Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de dezembro 2012

Bolo de Natal da Sra Kátia

28 de dezembro de 2012 0

O BOLO DA NATAL DA SRA KÁTIA

Já virou tradição na nossa família o fato da Sra Kátia confeccionar seus Bolos de Natal, espécie de iguaria sazonal que ela presenteia aqui e ali por força dos festejos natalinos. Assim de longe, aquele “bolinho” até que não impressiona muito, mas uma vez que se lhe prove, aí a gente tem a verdadeira noção do que é comer bem.

É uma receita até certo ponto simples, os ingredientes provam isso. Vamos a eles:
– 2 xícaras de maçã picada;

- um limão;

- 1 xícara de passas de uva (brancas e pretas);

- 1 xícara de nozes já descascadas;

- 1 + ½ xícara de farinha de trigo;

- 1 xícara de açúcar;

- 1 ovo

- ½ xícara de óleo (canola ou milho ou soja);

- 1 colher de chá de canela em pó;

- 1 colher de chá de bicarbonato de sódio;

- 1 pitada de sal (sempre ele).


Na primeira vasilha, descasque as maçãs e corte elas em pedacinhos. Para que não escureçam, pingue gotas de limão sobre a maçã já picada. Acrescente a isso as passas de uva e as nozes. Misture tudo e deixe reservado.

Na segunda vasilha coloque o ovo e o açúcar. Bata vigorosamente essa mistura e quanto mais bater mais volume ela terá. Acrescente a Farinha de Trigo. Misture bem. Reserve.

Pegue uma assadeira redonda com aquele volume no meio e unte com o mesmo óleo que você vai usar na receita. Poderia usar manteiga, fica na escolha do cozinheiro. Pulverize farinha de trigo na forma para evitar que o bolo grude. Você pode usar uma forma maior ou então separar em duas menores.

Volte à segunda vasilha, onde está a mistura da farinha-açúcar-ovo e acrescente a canela em pó. A seguir, coloque o bicarbonato de sódio. Misture bem com uma colher. Coloque a pitada de sal. Misture bem.

Por fim, reúna o conteúdo das duas vasilhas, fazendo uma massa só. Misture bem com a colher.

Coloque na forma (ou formas – se preferir dividir) e leve ao forno na temperatura de 180ºC, por um tempo entre 30 e 40 minutos. Desligue o forno e, sem pressa, deixe esfriar lentamente lá dentro do forno mesmo. Dê um tempo, vá fazer outra coisa, vá calcular quantas caminhadas você vai ter que fazer só para compensar esse delicioso Bolo de Natal. Não tenha pressa.

Tire da forma e coloque no prato onde será servido.

Espero que você goste tanto quanto nós. Para nós é uma maravilha, pena que só se faça perto do Natal.

Lembro que numa variante ainda mais gostosa, dá para fazer aquela calda, espécie de glacê esbranquiçado com açúcar de confeiteiro, para se derrubar sobre o bolo e deixar secar. Pode ser, pode ser, mas o Bolo de Natal é tão gostoso que até sem essa cobertura ele é fadado a fazer sucesso.

Confira o vídeo do preparo.

Aproveite. Bom 2013!

Silvano – a serviço das coisas boas da mesa

Crédito do vídeo: Silvano Marques




Bookmark and Share

Placar das Caminhadas em 2012

28 de dezembro de 2012 0

É, o ano se passou e lá se foram mais 101 caminhadas!

Puxa, tinha me dedicado a fazer mais que isso, mas não deu.

O que inporta é que se caminhou bastante neste ano que se encerra.

E vamos lá , amigo(a), que o novo anojá tá aí e o seu tênis pede estrada!

Silvano – caminhante

Bookmark and Share

Coisa de Gordo - 550

25 de dezembro de 2012 0

550 – ATEU

Todos acompanhamos a saga do escritor, celebridade, ícone, intelectual, autor renomado Luis Fernando Veríssimo contra as garras da morte. Sim, ele esteve cara a cara com aquela que assusta a todos nós. Vindo de uma viagem, sentiu-se mal, foi levado ao Hospital e acabou na UTI, entre a vida e a morte (ops, falei nela de novo). Ao fim e ao cabo era “apenas” uma gripe, sequer era a gripe A, mas foi o suficiente para levá-lo à beira do abismo.

