Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

O Beatle que não foi Beatle

03 de fevereiro de 2010 29

Vi uma entrevista com o Pete Best, dias atrás. Sou fascinado por sua história, cada vez que ele aparece na TV fico mesmerizado.

Pete Best é o Beatle demitido. Foi um dos Beatles pioneiros, estava na formação originalíssima da banda, com os gênios George, Paul e John. Os quatro se reuniam na casa da mãe de Pete para ensaiar. Tocaram juntos durante dois anos, juntos viajaram para Hamburgo, numa temporada que marcou o amadurecimento público do grupo. Eram tão amigos, que, numa noite hamburguesa, estando eles sem dinheiro, Pete e John assaltaram um marinheiro e lhe tomaram a carteira estufada de marcos. Ou acharam que a haviam tomado: quando voltaram ao hotel, um perguntou ao outro se estava com a carteira, e nenhum estava.

Apesar de toda essa intimidade, George, Paul e John achavam que Pete não era bom o bastante. Além disso, havia a mãe de Pete. Mona, esse o nome dela. Era uma mulher de uns 30 e tantos anos, muito bonita e de forte personalidade. Arrogou a si própria a função de conselheira e mentora da banda. Os Beatles iam ensaiar na casa dela e ela ficava dando palpite. Metida. Tão metida que se meteu com um rapaz que funcionava como uma espécie de produtor do grupo e teve um filho com ele. O pai de Pete, bonzinho, assumiu a criança e lhe acoplou o sobrenome. Mais um Best no Reino Unido.

George, Paul e John, personalistas e até algo chauvinistas, não apreciavam as intervenções não solicitadas da mãe de Pete. Mas como dizer isso ao filho dela? É provável que, se Pete fosse um baterista um pouco mais carismático, eles o teriam mantido no grupo. Mas, aparentemente, não era. Ou pelo menos não era tão concentrado e tão brilhante quanto seus amigos.

E havia Ringo logo ali.

A história de Ringo é sen-sa-cio-nal. Ringo era de família pobre. Quando tinha três anos, o pai dele embarcou num dos navios que aportavam em Liverpool e foi-se mar afora, para nunca mais retornar. Ringo virava-se como podia na periferia da cidade, até que, aos sete anos, foi acometido de uma doença grave. Passou um ano no hospital, meio morto. Quando voltou ao colégio, sentiu o atraso. Os colegas o humilhavam, ele não conseguia aprender. Começou a matar aula. Aos 12 anos, era quase analfabeto. Uma prima decidiu ensiná-lo em casa, Ringo se entusiasmou, progrediu, mas, aos 13 anos, contraiu tuberculose. Mais um ano no hospital.

Alguém poderia dizer que foi muita falta de sorte. Ao contrário. Como Ringo já estava habituado ao ambiente hospitalar, comportava-se com desenvoltura entre doentes, médicos e enfermeiras. Em pouco tempo, organizou uma bandinha com os pacientes, improvisou umas baquetas e arvorou-se como baterista. Ao sair do hospital, o padrasto, que era um bom homem, presenteou-o com uma bateria usada.

Foi assim que Ringo aprendeu a tocar.

Foi a partir daí que se tornou um Beatle e entrou para a História.

Quer dizer: se não tivesse ficado doente da primeira vez, provavelmente não se sentiria à vontade para fazer a banda na segunda vez que ficou doente. Logo, as duas doenças foram fundamentais na construção do destino estrelado de Ringo Star.

Já Pete Best, comunicado de que o tinham excluído da banda, e excluído- justamente às vésperas da assinatura do primeiro contrato que os elevaria ao firmamento do rock, Pete Best literalmente recolheu-se à insignificância. Trabalhou como funcionário público, tentou o suicídio abrindo o gás do banheiro, foi salvo pela mãe e retornou à sua vida comum. Está casado há 45 anos com a mesma mulher, ainda mora em Liverpool e montou sua própria banda, a Pete Best Band, com a qual excursiona pelo mundo, ganhando algum dinheirinho, afinal. Na entrevista que assisti, falava com voz grave e melodiosa. Trata-se de um senhor grisalho, com o bigode frondoso dominando o rosto risonho e melancólico. Diz não saber por que foi demitido da maior banda pop de todos os tempos, diz que o importante é ter saúde, diz que é feliz.

Não deve ser.

Imagino que nenhum dia da sua vida termina sem que ele pense que poderia ter sido um Beatle. Pior: que ele FOI um Beatle, e agora não é mais. O único Beatle fracassado da banda mais bem-sucedida da História.

Essa é a diferença entre os vencedores e os perdedores. Essa a atual diferença entre as direções do Grêmio e do Inter. Alguns nascem para ser Ringo Star. Outros sempre serão Pete Best.

