Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de março 2013

Remexendo o Baú - Escolha do Papa

10 de março de 2013 0

Remexendo o Baú..

Impressionante, fui remexer o baú dos textos anteriores da série COISA DE GORDO e acabei encontrando essa Coisa de Gordo – 215, versando sobre sucessão papal e Big Brother. Como é que é? Então confira abaixo.


A Escolha do Papa

O Papa morreu e a partir disso, todo um ritual de sucessão é desencadeado. Os mais novos não lembrarão, mas sou de um tempo em que houve três Papas em menos de dois meses. Sim, amigos, o primeiro era um cara durão chamado Paulo VI, que ao morrer foi sucedido por um que se chamou João Paulo I, e que um mês depois morreu também, sendo sucedido por esse que agora, passados vinte e seis anos, também veio a morrer.

Isso mesmo. Trinta e poucos dias e três Papas. O que virá agora? Os cardeais da Igreja Católica ficam isolados num templo todo especial e começam a escolha do novo Papa. Ficam reclusos lá, incomunicáveis, não falam ao telefone, não saem, não acessam internet. É tudo com eles e entre eles.

Impossível deixar de associar isso tudo com o recentemente terminado Big Brother, o “reality show” da Globo.

Para fins de organização, parece-me que a Igreja deveria contratar o Pedro Bial (que por sinal já anda viajando lá para aqueles lados), organizar a colocação de várias câmeras dentro do prédio onde ficarão os cardeais, e então dar partida ao evento.

Nas primeiras semanas, tendo em vista a grande lotação da casa os paredões eliminariam cinco cardeais de uma vez só. O público acompanharia a movimentação deles dentro da “casa”, as conversas, os debates. Uma equipe de tradutores estaria sempre de plantão para fazer as pessoas entenderem, ao vivo, as coisas que os candidatos estariam falando.

O dinheiro das ligações iria diretamente aos cofres do Vaticano, garantindo, só nessa escolha, o reinado de mais uns oito ou nove papas.

Durante a maratona, um ou dois cardeais morreriam por senilidade, afinal, há uns bem velhinhos dentro do grupo. Outros começariam a apresentar sinais de agressividade diante da clausura e do isolamento do mundo.

Um grupo se formaria a partir da liderança de um pedófilo, e nas conversas de fim de noites eles ficariam lembrando de crianças célebres, artistas, cantores mirins, ficando todos com lágrimas nos olhos e alguns com saliva nos cantos da boca.

Um outro grupo seguiria a liderança de um cardeal gordo, sendo que para esses a conversa sempre giraria em torno de comida, de vinho, as melhores safras, as guloseimas. Um deles daria uma explicação detalhada sobre a confecção de hóstia sabor calabresa, pincelada com orégano bento. “Orégano bento?”- gritariam os outros intrigados. Sim, ele confirmaria. E então daria toda uma explicação de como se preparava o tal condimento, nas quintas-feiras santas, com água benta, farinhas especiais e sal virgem.

As semanas passando, até os mais empedernidos judeus teriam assumido sua condição de votantes, alguns até mesmo se convertendo ao catolicismo. O povo muçulmano enveredaria pelo mesmo caminho, e em breve os votos do Oriente Médio começariam a ser decisivos nos dias de paredão.

Na reta final, o Pedro Bial os faria passar por provas as mais duras, como, por exemplo, ficarem rezando pais-nossos ao relento. Só nessa prova dois cardeais morreriam nos jardins do Vaticano, e outros três contrairiam pneumonia, sendo levados para um hospital, devidamente desclassificados da disputa.

Aqui do Brasil, o Lula acompanharia a disputa fanaticamente, apenas para poder votar na eliminação do cardeal que disse que ele era caótico antes de ser católico. Nos dias de votação o próprio Lula e todos os diretórios do PT no país ficariam grudados ao telefone só votando na eliminação do tal diacho.

Por fim, após semanas e semanas, chegaríamos à escolha do cardeal que seria coroado o mais novo e unânime Papa da história da Humanidade. A hostilidade dentro da casa estaria quase insuportável, as acusações pipocariam aqui e ali. Seriam comuns os gritos de “vade retro” de uns para os outros. Um cardeal da tendência gay teria um ataque histérico a seis horas da grande final, picotando toda a sua batina com uma gilete diante das câmeras.

E então o Pedro Bial sentenciaria. Com setenta por cento dos votos, o novo Papa escolhido é……

Bom, você terá que pagar o pay-per-view para saber o resultado.

Silvano – o impossível, desta vez atacando de herege. Preparem a fogueira

14/04/2005

Bookmark and Share