Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de março 2010

mais uma dose

31 de março de 2010 1

A banda Parachamas, de Blumenau, lança hoje mais uma canção.

Coquetel Blues pode ser considerada um pré-lançamento do novo EP, programado para junho deste ano.

Para os integrantes, esta novidade vem confirmar que o novo trabalho é bem diferente da música Mesmo Que Ele Não Mereça, disponibilizada em dezembro do ano passado.

No site www.parachamas.com.br.

* Texto publicado na Contracapa desta quarta.

clássico

31 de março de 2010 0

Eriberto Leão foi eleito domingo passado o Melhor Ator de 2009. A premiação rolou no palco do Domingão do Faustão.

Atualmente no ar em Sinhá Moça, no Vale a Pena Ver de Novo, o ator também está vivendo Jesus Cristo na encenação da Nova Jerusalém, no Recife.

Por aqui, pode ser visto na campanha da Diâmetro, marca masculina do Grupo Diana Têxtil, de Timbó.

paisagem

29 de março de 2010 0

Ok, a combinação da meia com o lenço não é das melhores, mas Raquel Tolardo nunca é demais.

A eterna Rainha da Oktoberfest estrela mais uma vez a campanha de inverno da Havan, a maior loja de departamento do Estado.

O Porto de Itajaí serviu como cenário.

strani amore

27 de março de 2010 1

Durante um bom tempo da minha adolescência (ou até mesmo antes) só tocou música nacional no micro system. Renato Russo e Cazuza dominavam. Sou filho destes dois poetas dos desamores e da indignação com a política brasileira.

O líder da Legião Urbana completaria 50 anos neste sábado (e você deve estar cansado de saber). Nunca fui fã do Renato em si. Agenor, o filho de Lucinha, sempre me interessou mais. Talvez porque fosse um riquinho metido que quebrava tudo e ainda escrevia letras que falavam diretamente pra mim. E olha que tivemos vidas (loucas!) completamente opostas.

Já o rapaz tímido, com aquela voz um pouco estranha (já viu RR dando entrevistas?), tinha nascido em Brasília, tinha sido punk, era meio depressivo. Não seríamos da mesma turma na escola. Mas a solidão nos unia. Porque adolescente alterna momentos de alegria e tristeza (sempre intensos, sempre tão bobos para o restante da humanidade). A dor de quem não é compreendido aos 13 anos é insuportável.

Renato Russo escreveu letras maravilhosas, fez discos memoráveis para a nossa história, cantou o que toda uma geração queria gritar (sempre o clichê). E ainda tocava no final daquelas festinhas de domingo regadas a “uísque do bar do pai da fulana” (aquele bar de canto na sala nunca usada, lembram?).

Cantei Faroeste Cabloco em muitas rodas de violão. Também quis fazer um curta-metragem com aquela história. Gastei o que não tinha para comprar uma lata com quase todos os discos. Ainda mantenho O Descobrimento do Brasil largado em algum canto. O restante, incluindo a lata, deixei por aí.

Faz um tempão que cansei de Renato, Dado e Marcelo. Nunca mais ouvi. Só hoje, durante uma pesquisa para este post. Memória a mil. Regresso. Nostalgia gostosa.

Não consegui escolher uma canção predileta. Gosto de tantas. Gosto muito do disco solo de RR com músicas em inglês. Acho uma chatice aquele de italianas.

Nossa relação é como um encontro com alguém que já foi o melhor amigo. Temos muita coisa em comum, mas não temos mais as piadinhas (e as dores) da rotina. Somos novamente estranhos. Não cantamos mais a mesma música. Mas temos no canto da boca o sorriso eterno da intimidade.

Obrigado, Renato!

teia criativa

27 de março de 2010 0

Quando surgiu, em 2005, o Santa Catarina Moda Contemporânea (SCMC) apontava no horizonte a possibilidade de levar estudantes de moda – de escolas e universidades – para dentro das principais empresas têxteis do Estado. O objetivo foi cumprido desde o início. E a iniciativa tomou formas variadas. Além do trabalho de criação e da fomentação da criatividade destes mesmos alunos através de workshops e palestras com nomes renomados, o SCMC busca, a cada edição, também levar conhecimento aos empresários. No sábado passado, o público conferiu em um desfile no Green Valley, em Camboriú, as criações da quinta edição (as fotos podem ser vistas aqui). O processo, como o diretor do projeto Cristiano Buerger comenta na entrevista a seguir, é uma espécie de teia que necessita e resulta da união de todos os envolvidos.

