de um determinado tempo. De fato, é o escritor dando tons e cores a eventuais textos históricos que dele queiram se servir.

Ao escrever HERÓIS DE PAPEL, o professor Jerri faz a confrontação entre dois livros que versam sobre a Saga Farroupilha, mas que foram publicados em épocas distantes. Um deles é A DIVINA PASTORA (de José Antônio do Vale Caldre e Fião, 1847) lançado logo depois do encerramento da guerra, onde se passa uma idéia pró-império, uma trama novelesca onde o autor enaltece o sentimento de brasilidade. O outro livro abordado é A GUERRA DOS FARRAPOS (Alcy Cheuiche, 1985) e aí a visão é bem diversa. Segundo Jerri, nos festejos dos 150 da Revolução Farroupilha, 1985, começou a ser plasmado um sentimento de gauchismo, uma identidade regional que veio engrandecer os ideais farroupilhas, enaltecendo os feitos dos personagens dessa guerra.

Comparando os dois livros de épocas distintas, o autor vai então retirando alguns véus de sobre o imaginário gaúcho. Certos heróis na verdade não eram tão heróis assim. Se de um lado os Farrapos falavam em liberdade e a usavam como desculpa para sua empreitada, também é verdade que consideravam os trabalhadores escravizados como propriedade inalienável. E o próprio Bento Gonçalves, deixou para seus herdeiros 53 escravos, quando de sua morte em 1847. Ops, o velho e admirado Bento era escravagista? Sim, e era poderoso nisso. O livro do professor Jerri lembra ainda o triste episódio de Porongos, onde um batalhão de soldados negros é mandado para a morte, numa espécie de acordo entre os Farrapos e o Império! Sim, tramaram prá cima dos negros. E hoje em dia são saudados como heróis!

Daí o título do livro, HERÓIS DE PAPEL, heróis que não se sustentam quando examinados mais detidamente, heróis que se desmancham com simples pingos de chuva.

Enfim, o livro do professor Jerri é uma leitura muito interessante, confrontando dois livros distintos, de duas épocas distintas, e trazendo ao debate do dia o confronto entre história e literatura! Eu adorei o embate! E aprendi muito com ele. Aproveite.

Silvano – deixa os “bagual” dos CTGs saberem disso….

Crédito da foto: Reprodução da capa do livro; reprodução do blog

Quer saber mais sobre o livro? Acesse o blog do autor:

http://jerrialmeida.blogspot.com/

Bookmark and Share