Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Glândulas anais: saiba prevenir e tratar problemas

22 de janeiro de 2013 3

É muito comum nos depararmos com nossos cães arrastando a traseira no chão, como se andassem “de carrinho”. Essa atitude “engraçadinha” pode significar que nosso bichano está com problemas nas glândulas anais. Esse órgão, como o nome já diz, é formado por dois pequenos sacos que se encontram junto ao ânus do cão, um de cada lado e que armazenam um fluído com um cheiro muito intenso que os cães utilizam para marcar território. Ocorre que muitas vezes, a glândula acumula fluidos, o que pode gerar um ambiente favorável para o desenvolvimento de bactérias, evoluindo para um quadro de abscesso e inchaço da glândula anal. As causas para o acúmulo de fluidos são várias e podem depender de questões ambientais, problemas de saúde ou má localização das glândulas. Um animal com fezes moles terá dificuldade de expelir o fluido, uma vez que ele depende da pressão das fezes para ser liberado. O enfraquecimento dos músculos que exercem pressão sobre as glândulas também pode ser outro problema. Animais obesos ou idosos podem naturalmente perder força nos músculos. O esvaziamento regular e desnecessário das glândulas anais por parte de groomers ou veterinários pode levar à lesão das glândulas, que ficam dependentes deste procedimento. A obstrução do canal por onde o líquido é expelido, causando a acumulação de fluído, pode ser causado por infecções no sistema gastrointestinal ou urinário. Os cães com alergias também estão mais predispostos a ter problemas nas glândulas anais. Os sintomas são muito desconfortáveis para os cães, pois causam um prurido intenso. Quando os animais têm dificuldade de esvaziar as glândulas anais, além de arrastar a traseira, eles tentam coçar a zona com a boca, mordendo ou lambendo. Por vezes, alguns cães mantêm a cauda entre as pernas. As glândulas anais inchadas são fáceis de detectar a olho nu, pois a zona junto ao ânus do animal fica vermelha e saliente. Quando o acúmulo de líquido não é excessivo, é possível esvaziar manualmente as glândulas de forma rápida e fácil. Para isso basta exercer pressão com os dedos sobre cada saco de cada vez. Isto pode ser feito interna ou externamente. É importante saber que os cães sem problemas nas glândulas anais não devem ser sujeitos ao esvaziamento rotineiro, pois conseguem fazê-lo naturalmente. Faça check-ups frequentes para verificar se as glândulas do animal não estão inchadas e só esvazie manualmente quando recomendado por veterinário. O esvaziamento por rotina pode causar pequenas lesões que tornam o cão incapaz de esvaziar naturalmente os sacos.

Bookmark and Share

Comentários (3)

  • Eduardo diz: 22 de janeiro de 2013

    Prezada Ceres. Tenho uma PUG que tem problema nas glândulas, sendo necessário que o veterinário esvazie-as semanalmente. Caso isso não seja feito, ela libera o líquido de forma espontânea, sem perceber. As vezes ela está deitada no nosso colo e libera o “cheiro”, que é extremamente desagradável. Atualmente ela tem sofrido com a coceira, motivo pelo qual está tomando medicamentos. A veterinária indicou o procedimento cirurgico para remoção e estou pensando seriamente em fazê-lo, para o bem da cachorra e para o nosso!!! Alguma dica?

  • Eduardo diz: 23 de janeiro de 2013

    Obrigado pela atenção Ceres!

Envie seu Comentário