A imprensa (e todos nós) acompanhou o dia-a-dia, os boletins, agora ele está respirando com ajuda de aparelhos, agora já respira sozinho, agora faz hemodiálise, agora o rim voltou a funcionar…até que recebeu alta e foi para casa. Vivo, com rim, pulmão, tudo funcionando. Para alívio de todos nós. Em que pese um intelectual desse jaez renegue essas coisas da idolatria, houve uma espécie de mutirão silencioso, o povo gaúcho em prece por um dos seus mais ilustres filhos. E no fim deu certo. Ele voltou.

Ele esteve do lado de lá, foi até a metade do túnel e voltou. Ele deve ter visto coisas, deve ter encontrado gente que já morreu, sabe Deus se não falou com o próprio pai, o Érico Veríssimo.

E aí chego no ponto crucial deste tosco texto. Sabidamente, o Luis Fernando sempre se disse ateu, ele faz parte daquela geração de pensadores para os quais dava vergonha dizer-se crente. Intelectuais que se prenderam ao ateísmo quase como se fosse uma religião. Vejo o Woody Allen nesse time, apesar dele falar compulsivamente da morte e de Deus nos seus filmes. Mais perto de nós, acho que a Martha Medeiros também aí se enquadra, mas isso terei que verificar. E nesse roldão acrescente vários escritores, artistas, pensadores, que se sentem vexados em rezar para um pai maior.

Pois o Veríssimo é ateu, ou pelo menos era um deles, até que adentrou a UTI do Hospital Moinhos de Vento em Porto Alegre, tubo na garganta. Tenho uma curiosidade secreta, gostaria de me aproximar do Luis Fernando num dia em que ele já estivesse bem recuperado, saudável, para fazer algumas perguntinhas pós-UTI. Seriam elas:

a)      Por acaso você viu alguém do lado de lá, falou com um familiar que já morreu, um amigo falecido, seu pai?

b)      Nesses dias em que “lá esteve”, você acredita que pode ter tido a percepção de uma força maior, um ser supremo, pairando sobre nós, um nosso criador?

c)       Uma vez tendo percebido essa força, você despiu a carapuça e pediu pela própria vida?

d)      Por fim, após esta experiência de quase morte…você passou a acreditar em Deus?

Essas seriam minhas humildes questões ao famoso escritor gaúcho que se ergue da doença para voltar ao convívio dos demais mortais. Imagino que suas repostas oficiais fossem as mais previsíveis. Diria ele sinteticamente que as tais pessoas que viu do lado de lá foram produto de alucinações do seu inconsciente. Afirmaria que a tal força superior foi decorrente do seu desespero em voltar à vida, uma outra espécie de súplica do seu corpo físico em direção à vida. Relataria que se pediu pela própria vida o fez num momento de fragilidade, e por fim terminaria dizendo que não, não tinha passado a acreditar em Deus. Previsível, a pessoa tem que manter uma imagem, uma máscara social. E depois de tanto tempo, reconhecer-se errado numa postura e dar a mão à palmatória, é coisa para poucos.

Mas queria ir além. Na intimidade de seu quarto de dormir, na quietude de sua sala de trabalho, o que se passa naquela iluminada e talentosa cabeça? Será que lá dentro do seu coração, o cara enfim passou a acreditar em Deus? Nunca saberemos, nunca saberemos. Mas que fico com essa singela dúvida…ah isso eu fico. Fala, aí, Veríssimo, você acredita ou não acredita em Deus?

Silvano – perguntas numa hora dessas?

Crédito da foto: Ricardo Chaves aqui do Clic Rbs

Bookmark and Share

Coisa de Gordo - 549

11 de dezembro de 2012 0

549 – O FIM DO MUNDO

Sim, sim, todos estão atarantados com a possibilidade de o mundo se acabar nos próximos dias, mais exatamente em 21 de dezembro próximo. Tem os Maias, o calendário deles, tem as profecias, as predições, tem o julgamento do mensalão, enfim, coisas que, juntas, sugerem que de fato o mundo possa acabar. Colocar um petista na cadeia por crime contra o povo? – melhor que o mundo acabe antes!

Imbuído dessa onda que assola o país (homenageando Sérgio Porto), inundado pelas besteiras que nos rodeiam, passei a tecer teses e conjecturas em torno do referido tema, o fim do mundo. Assim, ouso aqui dar dicas a você, restante leitor, para que esteja preparado para o apocalipse.

