Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts na categoria "Google"

Minha primeira experiência com o Google Glass

23 de julho de 2013 9


Nesta manhã, experimentei pela primeira vez o Google Glass. Foram apenas alguns minutos, mas o privilégio é tão grande que vale a pena compartilhar as impressões. Quem emprestou o aparelho foi o Lucas Sperb – que esteve na Redação hoje pela manhã a convite do Marcelo Sarkis, editor do caderno ZH Digital. A matéria do Sarkis está prevista para quinta-feira. Tenho certeza que estará ótima. Leiam ;)

Este texto é um relato pessoal da minha experiência.

Antes de tudo, preciso admitir para aqueles com quem eu nunca conversei sobre o Google Glass: sou apaixonada pela ideia deste produto desde a primeira vez que ouvi falar, quando ainda era editora do caderno ZH Digital. Foi bater o olho e imaginar: com essa revolução na forma como as pessoas interagem com as informações digitais, que novos comportamentos, produtos e serviços vão surgir? Considero a rapidez com que os smartphones se disseminaram e sei que até pode demorar para vir para o Brasil ou ser caro demais em um primeiro momento, mas tudo isso é questão de tempo. (A previsão é que seja lançado nos EUA no ano que vem, e que por lá custe cerca de US$ 500.)

Assim que coloquei os óculos no rosto, a primeira ação foi ajustar o posicionamento da pequena lente, para que a projeção aparecesse de forma nítida. Colocar perto demais ou longe demais dos olhos faz toda a diferença. Aliás, eu tenho uma miopia leve e estava usando lentes de contato, mas outros colegas que estavam de óculos tiveram dificuldades com o teste. Disse o Lucas que esse é, sim, um problema importante do protótipo. Outro é a duração da bateria.

Depois de ajustado ao rosto, o óculos tem uma operação bastante simples – pelo menos para quem, como eu, já havia assistido a vários vídeos de demonstração. Ele precisa estar “acordado” para atender ao famoso comando “Ok, glass”. Uma série de opções aparece na tela e a velocidade de resposta é bastante impressionante. A instrução mais simples é a frase “take a picture”: foi a ação que todo mundo da Redação testou. Além do comando de voz, é possível ativar as funções tocando na lateral do aparelho. Tive dificuldade para conseguir prestar atenção à telinha e ao ambiente ao mesmo tempo, mas acredito que isso seja questão de tempo de uso. Dei alguns passos para ver como seria caminhar com essa projeção diante dos olhos, e ela não atrapalha. Aliás, achei o Glass bem leve e confortável – mas já usei óculos de grau e uso muito óculos escuros, talvez para quem não tem o costume de ver o mundo “enquadrado” isso seja um pouco mais esquisito.

Depois que fiz alguns fotografias, assisti a um vídeo da CNN e pedi instruções de navegação até o posto de gasolina mais próximo, passei o brinquedinho para outros colegas que também estavam curiosos. Ao vê-los interagirem com o protótipo – quase todos reagindo como se fossem crianças diante de um espetáculo de mágica – imaginei que a minha reação deve ter sido exatamente a mesma. Em relação ao produto, fiquei positivamente impressionada com a facilidade de uso, com as funcionalidades que já estão disponíveis e com a velocidade de resposta. Mas legal meeeesmo foi a emoção de ter nas mãos um pedacinho do futuro. Prometo tentar não ficar tão insuportavelmente entusiasmada quanto fiquei com a impressora 3D ;)

À distância

06 de maio de 2013 0


Fascínio e preocupação costumam cercar o lançamento de tecnologias com potencial para transformar a sociedade. Com o Google Glass, não é diferente. Começam a surgir na rede os registros das primeiras experiências com o óculos do Google. Publicado na última semana, o vídeo da viagem do professor Andrew Heuvel ao CERN, na Suíça, dá uma pista da revolução que pode ocorrer na educação. Ele transmitiu o passeio e interagiu com alunos em tempo real por meio do dispositivo. Confira a experiência inédita:

No coração do Google

18 de outubro de 2012 0

Passear pelos servidores do Google é como conhecer o coração da internet. Nos seus data centers, são armazenados e-mails, vídeos, fotos… toda a informação gerada pelos seus usuários. Guardar com segurança todos eses dados é crucial, por isso poucos são autorizados a conhecer o interior desses lugares. Virtualmente, no entanto, o passeio é para todos. Nesse site, é possível conhecer a tecnologia, as pessoas e os lugares que fazem o Google ser o que é. Para produzir as fotos, a empresa contratou uma fotógrafa especialista em arquitetura. O resultado é fantástico, especialmente para os fãs de tecnologia.