* Texto publicado hoje na página 2 de Zero Hora.

Comentários (29)

  • Silvio diz: 3 de fevereiro de 2010

    Querendo acrescentar mais um ponto para sua narrativa, a história conta que foi George Martin quem não gostou de Pete Best e esta foi umas das condições para que assinassem o primeiro contrato, inclusive com certa relutância por parte dos outros três membros que se negaram a dar a noticia para Pete, encargo deixado para o próprio George Martin ou a seu empresário Brian Epstein, isto não me lembro. Lembro também que houve uma grande comoção entre os fans dos Beatles, frequentadores do “Cavern club” que levavam placas tipo “queremos Pete” e outras.

  • Cassi diz: 3 de fevereiro de 2010

    é amigo…é o destino.
    Nunca mais reclamo se tiver q dar uma passada pelo hospital.
    Viva Ringo Star :D
    Grande David

    bjus

  • Adriano diz: 3 de fevereiro de 2010

    Ok entendi a sua analogia mas falando um pouco da direção do inter tenho q lembrar do miranda q pos ordem na casa e solidificou uma base pra q os q o sucederam continuassem o trabalho de reformulação da instituição, mas contudo o único q entende de fut ali é o carvalho pq me lembro bem do fiasco do pifero e luigi em 2007/2008. a chave da evolução do inter como clube se chama categorias de base! q o carvalho assumiu e fez a coisa acontesser! por isso afirmo q só ele entende de fut e os outros andam na sua sombra.

  • Marcus Rosa diz: 3 de fevereiro de 2010

    Caro David, do meu ponto de vista, mais interessante é a estoria de Stu Sutcliff, o primeiro baixista dos Beatles (na época de Pete Best). Era o melhor amigo de John e só tocava porque ele (John) insistia muito para que ele estivesse na banda. Sua paixão real era a pintura. Quando eles foram para Hamburgo, conheceu uma pintora (Astrid Kirchherr) e largou os Beatles para pintar e namorar (não sei em que ordem, o que não faz a menor diferença…). Ela definiu o corte de cabelo deles (com a famosa franja), baseado no corte de um amigo artista. Stu morreu com 21 anos, pintando, de derrame. Há um filme que conta esta estória de forma muito bonita (Backbeat). Para quem é fã dos Beatles é um prato cheio, mostrando Paul tocando a guitarra solo e coisas do gênero…
    Abs
    Marcus

  • William Guterres Felix diz: 3 de fevereiro de 2010

    Putz! E eu pensei que era um texto sobre GEORGE BEST e não sobre PETE BEST. George sim era o 5°beatle. Afinal de contas, Maradona is good Pelé is better but George Best.
    Assim mesmo foi um ótimo texto “Deivid” (como o Pablo te chama). Leio sempre suas colunas.
    PS: Você poderia fazer um texto sobre os jogadores que são apaixonados pelo seus times de coração. Jogadores que nunca se transferiram mesmo quando houveram propostas. Exemplos: Rogerio Ceni, Marcos, Del Piero. E ,é claro, o Orgulho de Roma, o único capitão Francesco Totti. Sim, sou romanista, um lupino de alma e coração.
    Abraço.

  • airton diz: 3 de fevereiro de 2010

    olha David

    foi a critica nais contundente que ja li sobre a direçao do Gremio.acho que eles deveriam imitar o tal de Pete Best e aceitarem que nao sabem fazer o que pensam que sabem. Futebol
    incompetentes devem ir para casa

  • Ivan73 diz: 3 de fevereiro de 2010

    Estivesse o Inter nesta situação acho improvável que tu estivesses fazendo terra arrasada…

  • Beatriz diz: 3 de fevereiro de 2010

    Maravilhoso o texto! como gremista e apaxionada pela historia do meu tricolor adorei, fico descepcionda com as últimas direções do meu amado Grêmio.
    o motivo deste é q; vamos (re)conhecer os fragassos do nosso tricolor, os efeitos pós derrotas dos tantos grenais para o outro time, mas, considerar o outro time como o Ringo Star, ai sim… é tbm uma tentativa fragassada pelo referido colunista.
    não vamos a tanto, o Gremio tem historia feita… o problema é nos últimos sete anos, ou seja deste de 2003, o q são os últimos anos… em comparação com tantos outras decadas na historia do futbol gaucho, quando fazemos historia; como primeiro campeão mundial como em 1983, e outras duas libertadores, somos o último campeão nivel nacional, em 1996, por estas e outras q não concordo em comparar o outro time para Ringo Star, por favor, tudo bem quando aos fragassos do nosso tricolor mas essa comparação foi o desequilibrio do belo texto, q acredito seja uma motivação para a direção do nosso Gremio e sirva para a virada e não se concretize as provissões do nosso colunista.

