Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "Contracapa"

Para ouvir Pessoa (Promoção)

16 de março de 2012 3

Para encerrar a semana da poesia, oContraVersão recebeu o audiolivro Antônio Abujamra Lê Fernando Pessoa e repassa aos leitores. Crie uma estrofe para Fernando Pessoa e poste nos comentários abaixo para levar o mimo. Na terça que vem selecionaremos a mais criativa. A cortesia é da Livrarias Catarinense. O audiolivro, lançado em 2010 por ocasião dos 75 anos da morte do poeta português Fernando Pessoa, traz o reverenciado e temido diretor, ator e provocador brasileiro narrando outro célebre artista mundial.

Os Últimos Românticos: De gentileza os inferninhos da Augusta estão cheios!

14 de outubro de 2011 0

Parece não haver mais espaço pra cavalheirismo nas imediações da nacionalmente conhecida rua Augusta, um dos endereços mais fervilhantes da capital paulista, com suas casas de shows, boates, lojas de discos, bares e moças vendendo carinho nas esquinas. Vai daí a ironia do nome Os Últimos Românticos da Rua Augusta, defensores da poesia e gentileza dentro e fora dos inferninhos. São figuras conhecidas: Gustavo Kaly e Cristiano André (da banda blumenauense Stuart), Malásia (ex-Ultramen) e o rei do punk brega Wander Wildner, além de Jimi Joe, figura de proa do rock gaúcho que substitui o ex-Ultraje a Rigor Sérgio Serra.

A superbanda mais bem vestida do underground brasileiro, trovadores da dor de cotovelo e de outras aflições muito humanas, mas que não perdem o bom humor, como demonstrado na entrevista abaixo, uma blitzkrieg midiática armada pelos blogs Orelhada de Rubens Herbst, pelo ContraVersão e Mundo 47, do Rafael Weiss. A ação é nobre: recepcionar de braços abertos Os Últimos Românticos, que destilam seu “folk punk jazz de apartamento” – um mix encardido de Leonard Cohen, Johnny Cash, Chet Baker e Ramones – em Joinville, amanhã (Bar Pixel), e em Blumenau, domingo (Ahoy!).

Los 3 Amigos: Com tantos compositores na banda, como vocês decidem o que será trabalhado ou não? É uma democracia?

Wander Wildiner – O conjunto musical OS ULTIMOS ROMANTICOS DA RUA AUGUSTA foi formado para interpretar as musicas composta po Gustavo André, todas as musicas são de autoria dele.

Gustavo Kaly – Quando montamos a banda, ao pé da Cordilheira dos Andes, tivemos a maluca idéia de sermos intérpretes das minhas músicas, tive uma fase muito produtiva nos últimos 10/15 anos. Temos 3 discos compostos, voltados a temática proposta aos URRA. Algumas são releituras do que fiz no Stuart, outras, inéditas.

Cristiano Carlos – O compositor deve estar passando por uma crise de depressão amorosa, ou sofrendo por causa de um amor não correspondido.

Malásia – Por enquanto todas as músicas de nosso repertório são compostas pelo Gustavo André(vulgo Kaly). Mas em breve vamos botar abaixo essa reserva de mercado, pois somos um time talentoso e não é justo que somente ele enriqueça com os direitos autorais.

Los 3 Amigos – Qual o grau de prioridade que Os Últimos Românticos assumiram na vida de cada integrante?

Wander – Prioridade um, para mim é o trabalho mais legal que eu tenho!

Kaly – Certamente é o topo da cadeia alimentar artística minha, no momento. Cobre todas as necessidades de estrada, estúdio, ensaio, e vazão as composições. O foco agora é esse.

Cristiano – Prioridade máxima!

Malásia – Prioridade total, geral, única e plena.

Los 3 Amigos – Como você, Kaly, define o que vai pros Últimos Românticos, o que vai pro Stuart e o que vai pros Hóspedes do Chelsea?

Kaly – Tem muita coisa que eu estava criando, que não estava funcionando no Stuart, que sempre foi mais punk. Daí surgiu a necessidade de por elas em prática por outros meios. Juntei os Hóspedes do Chelsea, para poder gravá-las. Umas coisas mais folks, até com influências de jazz e samba. Tinha muita coisa. O URRA chegou e abocanhou metade delas. Daí, eu deixo as coisas mais punks para o Stuart, as maluquices pro meu solo e as folks para o URRA. Às vezes rola de tocar as mesmas nos três projetos, cada banda da uma cara diferente para a mesma música. É um exercício interessante. Tem algumas dessa safra, como Boas Notícias por exemplo, que estão nos três projetos. Além do Wander ter gravado no solo dele. Bacana né? É a nossa “garota de Ipanema” (risos)…

Cristiano – já vi ele tirando no palitinho.

