Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de julho 2011

Kasabian - Days are forgotten

29 de julho de 2011 0

Single novo do Kasabian. O Popload crava como a música do ano. Hum…. ouve aí!

FMI # Especial Bandas (Cafonas again!)

29 de julho de 2011 0






Nesse sábado acontece a segunda edição do Festival da Música Independente, produzido por Paulo Vasilescu (a.k,a. Zuleika Zimbábue), que valoriza a produção destemida e original da cena desterrada, em noites de boa música e diversão.

Música boa é tudo o que ultrapassa a matemática e pulsa na boca do estômago.

Entre o fofo e o feio, estamos nós. Esperando a banda passar…

[abertura]

ÁGATA BARBI & ZULEIKA ZIMBÁBUE, juntas e misturadas, bem acompanhadas por GREGÓRIO GIANELLI e alguns clássicos da música.

[big bandas]

DIRTY NAMES

O projeto tem como principal proposta de fazer um rock espontâneo, sem ensaio e com base na improvisação, apostando no talento e sintonia dos integrantes. Formada por Asdra Martin (The Dolls e Marte Attaca), Lucci Barbi (B-Driver e Dellamarck), Edu Passold (Produto), Marco Martins (Nicotines e Pornô de Banca) e Gustavo Cabeza; a banda tem na bagagem tudo o que já foi feito pelos músicos em suas bandas anteriores e ainda se propõem a experimentar o que ainda não tiveram oportunidade de fazer.

OS CAFONAS

A lendária banda dos criadores do TRUNKABILLY estava em animação suspensa desde a ida de seu guitarrista para a Europa. Mas aí bateu a saudade de tocar. O Calvin13 chamou o co-criador da banda, Rick Boy Slim, e Leo[o Polvo], para essa edição do FMI. Esta é a formação clássica da banda, a que tocou mais tempo junta, entre idas e vindas. E a reunião é para este único show, onde eles vão tocar os sucessos mais “recentes” e clássicos que só os fãs mais caquéticos conhecem. Oportunidade única e imperdível para ver, ouvir e dançar uma das bandas mais rock’n roll da cidade, na atividade desde 1992.

* Set rock paulera do DJ PAULERA






Songwriters # 5

29 de julho de 2011 0

Projeto Songwrites chega a fase cinco e mergulha no oceano abissal do experimentalismos. E essa Ilha sempre esteve muito bem servida. Nem tente imaginar o que poderá sair deste encontro entre o trompetista Manolo K, o baterista Peter Gossweiler e o guitarrista Leonardo Estevão. Essa trindade da improvisação não enxerga limites para as suas possibilidades. Cada um discorrerá sobre seu processo criativo: Manolo K apresenta suas composições em bases eletrificadas de pedais e que o compõem o assombroso álbum Crônicas Subterrâneas; Peter Gossweiler apresenta seus set free style que rodou o mundo e Leonardo Estevão transgrede a zona de conforto a partir da improvisação ilimitada. O Songwriters é aberto ao público, basta chegar no Caffe Cult (anexo à Escola de Música Rafael Bastos, Centro, Capital), às 19h. Tome seu acento e uma boa “brejinha” e let it be…

Revirando She Unsaid

29 de julho de 2011 0

Produtor e DJ brasileiro, hoje radicado no Canadá, Aborn (Discobot) encarregou-se de produzir um refrescante remix para She Unsaid, single do projeto eletrônico Mapuche, de Isaac Varzim. Baixe por aqui.

Ramones: Pleasant Dreams 30 anos

28 de julho de 2011 0

Alguém muito estimado que não ouso dizer o nome, lembrou do aniversário de três décadas do Pleasant Dreams, os Ramones!!!

Contracapa (quinta-feira, 28/7/2011)

28 de julho de 2011 0

 

 

Divulgação

 

Pronto, falamos!

Em princípio era o verbo. Ele se fez carne, habitou entre nós e Gutenberg o imprimiu. Pronto, falamos! E ninguém cala. A imprensa é a força motriz da sociedade, vocaliza as ideias, clama contra as injustiças, antecipa as revoluções. Nada é mais caro ao ser humano do que o direito indissolúvel de expressar seus pensamentos, sua consciência, de contradizer-se. E falar besteiras – neste caso, “eu”. Esses 180 anos da imprensa catarinense inserem-se neste processo de luta incessante, de avanços e contratempos, mas é perseverante. Hoje simboliza a ponta de lança da nova fronteira que é o universo digital, colocando abaixo dogmas, reconstruindo valores: novas mídias. Essa construção pressupõe redefinir papeis. Você leitor, ouvinte, telespectador deixou de ser um mero receptor passivo. É agente da história, que colabora, depura e interfere diretamente na informação – em blogs, sites, redes sociais. Tudo agora virou meio. Quanto a isso não há como resistir. Quem tenta, não sobrevive a uma hashtag que logo vira tormenta e tudo varre. Foi assim no Egito e em outros cantos não tardará.