  • Augusto diz: 3 de fevereiro de 2010

    Perfeito,

  • rafael diz: 3 de fevereiro de 2010

    Eu ja li sobre o Pete Best na revista “hustler” isso tem mais de 5 anos mas o que eu acho engraçado é que o titulo da materia era o mesmo dessa do blog do Davi.

  • matheus diz: 3 de fevereiro de 2010

    inter e betles e gremio é nx0 hahahahahahaha. inter eterno gremio modinha

  • JORGES diz: 3 de fevereiro de 2010

    Dentro desta linha de que Best é do gremio e Ringo, do Inter, quem seriam os Beatles? O Sucesso? A Libertadores? Antes é importante definir-se o período em referência. Sorte e azar na história da dupla, no atual momento colorado/gremista (anos 2000) ou no GreNal? Estando os Beatles representando o Sucesso, queres dizer que o gremio (Best) estava com todo seu talento no embrião da coisa, mas foi chutado injustamente por ele. Já o Inter, um doente ou deficiente internado foi bafejado pela sorte e a benevolência e acabou conquistando o Sucesso. É isto? Mas no final identifica os bateristas como a diretoria dos dois clubes. Ou seja: Duda e Meira, felizes, não só tinham Sucesso (Beatles) como participaram da criação dele. Um dia, no entanto, Fernando Carvalho/Piffero, no auge da sua fragilidade e debilidade, receberam uma luz divina e foram adotados pelo Sucesso. Por aí? Que sortudos né? Pobre direção gremista. Ok. Apenas um reparo. Esqueceste de mencionar que Pete Best era um encrenqueiro que recusou-se a se adaptar ao novo modelo (cabelo penteadinho, ternos em vez de jaquetas de couro) e tomou um PNB. Ringo, por outro lado, era um, profissional conhecido, excurasionara pela Alemanha antes dos Beatles e foi escolhido a dedo pelos novos empresários, que criaram a fórumula de sucesso que imortalizou (com perdão do trocadilho) a banda. Acho que com esses novos dados a história fica mehljor e mais próxima da dupla… Que tal? Abraço…

  • denver diz: 3 de fevereiro de 2010

    Quem ficou doente em estado terminal duas vezes foi o gremio(1991-2004:anos do rebaixamento) e não o inter… portanto, o último parágrafo desta crônica só poderia ter sentido se o resultado do grenal fosse diferente.

  • Issam Saldanha diz: 3 de fevereiro de 2010

    toda uma voldt pra dar um cutucão no Grêmio, esses vermelhos não tem jeito

  • Ratones diz: 3 de fevereiro de 2010

    Tipo, pra mim, você é the Best.

  • felipe diz: 3 de fevereiro de 2010

    frase forte heinhô deivid?

  • Matheus diz: 3 de fevereiro de 2010

    Mas de tudo mesmo, o mais legal foi saber que vc continua chorando, e muito! Este GreNal te afetou Davizinho, cuidado com a desidratação companheiro!

  • Marcelo diz: 3 de fevereiro de 2010

    Demoliste David, mas me parece que tens razão …

  • Felipe diz: 3 de fevereiro de 2010

    David,
    acabou aquela pelada braba contra o São Luiz e eu não sei mais o que fazer, estou humilhado por causa deste time sem vergonha que é o Grêmio!
    Não há mais o que reclamar, essa direção é MUITO INCOMPETENTE! O grupo de jogadores é fraquíssimo. Só quem é gremista sabe a dor que estou sentindo. Duda Kroeff é uma volta ao passado “brilhante” de Flávio Obino, Rafael Bandeira dos Santos, etc.
    Tens razão: o Grêmio está fadado ao rebaixamento neste ano. Quem nasceu para lagartixa nunca vai ser jacaré: FORA DUDA KROEFF!!!

  • Gilvane Eduardo Ferret diz: 3 de fevereiro de 2010

    Quem viu a participação do David Coimbra no Redação Sportv concorda com ele. O Grêmio não vai ganhar nada este ano. Nada que valha a pena (Copa do Brasil, Brasileirão). Gauchão não vale. Gauchão é pra acertar o time e pegar uns jogadores dos times menores depois. E a culpa é toda da direção.
    Ficam contratando uns jogadores meia boca e não escalam a gurizada que participa da Seleção Brasileira nas categorias inferiores. Trazem reservas de outros times.
    Tinham que filmar o Tropa de Elite 2 na Azenha. Tinha uma chance do Capitão Nascimento pegar o Meira pelo pescoço e gritar:”Pede pra sair!”.
    O Duda, pelo menos, sai no final do ano. Não tem como tirar antes. Começou o mandato falando em deficit zero (qualquer semelhança!) e sem prejudica o futebol. De fato, o que não existe não pode ser prejudicado. Na posse falou que o Patrono tava vendo. E na época do Patrono, o Grêmio não tomava conhecimento, Gauchão era um atrás do outro.
    Não sei se a criatura tem como se reeleger. Se tiver, espero que não se reeleja. Porque se o Duda se reeleger teremos que mudar o hino:”Até tomando com um gato morto na cabeça nós iremos!”.