Malásia _ Esse biltre só bota nos Românticos as músicas velhas dele. As novas ele vende para outros artistas ou salva para a carreira solo. Aliás, o disco solo dele sairá antes do disco do Românticos.

Los 3 Amigos _ Wander, você é compositor de muitas canções em seus discos, mas há algum tempo grava composições originais do Kaly, do Stuart. Nos Últimos Românticos, todas as músicas são do Kaly, o que você destacaria como fundamental no trabalho dele?

Wander _ A poesia. Kaly, por ser mais novo que eu, de outra geração, fala de romantismo de uma outra forma, que eu gosto e acho muito interessante, ele está na minha lista top five de compositores.

Cristiano _ Wander?

Malásia _ Quem é Wander?

Los 3 Amigos: Os URRAs são músicos de várias partes do Brasil falando sobre o cotidiano em SP, há catarinas, gaúchos, cariocas e blumenauenses (rs), como o público paulista encara essa banda com 5 caras de fora falando sobre São Paulo? Como é a aceitação do público neste sentido?

Wander – Notamos que muitas pessoas já apareceram em vários shows, elas cantam e dançam as músicas, isso é o melhor que podemos conquistar!

Kaly – São Paulo recebe isso desde sempre. É o ponto de fusão do Brasil. O Baiano Tom Zé canta sobre São Paulo desde os anos 60. Caetano, Chico, etc. Todos tem alguma história com a metrópole. Não tem como passar um tempo aqui e não assumir essa característica. O público em SP também representa isso. Se contar a quantidade de paulistanos legítimos nos shows, acho que da menos que a metade. Nossos shows vão de gaúchos a recifenhos e até ingleses.

Cristiano – As músicas estão sendo bem aceitas. O fato de sermos de fora só chama mais a atenção.

Malásia – Não aceitamos paulistas no nosso conjunto porque não existe amor em SP. É por isso que dá certo e o público aceita tudo desde que tenha bebida.

Los 3 Amigos _ Para esta tour a banda ficou desfalcada do Sérgio Guerra (ex-Ultraje a Rigor) e no lugar dele vocês chamara o Jimi Joe, velho parceiro do Wander. Vocês consideram a possibilidade de promover mais participações como essas, chamando bons chapas e parceiros de outras bandas?

Cristiano _ Pode funcionar.

Malásia _ Sim,desde que sejam limpinhos,românticos e toquem de graça.

Wander _ Com certeza! Arthur de faria e Maurício Pereira são alvos em potencial!

Kaly _ Essa integração é uma idéia que vem no projeto original da banda….sempre contar com pessoas legais no cast.

Los 3 Amigos _ Como vocês estão observando o cenário do rock nacional. É visível para vocês também esta sensação de desencanto com relação ao que se está produzindo hoje?

Cristiano _ A definição de música de qualidade está relacionada ao indivíduo, não está certo julgar desta forma. O cenário ideal é o que me agrada, mas o que me agrada outro alguém pode achar um saco.

Malásia _ Não concordo com essa avaliação.Tem muita coisa boa rolando a margem do que costumam chamar de mainstream ou fora dos mecanismos da internet,que é o novo mainstream.O que não tem mais é gravadora empurrando suas prioridades goela abaixo.Quem acredita em hypes está na contramão da história.Nunca se produziu nem ouviu tanta coisa nova e legal como nos dias de hoje.

Wander _ Já nem observo mais. Por isso fazer sempre é melhor que observar.

Kaly _O que a mídia costuma adotar como tendência sempre foi furada. Tem muita coisa boa por aí. Tem que procurar, perder um tempo para mapear no meio dessa cauda longa.

Los 3 Amigos – Citem um disco para ouvir no Paraíso e outro queimar na lage do inferno ?

Cristiano – No céu ou no inferno: London Calling, do The Clash

Malásia – No paraiso Songs in the key of life, do Stevie Wonder. No inferno qualquer coisa que o Axl Rose já tenha feito ou ainda vá fazer.

Wander – Para ouvir no paraíso Acabou Chorare dos Novos Baianos. Para queimar no inferno qualquer um (eles tem mais de um?) do 30 Seconds From Mars.

Kaly – Songs of Leonard Cohen no Paraíso. O inferno seria uma grande festa de electro-rock.


Antecipando o Fim do Mundo _ Festa da Contracapa

06 de setembro de 2011 1

O que faltava ser visto e não dito. Vídeos do Gustavo Cachorro!

O mundo acabou: Alguém viu?

