Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Porto Alegre terá serviço de aluguel de carros elétricos em 2015

28 de janeiro de 2015 20
Serão trazidos veículos da Espanha 100% elétricos; os modelos são dobráveis, o que reduz o espaço para estacionar

Serão trazidos veículos da Espanha 100% elétricos; os modelos são dobráveis, o que reduz o espaço para estacionar

A partir deste ano, começa a funcionar em Porto Alegre, ainda em fase de testes, o compartilhamento de carros elétricos na UFRGS, similar ao que já acontece com o Bike Poa. O projeto Sivi (Sistema Veicular Inteligente) vai beneficiar primeiro a comunidade universitária, já que as duas primeiras estações, cada uma com um carro, ficarão nos campi Centro e do Vale.

A tarifa ficará em R$ 24. O carro elétrico chega à 70 km/h. O veículo não é poluente, é isento de IPVA e roda a cerca de R$ 0,10 por quilômetro.

Criado por estudantes da pós-graduação, que montaram a startup MVM Technologies, o sistema poderá chegar em toda a capital. “Temos um planejamento para segunda etapa, tornando possível um serviço de escala, em Porto Alegre. Fora disso, a expansão para região metropolitana, o que é possível , temos que ver um prazo mais longo”, explicou o diretor executivo da empresa, Lucas de Paris.

O modelo, implantado nos Estados Unidos e na Europa, permite ao usuário pegar o carro em vagas ou garagens espalhadas pela cidade e devolvê-lo, depois, em um período determinado. Em dezembro passado, o sistema começou a funcionar no Recife, e em 2015 deve estar em funcionamento também no Rio de Janeiro.

Comments

comments

Comentários (20)

  • Lília Prestes Borges diz: 28 de janeiro de 2015

    Adorei a idéia quero me tornar usuaria

  • Cristina Northfleet de Albuquerque diz: 28 de janeiro de 2015

    Adorei a idéia é o design do carro é fantástico gostaria de testar quando estiver em Porto Alegre em novembro. Também gostaria de saber se este veículo tem a possibilidade de ser vendido para uso pessoal. Obrigada Cris

  • Cético da Silva diz: 28 de janeiro de 2015

    Em um país de primeiro mundo, isso é apenas mais uma grande ideia.
    No Brasil, onde a maior parte da população é mau caráter (se não é, na primeira oportunidade será) … isso é só mais um alvo ou motivo para vandalismo, roubo e destruição. Quem acredita no Brasil, não deve ter notado que NÃO somos um país sério.

  • marcos diz: 28 de janeiro de 2015

    acho péssima a ideia de colocar mais carros nas ruas, sejam elétricos ou não. carros congestionam as ruas, transportam poucas pessoas enfim, atrapalham nossas vidas.

  • Rafael diz: 28 de janeiro de 2015

    Concordo com o Cético da Silva, além do que Porto Alegre precisa de um metro urgentemente depois pensar em carro compartilhado ou algo assim.

    Qual o próximo passo? Criar um corredor para carros elétricos?

  • oPTuso diz: 28 de janeiro de 2015

    Vivemos numa democracia socialista. Nada de transporte individual. Vamos todos ficar se esfregando nos ônibus lotados sem ar condicionado (afinal aumentar a passagem em R$ 0,10 é uma afronta), partilhando toda simpatia, gentileza e educação de nossos conterrâneos, sendo atendidos por ótimos motoristas, bem preparados. Sem nunca ficar trancados no trânsito, afinal de contas não existe em Porto Alegre, nenhum tipo de inútil que fique trancando as ruas e infringindo o direito de ir e vir de TODOS OS CIDADÃOS. Odeio estes capitalistas egoístas que não sabem dar valor ao que é bom.

  • Rodrigo diz: 29 de janeiro de 2015

    Ótima ideia…certo q vou querer usar.

  • josé diz: 29 de janeiro de 2015

    Não entendi o comentario do oPTuso. Ele acha certo em aumentar o valor da passagem? Afronta não é aumentar em R$ 0,10, e sim ver que eu gasto mais pegando onibus, que é um transporte que carrega 40 pessoas ao mesmo tempo, do que indo no meu carro, que só transporta eu. O litro da gasolina custa aproximadamente R$ 3,00, e com esse litro eu rodo no minimo 10 km. A passagem de onibus custa mais ou menos este mesmo valor. Me explica como que um meio de transporte que cabe 40 pessoas ao mesmo tempo custa a mesma coisa que um meio de transporte que carrega uma pessoa só?

  • Fernando diz: 29 de janeiro de 2015

    Como sugestão de troca do espaçoso poluidor pelo ultra compacto elétrico, acho ótimo. O problema está em incentivar quem não usa automóvel a fazê-lo e deixar o trânsito ainda mais caótico. Embora o custo de R$ 720,00 por mês do simpático carrinho já permite comprar seu próprio poluidor 0k e ainda sobra pra gasol e outras despesas.

  • Cristina diz: 29 de janeiro de 2015

    Isso é para País de 1º mundo. Brasil não é e com a mentalidade que milhões tem, nunca será. #fazendocoisapramanedestruir
    Com tantas milhares de coisas que tem em Porto Alegre para fazer/resolver, que está ali, para qualquer um ver (se quiser ver). Pelo visto, a atual administração da Capital não quer enxergar a montanha de problemas que se tem.