  • Gilvane Eduardo Ferret diz: 3 de fevereiro de 2010

    Também tem a história da dívida. E aí a imprensa publica uma lista dos clubes mais endividados. E o Grêmio aparece menos endividado que um monte de outros clubes, que estão na Libertadores com times melhores. Segundo a lista, o Inter deve 20 milhões a mais que o Grêmio.
    Outro dia vi um programa na TV Assembléia. O apresentador (que também tem programa de rádio em outra emissora) comentou: e a história da ISL? O que deu?
    Pelo jeito serve só de desculpa hoje em dia.

  • Machiavel diz: 3 de fevereiro de 2010

    É uma diretoria Pit BestA!

  • Deborah diz: 4 de fevereiro de 2010

    Genial, David!
    aliás, não fico surpresa com a riqueza dos teus textos e com as analogias que você faz.
    Concordo com teu outro leitorinho: VOCÊ É QUE É “THE BEST” !!!!
    Adoro os Beatles! prá mim tem “sabor de infância”. Gostei da história do “Baterista-que-não-foi”; mas que mãe, hein ?
    Beijãozão.

  • Rodrigo diz: 4 de fevereiro de 2010

    Ai é que “tá”! Sou gremista e fã dos Beatles na mesma proporção. Teriam os Beatles atingido tamanho sucesso com Pete Best na bateria?? Não acredito, pois Ringo Satrr é GENIAL, fez jus à criatividade dos 3 companheiros. E o Grêmio??? Mudam os jogadores, muda o técnico, relutam em demitir o PETE BEST e contratar o RINGO (nesse caso, o Rospide)… Ai complica!! Culpa de quem?? DO GEORGE MARTIN e do BRIAN EPSTEIN.

    E tu David, sempre matando a pau! tá loco hein… BAITA TEXTO CARA!!!

  • TF diz: 4 de fevereiro de 2010

    VI O REDAÇÃO SPORTV QUE VC PARTICIPOU, CONCORDO COM VÁRIAS COISAS, PORÉM ACHO QUE SILAS MERECE CONFIANÇA, POIS DEMOROU PARA ACERTAR TAMBÉM O AVAÍ…

    GOSTARIA DE PEDIR QUE LESSE MEU NOVO BLOG: MOMENTOGREMISTA.BLOGSPOT.COM, E SE GOSTAR FAZER UNS COMENTÁRIOS E DIVULGÁ-LO AKI SE DER.

    PARA OS OUTROS INTERNAUTAS UM PEDIDO, ENTREM LÁ E VEJAM U BLOG, E SE PUDEREM COMENTEM E DIVULGUEM…

  • tf diz: 4 de fevereiro de 2010

    PAREBÁNS PELO TEXTO, MUITO INTERESSANTE A COMPARAÇÃO, E INFELIZMENTE ESTÁ CORERETA, HAUHAUHUAHA

  • Aline diz: 4 de fevereiro de 2010

    E quanto a você, caro David? Estás mais para Pete Best ou para Ringo Starr? hummm…. acho que está na hora da Zero Hora procurar um Editor de Esportes que entenda de esportes.

  • Ricardo NH diz: 5 de fevereiro de 2010

    Respondendo ao Gilvane:
    Realmente, a dívida do inter (no total) é bem maior que a do Grêmio.
    Só que, se analisar bem, a maior parte da dívida do colorado é fiscal, ou seja, além de ser de LONGO prazo, está sendo quitada através da Timemania.
    O Grêmio tem uma grande dívida de CURTO prazo, principalmente referente a direitos trabalhistas, que arrebenta com nossos caixas.
    Felizmente, o Condomínio criado pelo Odone está dando certo e, pode até fazer com que essas dívidas estejam quitadas no final de 2010 (caso o Grêmio ganhe a Copa do Brasil e aumente o quadro social).
    Por isso só deixo reclamar do time quem é sócio, senão é mt fácil falar mal e não ajudar! hauahuah

  • Andrea diz: 5 de fevereiro de 2010

    Não consegui comentar antes, mas esse seu texto foi nos 20 dedos da direção do Grêmio. Depois de tantos anos sem um título e vendo os vizinhos ganharem vários cheguei a cogitar se o Lula havia criado um bolsa título para os times menos favorecidos nessa categoria. Mas após os últimos jogos creio que é incompetência pura da direção, o que me deixa muito triste.
    Parabéns pelas ótimas colunas.

Envie seu Comentário