Ainda que não seja o melhor dos mundos, vivemos um estado de plenitude que nos permite avançar, consolidar o inexorável processo histórico. É uma aventura e tanto. Vou citar um trecho de Mais Estranho que a Ficção, novo livro do escritor norte-americano Chuck Palanhiuk (autor de Clube da Luta), e que diz respeito a vocês colegas leitores, agora parceiros de luta: “O jornalista, o repórter de jornal, está sempre correndo, caçando, encontrando gente, cavando fatos. Preparando uma reportagem. O jornalista escreve cercado de gente e sempre no último minuto do prazo. Cheio de gente em volta e sempre apressado. Excitante e divertido.”

***

A imagem acima é uma instalação, de Edson Machado, datada de 1974. A máquina de escrever, com pregos aduncos nos teclados foi batizada Atroz Objeto de Tortura para Afoitos Literatos – Homenagem a Poetas, Escritores e Jornalistas. Um reconhecimento à memória daqueles que padeceram no decorrer desta jornada, e um alerta à nossa consciência. Que ela seja livre, em suas virtudes e fraquezas.

Limbo?

Entre a animada confraria que festejou à eleição do escritor Olsen Jr. à Academia Catarinense de Letras nessa semana veio à mesa o debate sobre qual destino para o porão “encontrado” na Casa José Boiteux, a nova sede da ACL. Pensou-se em um bar, um pub, café, ou sala de espera, pois a vacância anda grande. Um “grilo falante” sugere que o local abriga mesmo o purgatório, ali dispensado desde a aposentadoria decretada pelo Papa Bento 16. Então, vai lotar!

Misógino

Daquelas globochanchadas, o filme Todo Mundo Tem Problemas Sexuais, com Pedro Cardoso, Priscilla Rozenbaum, Paloma Raini e outras estrelas platinadas, está fazendo chover nas bilheterias do Paradigma Cine Arte. É uma ficção, eu sei, mas desde aquele papelão de dois anos atrás, quando veio à público choramingar contra o sexismo no cinema nacional porque sua namorada à época ficou in natura num filme do Selton Mello, tenho reservas sobre o que Pedro Cardoso pensa a respeito de sexo. Quanto mais sobre problemas sexuais, que devem ser muitos. Mas dizem que o filme é bom. Assistam e depois me contem.

Prefiro ver as tapeçarias de uma série de artistas da cidade em exposição lá no Paradigma.

Terra Chamando

Festival Planeta Terra “mandou nos dedos” do SWU e anunciou numa só martelada as bandas Interpol, Godlfrapp, White Lies, Broken Social Scene, The Name, Criolo e Garotas Suecas. Unem-se ao já festejados The Strokes e Beady Eye. Segundo as palavras do chapa Rubens Herbst lá no blog Orelhada: “Armaram o céu indie no Playcenter”.

E o SWU tenta de todas as formas sustentar a dignidade, chamando a veterana banda Primus. Juntando tudo, sinceramente, nossos festivais pouco seduzem.

Las Manos

Faz duas semanas que lancei aqui o desafio para quem adivinhasse a autoria destas mãos, eternizadas em gesso. Falei que era de um pianista, à época um prodígio. Prometi um livro, mas não será desta vez. Muitos tentaram e passaram longe. Até que estava fácil: Arthur Moreira Lima.

Afff!!!

“Tia” Galisteu, como o mar da Itália fez bem a “senhora”?! A loiraça está de volta, “in natura”, às páginas da Playboy, 11 anos depois daquele ensaio salivante na Grécia. Desta vez, sem leitinho. Mas e daí? Aos 36 anos, Adriane Galisteu estampará a capa e o recheio da revista, tudo registrado pelo cara mais sortudo do mundo, o fotógrafo J.R. Duran. A dupla foi até San Pietro de Positano. O desembarque da revista está marcado para o dia 7 de agosto. Não brinca que isso é um presente?!

 

Ciência

Se você está em busca de salvação nesta quinta-feira, melhor chegar no Taliesyn Rock Bar (Centro). Quem vos chama são as bandas Rocktunes e Dois (que são quatro, na real!). Mas como diria a filósofa Zuleika Zimbábue: “música boa é tudo o que ultrapassa a matemática e pulsa na boca do estômago”.

“Temos ainda de dar um banho

de loja na área externa.”

JOCELI DE SOUZA

Presidente da Fundação Catarinense de Cultura, agora um personal stylist, sobre a situação do Centro Integrado de Cultura (CIC) na Capital, em entrevista publicada ontem no Diário Catarinense. O edital para segunda etapa das reformas do complexo contemplará o Teatro Ademir Rosa e o cinema. O banho de loja ficará para depois. Alô Joceli, aproveita a queima de estoque de inverno!





Contracapa 27/7/2011

27 de julho de 2011 2

Para nós, os barrados, vai a íntegra da Contracapa desta quarta-feira. Enjoy:

 

De “Faces”!