Homenagem retrô

07 de outubro de 2012 0

Valeu a intenção, Google.

O buscador prestou hoje sua homenagem à democracia brasileira, ilustrando sua versão  .br com um registro sobre o dia das eleições para prefeitos e veradores em todo o país. Ao usar o modelo já aplicado, por exemplo, para o processo eleitoral da Argentina, Nova Zelândia e Egito, no entanto, deixou de lado uma das características mais marcantes do pleito por aqui: a urna eletrônica. Para os mais jovens, que nem chegaram a conhecer cédulas eleitorais de papel, a imagem causa ainda mais estranhamento. Aos que estavam fora do ar e, por acaso, haviam esquecido de sair para votar, vale a lembrança. A homenagem não deixa de ser pertinente. Quem sabe daqui a dois anos, na próxima oportunidade, o buscador moderniza a homenagem?



Mergulho virtual

26 de setembro de 2012 0

O Google Street View é uma ferramenta usada por quem gosta de fazer passeios virtuais por cidades ao redor do mundo. Uma câmera que fotografa em 360º é colocada em carros, bicicletas e até barcos para fazer o registro dos lugares. Nesta semana, o site anunciou novidades que vão agradar os fãs de aventuras na natureza: panorâmicas do fundo do mar. Corais de recife da Austrália, Filipinas e Havaí estão disponíveis para quem quiser experimentar os mergulhos virtuais.


View Larger Map

Moda e tecnologia

13 de setembro de 2012 0

Parece ficção científica, mas está cada vez mais real: os óculos do Google – que hoje não é muito mais que uma máquina fotográfica embutida em uma armação, sem lentes – fizeram uma aparição com estilo no último domingo. Modelos e a designer Diane Von Furstenberg usaram o aparelho durante um desfile de moda. Um pequeno documentário criado somente com o equipamento foi publicado ontem pelo Google no YouTube.

À mão

27 de julho de 2012 0

Para quem usa celular ou tablet com teclado virtual – aquele que aparece na tela quando é preciso digitar alguma coisa – às vezes acertar as teclas é um sofrimento. Erros de digitação são frequentes e a correção automática pode até atrapalhar. Nesta semana, o Google lançou uma ferramenta que permite ao usuário reproduzir na tela o gesto de escrever com o dedo. Disponível para aparelhos com Android, o recurso reconhece a palavra e depois transforma em expressão de busca.

Idiomas ameaçados

21 de junho de 2012 0

Você sabia que existem hoje 7 mil idiomas, mas que a metade pode desaparecer nos próximos cem anos? Cada um deles representa uma cultura, um jeito diferente de ver o mundo. Um projeto apresentado ontem pelo Google pretende ajudar a preservar esse patrimônio: em um mapa, é possível explorar mais de 3 mil línguas ameaçadas. Acesse endangeredlanguages.com para saber mais.

Google anuncia novidade que torna a busca mais inteligente

16 de maio de 2012 11

Mais que uma fonte de links com informações, o Google tem a pretensão de se transformar em fonte de conhecimento. A empresa anunciou nesta quarta-feira o lançamento do Knowledge Graph, um recurso do buscador dedicado a fazer relações entre os dados com o objetivo de responder ao usuário com mais inteligência:

— O Knowledge Graph permite que você procure por coisas, pessoas ou lugares sobre os quais o Google tenha conhecimento – pontos de referência, celebridades, cidades, equipes esportivas, prédios, características geográficas, filmes, objetos celestiais, obras de arte e mais – e instantaneamente obtenha informações que sejam relevantes para a sua busca. Esse é um importante primeiro passo em direção à construção da próxima geração de busca, que acessa a inteligência coletiva da rede e entende o mundo de maneira um pouco mais semelhante do jeito que as pessoas entendem — explicou o Google em seu comunicado oficial.

Na prática, por enquanto, o que a busca promete é apresentar, do lado direito da tela, informações de referência sobre os termos buscados: data de nascimento, altura, localização, outros personagens ou objetos relacionados à busca original, e assim por diante. E, claro, só em inglês.

O idioma continua sendo uma barreira para que novidades importantes da busca cheguem ao Brasil — apesar de o post afirmar que o recurso vai aparecer em outras línguas com o tempo.

Diversão

03 de maio de 2012 0

Muitas pessoas já usam o Google Maps (maps.google.com) para descobrir onde fica algum endereço ou entrar orientações sobre como chegar a algum lugar. Para divulgar todos os recursos do serviço, o Google lançou o Cube, um joguinho online em que, com o cursor, o internauta precisa conduzir uma bolinha ao destino determinado. Londres, Tokio e Paris são alguns dos cenários. Confira em playmapscube.com