  • Codorna diz: 29 de janeiro de 2015

    Hahahha boa OPTuso

  • Angelus diz: 29 de janeiro de 2015

    peraí… mas nós não estamos com um problema serissimo de risco de desabastecimento de energia elétrica?? mais uma coisa pra inglês ver…

  • Diogo diz: 29 de janeiro de 2015

    Essa é mais uma daquelas idéias que só funcionam em países de primeiro mundo. Engraçado que esse tipo de coisa adoram copiar de gringo, mas porque também não copiam outras coisas como pena de morte para crimes hediondos/homicídios, usar mão de obra de preso para trabalhar na prisão ou até fora dela, hospitais de boa qualidade, creches descentes para que mães possam deixar seus filhos com segurança para trabalhar e produzir para o país inteiro crescer.

  • Olavo Ludwig diz: 29 de janeiro de 2015

    Excelente iniciativa, mas pq não usar o carro elétrico feito em Lajeado pelo Dresch?

    http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/economia/noticia/2014/01/conheca-o-carro-eletrico-made-in-rs-4406791.html

  • Aline Patricia Brietzke diz: 29 de janeiro de 2015

    Acho ótima a iniciativa. Esse é só o começo. Acho que pro futuro vamos ter ônibus e carros elétricos…o petróleo esta cada vez mais escasso e mais caro. Teremos que encontrar uma alternativa para o transporte. E não poluente…isso é o mais legal. Vou usar, não vejo a hora….hehehe…Parabéns aos criadores.

  • Alexsandro Santos diz: 29 de janeiro de 2015

    Pessoal, quanto ao fato de termos mais carros nas ruas, penso que mobilidade urbana é uma dificuldade na grande maioria das capitais (talvez Curitiba seja exceção), ainda mais quando vemos obras caríssimas como a 3a perimetral sendo concebida de forma equivocada, com semáforos nos cruzamentos ao invés de elevadas, viadutos ou subterrâneos, criando a necessidade da uma segunda obra, igualmente cara e interminável. Sem falar da necessidade da ampliação do metrô para universidades, etc. Ainda assim, acho bastante válida a ideia dos carros elétricos pela questão ambiental. Acho que os comentários até aqui não levaram isso em conta. Continuaremos engarrados, sim, mas sem maior prejuízo ao meio ambiente.

  • Alexandre Perin diz: 29 de janeiro de 2015

    Acho que as pessoas não entenderam. “mais carros nas ruas”?

    É menos! O carro é COMPARTILHADO

  • Matheus diz: 29 de janeiro de 2015

    Cético da Silva: Infelizmente concordo, mas acho que temos que pelo menos tentar, afinal, que adianta ficar estagnado reclamando e apontando os próprios defeitos?

    Marcos: ao meu ver essa ideia ajuda justamente em diminuir os carros nas ruas! Esse tipo de compartilhamento (e não estou falando somente de carros), é inovador e é uma tendência, se a ideia evoluir (o que deve ser bem provavel), menos pessoas irão comprar carros, ou no minimo, haverão menos carros nas ruas… por exemplo, fulano que estava pensando em comprar um carro, e ve a chance de alugar um por um preço justo, quando realmente for necessário (alguma urgencia, ou tempo ruim, ou se tiver que carregar algo pesado, etc), em conjunto com um transporte publico de qualidade (sei que não é nossa realidade ainda!), ele pensará duas vezes antes de comprar um carro. Claro, cada caso é um caso. Eu por exemplo não abro mão de ter um carro próprio, que fique sempre à disposição, mas sempre tem alguem em que a situação que descrevi acima irá se encaixar, e se isso diminuir 1% dos carros nas ruas, já estamos no lucro, não é?

    Rafael: Concordo que precisamos de um metro urgentemente, é a melhor opção, mas por que uma coisa anula a outra??? Se o compartilhamento é algo bom, porque não pode andar em paralelo com o metro? Aliás, apesar de provavelmente ter algum incentivo do governo, o negócio é particular, privado e o metro tem caráter publico.

    oPTuso: cara, meio confuso seu comentário, mas enfim, acho que concordamos que a ideia é boa, mas esse papinho de capitalismo não rola, vai se informar melhor e sair da caixa.

  • Eduardo Nunes diz: 29 de janeiro de 2015

    Sempre acreditei na inovação tecnológica, de que esta venha para nos auxiliar e não para nos deixar mais viciados, observamos alguns casos aterrorizantes, mas acredito na mudança de paradigmas e de nossa atitude, as idéias e projetos estão por ai, temos que saber utilizalos da melhor forma possível. Não deixaremos de usar nossos veículos automotivos, mas devemos e podemos construir uma conciência ecológicamente correta que venha de encontro ao que desejamos, pegar um ônibus, uma bicicleta, uma carona, o metrô ou um carro elétrico de vez em quando, faz muito bem para a cidade. Mudar a atitude das pessoas não é uma tarefa muito fácil, sou sensibilizador ambiental, e recentemente observei minha Mãe reclamando das pessoas que colocam lixo no chão, pois a materia falava dos resíduos que vão parar nos arroios, nesse momento; cobrei mais uma vez, entre tantas vezes que chamei a atensão dela, pois ela não separa os resíduos, temos que cobrar sim e fazer tambem a auto-crítica.

  • Poliana da Silva diz: 29 de janeiro de 2015

    Fico realmente impressionado com esses ceticistas… A iniciativa é ótima, pois são veículos que não comprometem a qualidade do ar. Mais do que isso, um mesmo veículo seria utilizado por várias pessoas no mesmo dia, fazendo com que outros vários veículos fiquem “em casa”. Realmente, nosso país é pródigo em corruptos, mas isso não deve nos impedir de reconhecer as boas iniciativas. Sou aluno da Universidade e pretendo me beneficiar do novo sistema, deixando meu carro em casa. Acredito que as estas últimas opiniões nem de longe refletem o pensamento da maioria.

Envie seu Comentário