Fiquei literalmente “de cara” quando visualizei no blog do produtor e DJ alemão radicado na Ilha Holger Beier (bungalow.blogspot.com) essa série de pinturas da artista francesa Françoise Nielly. Colorido orgástico.  Holger chama a atenção para a sensibilidade fotográfica de Françoise em contraste com a forma quase brutal de suas pinturas, que exalam apelo pop: “da tela direto para o seu rosto!”. Cara a cara.
Boas dicas não se “regulam”. Se eu fosse vocês acessaria o site da moça:
www.francoise-nielly.com.

Espólio

Timoneiro da Contracapa de Zero Hora, Roger Lerina lançou algumas ideias sobre as possíveis herdeiras do espólio da finada Amy Winehouse. Quem poderia ocupar o posto? Difícil, pois a própria cantora inglesa não consolidou a sua carreira como esperava-se de fato e de direito. Mas é inegável, como observa Lerina, a contribuição que o sucesso de Amy deu para direcionar o foco do mundo para a especial safra de intérpretes britânicas que cultuam o rhytmi’n blues e a soul music americanos.
Adele, Duffy, Leona Lewis e Dionne Bromfield são alguns destes nomes em ascensão. Dionne é a promessa, ungida pela própria madrinha Amy Winehouse, mas quem mantém-se no posto das paradas britânicas é Adele, mesmo com a consequente disparada das vendas dos discos da “falecida” no final de semana.

Milongas
& Milongas

Vale o quanto custa, mas está salgado. Para assistir ao show do cantor e compositor Vitor Ramil, que se apresenta amanhã no Teatro Pedro Ivo, o público terá que desembolsar no mínimo R$ 90 por uma cadeira na parte inferior. No piso superior, sai por R$ 80. É o “custo da meia-entrada”, que já bate até a carga tributária no quesito oneração dos preços de ingressos de shows e espetáculos no país.
Vitor Ramil virá acompanhado do guitarrista argentino Carlos Moscardini, para lançar aqui seu primeiro documentário, registro audiovisual dos bastidores da concepção do seu último álbum délibáb. O músico brasileiro foi a Buenos Aires gravar o álbum, em parceria com Moscardini. Ramil compôs milongas especialmente para os poemas do argentino Jorge Luis Borges e do gaúcho João Cunha Vargas. O resultado não poderia ser outro a não ser sublime. O show é uma promoção da Itapema FM.

Além-vida

Mera coincidência para essa semana de perda. O Cineclube Ieda Beck dedicará a sessão de hoje à noite ao mistério da morte. São quatro curtas-metragens, com visões distintas, mas não menos apaixonadas sobre o que se passa do outro lado da fronteira da existência. Duas ficções se apresentam como as pedidas da noite: Sapato de Aristeu, de Rene Guerra (SP) e Se Eu Morresse Amanhã, do catarinense Ricardo Weschenfelder. Ambas protagonizadas pelo ator e diretor Renato Turnes, que vive a perda do pai travesti na primeira, e um bibliotecário com um interesse mórbido e sincero
por velórios em Seu Eu Morresse Amanhã. Atuação tocante em ambas.
A sessão ainda programou os curtas Perto do Mar, de Zeca Pires e José Frazão, e O Controle dos Zumbis, de Gabriel Marzinotto (SP). A tela se “alumiará” às 20h, na Cinemateca Catarinense (Travessa Ratclif, 56, Centro). Entrada muito franca!

Dancefloor

Briga das boas no Festival de Dança de Joinville. Mais de 2 mil pessoas foram conferir o Encontro das Ruas, que marcou a sua sexta edição e pelo visto consolidou-se na programação oficial do grande evento do front norte catarinense. Registro aí é de uma das inúmeras rodas de B.Boys e B.Girls que se “digladiaram” durante o final de semana. Destaque também para a mostra de grafite e batalhas de MC’s. A cultura hip hop integrou-se por completo. Goooood!!!

3/9/2011

Programação da festa de cinco anos da Contracapa e 10 anos do programa Na Pilha (TVCOM) passou por um upgrade. Freakout total: Zuleika Zimbábue & Os Ambervisions, Os Skrotes e a “Nova Baba”. E sai a banda Repolho. Em breve vamos tirar os freios do trem e daremos a largada para a venda de ingressos. No mais, seguem os mesmos batlocal (Célula Cultural) e batdia (3 de setembro).

Fab Four: Top 100

26 de julho de 2011 0

Mimo bacana que a Rolling Stone publica este mês com um ranking das 100 melhores canções dos fab four. Cada faixa devidamente comentada e justificada. O prefácio do Elvis Costello. Material para guardar e para iniciar as novas gerações. Alguns poderão discordar, mas a lista tem meus sinceros respeitos. A ordem das composições não altera o conjuto da obra, mas começando com A Day in the Life é uma boa largada. Eis o top 10:

Manhãs intranquilas 2

26 de julho de 2011 0

Senhora Marianne Faithfull passou por muitas, mas esta aí. Aos 64 produzindo um dos melhores trabalhos desta nova década: Horses and High Hells.

Manhãs intranquilas

26 de julho de 2011 0

Gillian Welch – The Way It Goes. Fica a dica para “pescar” o álbum The Harrow and the Harvest!