05 de setembro de 2011 1

Em que disse que não há glamour no freakshow? Se o que vimos e vivemos, sábado, na Célula foi uma mostra de como você pode encerrar o mundo, então que dezembro de 2012 não tarde a chegar. Abriram a caixa de pandora na Festa da Contracapa! Aos que se fizeram presente, certamente foi um rito de passagem, um expurgo de uma velha existência. Vocês sabem que amanhã, naquela mesmo espaço, as bandas Holger e Copacabana Club levarão a sua micareta indie, mas nada que supere o frevo rock caveira de Os Skrotes, Os Ambervisions & Zuleika Zimbábue e Andrey e a Baba do Dragão de Komodo.
Os Skrotes ascenderam ao stage no momento certo em que a excitação se amplificava pelo ambiente da Célula. Merecido, pois foram demolidores. Para exemplificar a situação, recorro a lembrança de ver os músicos Luiz Meira, Guto Seara (Immigrant) e o jornalista Dorva Rezende prostrados em frente ao palco em flagrante admiração. Em verdade eu vos digo e sem qualquer constrangimento: “Filhos, eis a sua melhor banda!”. Virtuoses, caóticos, doutrinadores da fusão instrumental, o trio abriu os trabalhos atendendo a súplica da claque: eletrizante. E se deram ao luxo de abrir uma concessão para a presença de uma guitarra. Uma nobre presença, do guitarrista Alexandre Amexa (Os Ambervisions).
Mas havia chegado o momento de o caos se fazer de maneira cintilante: Ambervisions e Zuleika Zimbábue. Primeiro com a Diva Macaca em um comovente dueto com o vocalista Guilherme Zimmer cantando Emilinha Borba. A ternura que precedeu o cataclismo. Gurcius Gewdner entra com a malta levando o seu performático paragolé transgênero e tarado. Amor e fúria em rajadas disparadas no coração da plateia sem perdão. A certa altura tudo ficou como era esperado: deliciosamente perigoso, sujo, orgástico. Jamais imaginei que estaria vivo para ver aquilo: a destemida Zuleika extasiada e “chocada” naquele palco tomado por gente, farinha, confetes e insanidade. Me admira que a plataforma tenha permanecido de pé. Mas ainda cabia muita energia contida para ser desencadeada e eis que para isso contávamos com Andrey e a Baba do Dragão de Komodo. Outra martelada sádica, um show elevado e elétrico sensorialmente revigorante pelo belo espetáculo de projeção visual.
Tomem o título do novo álbum dos Ambers como uma síntese do que foi a noite: Momentos (H)Úmidos e Elegantes!

Abaixo, alguns registros do balacobaco. Caso vocês não lembrem…

Quem vai virar sapo? Foto Carlos Kilian, Divulgação


"O que eu faço agora com isso na boca?" Foto Cassiano Ferraz, Divulgação

"Oremos!" Foto Cassiano Ferraz, Divulgação

Parangolé Atômico Foto Cassiano Ferraz, Divulgação

Andrey e a Baba refilado. Foto Carlos Kilian, Divulgação

Andrey e a Baba. Foto Cassiano Ferraz, Divulgação


Skrotes em ação. Foto Cassiano Ferraz, Divulgação

Os Skrotes. Fortalece aí Amexa! Foto Carlos Kilian, Divulgação


Antônio Conselheiro do Pop

02 de setembro de 2011 0

Neste sábado, revelarei a verdadeira identidade de Lama Tosh, o Primeiro Mentor!

“Ontem pela manhã, após acordar de uma noite de sonhos intranquilos (havia virado barata em um mundo pós-apocalítico ao lado do André Seben trajando um terno do Brian Ferry) topei com o dedo mindinho no canto da mesa. De repente as trevas me cegaram, mas logo reconheci a voz gutural e pigarrenta que me chamava ao fundo. Feliz gritei: “Mestre! O Senhor veio me revelara Luz da Serenidade!”
Ele me repreendeu: “É só ligar o interruptor, mané!” Guru-lisérgico, sacro-santo-seboso, Padroeiro do Dubwise, Antonio Conselheiro do Pop, onipotente e onipresente Lama Tosh revelou-se: “Reserve uma garrafa de gim e três frascos de éter para sábado. O gim eu bebo, o éter eu purifico as frieiras no lava-pés.”
Consciência elevada e alterada desta coluna desde o seu nascimento, o sábio sadu deixará a sua aposentadoria onde passou os últimos dois anos vivendo como um próspero cultivador de hidropônicos e cogumelos no Vale da Morte para abençoar a festa de cinco anos da Contracapa, sábado, na Célula. Mestre nas nobres e obscuras artes ardilosas da enganação, Lama Tosh chegou ao Brasil no Verão de 1987, a bordo do navio panamenho Solana Star. Foi desovado ao mar junto com umas centenas de latas suspeitas que fizeram a alegria da juventude naquela temporada. Consta em sua biografia não-autorizada e impublicável que ele “colocou para dançar na garrafa os demônios do deserto, emprenhou a pomba-gira, deu peyote para João escrever o Livro do Apocalipse (ninguém me avisou que aquele jovem era esquizofrênico!), provou que Nostradamus o plagiou (e mal) em suas Centúrias, fez Jimi Hendrix, Sid Barret e Keith Moon ficarem com vergonha nas sessões de ácido, revelou o pesadelo americano a Hunter Thompson. E ainda ditou o Livro Tibetano dos Mortes para Timothy Leary redigir o seu Manual de Experiências Psicodélicas. Até que jogou fora as chaves das portas da percepção e liberou a entrada.” Sua última aparição foi em 2009, por ocasião da festa de três anos da Contracapa. Ressentido por ter maculado o seu “mojo” com Toddynho em suas andanças pelo Planeta Atlântida, foi para Berthel (em Nova York), conhecido como o “lugar sagrado” e lá desencarnou em Woodstock. Venceu a morte, antes das baratas. Ah, ele manda avisar que a Amy vai muito bem e está editando um fanzine com o irmão Lama Pretinho Babylon.”