Qual é o balanço desta quinta edição?

Cristiano Buerger - O evento tem hoje uma importância muito grande para a sociedade catarinense. Existe um envolvimento de empresas de todos os níveis. Neste sentido houve um crescimento bem bacana. Esse negócio de união é o que mais nos agrada. Desta vez, por exemplo, recebemos no Green Valley um número grande de participantes, pais, alunos e imprensa. Para o próximo ano já confirmamos lá mesmo o desfile. Queremos unir DJs internacionais ligados à moda, além de arte e cultura naquele belíssimo espaço.

Neste ano uma empresa deixou o projeto que fazia em parceria com a Assevim. O que aconteceu?

Buerger - Foi um problema de relacionamento entre a universidade e a empresa. Mas a Assevim decidiu bancar os custos e manter todo o processo.

Existe um boato de que algumas empresas querem desistir do SCMC e que está complicado agregar mais participantes. Como tem funcionado essa relação?

Buerger – Isso não existe. É claro que é um projeto difícil, com um desenvolvimento complexo. Eu acho que esta foi a melhor edição. E o que vimos na passarela é resultado da qualidade do coordenador de criatividade, da qualidade de ensino das escolas, do nível de educação, de entendimento de todo o processo. Nós precisamos entender antes de qualquer crítica de que os trabalhos são feitos geralmente por alunos do 3º ou 4º períodos. Temos que dar um desconto, afinal, eles não são profissionais. Além de tudo isso, o SCMC busca desde o início focar nos empresários e gestores. Sem a abertura deles, sem que eles entendam as estratégias nada será possível. E isso é a médio prazo.

E a próxima edição?

Buerger - Já temos 20 empresas confirmadas e continuaremos com workshops e palestras com os principais nomes do setor. Já tivemos, entre outros, Michel Klein, das Casas Bahia, os (designers) Irmãos Campana e o filósofo francês Michel Maffesoli.

* Texto publicado na Viver! deste fim de semana.

terra natal

26 de março de 2010 0

Se depender dos fãs, o Ahoy! Tavern Club vai lotar amanhã.

Depois de dois anos sem aparecer nos palcos blumenauenses, a banda Stuart retorna aos braços calorosos de um público sedento pelo som do guitarrista e vocalista Kaly, do baixista Cristiano Carlos e do baterista Rafael Marcos. O trio mantém-se unido desde 2004.

Na bagagem, os discos Honestidade Não Enche a Barriga (2006) e Teatro Que Celebra a Extinção do Inverno (2008).

Ingressos a R$ 7 (antecipados, na Palladium Laser, Be Bop discos e Take Out) e R$ 10 (na hora).

* Texto publicado na Contracapa desta sexta.

viver a vida (alheia)

25 de março de 2010 0

Paula Braun em sua primeira capa da Contigo!. A atriz blumenauense tem sido cada vez mais procurada pela mídia. Além da gravidez, o assunto dos fofoqueiros agora é o casamento com Mateus Solano, o ator que manda (duplamente) na novela das nove da Globo.

búúúúú!!!

25 de março de 2010 1

Ficou ótima a capa da nova edição da revista Mundo Estranho.

é triste a realidade

25 de março de 2010 4

Enquanto a arte de rua ganha status cada vez mais alto de celebração entre os críticos e especialistas em outros cantos (Europa, por exemplo), os leitores do Santa seguem no caminho contrário.

O repórter Vinicius Batista reuniu na edição de ontem do Lazer alguns nomes atuantes nesta polêmica manifestação artística. A reportagem também sugeriu uma enquete entre os internautas. O resultado não poderia ter sido pior.

Você aprecia a arte de rua em Blumenau?

Sim – 5,63% – 9 votos
Não – 88,75% – 142 votos
Depende do local onde é feita – 5,63% – 9 votos

Total de votos: 160

* Texto publicado na Contracapa desta quinta-feira.

arigatô

24 de março de 2010 0

O jardim do Pavilhão Japonês, no Parque Ibirapuera em São Paulo, foi o cenário para as fotos da nova campanha da PUC, marca infantil da Hering.

Como sempre, o casting é dos melhores. Eles são campeões na escalação dos modelos.

A tradicional arte do origami, do sudoku, as delicadas flores de cerejeira e as carpas são algumas inspirações que compõe a coleção.