Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Posts com a tag "blumenau"

rápido e fácil

13 de julho de 2010 3

Febre entre os adolescentes, a banda Restart – aquela do bordão “puta falta de sacanagem” – faz show pela primeira vez em Blumenau sexta, dia 30, no Obs Concept.

Criado em São Paulo há dois anos, o grupo formado por Pe Lanza (baixo e vocal), Pedro Lucas (guitarra e vocal), Koba (guitarra e vocal) e Thomas (bateria) faz parte dessa turma de roqueiros com calças coloridas, cabelos desalinhados e canções com jeito de trilha sonora da Malhação (como se a sua irmãzinha se importasse com isso).

O show faz parte da programação do Teens Rock Festival e terá ainda participação (na abertura) da banda Mash.

Ingressos a R$ 40 (pista), R$ 100 (mezanino) e R$ 160 (front stage). Rola 50% de desconto para quem tem carteirinha de estudante ou doar um quilo de alimento não-perecível.

À venda, em Blumenau, na Paladium, Posto Bela Joia e Blu Lanches.
Informações através do fone 3326-5000.

* Texto publicado na Contracapa desta quarta.

140 caracteres

07 de junho de 2010 0

Já tem data, horário e local o 1º TweetEncontro de Blumenau e Região (@tweetencontro). Dia 18, a partir das 20h, na D’Lay, os organizadores Marcos Souza (@djmarksouza), Thiago Rodrigo Lopes (@thiagorlopes) e Miriam Mesquita (@misume) recebem os interessados em confraternizar e discutir a importância do microblog no Vale do Itajaí.

A seguir, uma entrevista feita exclusivamente pelo Twitter (a primeira da coluna) sobre o evento:

@santoscristiano – Como surgiu a ideia do encontro?
@thiagorlopes - A ideia surgiu há cerca de um mês em um tweet do @djmarksouza. Na ocasião, ele sugeriu reunirmos os twiteiros da cidade para nos conhecermos.

É só uma confraternização ou vão debater algum assunto relacionado ao Twitter?
A princípio a ideia é apenas p/ um encontro informal. Mas com ctz será debatida a importância do Twitter nas rodas de amigos durante a noite.

Só pode participar quem se inscrever? E como faz?
Para participar, o twiteiro deve se cadastrar no www.antenado.com/tweetencontro/. Só cadastrados participarão, para uma melhor organização.

O ingresso é um agasalho?
Como muitos dos entusiastas do encontro sempre estão envolvidos em causas sociais, o ingresso será a doação de um agasalho em bom estado.

Quem vai tocar neste encontro?

Por termos twiteiros de várias faixas de idade, decidimos agradar a todos e tocar estilos em geral através de DJs e músicos da região.

Quer acrescentar algo mais?
Quero convidar todos a participar e compartilhar experiências que possam refletir na participação da construção política e social da cidade.

* Texto publicado na Contracapa desta segunda.

música ambiente

02 de junho de 2010 0

Mais um cartaz interessante.

outro mundo

21 de maio de 2010 0

A publicitária Paula C. Laun está na capa da revista Nanu! 11.

O lançamento rola na sexta, dia 28, na Galesi Disco, em Blumenau.

na praça

11 de maio de 2010 1

A Cia Carona de Teatro divulgou o cartaz de Passarópolis, o primeiro espetáculo do grupo que será encenado na rua.

Estreia dia 22, às 20h, em frente ao Teatro Carlos Gomes, em Blumenau.

assim não dá

22 de março de 2010 1

Wania Bittencourt já voltou do Festival de Curitiba, mas continua conectada com os últimos acontecimentos na capital paranaense.

Os representantes blumenauenses seguem enfrentando percalços por lá. O Grupo K, que faria no domingo, às 12h, a primeira apresentação da peça O Tapete de Maria precisou cancelar a estreia. Quando chegaram ao local, souberam que o espaço havia sido interditado em função de um incêndio.

O espetáculo foi transferido para às 15h, mas a iluminação, de responsabilidade do evento, só ficou pronta perto das 16h30min.

Por telefone, a repórter do Santa falou nesta segunda com o diretor e ator Rafael Koehler, que estava na porta do teatro esperando os responsáveis pela sala. Eles pretendem encenar a peça novamente às 15h.

- É uma falta de respeito com os profissionais – desabafou Koehler, que pretende mandar um e-mail à organização e à imprensa explicando as dificuldades pelas quais os grupos integrantes do Fringe estão passando.

Quem estava no festival, um dos mais importantes do país, acompanhou de perto a overdose de problemas técnicos. Inclusive na mostra oficial, geralmente recheada de figurões do teatro brasileiro.

Música Para Ninar Dinossauros, de Mario Bortolotto, teve atraso de mais de duas horas na estreia em função de problema no equipamento de iluminação.

formas e dimensões

17 de março de 2010 0

Foto: Mariana Furlan/Divulgação

Quatro dos espaços mais icônicos da cidade – o Teatro Carlos Gomes, a Catedral São Paulo Apóstolo, a Ponte dos Arcos e a Ponte de Ferro – foram captados pelas lentes de Mariana Furlan para a exposição Cidade Geometria – Blumenau em Linhas e Ângulos.