Contracapa Ano 5: Última chamada! Quem embarca?

02 de setembro de 2011 9

De todos os caminhos, os mais nervosos e curtos nos levarão neste sábado à Célula, para a festa Contracapa Ano5: Antecipando o Fim do Mundo. Você comparsa internatua, que ainda não adquiriu o seu ingresso, passe na Varal Camisetas (Edifício Pathernon, Rua Tenente Silveira, Centro) e adquira o seu passe livre. Ou vá direto à bilheteria da Célula, quando as portas da percepção se abrirem às 22h. Então, estejam a postos para a algazarra sonora, etílica e visual com Andrey e a Baba do Dragão de Komodo, Os Skrotes, Zuleika Zimbábue e Os Ambervisions, Falcatrue e a exposição fotográfica de Thanira Rates.

Temos aqui a última leva dos nossos kits alegria. São dois pares de ingressos + dois DVDs do doc Escute! Clube da Luta para os primeiros que responderem corretamente qual o nome do álbum da banda Nazareth que traz na capa a Contracapa e o Variedades DC?

Skrotes: Murruga Ali

01 de setembro de 2011 0

Esquentando o clima para o festa do fim dos tempos, sábado, na Célula, vai um vídeo quentinho de Os Skrotes. Pruduçãod a iaia.tv, muito bem construído, que botou os três mosqueteiros em uma pista de skate para uma session nervosa. Neste registro, o grupo executa e fulmina Murruga Ali.

os skrotes from iaia tevê on Vimeo.

Contracapa Ano 5: Thanira Rates Rulez!

01 de setembro de 2011 0

Às vésperas da festa de cinco anos da Contracapa, um grande presente vem nos brindar. É com indisfarçável alegria que a festa da Contra leva para os murais da Célula a exposição da fotógrafa catarinense radicada em Londres Thanira Rates. Há cinco anos Thanira respira o ambiente da swinging inglesa, onde formou-se em Fotografia e Imagem Digital na Universidade de Westminster, em Londres. Desde então, a ex-vocalista da banda Kratera, dedica-se à cobertura do universo da música e das artes. Um foco certeiro no coração do showbiz, vagando por festivais como Glastonbury, Leeds, Sonisphere, O2 Wireless e gigs de estrelas colossais: Stevie Wonder, Foo Fighters, Madonna, Amy Winehouse, PJ Harvey, Paul McCartney, Lady GaGa, Queens of the Stone Age, Eagles of Death Metal, Snoopy Dogg, Smashing Pumpkins, The Kills, The Raconteurs, Lily Allen, The Gossip, MGMT, Them Crooke Vultures, White Stripes, Faith No More, Neil Young, Blur, Slash, Yeah Yeah Yeahs. A lista é grande e muito ainda virá. Cada um flagrado em seu momento de redenção e explosão íntimas. E lá sempre estará Thanira e seu peculiar olhar comungando desses eventos. Ela reuniu 15 fotografias históricas, que vão além do caráter expositivo. É um testemunho visual do poder revigorante e apaixonante da música. Thanira foi, viu e venceu e nos fará enxergar a partir de sábado.


Blur, por Thanira Rates



Contracapa Ano 5: Promo Encerrada!

30 de agosto de 2011 6

Mais um kit alegria para curtir a festa da Contracapa, sábado, na Célula. O par de ingressos e o DVD do documentário Escute! vai para o camarada Daniel Jacks!!!

Festa Contracapa 5 Anos: PROMO ENCERRADA!

29 de agosto de 2011 5

O par de ingressos para a festa da Contracapa, sábado, na Célula e mais um DVD do documentário Escute! Clube da Luta vai para a Júlia Eleguida. Não se frustre, logo acima tem outra promo.