Uma coisa de cada vez. Comece a assistir o seriado Walking Dead, no canal Fox, para se familiarizar com essas coisas de convívio sem luz, sem internet, comendo pedaço de gente, fazendo xixi no mato. Sim, há uma remota chance de que a ira de Deus não acabe de vez com o planeta, talvez ele só mande algumas adversidades (meteoros, tsunamis, deputados do PT, etc) para deixar o território – como diríamos – com um certo grau de dificuldade. Veja o seriado, portanto, para ter algumas idéias de como sobreviver em meio ao caos.

Passo seguinte. Trate de telefonar, tuitar, facebooquear ou mesmo conversar com todos aqueles seus inimigos, pessoas com quem você tem alguma diferença, para xingar, falar, gritar, botar prá fora e, sim…se reconciliar, pedir desculpas, perdoar, enfim, passe uma régua nas suas querelas. Morra em paz com os outros e com você mesmo. O José Dirceu? – não, este não merece o seu perdão. Mas aquele seu primo, seu vizinho, o gremista que soltava foguetes a cada jogo do Grêmio, vencesse ou não o jogo..todos merecem reconciliação.

Saia do armário. Se você em algum momento pensou em se assumir como gay, ou mandar um vídeo ao Big Brother, ou comprar aquela moto “old rider”, se pensou em fazer uma tatuagem, em pedir demissão e abrir aquela fábrica artesanal de cerveja, se pensou em pedir sua vizinha em casamento….a hora é agora! Não há mais tempo para rodeios. Faça o que deve ser feito. Abra seu coração! Compre logo aquele colant cor de rosa choque com botão dourado no entre pernas e ande com ele pela casa. Com as janelas abertas!

Estoque comida. Sim, como disse antes, talvez a morte planetária não seja súbita, venha em ondas (sem trocadilhos), talvez você ainda tenha que comer por mais uns seis meses antes de ser comido. Compre enlatados, arroz, bolachas, sardinha, atum, charque desossado, coca-zero, aliás, muuuuita coca-zero. Água mineral com e sem gás, pois talvez você tenha que escovar os dentes com uma delas. Ou mesmo fazer um banho de assento. E as bolinhas do gás podem dar coceira.

Faça de sua casa um pequeno bunker, um território fortificado onde haja lanternas, pilhas para essas lanternas, papel higiênico, toalhas, álcool, mertiolato, seringas de injeção e algumas ampolas de novalgina, plasil, buscopan, entre outras utilidades. É bom ter facas e facões afiados (para o caso do Delúbio aparecer pedindo reingresso).

Por fim o mais importante. Estoque, mas estoque muuuuuito LEITE MOÇA! Se é que o mundo pode acabar, uma lata de Leite Moça é um belo passaporte para a eternidade. Imagine você chegando às portas do céu, roupas esfarrapadas, mas com a boca cheia de Leite Moça. Amigo(a) , é passe certo, você vai entrar no céu direto. São Pedro sabe escolher pessoas de bom gosto! Antes do fim derradeiro, você em casa, tudo arrumado, as crianças orientadas a não darem descarga no vaso sanitário toda hora. Você os previne que depois que todos fizerem xxi é que a descarga vai ser puxada. Aí você vê na TV a última transmissão onde o Galvão Bueno é engolido pela lava de um vulcão. A gritaria é geral, o povo eufórico com aquela imagem. Mas ao mesmo tempo você se dá conta de que a hora se aproxima. Cada um deve pegar sua lata de Leite Moça e dar aquele pequeno futucão,abrir o primeiro e sagrado furo. Imitando as ondas do mar que vão varrer as costas marítimas, o Leite Moça irrompe na superfície da lata, pela última vez, despertando sua gula. Você, às vésperas de morrer, dá aquele linguaço, aquela lambidona sobre a lata, para não desperdiçar nem uma gota. A seguir, a terra já tremendo, você não sabe se é onda, terremoto ou meteoro, mas se dá conta de que vem coisa ruim. Nessa hora faça o segundo furo na lata. Pronto, a partir daí vá sorvendo o Leite Moça em goles cadenciados, vá inundando sua boca com aquele líquido precioso, tranqüilize seu próprio coração alertando-o de que – rale-se o mundo – você está comendo Leite Moça.

Sugue a lata, sinta o peso sair do invólucro de metal e invadir seu corpo, para nunca mais voltar.

Morra dia 21, caro leitor, mas morra feliz!

Putz, só de falar nisso, babei no teclado e agora vou ter que ensaiar a cena da abertura da lata. De novo!

Nos vemos no Plano Espiritual.

Silvano – o impossível, com a clássica sensação de “morte iminente”

Bookmark and Share