A jornalista e fotógrafa, editora dos Cadernos Temáticos do Santa, foi a fundo na busca por imagens geométricas e até abstratas destes pontos dos quais estamos acostumados a cruzar (ou a passar) diariamente.

Com comentários da paisagista e designer Ana Holzer, a mostra abre dia 30 (e fica até 10 de abril) no Salão Angelim da Biblioteca Universitária da Furb – Campus 1.

Às 20h.

* Texto publicado na Contracapa desta quarta.

no exercício da moda

13 de março de 2010 0

Foto: Rafaela Martins

Marcelo Quadros, 44 anos, faz parte de uma seleção de estilistas que surgiu praticamente com o início das semanas de moda no Brasil (pelo menos mais próximas do que elas são hoje), no início dos anos 90. Mas, ao contrário de alguns de seus colegas, o paulistano optou por um caminho diferente. Formado em Artes Plásticas e Educação Física, foi até Paris buscar a própria identidade. Depois de um curso, voltou da capital francesa disposto a lançar seu nome no mercado. Mantém um ateliê em São Paulo e frequentemente tem sua marca registrada em colunas sociais e revistas. Veste da alta classe da maior cidade do país a celebridades. De passagem por Blumenau no início da semana, quando lançou uma coleção na loja Secret Glam, Marcelo (na foto, com a modelo Suzane vestindo umas de suas criações) conversou com a coluna.

Como surgiu a moda na sua vida?

Na verdade, minha formação acadêmica é Artes Plásticas na Faap, depois fiz Educação Física, que foi quando comecei a fazer roupas.

Roupas para quem?

Comecei a fazer roupas de campeonato porque eu desenhava muito bem, eEra uma pessoa que tinha uma certa criatividade. Venho de uma família com a mãe costureira. Mas nunca achei que seria estilista. Num determinado momento comecei a fazer outros tipos de roupas e conheci o Paulo Borges. Ele me convidou para participar de um evento chamado Phytoervas Fashion, em 91.

E aí já tinha se transformado em estilista?

Sim, era tudo uma novidade pra mim. Foi muito legal, eu me tornei autodidata, fui atrás de um conhecimento que era necessário. Conheci a Marie Rucki, do Studio Berçot, que vinha anualmente da França ao Brasil. Ela chegou a ver um desfile nosso, eu tinha um sócio que era o Li Camargo (irmão de Zeca Camargo), com uma marca chamada Special K. Ela nos convidou para estudar, oferecendo uma bolsa. Foi lá que me especializei.

Voltou quando?

Voltei em 1998 e lancei a minha marca. Paris foi onde descobri a minha identidade e o meu estilo. Hoje a moda é uma questão de identidade de lifestyle. Eu me inspirei, por exemplo, no Ocimar Versolato, que na época fazia este tipo de roupa, que é mais glamurosa, mais sofisticada, com toques da alta costura.

Aqui você está lançando uma coleção?

Eu trouxe uma pequena parte da minha coleção. Claro que de acordo com o perfil da loja, da necessidade. Tenho hoje 230 itens divididos em três coleções distintas. Há três anos optei por fazer um caminho diferente dos estilistas da minha geração. Eu não faço mais grandes eventos de moda. Hoje eu visto a sociedade paulistana, faço muita alta costura. Faço outro tipo de desfile.

Por que você não participa mais da São Paulo Fashion Week? É mais oba-oba do que outra coisa?

Não, não é por isso. É um evento que dá grande visibilidade e tem um custo alto para produzir. Eu optei por um outro tipo de exposição.

Qual a importância de vestir celebridades?

Além do retorno, é claro, isso está muito ligado à relação desta mulher com a marca. Eu visto, por exemplo, a Ana Paula Junqueira (socialite) e a Eliana (apresentadora), entre outras famosas. Mas também posso negar isso. Se ela não estiver dentro do que procuramos para a marca, eu digo não.

Você tem alguma loja própria?

Tenho uma loja fechada, nos Jardins (famoso bairro paulistano). E vendo em 60 pontos dos quatro cantos do Brasil. Além disso, moro em uma casa no Pacaembu onde montei meu ateliê. Lá recebo as clientes para um atendimento mais exclusivo.

Com tantos pontos de venda você conhece diversos tipos de consumidoras. Qual a diferença entre as do Sul e do Nordeste, por exemplo?

Seria uma diferença cultural mesmo. Além de que no Sul e Sudeste existe um outro biotipo, tivemos a colonização europeia. Mas não podemos esquecer que em outros estados, inclusive no Nordeste, também tivemos a mesma colonização.

* Texto publicado na Contracapa deste fim de semana.

lanterninha

01 de março de 2010 0

De 22 a 24 deste mês Blumenau recebe o projeto Gira Brasil apresentando o Circuito SCGás de Cinema nas Comunidades. A ideia é levar cinema de graça (iniciativa sempre louvável) para quem não tem acesso.
No Estado, por exemplo, apenas 8,53% das cidades têm salas de cinema.
O inusitado é o espaço de projeção, instalado na carroceria de um caminhão onde 32 pessoas (incluindo dois cadeirantes) assistem a longas nacionais como 2 Filhos de Francisco, Se Eu Fosse Você 2 e Deus é Brasileiro, entre outros.
Por aqui, será ao lado do Museu da Família Colonial.

* Texto publicado na Contracapa desta segunda-feira.

Foto Divulgação